25 ANOS DO TETRA - BRASIL 2x0 RÚSSIA - AGRESSIVIDADE E CONTROLE

Por Rodrigo Coutinho É chegado o aguardado dia. Há 25 anos o Brasil estreava na Copa do Mundo realizada nos Estados Unidos contra a Rússia, primeira adversária no Grupo B, que ainda tinha Camarões e Suécia. O placar de 2×0 foi pouco pela superioridade do Brasil ao longo dos 90 minutos. A primeira demonstração de […]

Por Rodrigo Coutinho

É chegado o aguardado dia. Há 25 anos o Brasil estreava na Copa do Mundo realizada nos Estados Unidos contra a Rússia, primeira adversária no Grupo B, que ainda tinha Camarões e Suécia. O placar de 2×0 foi pouco pela superioridade do Brasil ao longo dos 90 minutos. A primeira demonstração de capacidade de entendimento de jogo dada naquele Mundial. A Seleção foi muito agressiva no 1º tempo, teve volume grande até marcar com Romário, e na 2ª etapa controlou o ritmo das ações. Estratégia inteligente se considerarmos os mais de 30ºC em um jogo ocorrido às 11h da manhã, horário local.

 

Romário é cercado pelos russos, desesperados com a sua primeira grande atuação na Copa de 1994
Romário é cercado pelos russos, desesperados com a sua primeira grande atuação na Copa de 1994

 

O adversário   

A seleção russa chegou ao Mundial de 1994 bem enfraquecida. O técnico Pavel Sadyrin se envolveu em uma polêmica com alguns jogadores em virtude do valor de premiação dado pela Federação Russa em virtude da classificação para a Copa do Mundo. Cinco atletas importantes acabaram pedindo dispensa da convocação. Nas Eliminatórias, se classificou em segundo em um grupo que a Grécia foi a líder, e ainda tinha Islândia, Hungria e Luxemburgo. Era a primeira competição disputada após a dissolução da União Soviética. Os atletas mais badalados daquele plantel eram o goleiro Kharine, que atuava no Chelsea, e os atacantes Yuran e Radchenko, que jogavam em Benfica e Racing Santander respectivamente.

 

Vários atletas russos ficaram fora da Copa de 1994
Vários atletas importantes russos ficaram fora da Copa de 1994

 

Em modelo de jogo, a Rússia era uma equipe que apostava na intensidade dos seus encaixes de marcação. Era praticamente uma marcação individual. Cada atleta tinha o seu alvo e a ordem era acompanhar o adversário com agressividade para retomar a bola e acionar os atacantes em velocidade. Com a bola, se destacavam os meio-campistas Piatiniski, Tsymbalar e Karpin. Tinham boa técnica, mas a movimentação ofensiva da equipe era bem pobre. Por mais que evitassem a ligação direta e buscassem a troca de passes curtos, faltava uma melhor execução coletiva. O lateral-direito Gorlukovich também se destacava pela força e velocidade. O esquema era o 4-4-2, mas ele se ‘’deformava’’ com as perseguições individuais.

O Jogo

Já com Márcio Santos no lugar do cortado Ricardo Gomes, o Brasil entrou em campo com a mesma base da reta final das Eliminatórias e da preparação. Branco, com dores lombares crônicas, deu lugar a Leonardo na lateral-esquerda. De uma certa forma essas mexidas deram mais vitalidade e velocidade à equipe, principalmente nas ações defensivas. Desde o primeiro minuto o Brasil tomou as rédeas do jogo e assumiu controle através da posse de bola, marca daquele time.

 

As escalações em Brasil 2-0 Rússia. (Arte: Filipe Borin)
As escalações em Brasil 2-0 Rússia. (Arte: Filipe Borin)

 

O time revelava um certo nervosismo, evidenciado em erros primários iniciais na circulação da bola, mesmo assim não faltou atitude. Tanto que, com dez minutos, a Seleção já havia chegado com perigo três vezes, duas delas com Romário e uma com Bebeto. Além deste caráter dominante com a bola, o Brasil tinha uma característica incomum àquela época. Pressionava rápido após perder a bola. Queria ter a posse e isso era inegociável. A Rússia só conseguiu uma finalização em todo o 1º tempo. Ela veio ainda aos 13 minutos, em erro de Dunga na saída de bola, mas seguramente parada por Taffarel.

Relembre o primeiro capítulo da série “25 anos do Tetra – o espinhoso caminho até a Copa”

O camisa 8 era parte muito importante na equipe. No Brasil se tem muito a ideia do capitão raçudo, que dava bronca nos demais jogadores e tinha força de marcação, mas Dunga era muito mais do que isso. Possuía um bom passe, capacidade de distribuição de jogo e leitura de espaços em todas as fases do jogo. Tanto que era a principal ferramenta na construção inicial da equipe. Ficava um pouco à frente de Mauro Silva e da dupla de zaga, flutuando na intermediária e escolhendo o foco das jogadas (veja animação abaixo). Posteriormente acionava Raí ou Zinho, que flutuavam dos lados para dentro e abriam o corredor para as ultrapassagens dos laterais.

 

 

Outro ponto importante a ser citado era a liberdade que Jorginho e Leonardo tinham. Apoiavam simultaneamente, buscavam associações com os meias e atacantes seguidamente. A movimentação de Romário e Bebeto era uma aula para qualquer atacante. Excetuando a altíssima técnica e genialidade de ambos, a dupla do Tetra promovia diagonais curtas em cima da última linha defensiva adversária e revezavam entre profundidade e flutuação nas costas dos volantes oponentes.

Baseado neste conjunto coletivo, o Brasil venceu o natural nervosismo inicial e a intensidade da marcação russa, empurrou o adversário pra trás e criou três bons ataques antes de abrir o placar com Romário, em escanteio cobrado Bebeto aos 26 minutos. O próprio camisa 7 e Zinho chegaram perto de ampliar ainda na 1ª etapa. Nos últimos dez minutos, a Seleção reduziu o ritmo em virtude do forte calor, mas seguiu superior.

Na volta do intervalo, um misto de desconcentração inicial e relaxamento pelo domínio do 1º tempo, acabou permitindo à Rússia um período maior de posse e um chute perigoso de Gorlukovich na entrada da área. Foi a senha para o time acordar novamente e acionar Romário após boa troca de passes. O Baixinho invadiu a área em grande jogada individual, deu uma ‘’caneta’’, e foi derrubado por trás por Nikiforov. Raí deslocou Kharine na cobrança e marcou o segundo aos 8 minutos do 2º tempo.

Com a vantagem e a superioridade nas ações, foi a vez do Brasil colocar em prática o seu caráter controlador. Tirou a velocidade do jogo e fez o que aquela equipe fazia como poucas na história das Copas: se defendia com a bola. Trocava passes de um lado a outro com muita paciência, e só verticalizava as jogadas quando percebia a possibilidade nítida de uma chance de gol. Talvez por falta deste entendimento, a imprensa na época fazia tantas críticas ao time de Parreira.

 

Marcio Santos desarma o ataque russo.
Marcio Santos desarma o ataque russo.

 

Mesmo bem menos agressivo, o Brasil ainda criou quatro ocasiões bem claras no restante da partida. Bebeto obrigou Kharine a fazer três ótimas defesas. Romário chegou perto de marcar de peixinho. O time ainda perderia Ricardo Rocha de forma definitiva para o Mundial em lesão sofrida no 2º tempo. Aldair entrou em seu lugar. Mazinho foi outro a sair do banco para substituir o cansado Dunga no finalzinho. A Rússia só finalizaria mais duas vezes até o apito derradeiro, ambas sem contundência.

Mais do que dar confiança e deixar uma boa impressão inicial, a vitória sobre a Rússia deu a primeira colocação do Grupo para o Brasil. No dia anterior, Camarões e Suécia haviam empatado em 2×2 em Los Angeles.

Daqui a quatro dias vamos saber como o Brasil venceu Camarões.

As notas de Brasil 2x0 Rússia para Rodrigo Coutinho.
As notas de Brasil 2×0 Rússia para Rodrigo Coutinho.
Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Rodrigo Coutinho

Últimas Postagens

A coerência no Chelsea de Thomas Tuchel e no City de Pep Guardiola
Lucas Filus

A coerência no Chelsea de Thomas Tuchel e no City de Pep Guardiola

0 Comentários
O que fez Darío Sarmiento chamar a atenção do Manchester City?
Dimitri Barcellos

O que fez Darío Sarmiento chamar a atenção do Manchester City?

0 Comentários
Paul Pogba pode ser o primeiro ‘reforço’ do United para a próxima temporada
Lucas Filus

Paul Pogba pode ser o primeiro 'reforço’ do United para a próxima temporada

0 Comentários
A vez da geração 2004: conheça Matheus Nascimento, Cowell, Sesko e Demir
Caio Nascimento

A vez da geração 2004: conheça Matheus Nascimento, Cowell, Sesko e Demir

0 Comentários
Por que João Pedro é a tábua de salvação para o Cagliari
Caio Bitencourt

Por que João Pedro é a tábua de salvação para o Cagliari

0 Comentários
Biotipo, velocidade de raciocínio e tomada de decisão: o que é a intensidade no futebol
Caio Alves

Biotipo, velocidade de raciocínio e tomada de decisão: o que é a intensidade no futebol

0 Comentários
Knappenschmiede: a histórica forja do Schalke 04 em meio a turbulência existencial do clube
Caio Nascimento

Knappenschmiede: a histórica forja do Schalke 04 em meio a turbulência existencial do clube

0 Comentários
Campeão da Copa do Rei, Barcelona domina o Athletic e busca o doblete
Bruna Mendes

Campeão da Copa do Rei, Barcelona domina o Athletic e busca o doblete

0 Comentários
O que a contratação de Alexandre Gallo pode aportar ao Santa Cruz?
Jonatan Cavalcante

O que a contratação de Alexandre Gallo pode aportar ao Santa Cruz?

0 Comentários
4 histórias para se observar na fase de grupos da Libertadores 2021
Dimitri Barcellos

4 histórias para se observar na fase de grupos da Libertadores 2021

0 Comentários
Raúl Bobadilla e Abel Hernández: conheça os novos centroavantes do Fluminense
Gabriel Corrêa

Raúl Bobadilla e Abel Hernández: conheça os novos centroavantes do Fluminense

0 Comentários
Kayky, Galarza, Nestor, Kaiky, Rodrigo Varanda e o semestre animador dos garotos da base brasileira
Caio Nascimento

Kayky, Galarza, Nestor, Kaiky, Rodrigo Varanda e o semestre animador dos garotos da base brasileira

0 Comentários
As transições da Inter que as deixam na cara do gol (e do Scudetto)
Caio Bitencourt

As transições da Inter que as deixam na cara do gol (e do Scudetto)

0 Comentários
Danilo, uma boa dor de cabeça para Abel Ferreira no Palmeiras
Gabriel Corrêa

Danilo, uma boa dor de cabeça para Abel Ferreira no Palmeiras

0 Comentários
Zidane vence jogo de xadrez no El Clásico e aumenta disputa por título na Liga
Bruna Mendes

Zidane vence jogo de xadrez no El Clásico e aumenta disputa por título na Liga

0 Comentários