Como estão os jogadores campeões com a Espanha Sub-21 em 2013?

Alguns se tornaram estrelas mundiais, outros seguem a carreira sem tanto holofote. Afinal, por onde andam os campeões da Espanha sub-21 em 2013?

A história da Espanha sub-21 em 2013, conquistando a Eurocopa, foi grande. Desde o treinador, Julen Lopetegui até seus jogadores que acabaram por encantar o mundo, principalmente na final, quando venceu a Itália por 4-2. Foi o marco da geração que atualmente domina a seleção principal da Espanha.

Faça parte do Footure Club e receba conteúdos exclusivos diariamente por R$12 mensais

Mas como estão esses jogadores nos dias de hoje? Vamos ao retrospecto da carreira de cada um.

David de Gea

Titular na final contra a Itália, David de Gea é atualmente o goleiro titular da seleção principal e uma grande figura do futebol europeu.

Desde os 10 anos de idade na base do Atlético de Madrid, se transferiu para o Manchester United em 2011 – foi campeão europeu sub-21 também naquele ano. Na função de substituir van der Sar, um dos maiores goleiros da história do clube, o espanhol foi aprimorando suas habilidades como camisa 1 e ganhou notoriedade no futebol europeu rapidamente.

De Gea Espanha sub-21

Com essa evolução tão ligeira, justificando o hype, quase foi parar no Real Madrid – que buscava substituir Iker Casillas. O retorno ao seu país de origem quase aconteceu, porém as documentações não chegarem antes do encerramento da janela de transferências, e a novela se tornou um dos casos mais famosos do futebol moderno, se prolongando nos anos seguintes.

Apesar de alguns desempenhos questionáveis nos últimos dois anos, sendo o principal deles o fiasco na Copa do Mundo de 2018, é um dos melhores goleiros do mundo atualmente.

Joel Robles

Também cria do Atleti, Joel Robles foi um dos goleiros reservas daquela Espanha campeã. Atualmente no Real Betis, teve pequenas passagens por empréstimo no Rayo Vallecano e no Wigan Athletic. Logo após o título com a seleção sub-21, foi contratado em definitivo pelo Everton no qual ficou cinco anos. Após a venda de Pau López a Roma em 2019, Robles se tornou o titular da posição – com 28 anos foi a primeira vez que o goleiro foi considerado de fato o titular da posição. Nunca chegou a jogar pela seleção principal.

Diego Mariño

Campeão europeu com a Espanha em 2011, o quase não lembrado Mariño também fez parte do título em 2013. Parte da Cantera Grogueta, base do Villarreal, não vingou mesmo sendo promovido ao time principal do Villarreal após a venda de Diego López ao Sevilla em 2012. Além do submarino amarelo, teve passagens por Real Valladolid e Levante. Aos 30 anos é o goleiro titular do Sporting Gijón desde 2017. Assim como Robles, nunca jogo com a seleção principal.

Martín Montoya

Desde os oito anos de idade na La Masia, Montoya foi o titular na lateral direita durante todo o campeonato. Assim como de Gea e Mariño, também foi campeão sub-21 em 2011. Competir com Dani Alves no Barcelona obviamente não era fácil, e ainda precisou lidar os problemas físicos.

Montoya foi pouco aproveitado como culé e expressou o desejo de deixar o Camp Nou em busca de minutos em outro clube. Teve passagens por empréstimo na Internazionale e no Real Betis, porém, sem sucesso, não se manteve em nenhum dos dois clubes, e ao fim do contrato com o clube catalão, assinou com o Valencia de graça. Atualmente está na Premier League, defendendo as cores do Brighton. Apesar de ter sido convocado em 2012, ficou os 90 minutos no banco de reservas, e nunca chegou a estrear com a camisa da Espanha.

Daniel Carvajal

Reserva de Montoya na campanha, Carvajal conseguiu mais evidência no cenário europeu que o culé. Canterano da La Fábrica, foi vendido em 2012 para o Bayer Leverkusen para adquirir mais experiência. Com bons desempenhos foi titular no clube alemão e se tornou uma peça importante no sistema defensivo da equipe. Depois de um fim de temporada brilhante na Alemanha, o Real Madrid reconheceu o valor do canterano e ativou a cláusula de recompra. Alternando com Álvaro Arbeloa, fez parte do elenco campeão da La Décima em 2014 e daí em diante conseguiu se firmar como titular de vez.

Espanha sub-21 Carvajal

Peça fundamental nas conquistas de Champions League, se tornou um dos melhores laterais do mundo nos últimos cinco anos e dominou o setor madridista. Apesar de ser um jogador influente no sistema e no vestiário do time, ainda é pouco valorizado dentro do madridismo, assim, precisa lidar com a desconfiança de muitos mesmo depois de tudo que demonstrou desde que voltou da Bundesliga. Atualmente é titular indiscutível da lateral direita espanhola.

Alberto Moreno

Titular pela lateral esquerda, Moreno tem uma carreira de altos e baixos. Após o título europeu com a seleção, foi parte do Sevilla campeão da Europa League em 2014, e chegou a ser pré-convocado para a Copa do Mundo de 2014, porém foi descartado da lista definitiva. Suas atuações atraíram ainda mais olhares para o seu futebol, ainda mais se tratando de um lateral com muita consciência tática, traduzida em muito esforço ofensivo.

Chegou ao Liverpool em 2014 e, ainda muito jovem, teve uma primeira temporada inconsistente no clube inglês, com os bons desempenhos ofensivos não acompanhados de boas atuações defensivas. Durante todo sua passagem na Premier League foi criticado por atuações abaixo do que se esperava e pelo patamar em que os reds estavam. Sem ritmo e cada vez mais sem espaço, ficou fora de 10 jogos do Liverpool na temporada 17/18 após uma lesão no tornozelo, e com isso perdeu a posição de vez para o recém-contratado na época Andrew Robertson.

Após a conquista da Champions League, e com o fim do contrato com o clube inglês, assinou com o Villarreal. Desde que retornou a La Liga se lesionou três vezes, em todas envolvendo problema muscular. Foram 151 dias e 22 jogos perdidos devido a lesão, e a retomada da boa fase que viveu na Espanha foi adiada. Seu último jogo com a seleção foi em um amistoso contra a Rússia em 2017.

Iñigo Martínez

Um dos melhores zagueiros da La Liga na atual temporada, Iñigo é convocado para a seleção principal com frequência.

Iñigo Martínez Espanha sub-21

Mesmo formado nas bases da Real Sociedad, time que fez parte de todo o processo do jogador que é hoje, atualmente é zagueiro titular do maior rival, Athletic Bilbao. Como isso aconteceu? Na janela de verão de 2018, o Athletic Bilbao pagou a cláusula contratual de liberação e assinou contrato com Martínez até 2023.

O zagueiro canhoto é um dos candidatos para substituir Piqué no time titular da seleção principal – que ainda está em aberto – por toda a regularidade e consistência durante partidas do campeonato espanhol.

Marc Bartra

Parte da La Masia desde os 11 anos, no começo da carreira Bartra era visto como o próximo Piqué por contar com características e físico parecidos. Por ter um bom passe e ser veloz, encaixaria perfeitamente nos planos do Barcelona em relação ao estilo de jogo, ou não.

Marcado por ser deixado para trás em um gol de Gareth Bale, permaneceu no time principal durante um bom tempo, mas passou a receber poucas chances e se tornou uma das últimas opções defensivas de Luis Enrique, treinador culé na época. Em 2016, o Borussia Dortmund pagou a multa rescisória prevista no contrato do jogador. Seu tempo na Alemanha foi agradável em termos de influência no sistema defensivo, mesmo perdendo a titularidade com a chegada de novos jogadores na sua última temporada.

O zagueiro foi o principal afetado em um atentado ao ônibus do Dortmund, e isso gerou um desconforto, fazendo com que o zagueiro expressasse o desejo de retornar ao seu país. Atualmente no Real Betis faz dupla com o marroquino Feddal, e sua última partida com a seleção foi em 2018.

Nacho Fernandéz

Desde 2013 no time profissional do Real Madrid, Nacho é aquele jogador que faz tudo no sistema defensivo, seja como zagueiro ou lateral, e com atributos para fazer diversas funções minimamente bem. Depois da saída de Pepe, se tornou a primeira opção sempre.

Nacho Espanha sub-21

Ter um jogador tão versátil e polivalente como Nacho no elenco garante muita coisa em um jogo, e o papel do espanhol na última década é bastante subestimado devido a importância que teve em poder substituir qualquer zagueiro e lateral do Madrid – mesmo que não fosse do mesmo nível, manteve a competitividade. Praticamente sendo o 12º jogador do Madrid a vida inteira, fez função parecida na Espanha durante esse tempo, porém não é convocado desde 2018.

Álvaro González

O zagueiro mais tímido dessa geração em relação a carreira, Álvaro González teve passagens por Racing de Santander, Real Zaragoza e Espanyol. No clube catalão foi quando começou a chamar atenção com bons desempenhos.

Hoje, emprestado pelo Villarreal ao Olympique Marseille, com obrigação de compra, reencontrou o bom futebol e é uma das grandes figuras da boa temporada da equipe de André Villas-Boas, devido a sua liderança e profissionalismo.

Seu único jogo com a Espanha foi contra a Holanda na fase de grupos da Eurocopa sub-21 contra a Itália – no qual jogou os 90 minutos. Depois não foi mais convocado.

Marc Muniesa

Mais um jogador da La Masia que não conseguiu corresponder às expectativas. Uma lesão no ligamento o tirou a chance de chegar ao time principal do Barcelona e prejudicou o que seria a parte mais importante do começo da carreira de um jogador. Lidar com lesões é difícil, ainda mais sendo esportista, e quando se é jovem mais ainda.

O potencial não foi alcançado e suas passagens por Stoke City e Girona também foram marcadas por lesões. Após o rebaixamento do Girona, reincidiu o contrato e foi jogar no Qatar. Sem nunca ter atuado com a seleção principal, Muniesa fez seu último jogo com a Espanha sub-21 em 2014.

Ignacio Camacho

Por se tratar de um volante de contenção, Camacho entrou nos últimos minutos da final contra a Itália para conter o adversário e segurar o placar. Canterano colchonero, fez a maior parte da sua carreira no Málaga.

Na ideia de substituir Luiz Gustavo, o clube alemão Wolfsburg foi atrás do volante. Depois de sete anos no clube andaluz, o espanhol deu o passo na carreira que se esperava lá atrás. Alto e forte, tem como características principais a combatividade e impulsão, além de ter um bom passe curto.

Desde que chegou a Alemanha se tornou um jogador insubstituível e até a braçadeira de capitão conquistou. Mas há mais de 700 dias fora do futebol, devido a sérios problemas na tibiotársica – parte do tornozelo –, Camacho vem sofrendo com lesões durante toda a sua carreira, e isso atrapalhou todo o desenvolvimento e a consistência do jogador nesse tempo.

Na seleção principal foi convocado aos 24 anos para um amistoso logo depois da Copa do Mundo de 2014, mas após a saída de Vicente del Bosque nunca mais foi chamado.

Thiago Alcântara

Com hat-trick na final, Thiago é o jogador destaque da campanha da Espanha na competição – também fez parte do time campeão em 2011. A pedido de Guardiola, o Bayern contratou o jogador do Barcelona em 2013, logo após o show na final contra a Itália.

“Conversei com o clube sobre o meu estilo e disse a eles porque eu quero o Thiago. Ele é o único jogador que eu quero. Será ele ou ninguém.”

Pep Guardiola antes de contratar o jogador no Bayern
Thiago Espanha sub-21

Com o Bayern são 228 jogos, 31 gols e 37 assistências. Além dos números, tem uma função que poucos conseguem fazer na equipe, dominar e controlar o meio-campo. Um meia com características para jogar avançado ou mais recuado na base da jogada.

Extremamente técnico e uma antítese do jogo de posição, Thiago é marcado pela consistência, porém fortemente cobrado em momentos chaves, como, por exemplo, mata-mata de Champions League. O que se espera do jogador devido a tudo que fez desde o começo da carreira é traduzido no seu desempenho toda semana, mas a falta do impacto em grandes noites segue sendo cobrado.

Na seleção tem 37 partidas, dois gols e nove assistências. Aos 29 anos, segue sendo convocado e é o atual camisa 10.

Koke Resurrección

Nomeado para a melhor equipe do torneio e o responsável pela assistência para o segundo gol da Espanha (e de Thiago) para voltar à frente do placar, Koke é um daqueles jogadores com grande impacto no futebol da última década, mas que não teve tanto reconhecimento assim.

Koke Espanha sub-21

O camisa 6 joga em qualquer lugar na linha de quatro do meio-campo do Atleti de Simeone, e conta com uma visão de jogo otimizada e grande poder de reação – além da composição no sistema defensivo. Desde os oito anos de idade no Atleti, foi escolhido como o novo capitão depois da saída de Godin. Fora isso, se tornou o jogador mais jovem a completar 400 partidas pelo clube em 2019.

Fez sua estreia na seleção principal logo após ser campeão sub-21, mas a competição no meio-campo da seleção aumentou nos últimos dois anos – muito pelo desastre na última Copa do Mundo – e o jogador não é convocado desde 2018.

Pablo Sarabia

Canterano do Real Madrid, Sarabia faz parte daqueles jogadores da La Fábrica que fizeram sucesso, mas fora do clube. Sua carreira decolou de fato quando chegou ao Sevilla em 2016, em razão do bom trabalho feito no Getafe. O canhoto é aquele meia que cadencia o jogo, participa diretamente na criação de jogadas e passes chaves, legitimo “camisa 10”.

Com o Sevilla fez 43 gols e deu 38 assistências em 151 jogos – na temporada 2018/19 foi o segundo jogador com mais assistências na La Liga, atrás apenas de Lionel Messi. Atualmente no PSG os números são ainda mais atrativos: 14 gols e oito assistências em 36 jogos.

Seu bom momento no Sevilla o concedeu sua estreia com a seleção principal em 2019, e desde então segue fazendo parte das convocações.

Illarramendi

Peça fundamental da Real Sociedad que se classificou para a Champions League na temporada 2012/13, Illarramendi chegou ao Real Madrid logo depois da Eurocopa, e com a missão nada fácil de substituir Xabi Alonso a longo prazo.

Depois de duas temporadas no Bernabéu em meio a falta de confiança em momentos significativos, Illarramendi retornou ao clube basco e tem sido um jogador fundamental desde então. Entretanto perdeu grande parte da atual temporada devido a uma grave lesão no tornozelo. Mesmo com o fracasso e frustações no Real Madrid, o espanhol é o capitão e extremamente influente dentro da equipe de Imanol Alguacil.

Estreou na seleção principal em 2017, após uma temporada em que teve o segundo maior número de interceptações nas cinco principais ligas da Europa, ficando atrás apenas de Kante, do Chelsea.

Isco

Vencedor do prêmio Golden Boy um ano antes, Isco foi eleito o melhor jogador da competição sub-21, e conquistou também a chuteira de bronze – terceiro jogador com mais gols. Sua carreira juvenil foi com o Valencia, mas seu começo no profissional foi no Málaga. Na equipe andalu fez parte da campanha na Liga que levou o time para disputar Champions League pela primeira vez – que terminou com um grande desempenho na temporada seguinte, sendo eliminado para ao Borussia Dortmund nas quartas de final.

Isco Espanha sub-21

Depois de ser o principal destaque do futebol espanhol nos últimos dois anos, Isco assinou com o Real Madrid. Mesmo com um desempenho regular, Isco recebeu poucas oportunidades como titular por causa da formação 4-3–3 de Ancelotti não ser adequada ao que oferecia na época.

Começou a crescer e ter influência direta depois da La Décima, sendo um dos principais jogadores parte do tricampeonato europeu com Zidane. Atualmente, tenta reencontrar o bom futebol, junto com a equipe, e retomar com a forte prestígio no setor ofensivo madridista.

LEIA MAIS: Isco Alarcón e os lampejos de craque

Na seleção principal estreou logo após o título europeu. No período em que Lopetegui era treinador foi a principal estrela, assim como no sub-21 com o mesmo treinador. Por causa do desempenho abaixo do esperado no ano passado, foi convocado apenas uma vez.

Sergio Canales

Depois de uma lesão em um tendão da coxa, Canales não pôde participar com a Espanha na reta final da competição, e isso é praticamente um resumo da carreira do jogador. Sofrendo com lesões desde muito jovem, não conseguiu se livrar delas com tanta facilidade – foram três cirurgias no joelho antes do auge. Atualmente no Real Betis, foi formado na base do Racing Santander, e teve passagens por Real Madrid, Valencia e Real Sociedad.

Desde muito novo tratado como um jovem bastante promissor, o meia tinha um belo futuro pela frente, entretanto, como dito, problemas físicos prejudicaram toda a evolução, desenvolvimento e todo o potencial que poderia ser trabalho foi desperdiçado. Aquele camisa 10, armador, cobrador de falta, técnico e playmaker… Atualmente esse é o melhor Canales que podemos ver, e o jogador que todos esperavam ver um dia. No Real Betis faz um trabalho muito importante na missão de desafogar com passes decisivos, e é insubstituível.

Seu bom momento no Betis fez com que o meia jogasse pela primeira vez com a seleção principal da Espanha no ano passado. Aos 28 anos, após uma carreira bastante marcado por muitas lesões, Canales conseguiu fazer sua estreia e finalmente deu a volta por cima na carreira.

Álvaro Morata

Cria do Real Madrid, Morata atualmente é o camisa 9 no rival da mesma cidade. No Atleti vem reecontrando a sua melhor forma, perdida no Chelsea, mas que foi vivida com a Juventus e com o próprio Real Madrid.

Morata Espanha sub-21
(AP Photo/Manu Fernandez)

Com o seu clube de origem, foi fundamental para o título da La Liga na temporada 2016/17 saindo do banco de reservas e marcando seus gols. Mas Morata entendeu que precisava de mais, ele queria a titularidade. E na busca disso, o Chelsea, que precisava de um centroavante goleador, encontrou no jogador o encaixe perfeito, e pagou 60 milhões de libras – um valor que foi muito questionado após o desempenho do próprio na Premier League ser muito abaixo do que era esperado.

Sua estreia com a seleção principal foi logo no ano seguinte do título com o sub-21, e desde então vem intercalando convocações com outros atacantes. A irregularidade é um dos problemas do jogador, que não foi convocado para a Copa do Mundo em 2018, mas retornou a ser chamado por Luis Enrique no ano passado depois de bons jogos com o Atlético de Madrid.

Álvaro Vázquez

Talvez o menos conhecido dessa lista ao lado de Mariño, Álvaro Vázquez foi parte do Espanyol na maior parte da sua carreira. Jogador da cantera do clube catalão, foi titular enquanto Mauricio Pochettino era técnico da equipe. Além do Espanyol, teve passagens pelo Getafe, Swansea City, Nàstic, Real Zaragoza, e agora no Sporting Gijón. O grande hype por trás do jogador se justificava pela artilharia da Copa do Mundo sub-20 em 2011 – o espanhol foi o artilheiro ao lado do brasileiro Henrique Almeida e do francês Alexandre Lacazette.

Mas o jogador nunca correspondeu no futebol profissional da mesma forma que foi na base. Isso foi um dos motivos pelo qual o jogador nunca chegou a jogar pela equipe principal da Espanha. A mudança de ares constante em sua carreira pode ter sido uma alternativa para encontrar o futebol e gols que fez durante toda a seleção de base – foram 14 gols em 22 jogos.

Com o fim do seu contrato no Espanyol, foi contratado de graça pelo Sporting Gijón e vez ou outra está presente no time titular. Na temporada 2019/20 tem três gols e uma assistência na segunda divisão.

Rodrigo

Em 2010, Rodrigo chegou ao Benfica, e em seguida foi emprestado ao clube inglês Bolton. No retorno a Portugal, a carreira do atacante começou a progredir – 45 gols em 119 jogos. Chegou ao Valencia no ano seguinte ao título europeu sub-21 e desde então segue sendo artilheiro e um dos principais passadores da equipe – na atual temporada tem mais assistências (7) do que gols (2).

Rodrigo Espanha sub-21

Nos últimos anos, Rodrigo foi especulado nos três gigantes espanhóis e por pouco não foi parar no Atleti na última janela de verão, mas o alto valor da sua multa rescisória impediu a maioria dos negócios. O oportunismo e o faro de gol são suas maiores características e o que chamaram atenção de outros clubes. Mas seu pique e poder de velocidade faz com que o atacante se sinta confortável também fora de área ou mais deslocado como um ponta, e essa versatilidade só agrega.

Com a seleção, Rodrigo fez sua estreia um ano após o título europeu, aos 23 anos. Desde 2017 foi convocado na maioria das vezes, incluindo a Copa do Mundo de 2018, e ao lado de Morata se mantém como opção para ser o centroavante titular. No comando de Luis Enrique vem sendo chamado com ainda mais frequência e é parte importante do setor ofensivo da atual La Roja.

Cristian Tello

Titular na final contra a Itália, Tello fez a maior parte da sua carreira no Barcelona, mas sem conseguir impressionar. Depois de ser campeão europeu sub-21, Tello tinha um futuro incerto no Camp Nou e caiu na hierarquia ofensiva após a chegada de Neymar para a temporada 2013/14. Os minutos diminuíram e o jogador foi emprestado para o Porto e a Fiorentina nesse tempo, até que em 2017 foi comprado pelo Real Betis.

O fato do jogador quando jovem ser retratado como habilidoso, veloz e ambidestro fazia com que muitos pensavam ser o florescer de um grande ponta. Por outro lado não conseguiu traduzir todas suas habilidades dentro de campo. Atualmente é reserva no Betis, mas pouco produz e tem impacto mínimo. Com a seleção não conseguiu relevância, sendo convocado apenas uma vez.

Iker Muniain

Mais um jogador dessa geração que sofreu com lesão durante toda a carreira, Muniain é o mais jovem dessa convocação e um dos mais talentosos. Nos dias de hoje é parte fundamental do atual Athletic Bilbao.

Avaliado como o próximo Messi desde o começo da carreira, Muniain sempre demonstrou se sentir confortável com as comparações.

“Foi excessivo. As pessoas são influenciadas pela euforia. Isso nunca me afetou. Eu sempre soube quem eu sou.”

As lesões acompanham Muniain desde 2014 e atrasaram o seu melhor futebol. Duas lesões no ligamento do joelho fizeram com que muitos pensassem que o jogador não poderia responder ao potencial que tinha, mas hoje é parte fundamental do seu time de infância. A verdade é que se colocar a carreira do jogador sem lesões, fica muito difícil não pensar que ele, muito provavelmente, estaria no Barcelona ou no Real Madrid.

Camisa 10 e atual capitão do Athletic, sua transição de ponta para meia foi feita conforme suas habilidades transmitissem ainda mais o poder de playmaker. Porém ainda joga com mais predominância pela esquerda, setor onde se sente mais à vontade jogando com o pé trocado.

Seu talento fez com que fosse convocado pela seleção principal antes mesmo de jogar a Eurocopa sub-21 em 2013, e o fato de ser mais jovem que o restante dos seus companheiros fez com que fizesse parte do sub-21 por mais tempo. Mas depois de sete anos sem ser convocado para a seleção principal, Muniain retornou no começo do ano passado e a ideia era mantê-lo – sofrendo com a falta de pontas, a Espanha poderia encontrar no jogador a solução. Porém no fim do mesmo ano sofreu uma lesão muscular, que o tirou dos gramados por 40 dias e adiou esse encaixe.

Compartilhe
Bruna Mendes

Comente!

Tem algo a dizer?