25 ANOS DO TETRA - BRASIL 1X1 SUÉCIA - FERROLHO SUECO TRAVA O BRASIL, MAS ROMÁRIO RESOLVE

Por Rodrigo Coutinho No dia 28 de junho de 1994, o Brasil entrava em campo no já extinto Silverdome, em Detroit, para encerrar a sua participação da 1ª fase da Copa do Mundo contra o bom time da Suécia. O empate por 1×1 garantiu a liderança do Grupo B ao selecionado canarinho, e confirmou os […]

Por Rodrigo Coutinho

No dia 28 de junho de 1994, o Brasil entrava em campo no já extinto Silverdome, em Detroit, para encerrar a sua participação da 1ª fase da Copa do Mundo contra o bom time da Suécia. O empate por 1×1 garantiu a liderança do Grupo B ao selecionado canarinho, e confirmou os suecos como segunda força da chave. Romário mais uma vez foi o destaque individual da Seleção em um jogo marcado pelo bom trabalho defensivo dos europeus. Na outra partida da rodada, a Rússia surpreendeu e enfiou um acachapante 6×1 em Camarões. Insuficiente, porém, para se classificar como um dos terceiros colocados.

 

Parreira conseguiu repetir a equipe que venceu Camarões por 3x0
Parreira conseguiu repetir a equipe que venceu Camarões por 3×0

 

O adversário

Um time tipicamente sueco! Seguindo as tradições locais, jogava em um 4-4-2, com propensão ao estilo de jogo baseado em contra-ataques e ligações diretas. Tinha um centroavante muito alto, Kenneth Andersson, que atuava no Lille, e um outro de mobilidade, mais técnico, a referência da equipe, o baixinho Tomas Brolin, atleta do Parma. O qualificado volante Schwarz, do Benfica, o dinâmico Thern, do Napoli, o seguro zagueiro Patrick Andersson, do Borussia Moenchengladbach, e o lateral Ljung, do Galatassaray, eram alguns dos destaques do time comandado por Tommy Svensson.

 

O bom time sueco, 3º colocado na Copa do Mundo 1994
O bom time sueco, 3º colocado na Copa do Mundo 1994

 

Tommy treinou a Suécia em todo aquele ciclo. Conseguiu construir um time organizado e com modelo de jogo claro. A equipe havia chamado a atenção já nas Eliminatórias, quando liderou um grupo com Bulgária, França, Áustria, Finlândia e Israel. Curiosamente venceria a decisão de terceiro lugar do Mundial de 1994 contra a própria Bulgária, conseguindo a segunda melhor colocação de sua história em mundiais. Um time marcante para o futebol local. Na Euro de 1992, foi eliminada apenas na semifinal para a Alemanha. Havia mandado pra casa a França e a Inglaterra. Sete jogadores que iniciaram o jogo contra o Brasil, foram titulares na campanha da Euro.

O Jogo

Das três equipes que o Brasil enfrentou na 1ª fase, a Suécia era de longe a que poderia causar mais danos. E de fato conseguiu fazer um jogo equilibrado durante boa parte dos 90 minutos. Como esperado, a Seleção tomou as rédeas da posse de bola. A equipe foi a mesma que iniciou contra Camarões e o padrão não se alterou. Dunga como principal distribuidor de passes iniciais. Mauro Silva preso aos zagueiros, Laterais com liberdade, Raí e Zinho flutuando do lado pro centro, e Bebeto e Romário com a já conhecida movimentação na frente.

 

As escalações de Brasil e Suécia. (Arte: Filipe Borin)
As escalações de Brasil e Suécia. (Arte: Filipe Borin)

 

Os suecos marcavam com encaixes e perseguições dentro do setor, mas não se afastavam de suas áreas originais, fazendo com que o posicionamento do time se mantivesse intacto. Recuava bem o bloco de marcação. O primeiro combate era dado pela dupla de ataque na intermediária defensiva, antes da linha média. Havia muita disciplina e intensidade, concentração para fechar os espaços. O Brasil consequentemente teve muita dificuldade para superar esse cenário.

A Seleção não conseguia ter velocidade na troca de passes. Girava o jogo de forma lenta e o pior: afunilava grande parte das jogadas. Leonardo e Jorginho eram presença constante no último terço do campo, mas havia pouca movimentação pelos flancos. As ações se concentravam no meio, local mais congestionado e muito bem defendido. Dunga chegou a finalizar três vezes de fora da área na primeira metade da etapa inicial, mas nenhuma delas com real perigo.

 

Romário é marcado de perto e Leonardo faz a ultrapassagem. Havia pouco espaço para jogar
Romário é marcado de perto e Leonardo faz a ultrapassagem. Havia pouco espaço para jogar

 

Pra completar, a Suécia achou o seu gol aos 23 minutos. Quando retomava a bola, não hesitava em buscar a dupla de ataque nos contragolpes. Fez a bola chegar de forma direta a Kenneth Andersson. O grandalhão raspou de cabeça, Brolin dominou com toda a sua técnica e tirou Aldair da jogada. O lançamento curto encontrou novamente o centroavante dentro da área, que foi rápido para dominar e finalizar sem ângulo, marcando um gol improvável e contando com um tempo de reação ruim de Taffarel. Mesmo assim, um golaço!

Os chutes de fora da área seguiram sendo a principal arma brasileira. Apenas Raí conseguiu uma ação contundente dentro da área, ao dividir com o goleiro Ravelli um bom cruzamento de Jorginho. Romário, que saía mais do seu ”habitat natural” e gerava boas construções, acabou chegando mais perto de marcar aos 37 minutos. Aproveitou bola retomada no campo de ataque e chutou rente ao poste esquerdo. Um prenúncio do que viria.

 

Raí divide com o bom goleiro Ravelli na única finalização do Brasil dentro da área no 1º tempo
Raí divide com o bom goleiro Ravelli na única finalização do Brasil dentro da área no 1º tempo

 

No intervalo, Parreira sacou Mauro Silva e pôs Mazinho. Recuou Dunga e a ideia era ganhar mais qualidade no passe. Não deu nem tempo de fazer efeito. Romário conseguiu um espaço quase ‘’espírita’’ ao receber na intermediária, girar, e arrancar no meio de quatro suecos. A finalização saiu certeira, com o padrão de qualidade do Baixinho, de bico, no canto esquerdo de Ravelli.

Depois do empate, o Brasil chegou a ter 20 minutos de pressão forte. Mazinho deu mais dinâmica ao time, retomou uma bola no campo de ataque, deixou com Raí, que serviu Romário dentro da área. O camisa 11 bateu no canto esquerdo, mas Ravelli fez milagre com a perna. O mesmo Romário cabecearia uma bola com perigo aos 19’, mas logo depois o Brasil perdeu o ímpeto.

O jogo novamente foi às 11h da manhã, horário local, mas desta vez o estádio era coberto e climatizado, o que facilitou a manutenção da intensidade de parte a parte, o problema não foi esse, mas talvez um certo receio de se expor. Além, é claro, da própria característica da equipe. O Brasil de 94 não era um time de aceleração constante, de ‘’amassar’’ o adversário. Era muito mais uma equipe de controle e paciência. Trocava passes incessantemente até o espaço aparecer. Se não conseguisse fazer isso com rapidez e se não variasse o raio de ação das jogadas, tinha problemas.

Romário e Bebeto ainda finalizariam com certo perigo na reta final da partida, mas os suecos reequilibraram as ações e também assustaram com Kenneth Andersson e Mild. Por mais que o Brasil tenha sido um pouco melhor ao longo dos 90 minutos, o empate não foi totalmente injusto, e aguçou uma partida ainda mais importante entre as seleções, que aconteceria alguns dias depois… Papo para um capítulo futuro desta série… No próximo episódio: a vitória sobre os Estados Unidos

 

 

As notas de Rodrigo Coutinho para o duelo Brasil x Suécia.
As notas de Rodrigo Coutinho para o duelo Brasil x Suécia.
Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Rodrigo Coutinho

Últimas Postagens

A coerência no Chelsea de Thomas Tuchel e no City de Pep Guardiola
Lucas Filus

A coerência no Chelsea de Thomas Tuchel e no City de Pep Guardiola

0 Comentários
O que fez Darío Sarmiento chamar a atenção do Manchester City?
Dimitri Barcellos

O que fez Darío Sarmiento chamar a atenção do Manchester City?

0 Comentários
Paul Pogba pode ser o primeiro ‘reforço’ do United para a próxima temporada
Lucas Filus

Paul Pogba pode ser o primeiro 'reforço’ do United para a próxima temporada

0 Comentários
A vez da geração 2004: conheça Matheus Nascimento, Cowell, Sesko e Demir
Caio Nascimento

A vez da geração 2004: conheça Matheus Nascimento, Cowell, Sesko e Demir

0 Comentários
Por que João Pedro é a tábua de salvação para o Cagliari
Caio Bitencourt

Por que João Pedro é a tábua de salvação para o Cagliari

0 Comentários
Biotipo, velocidade de raciocínio e tomada de decisão: o que é a intensidade no futebol
Caio Alves

Biotipo, velocidade de raciocínio e tomada de decisão: o que é a intensidade no futebol

0 Comentários
Knappenschmiede: a histórica forja do Schalke 04 em meio a turbulência existencial do clube
Caio Nascimento

Knappenschmiede: a histórica forja do Schalke 04 em meio a turbulência existencial do clube

0 Comentários
Campeão da Copa do Rei, Barcelona domina o Athletic e busca o doblete
Bruna Mendes

Campeão da Copa do Rei, Barcelona domina o Athletic e busca o doblete

0 Comentários
O que a contratação de Alexandre Gallo pode aportar ao Santa Cruz?
Jonatan Cavalcante

O que a contratação de Alexandre Gallo pode aportar ao Santa Cruz?

0 Comentários
4 histórias para se observar na fase de grupos da Libertadores 2021
Dimitri Barcellos

4 histórias para se observar na fase de grupos da Libertadores 2021

0 Comentários
Raúl Bobadilla e Abel Hernández: conheça os novos centroavantes do Fluminense
Gabriel Corrêa

Raúl Bobadilla e Abel Hernández: conheça os novos centroavantes do Fluminense

0 Comentários
Kayky, Galarza, Nestor, Kaiky, Rodrigo Varanda e o semestre animador dos garotos da base brasileira
Caio Nascimento

Kayky, Galarza, Nestor, Kaiky, Rodrigo Varanda e o semestre animador dos garotos da base brasileira

0 Comentários
As transições da Inter que as deixam na cara do gol (e do Scudetto)
Caio Bitencourt

As transições da Inter que as deixam na cara do gol (e do Scudetto)

0 Comentários
Danilo, uma boa dor de cabeça para Abel Ferreira no Palmeiras
Gabriel Corrêa

Danilo, uma boa dor de cabeça para Abel Ferreira no Palmeiras

0 Comentários
Zidane vence jogo de xadrez no El Clásico e aumenta disputa por título na Liga
Bruna Mendes

Zidane vence jogo de xadrez no El Clásico e aumenta disputa por título na Liga

0 Comentários