25 ANOS DO TETRA - BRASIL 2x0 RÚSSIA - AGRESSIVIDADE E CONTROLE

Por Rodrigo Coutinho É chegado o aguardado dia. Há 25 anos o Brasil estreava na Copa do Mundo realizada nos Estados Unidos contra a Rússia, primeira adversária no Grupo B, que ainda tinha Camarões e Suécia. O placar de 2×0 foi pouco pela superioridade do Brasil ao longo dos 90 minutos. A primeira demonstração de […]

Por Rodrigo Coutinho

É chegado o aguardado dia. Há 25 anos o Brasil estreava na Copa do Mundo realizada nos Estados Unidos contra a Rússia, primeira adversária no Grupo B, que ainda tinha Camarões e Suécia. O placar de 2×0 foi pouco pela superioridade do Brasil ao longo dos 90 minutos. A primeira demonstração de capacidade de entendimento de jogo dada naquele Mundial. A Seleção foi muito agressiva no 1º tempo, teve volume grande até marcar com Romário, e na 2ª etapa controlou o ritmo das ações. Estratégia inteligente se considerarmos os mais de 30ºC em um jogo ocorrido às 11h da manhã, horário local.

 

Romário é cercado pelos russos, desesperados com a sua primeira grande atuação na Copa de 1994
Romário é cercado pelos russos, desesperados com a sua primeira grande atuação na Copa de 1994

 

O adversário   

A seleção russa chegou ao Mundial de 1994 bem enfraquecida. O técnico Pavel Sadyrin se envolveu em uma polêmica com alguns jogadores em virtude do valor de premiação dado pela Federação Russa em virtude da classificação para a Copa do Mundo. Cinco atletas importantes acabaram pedindo dispensa da convocação. Nas Eliminatórias, se classificou em segundo em um grupo que a Grécia foi a líder, e ainda tinha Islândia, Hungria e Luxemburgo. Era a primeira competição disputada após a dissolução da União Soviética. Os atletas mais badalados daquele plantel eram o goleiro Kharine, que atuava no Chelsea, e os atacantes Yuran e Radchenko, que jogavam em Benfica e Racing Santander respectivamente.

 

Vários atletas russos ficaram fora da Copa de 1994
Vários atletas importantes russos ficaram fora da Copa de 1994

 

Em modelo de jogo, a Rússia era uma equipe que apostava na intensidade dos seus encaixes de marcação. Era praticamente uma marcação individual. Cada atleta tinha o seu alvo e a ordem era acompanhar o adversário com agressividade para retomar a bola e acionar os atacantes em velocidade. Com a bola, se destacavam os meio-campistas Piatiniski, Tsymbalar e Karpin. Tinham boa técnica, mas a movimentação ofensiva da equipe era bem pobre. Por mais que evitassem a ligação direta e buscassem a troca de passes curtos, faltava uma melhor execução coletiva. O lateral-direito Gorlukovich também se destacava pela força e velocidade. O esquema era o 4-4-2, mas ele se ‘’deformava’’ com as perseguições individuais.

O Jogo

Já com Márcio Santos no lugar do cortado Ricardo Gomes, o Brasil entrou em campo com a mesma base da reta final das Eliminatórias e da preparação. Branco, com dores lombares crônicas, deu lugar a Leonardo na lateral-esquerda. De uma certa forma essas mexidas deram mais vitalidade e velocidade à equipe, principalmente nas ações defensivas. Desde o primeiro minuto o Brasil tomou as rédeas do jogo e assumiu controle através da posse de bola, marca daquele time.

 

As escalações em Brasil 2-0 Rússia. (Arte: Filipe Borin)
As escalações em Brasil 2-0 Rússia. (Arte: Filipe Borin)

 

O time revelava um certo nervosismo, evidenciado em erros primários iniciais na circulação da bola, mesmo assim não faltou atitude. Tanto que, com dez minutos, a Seleção já havia chegado com perigo três vezes, duas delas com Romário e uma com Bebeto. Além deste caráter dominante com a bola, o Brasil tinha uma característica incomum àquela época. Pressionava rápido após perder a bola. Queria ter a posse e isso era inegociável. A Rússia só conseguiu uma finalização em todo o 1º tempo. Ela veio ainda aos 13 minutos, em erro de Dunga na saída de bola, mas seguramente parada por Taffarel.

Relembre o primeiro capítulo da série “25 anos do Tetra – o espinhoso caminho até a Copa”

O camisa 8 era parte muito importante na equipe. No Brasil se tem muito a ideia do capitão raçudo, que dava bronca nos demais jogadores e tinha força de marcação, mas Dunga era muito mais do que isso. Possuía um bom passe, capacidade de distribuição de jogo e leitura de espaços em todas as fases do jogo. Tanto que era a principal ferramenta na construção inicial da equipe. Ficava um pouco à frente de Mauro Silva e da dupla de zaga, flutuando na intermediária e escolhendo o foco das jogadas (veja animação abaixo). Posteriormente acionava Raí ou Zinho, que flutuavam dos lados para dentro e abriam o corredor para as ultrapassagens dos laterais.

 

 

Outro ponto importante a ser citado era a liberdade que Jorginho e Leonardo tinham. Apoiavam simultaneamente, buscavam associações com os meias e atacantes seguidamente. A movimentação de Romário e Bebeto era uma aula para qualquer atacante. Excetuando a altíssima técnica e genialidade de ambos, a dupla do Tetra promovia diagonais curtas em cima da última linha defensiva adversária e revezavam entre profundidade e flutuação nas costas dos volantes oponentes.

Baseado neste conjunto coletivo, o Brasil venceu o natural nervosismo inicial e a intensidade da marcação russa, empurrou o adversário pra trás e criou três bons ataques antes de abrir o placar com Romário, em escanteio cobrado Bebeto aos 26 minutos. O próprio camisa 7 e Zinho chegaram perto de ampliar ainda na 1ª etapa. Nos últimos dez minutos, a Seleção reduziu o ritmo em virtude do forte calor, mas seguiu superior.

Na volta do intervalo, um misto de desconcentração inicial e relaxamento pelo domínio do 1º tempo, acabou permitindo à Rússia um período maior de posse e um chute perigoso de Gorlukovich na entrada da área. Foi a senha para o time acordar novamente e acionar Romário após boa troca de passes. O Baixinho invadiu a área em grande jogada individual, deu uma ‘’caneta’’, e foi derrubado por trás por Nikiforov. Raí deslocou Kharine na cobrança e marcou o segundo aos 8 minutos do 2º tempo.

Com a vantagem e a superioridade nas ações, foi a vez do Brasil colocar em prática o seu caráter controlador. Tirou a velocidade do jogo e fez o que aquela equipe fazia como poucas na história das Copas: se defendia com a bola. Trocava passes de um lado a outro com muita paciência, e só verticalizava as jogadas quando percebia a possibilidade nítida de uma chance de gol. Talvez por falta deste entendimento, a imprensa na época fazia tantas críticas ao time de Parreira.

 

Marcio Santos desarma o ataque russo.
Marcio Santos desarma o ataque russo.

 

Mesmo bem menos agressivo, o Brasil ainda criou quatro ocasiões bem claras no restante da partida. Bebeto obrigou Kharine a fazer três ótimas defesas. Romário chegou perto de marcar de peixinho. O time ainda perderia Ricardo Rocha de forma definitiva para o Mundial em lesão sofrida no 2º tempo. Aldair entrou em seu lugar. Mazinho foi outro a sair do banco para substituir o cansado Dunga no finalzinho. A Rússia só finalizaria mais duas vezes até o apito derradeiro, ambas sem contundência.

Mais do que dar confiança e deixar uma boa impressão inicial, a vitória sobre a Rússia deu a primeira colocação do Grupo para o Brasil. No dia anterior, Camarões e Suécia haviam empatado em 2×2 em Los Angeles.

Daqui a quatro dias vamos saber como o Brasil venceu Camarões.

As notas de Brasil 2x0 Rússia para Rodrigo Coutinho.
As notas de Brasil 2×0 Rússia para Rodrigo Coutinho.
Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Rodrigo Coutinho

Últimas Postagens

A onda tecnicista na função do auxiliar técnico de futebol
Jonatan Cavalcante

A onda tecnicista na função do auxiliar técnico de futebol

0 Comentários
Friendly #1 | Imaginar e construir o futuro, a habilidade fundamental do século XXI
Footure

Friendly #1 | Imaginar e construir o futuro, a habilidade fundamental do século XXI

0 Comentários
Surpresa e tradição: os classificados para as quartas do futebol masculino na Olimpíada
Caio Nascimento

Surpresa e tradição: os classificados para as quartas do futebol masculino na Olimpíada

0 Comentários
Osimhen, Simy, e a problemática das narrativas sobre jogadores africanos
Caio Bitencourt

Osimhen, Simy, e a problemática das narrativas sobre jogadores africanos

0 Comentários
O que esperar do Real Madrid para os próximos anos com Carlo Ancelotti?
Bruna Mendes

O que esperar do Real Madrid para os próximos anos com Carlo Ancelotti?

0 Comentários
O que explica as goleadas do Flamengo com Renato Gaúcho?
Gabriel de Assis

O que explica as goleadas do Flamengo com Renato Gaúcho?

0 Comentários
Como o Vojvodismo transformou o Fortaleza em protagonista no futebol brasileiro?
Jonatan Cavalcante

Como o Vojvodismo transformou o Fortaleza em protagonista no futebol brasileiro?

0 Comentários
God Save the Game #34 | A janela de transferências da Premier League 21/22
Gabriel Corrêa

God Save the Game #34 | A janela de transferências da Premier League 21/22

0 Comentários
Felipão chega entregando o de sempre: segurança e resultado
Gabriel de Assis

Felipão chega entregando o de sempre: segurança e resultado

0 Comentários
Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 2
Caio Nascimento

Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 2

0 Comentários
A Itália ainda pode crescer após o título da Euro?
Caio Bitencourt

A Itália ainda pode crescer após o título da Euro?

0 Comentários
Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 1
Caio Nascimento

Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 1

0 Comentários
O complicado início de Diego Aguirre no Internacional
Gabriel de Assis

O complicado início de Diego Aguirre no Internacional

0 Comentários
Rodrigo De Paul: o meia com DNA de Simeone e Atlético de Madrid
Bruna Mendes

Rodrigo De Paul: o meia com DNA de Simeone e Atlético de Madrid

0 Comentários
A Inglaterra superou seus traumas e, agora, se permite sonhar
Lucas Filus

A Inglaterra superou seus traumas e, agora, se permite sonhar

0 Comentários