Footure PRO: um ponta para o Cruzeiro

Como funciona um trabalho de scouting na prática? E se tivéssemos que achar um ponta para o Cruzeiro de Enderson Moreira na Série B?

Você que já está familiarizado com o Footure PRO certamente conhece o nosso trabalho e acompanhou nosso último exercício público de scouting: um substituto para Gerson no Flamengo.

Pois bem, de olho no mercado, nosso time resolveu atacar novamente e preparar um conteúdo especial para trazer a público mais um pouco do trabalho de bastidores.

O Footure PRO presta serviço de scouting, análise de mercado e consultoria para que nossos clientes estabeleçam uma estratégia adequada ao seu contexto, respeitando cultura e orçamento, na intenção de potencializar a performance, considerando sempre ganhos esportivos e econômicos.

O DIAGNÓSTICO DO PROBLEMA

Ao observar o mercado, nos deparamos com a situação do Cruzeiro, que disputa pela primeira vez na sua história uma Série B em um momento de crise financeira, sem a possibilidade de grandes investimentos no seu futebol.

O futebol voltou, após a pausa em virtude da pandemia do novo coronavírus, e o Cruzeiro, que já não tinha muitos jogadores para os extremos do campo, perdeu Iván Angulo. O Palmeiras solicitou seu retorno da cessão temporária.

O clube celeste iniciou a Série B com Maurício e Stenio atuando pelas pontas, e ainda conta em seu elenco com Alexandre Jesus, Caio Rosa, Welinton e Riquelmo. Thiago, Roberson e Judivan são originalmente centroavantes, mas também podem jogar abertos.

Patrick Brey tem sido opção para a lateral, mas é outro atleta com um pouco mais de rodagem e que pode atuar aberto, com características mais parecidas com as de Maurício.

Em quantidade, não parecem faltar opções a Enderson Moreira, mas, tirando Roberson e Judivan, todos os outros atletas são jovens jogadores da base, abaixo dos 20 anos e com pouquíssimos minutos no profissional.

Apesar de o uso de jovens ser indicado para times que caem de divisão e veem seu orçamento reduzir drasticamente, o ano do Cruzeiro deve ser de imensa pressão e opções de um pouco mais de experiência no cenário nacional e qualidade comprovada são essenciais para equilibrar o elenco.

Enquanto este trabalho era finalizado, o Cruzeiro anunciou a contratação do experiente Arthur Caíke, que pode jogar como atacante ou nos extremos.

Arthur é um ótimo jogador, mas não esteve no nosso radar pois foge do briefing que designamos: está com 28 anos e tinha contrato com equipe do exterior, já que seu vínculo de empréstimo com o Bahia se encerrou em junho e não foi renovado.

Além disso, acreditamos que o Cruzeiro segue necessitado de mais um jogador para os extremos do campo. Neste sentido, resolvemos dar uma opção um pouco mais jovem e com maior projeção no longo prazo para a Raposa.

O MODELO DE JOGO DO CRUZEIRO

Enderson Moreira assumiu o comando técnico já com a temporada em curso e tenta implantar suas ideias aos poucos.

Estudando seus trabalhos anteriores, é possível inferir que o treinador gosta de atuar em um 4-2-3-1, com dois jogadores abertos que participem do desequilíbrio ofensivo, mas com diferentes funções a exercer.

Um deles, geralmente, tem características um pouco mais de armação, cadenciando o jogo, atacando o entrelinhas e participando mais da construção através dos passes e abrindo corredor para os laterais, como Luan (Grêmio), Matheusinho (América), Vinícius e Allione (Bahia), Felipe Silva e Wescley (Ceará).

Para isso, parece apostar em Maurício, joia da Toca da Raposa que vem atuando como titular na temporada e tem correspondido, além da opção já citada de Patrick Brey.

Na outra ponta, porém, Enderson prefere um atleta mais incisivo e desequilibrante, forte no 1×1, com bom drible em progressão e que auxilie a fase de criação com passes, cruzamentos e finalização, além de ter boa velocidade para fornecer opção de profundidade. Alguns exemplos de outros trabalhos são Dudu (Grêmio), Luan (América), Elber, Arthur Caíke e Edigar Junio (Bahia), Leandro Carvalho e Fernando Sobral (Ceará).

É este tipo de jogador que estaremos buscando neste exercício de scouting e análise de mercado.

O PONTA PARA O CRUZEIRO

Sem as demandas de um cliente real, definimos nós mesmos o ponta ideal, de acordo com o que acreditamos ser essencial para a função. Mas, claro, sempre tendo como norte o encaixe no modelo que Enderson Moreira gosta de utilizar em seus times.

O Footure PRO tem um perfil ideal para cada função/setor, que leva em conta as valências físicas, técnicas, táticas e mentais mais procuradas por mercados compradores.

Nosso extremo ideal precisa ter as seguintes características: boa biotipia, fantasia, 1×1, velocidade, potência, leitura do espaço, ousadia, bom cruzamento, bom passe, protagonismo, boa visão de jogo, boa transição.

Estas valências serão consideradas por nossos analistas através da observação atenta de jogos completos dos atletas escolhidos, além do uso de métricas pré-estabelecidas em conjunto com nosso analista de dados, que comporão a análise.

Alguns jogadores de sucesso recente na Toca da Raposa preenchem algumas dessas características e serão considerados, como Dudu, Dagoberto, Willian Bigode, Alisson e Rafinha.

FILTRAGEM, SELEÇÃO E ANÁLISE

Nossa base de dados cresce a cada dia e observamos atentamente todos os campeonatos estaduais no primeiro semestre do ano.

Neste sentido, resolvemos testá-la como meio para encontrar os atletas a serem indicados. Filtramos jogadores que:

Os requisitos para o ponta do Cruzeiro

Usamos dados para embasar a análise do nosso time e municiar os tomadores de decisão com as melhores informações possíveis.

O departamento de mercado e scouting não toma a decisão, e, sim, fornece as informações que diretores, presidentes e componentes da comissão técnica não têm tempo para gerar. Quem toma a decisão é o clube, de acordo com seus critérios e metodologias.

Voltando às métricas, escolhemos as seguintes estatísticas para embasar nossa análise: cruzamento, drible em velocidade, duelos ofensivos, movimentos sem bola, passes para finalização, pressão para recuperar a bola, assistências esperadas e gols esperados, extraídos da ferramenta Wyscout, líder no mercado e que é um dos softwares utilizados pelo Footure PRO no dia-a-dia.

Como estávamos em estaduais e os jogadores escolhidos não disputam as mesmas competições, resolvemos compilar dados de todas as competições que eles disputaram na temporada atual e na anterior, inclusive de categorias de base.

A partir daí, nossos scouts chegaram a dezenas de jogadores dentro da nossa base de dados e utilizaram da sua expertise para selecionar os finalistas, que seriam indicados ao nosso cliente hipotético. Vamos para as análises?


AIRTON MOISÉS

Jogador que disputou o último Paulistão pela Inter de Limeira e se destacou, atuando majoritariamente pela ponta direita do time comandado por Elano.

Airton é cria da base do Palmeiras e disputou a última Série B emprestado ao Oeste. Sem oportunidades no Verdão, buscou a rescisão do contrato e acertou com a Inter de Limeira para o primeiro semestre de 2020.

Sem contrato desde o fim da participação da Inter no Paulistão, o jogador é uma opção “de graça” no mercado, certamente com um salário negociável abaixo do que o Cruzeiro está acostumado a pagar e com nível para corresponder em uma Série B e ainda gerar uma venda rentável à Raposa, já que possui projeção para vários mercados e as especulações atuais confirmam isso.

Suas atuações no Paulistão renderam vários elogios, assumindo o protagonismo na sua equipe após a volta do campeonato, ao desequilibrar muito os jogos através do 1×1 e velocidade pelo lado direito.

As características lembram um pouco Alisson, hoje no Grêmio e de passagem destacada pelo Cruzeiro, e Rafinha, também ex-jogador do Cruzeiro e hoje no Coritiba

Airton tem propostas na mesa do exterior, mas, neste momento, prefere finalizar uma temporada no Brasil e está considerando ofertas.

Com limitações financeiras e disputando uma Série B, o Cruzeiro é o destino ideal para um jovem formado em time grande, mas que ainda busca uma sequência e projeção entre os profissionais.

FÍSICO

Airton tem uma biotipia adequada para a prática do futebol. Não se destaca pela força física, mas sabe ampliar o corpo para duelos e tem bom salto para atingir altura satisfatória em disputas aéreas. Sua arrancada é boa e atinge rapidamente velocidade, mantendo bom nível por aproximadamente 15 metros.

Seus movimentos são leves e coordenados, mas não possuem tanta potência. Sua resistência é adequada, mantendo razoável desempenho em repetidas ações desgastantes. Também vai bem nas trocas de direção, importante fator de desequilíbrio.

MENTAL

Airton é um atleta determinado, que, ao não receber as oportunidades desejadas no Palmeiras, partiu em busca de minutagem. Uma atitude ousada para quem tinha um contrato satisfatório em clube grande. Ousadia também se vê no seu jogo, já que é um atleta corajoso e que gosta do enfrentamento. Sua entrega também na fase defensiva sugere um comprometimento com a equipe em detrimento do individual.

TÉCNICO

Airton é bem formado nos fundamentos básicos. Sua finalização é apenas razoável com a bola no chão, tendo dificuldade para direcionar o chute colocado. Com a bola no alto, consegue imprimir força e surpreendente direção para chutes cruzados, com o peito do pé. Usa bem o pé não dominante para controle e não se exime de usar também para passes e finalizações.

Se destaca muito nas corridas com bola, quando consegue manter controle por grandes distâncias e ainda focar na execução do gesto técnico. Não se destaca pelo drible curto. Com espaço às costas do rival, entretanto, vai bem, geralmente buscando o cruzamento, que é sua principal característica, direcionando-o bem ao companheiro melhor colocado. Na Inter de Limeira, era o responsável pelos escanteios e bolas paradas laterais.

TÁTICO

Nos índices escolhidos, está abaixo apenas de Ferreira em movimentos sem a bola, mas é o último em pressão no portador da bola, o que talvez indique mais uma característica do modelo que está inserido do que dele próprio. No Cruzeiro de Enderson, porém, terá que pressionar um pouco mais. Airton sabe oferecer profundidade, mas prefere receber a bola no pé e partir para cima dos adversários, desequilibrando através do drible, característica de quem se posiciona bem em amplitude. Na fase defensiva, é um atleta comprometido, que fecha bem a linha de marcação.

JONAS TORÓ

Cria do Primavera-SP, Toró chegou em 2018 a Cotia e logo chamou atenção na base são-paulina, sendo artilheiro no sub-20.

Em 2019, começou a ganhar as primeiras oportunidades no time principal e não parou de jogar. Tem a confiança de Fernando Diniz e é um dos reservas mais utilizados do time, mas ainda enfrenta desconfiança da torcida.

Oscilando entre os profissionais do São Paulo, Jonas Toró é um jogador que está em processo de amadurecimento e uma competição de menor exigência que o dê mais minutos e sequência como titular pode ser benéfico para a sua carreira, já que alguns jovens têm tido dificuldade para deslanchar no São Paulo se não conseguem sucesso instantâneo, como Anthony e Igor Gomes. São os casos de bons valores, como Helinho, Brenner e Lucas Fernandes.

Voltando à história recente do Cruzeiro, Toró pode ser comparado com Rafinha e Dudu, este no início da carreira. A relação com o São Paulo, que recentemente emprestou Everton Felipe para o Cruzeiro, também pode ser explorada.

FÍSICO

Toró não é muito alto, mas possui um biotipo privilegiado para o esporte de alto rendimento e sua altura está de acordo com a esperada de um ponta. Com as passadas amplas, consegue manter velocidade por até 20 metros. Possui uma aceleração mediana, porém, demorando um pouco a atingir o pico de velocidade.

Não se destaca pelo uso do corpo em disputas, mas tem potencial físico para se desenvolver neste sentido e adquirir mais força, potência e amplitude corporal. É um jogador de boa coordenação, que tem facilidade para driblar pros dois lados e troca sem dificuldades de direção.

MENTAL

Atleta que teve ascensão rápida no elenco profissional e conseguiu se estabelecer e ganhar a confiança dos companheiros. É muito acionado e percebe-se seu ímpeto e ousadia nas ações. Sua tomada de decisão em jogada de último passe ou finalização é boa, mas acaba não tendo as melhores escolhas em jogadas de meio-campo, que demandam um passe mais curto.

TÉCNICO

Jonas Toró se relaciona bem com a bola, possuindo um bom primeiro toque e controle para correr com bola. Seu drible em progressão é excelente e pode ser feito para os dois lados. Finaliza bem com o pé dominante, geralmente direcionando o chute de maneira mais colocada. Vai muito para dentro buscando a finalização quando atua pela esquerda. Pela direita, acaba buscando muito o fundo e cruzando muitas bolas para a área. Seu cruzamento é geralmente em curva  para o meio da área, com bom direcionamento. Tem um repertório convincente de dribles, mas limitado de cruzamentos e finalizações, apesar da boa precisão.

TÁTICO

Gosta de se posicionar em amplitude para alargar o campo e receber de frente. Quando a jogada se dá do lado oposto, fecha no meio e se posiciona bem em profundidade, geralmente buscando o desmarque para sair na frente dos zagueiros. Possui um bom posicionamento corporal de recepção. Cumpre função defensivamente, sem grande destaque.

FERREIRA

Considerando o seu litígio com o Grêmio, é um jogador bom de se ter em conta no mercado. Já foi sondado no Cruzeiro e, após destaque no Brasileiro de Aspirantes, jogar uma Série B pode ser mais um trampolim na carreira para se estabelecer no cenário nacional.

Ferreira agregaria muito ao lado de campo do Cruzeiro. Jogador de perfil goleador, daria mais poder de fogo ao ataque. Tem muito boa técnica, solução criativa no 1×1 e solução coletiva em assistências. Faria boa combinação com Maurício em um hipotético 4-2-3-1.

Nas métricas usadas por nossa equipe, é o jogador que mais se destaca, com ênfase em duelos ofensivos, movimentos sem a bola, pressão e dribles progressivos.

Suas características técnicas e mentais se assemelham às de Dagoberto em sua passagem pelo Cruzeiro, mas com mais velocidade nas ações e mobilidade. É muito semelhante a Dudu, sobretudo na fase mais recente de sua carreira.

FÍSICO

Jogador de bom perfil e isso molda seu jogo. Ferreira é técnico, rápido e bastante forte. Consegue percorrer muitos metros na velocidade, é ainda mais forte nos primeiros 5 ou 10 metros. Tem uma troca de direção bem interessante nos dribles. Pouca ambidestria, o pé direito é muito forte. Ainda não desenvolveu o pé esquerdo. Tem um histórico baixo de lesões.

MENTAL

Jogador muito confiante e que gosta de chamar o jogo para si. Tem muita resiliência quando o jogo se torna difícil. Trabalha até dar a volta. É um perfil bem interessante de atleta para a retomada do Cruzeiro, que tem jogadores jovens e que enfrentarão momentos difíceis na temporada.

TÉCNICO

Ferreirinha é um jogador de bom enfrentamento e troca de direção. Usa predominantemente o pé direito. Prefere jogar da esquerda para direita, deixando o corredor para o lateral ultrapassar e trabalhar forte no setor. Tem muita verticalidade, raramente pausa o jogo. Gosta de enfiar o passe na ruptura para o centroavante ou alguém que chegue “pisando na área”. Sabe jogar instalado no campo rival, mas tem muita transição. Tem boa finalização de média/curta distância. Jogador bem agressivo nos quesitos ofensivos.

TÁTICO

Trabalha muito em pressões. Jogador que ajuda muito defensivamente e tem um senso de marcação bem apurado para um ponta. Joga bem nas duas beiradas, mas é na esquerda que consegue brilhar. Tem um senso de leitura muito bom na hora de povoar a área adversária. Em 2019, foi artilheiro do Brasileirão de Aspirantes jogando na posição e atacando a área rival em diagonal para finalizações. Foram 11 gols e 6 assistências em 16 partidas. 

COMPARATIVO E ANÁLISE DE DADOS

Como faz parte da metodologia de scouting do Footure PRO, acionamos o nosso analista de dados para gerar gráficos comparativos das estatísticas escolhidas e fazer uma análise a partir delas, sempre ressalvando que os dados são um instrumento, um apoio, e não determinantes para a tomada de decisão.

Os jogadores analisados são jovens e possuem uma trajetória semelhantes nos últimos dois anos. Com exceção de Toró, que já estava mais integrado ao profissional, os outros atletas no período de análise disputaram competições de juniores, que também foram levadas em consideração. Todos eles chegaram a disputar os estaduais dessa temporada.

Analisando os números, Ferreirinha é o jogador que mais se destaca. O extremo do Grêmio é o mais agudo deles, ganhando em atributos importantes, como o drible em velocidade, duelos ofensivos, movimentos sem bola e pressão na bola. Os demais jogadores não ficam muito atrás, todos possuem stats semelhantes, o que pode diferenciá-los muitas vezes é a sua função e o estilo do jogo determinado pelo treinador.

Pelas estatísticas, podemos dizer que Toró é um jogador um pouco mais de passes. O ponta do São Paulo não se destaca muito nos dribles e duelos ofensivos, mas mostra bons indicativos de passes para finalização e cruzamentos, apesar de não ser o melhor em xA (expectativa de passes). Airton mostra bons números, mesmo estando em um time de menos expressão que o dos outros jogadores. Ele possui estatísticas boas, principalmente de movimentos sem a bola e dribles em velocidade, o que deve refletir também o estilo reativo da Inter de Limeira.

Os números em si não dão certeza de qual jogador é melhor, pois vários fatores são refletidos nos stats, como a competição disputada e o contexto de diferentes jogos. De modo geral, todos os analisados possuem bons indicadores e mostram, também em números, suas qualidades dentro de campo.

TOMADA DE DECISÃO

Os nomes e as informações estão na mesa. Agora a avaliação é dos tomadores de decisão e o departamento de análise de mercado e scouting segue à disposição para esclarecimentos e novos relatórios, de acordo com as demandas que surgirem a partir de agora.

É importante salientar que, em casos como este, de uma análise de mercado hipotética, não buscamos contatos com representantes ou clubes para aferir valores, tempo de contrato, porcentagens e interesse de negócio. Trabalhamos apenas com as informações que são públicas.

Também não damos muita atenção aos aspectos da vida pessoal dos atletas scouteados, a fim de evitar exposição. O interesse aqui é abrir a porta do Footure PRO para o trabalho técnico do nosso time e o valor que entregamos no produto final.


E aí, gostaram dos nomes? Quem você acha que deve ser o novo ponta do Cruzeiro para a disputa da Série B 2020?

Deixe nos comentários dos posts nas nossas redes sociais qual desses jogadores você decidiu contratar e por quê. Não esqueça de deixar o #FooturePro, e qual o próximo conteúdo de scouting você quer ver aqui no Footure.

O que você acha de ter o Footure Pro no seu clube? Pode ter certeza que ter o departamento profissional de análise de mercado do Footure no seu clube é mais fácil e mais barato do que você imagina. E com uma vantagem adicional: estar fora da estrutura física do clube permite a continuidade e a solidez do trabalho sem a rotina diária de busca pela vitória no próximo jogo, que prejudica o foco de todo projeto de longo prazo.

Informe-se pelo comercial@footure.com.br e #PenseOJogo.

Compartilhe
Footure Pro

Comente!

Tem algo a dizer?