De Nouri para Ünüvar, o passado explica o futuro no Ajax

De Toekomst, como é conhecida a base do clube holandês, tem história e um projeto importante na formação de jogadores. Não foram poucas as estrelas que surgiram por lá. Mas também há muito futuro e Ünüvar é o símbolo deste momento.

Na Europa, é comum uma academia de futebol receber um nome bonito, chamativo para promover a marca do clube. O Barcelona tem La Masia, o Real Madrid tem La Fabrica, o Benfica tem o Seixal e por aí vai. No entanto, um dos nomes mais propícios é justamente do clube que mais revela jogadores para as cinco principais ligas europeias: De Toekomst, que significa “O Futuro”, em holandês, do Ajax.

Com o advento da internet, hoje quase todo mundo consegue citar pelo menos três grandes nomes que saíram do clube holandês. Os games contribuem muito para essa fama, pois quem joga FIFA, Football Manager e o até famigerado Championship Manager, costuma comprar jogadores do Ajax, onde é garantia de sucesso. O clube é muito famoso no Brasil, sobretudo pelas lendas do passado, como Johan Cruyff, Johnny Rep, Frank Rijkaard, Marco Van Basten, Dennis Bergkamp, Edwin Van der Sar, Edgard Davids, Clarence Seedorf e outros célebres nomes.

Graças ao barulho causado na Champions League passada, os mais jovens conheceram nomes como Frenkie de Jong e Matthijs de Ligt, que hoje defendem Barcelona e Juventus após grande exposição no principal cenário do futebol de clubes. Atualmente, por enquanto, o Ajax ainda dispõe de atletas formados em Toekomst, como Donny van de Beek, Daley Blind, Noussair Mazraoui, Sergiño Dest, Carel Eiting, Ryan Gravenberch e Lassina Traoré, além de jogadores que vieram para a base do clube após passarem por outras academias, como André Onana (Barcelona) e Danilo (Santos).

Esse prólogo todo se fez necessário para anunciar o nome que, talvez, seja o principal da história moderna do clube. Criado, projetado e paparicado desde os 10 anos, Naci Ünüvar, hoje com 17, é provavelmente o nome mais proeminente da geração 2003 no futebol europeu. Quem acompanha a coluna deve se lembrar de que o nome da joia já foi brevemente citado no texto sobre a geração holandesa, que busca acabar com a maldição de títulos do país. Pois bem, chegou a hora de conhecê-lo a fundo, pois ele exemplifica muito bem a metodologia e a filosofia do clube.

Ao contrário do que se propaga no Brasil, o futebol de base não está inibindo o drible. Como bem escreveu o xará Caio Alves em entrevista realizada com André Jardine, treinador da seleção olímpica, o drible é cada vez mais incentivado nas categorias de base, e ainda mais nos clubes europeus, onde outrora – e muito por uma concepção errada que temos por aqui – não era tão comentado assim. E um dos maiores exemplos dessa filosofia é De Toekomst.

Ünüvar foi descoberto pelo Ajax no famoso “Talent Day”, que é uma mini-competição que o clube organiza em suas instalações para captar novos talentos. Os Godenzonen recebem clubes amadores de toda a Holanda durante os testes. Os atletas bem avaliados são convidados para treinar durante um tempo sem nenhum compromisso com o clube. Se eles continuarem progredindo nos testes, o Ajax entra em contato e oferece uma vaga na academia. Ünüvar tinha [segure-se na cadeira] CINCO anos quando participou pela primeira vez. Ele frequentava o clube desde os sete anos e só fora convidado para Toekomst em 2011, quando tinha 10 anos de idade.

Unuvar
A alegria no rosto de Naci é tão grande quanto a dos torcedores que está atrás dele, porque sabem que se trata de uma joia rara.

Nascido de uma família turca, mas que residia em Zaandam há muito tempo, a pérola de Toekomst poderia ter optado por defender as cores do país de origem de seus pais, porém, a conexão com a Holanda e o envolvimento com o clube desde tão jovem foram preponderantes para que Ünüvar escolhesse a cor laranja.

Entretanto, em certos momentos, a história de Naci Ünüvar se confunde com a de outro revelado nas canteiras do gigante holandês. Abdelhak Nouri, hoje com 23 anos, foi o maior hype na história recente vindo da base do Ajax. Se hoje Frenkie de Jong virou um símbolo de arrojo técnico para o grande público, saiba que o jogador trabalhado para esse momento era justamente outro: Nouri.

Appie é filho de pais marroquinos, porém, ele nasceu em Amsterdã e, assim como Naci, ele sempre sonhou em ser jogador do Ajax. Nouri e Ünüvar, inclusive, tem a compleição física muito semelhante, sendo ambos franzinos e baixinhos (o primeiro tem 1,70m e o segundo 1,62m). Além disso, os dois são destros e começaram a carreira jogando como extremo-esquerdo (o popular “ponta-invertido”). Todavia, tanto Appie quanto Naci gostam de jogar como meio-campistas, principalmente como interior esquerdo.

Os dois possuem um domínio orientado digno dos grandes nomes do futebol. Ambos possuem o passe como diferencial, capazes de quebrar linhas defensivas com uma trivela ou uma cavadinha. Nouri e Ünüvar usam o drible tanto para progredir a jogada na transição ou para cadenciar o jogo. A dupla holandesa, quando atua pelo meio, é capaz de enxergar o espaço entrelinhas nos dois estágios (entre a defesa e o meio-campo e entre o meio e o ataque). A imprevisibilidade também é um fator em comum quando se analisam as duas figuras, pois ambos são ameaças no 1×1 em velocidade ou mais posicionais no meio-campo.

Infelizmente, no dia 8 de julho de 2017, um desastre privou o mundo de conhecer o talento de Nouri. Durante um amistoso contra o Werder Bremen, o ex-jogador do Ajax teve uma arritmia cardíaca e sofreu um colapso dentro de campo. Ele foi levado ao hospital, porém, o dano cerebral já estava feito. Em agosto de 2018, Nouri acordou do coma, sendo capaz de reconhecer e se comunicar com a família através de gestos com a boca e sobrancelha. Em março de 2020, a família confirmou oficialmente o despertar de Appie e que ele seria cuidado pelos parentes em casa.

Nouri foi talhado para liderar tecnicamente a geração que chegara às semifinais da UCL de 2018/19. Frenkie de Jong, Matthijs de Ligt, Donny Van de Beek (melhor amigo de Appie), Nous Mazraoui seriam coadjuvantes de um atleta que estava acostumado aos grandes espetáculos. Com 15 anos, Appie era titular da equipe sub-17. Com 17 era a estrela do time sub-19.

Inclusive, na temporada 2015/16 da Youth League, Nouri era o capitão do time e um dos grandes destaques da competição, mesmo sendo eliminado pelo Chelsea nas quartas-de-final. Aparte de Nouri, o Ajax contava com Van de Beek no meio-campo e Justin Kluivert nas pontas, além de De Ligt e Eiting na defesa. No total, foram 14 partidas do meio-campista em edições da YL com seis gols e cinco assistências. Pela seleção holandesa, o jovem foi convocado para todas as categorias, tendo se destacado muito no sub-19, onde fez 23 partidas e nove gols.

Existe um sentimento muito forte entre a torcida, o clube e os jogadores criados no Ajax. Essa raiz, esse apoio incondicional, é a base cultural de um clube diferente dos demais. Nouri jamais será esquecido pelos torcedores, que até hoje se perguntam até onde ele poderia chegar.

Várias pessoas que acompanham o Ajax, sobretudo aqueles que dão um carinho maior para Toekomst, consideram que a expectativa por Naci Ünüvar é do mesmo tamanho pela qual tiveram com Abdelhak Nouri. Quando Ünüvar estreou profissionalmente pela equipe principal, contra o Spakenburg, pela Copa da Holanda, diz-se que a atitude foi idêntica a de Nouri quando o mesmo estreou pelo Ajax, contra o Willem II, também pela Copa da Holanda. Ambos pediam a bola, sem medo, e se apresentavam para cobranças de faltas e de pênalti. No caso de Ünüvar, deu certo. Ele não só estreou profissionalmente pelo clube de coração, mas também fez seu primeiro gol como profissional ao converter uma penalidade.

A propósito, a palavra medo não existe no vocabulário do Ajax e das jovens estrelas. Existe uma epígrafe dentro do clube de que “bom o suficiente é velho suficiente”, uma referência clara ao desapego convencional da idade para alçar jogadores. A confiança é passada aos atletas desde o princípio, onde os “extraclasses” jogam sempre com e contra jogadores mais velhos.

Jelmer Jager, um dos analistas da página Ajax Youth Academy, conta que a #ForTheFuture não é apenas uma peça publicitária, mas uma mentalidade vencedora nas entranhas do clube.

“O clube Ajax é muito conhecido por sua academia e pela quantidade de talentos que desabrocham. Alguns talentos juntam-se ao clube numa idade muito baixa e trilham seu caminho por todas as categorias até chegar à equipe principal. Majoritariamente os talentos continuam a surgir, o que torna isso muito bonito. Quando um talento X está desabrochando, o talento Y já está batendo na porta da equipe sub-19 e o talento Z já está impressionando com a equipe sub-16, por exemplo”

Jelme Jager, da Ajax Youth Academy

Com Naci Ünüvar o processo foi exatamente esse. Após muito destaque com as equipes sub-8 e sub-12, ele foi promovido para categorias maiores. Mesmo com certo receio no começo, Ünüvar foi capaz de driblar as dificuldades e se tornar peça-chave em equipes cujos companheiros eram dois ou três anos mais velhos do que ele. Esse processo continuou até a última temporada (2019/20), quando ele finalmente chegou à equipe principal.

Naci Ünüvar possui drible e controle de bola fantásticos, porém, o que realmente saltam os olhos são suas assistências. Na Holanda, o pequeno Naci é muito famoso pela trivela.

Em 2018, quando atingiu a equipe sub-19, Naci se tornou o jogador mais jovem da história do clube a jogar nessa categoria com seus 15 anos e três meses. Ele foi a grande estrela do título nacional contra o eterno rival Feyenoord na categoria, o que o credenciou a frequentar a equipe sub-23, também conhecida como Jong Ajax, que disputa a segunda divisão do futebol holandês. Ou seja, apesar de ainda não ser a equipe principal, ele já estava incluído nos planos de uma competição profissional. Em dezembro de 2019, aos 16, Ünüvar se tornou o terceiro jogador mais jovem na história do clube a estrear pelo Jong Ajax (atrás de Ryan Gravenberch e um tal de Clarence Seedorf).

Como se pode notar, esse processo não é novidade no clube, tendo até o nome de Clarence Seedorf envolvido, um gênio que estreou duas décadas atrás. Essa ideologia é o que resume o Ajax. Isso não quer dizer que o clube não vai contratar jogadores, porém, historicamente os que foram formados na base são prioridades e a fundação para as equipes vencedoras ao longo dos 120 anos dos Ajacied.

Também é importante salientar que conceitos famosos, que nasceram dentro do próprio clube, porém, em décadas diferentes, ajudam a reger cada fornada que é produzida. Sob os conceitos do “cruyffismo” ou até do “van gaalismo”, a ofensividade é sempre incentivada. Independente do estilo, o que importa mesmo é buscar propor o jogo, em qualquer parte do campo e mesmo após perder a posse da bola (pressão alta para recuperá-la). Por isso muitos jogadores revelados pelo Ajax são refinados tecnicamente e associativos, sempre estando perto da bola.

Contudo, esses conceitos filosóficos e ideias táticas só são apresentadas aos jogadores a partir da equipe sub-19, pois antes o clube se concentra basicamente em modela-los para o “estilo Ajax”. Portanto, até mesmo os jogadores que conforme o tempo passa não demostram tantas aptidões para o modo de jogo do clube acabam colhendo frutos dessa experiência, tornando-se profissionais em outras equipes.

A criação de torneios entre si, ou convidando outras academias, também é uma das maneiras que o Ajax encontrou para manter o nível de competitividade com seus atletas, além de captar tantos outros. A Future Cup, torneio em que Naci Ünüvar é o maior artilheiro, reúne clubes de todas as partes do mundo em Toekomst (Ansu Fati, por exemplo, já jogou duas vezes). O intercâmbio de ideias é fundamental para a evolução dos treinadores da casa, apesar da equipe principal estar distante de ter um “cria” comandando-a. No entanto, esse contato é imprescindível para os treinadores, que conseguem absorver ideologias novas e coloca-las em prática com os jovens.

Pouquíssimos clubes no mundo são tão meticulosos na captação quanto o Ajax. Boa parte dos lucros é revertida para o constante aprimoramento das instalações de Toekomst, seja na parte técnica (treinadores, observadores e etc) ou na parte tecnológica (equipamentos de ponta). O corpo de scouting é o mais amplo em toda Holanda, cobrindo todo o país em busca de jovens talentos nacionais. O acompanhamento dos atletas, mesmo que não estejam no clube, é constante. Frenkie de Jong, por exemplo, participou de um dos Talent Days, não passou de fase, mas agradou. O clube continuou observando até que resolveu contratá-lo por uma ninharia.

Mas o que faz Naci Ünüvar ser tão especial? Além da qualidade técnica, da leitura de jogo e a facilidade em descomplicar o jogo, Naci é extremamente querido pela torcida do Ajax pelo comprometimento com a causa.

“Os torcedores do Ajax o amam não apenas pelo talento, dribles e estilo de jogo, mas também por ser um verdadeiro torcedor. Não é segredo para ninguém que o Barcelona o está seguindo desde muito jovem, mas Naci ama o Ajax e quer estourar no time principal”, conta Jelmer Jager, que é amigo da família do jovem craque.

Num primeiro momento, Ünüvar deve receber mais chances na equipe principal em sua posição de origem, a de extremo-esquerdo. Por ser muito comparado a Hakim Ziyech, que deixou o Ajax para defender o Chelsea, a joia holandesa futuramente deve atuar como interior, função que ele prefere, assim que terminar o processo de obtenção de massa muscular, treinamento que ficou mais intenso durante a pandemia.

Se não bastassem todos esses elogios quanto a sua técnica, Ünüvar é um verdadeiro colecionador de façanhas. Eis algumas delas:

  • Estreou no sub-17 com 14 anos (novembro de 2017)
  • Artilheiro da Future Cup (abril de 2018)
  • Estreou na equipe sub-19 e na Youth League com 15 anos (setembro de 2018)
  • Assinou primeiro contrato com o Ajax (maio de 2019)
  • Campeão da Euro Sub-17 (maio de 2019)
  • Goleador mais jovem de uma final de Euro Sub-17 (maio de 2019)
  • Campeão da Eredivisie Sub-19 e da Copa da Holanda (junho de 2019)
  • Primeiro treino com a equipe principal (setembro de 2019)
  • Estreou com a equipe sub-21 e se tornou o primeiro jogador nascido em 2003 a completar tal feito (dezembro de 2019)
  • Estreou oficialmente com a equipe principal (janeiro de 2020)
  • Segundo jogador mais jovem a marcar pelo Ajax (janeiro de 2020)

Contudo, o prêmio mais importante que Naci Ünüvar já recebera até agora foi o “Abdelhak Nouri Award”, pela temporada 2018/19. A maior promessa desde a maior promessa. O exemplo de um para o outro. A cultura e a identificação significam mais do que qualquer coisa para o torcedor, é um estilo de vida. Um estilo bem bonito de se jogar, convenhamos.

Compartilhe
Caio Nascimento

Comente!

Tem algo a dizer?