A disparidade entre Atlético de Madrid e Barcelona

Em campo o Atleti dominou e mostrou que está firme na busca pelo bicampeonato. Enquanto isso, o Barcelona encara mais uma derrota em um jogo que competir em alto nível é fundamental.

Após vencer o grande jogo contra o Barcelona, o Atleti se mantém firme na briga pelo título da La Liga. O jogo foi marcado pela disparidade entre as duas equipes, as diferenças de pressão, transição defensiva e como o time da capital se manteve confortável no seu campo de defesa.

As escalações

O Atleti chegou com a formação padrão envolvendo três zagueiros e com Marcos Llorente como ala no lugar de Trippier. De cara é compreensível essa mexida, primeiro para acomodar Rodrigo de Paul e Lemar no meio e abrir o campo com Llorente pelo lado direito que é aonde o espanhol tem o costume de atuar, mas com maior responsabilidade defensiva desta vez. Koke atrás dos dois meias e sem a bola de Paul recua para fazer a cobertura pelo lado direito. Lemar e João Félix caem pelo lado esquerdo como sempre.

No Barcelona temos algumas novidades. Sem Pedri e com Ansu Fati recuperando o ritmo aos poucos, era imaginável que Koeman colocaria Gavi ou Nicolás González na equipe titular: colocou os dois, como foi contra o Levante. Gavi como um ponta mais avançado, Frenkie de Jong na direita e Coutinho como um ‘10’ caindo pelo lado esquerdo. Sem Luuk de Jong, Depay ficou mais centralizado no ataque, e na linha de defesa Dest fez a lateral-esquerda.

Ideias inicias e o decorrer do primeiro tempo

Nos primeiros 15 minutos o Atleti avança no campo com uma marcação em bloco alto, dificultando a saída e pressionando Busquets – principal responsável desde a base. Nesse princípio, João Félix volta para ajudar a marcação e se movimenta bastante pelo lado esquerdo, incomodando Mingueza nos avanços.

Os jogadores do meio (menos Busquets) e os atacantes pelos lados (nesse caso Gavi e Frenkie que não são da posição) se movimentam bastante para tentar dificultar a marcação do Atleti. Nessa formação Gavi e Coutinho permanecem como foco no lado esquerdo – Barcelona cai por lá quase sempre – enquanto Nicolas dá o suporte para Busquets mais alinhado. Com a bola, Gavi recua um pouco mais para receber o passe, na ideia principal de emular o que Pedri faz quando está em campo.

A intenção de ter Frenkie mais solto é interessante de primeiro momento, mas acabou que ele ficou muito isolado pelo lado direito o tempo todo. As infiltrações na grande área não aconteceram, poucas ações tornaram esse avanço difícil – apenas 15 toques na bola e 10 passes do holandês nos 45 minutos iniciais. O Atleti buscou atacar esse espaço no lado direito a todo momento e de cara o time perdia um jogador na saída (Frenkie) já que Busquets ficou sobrecarregado.

A disparidade competitiva foi nítida o tempo todo, principalmente se tratando do físico e tática dos dois lados. Entendendo a movimentação do Barcelona – que até primeiro momento estava atuando para conseguir progredir no campo de ataque, o Atleti recua para o bloco médio de acordo com os avanços dos blaugranas. E aí tudo começa a acontecer de fato.

Lemar foi a peça de escape do Atleti na busca incessante em punir os erros do Barcelona. (Reprodução/Getty Images)

O 2-0

Em movimentação absurda saindo da esquerda para o meio, o português João Félix arrastou Mingueza para o centro e assim deixou espaço de sobra para Lemar avançar. O lance progride em um toque do português para Suárez que, nas costas de Busquets, deu a assistência para o francês.

Em seguida a mesma jogada é feita. Dessa vez com Suárez atacando o espaço deixado novamente por Mingueza, e Araújo fica em uma posição difícil mais uma vez, mas Suárez finaliza mal.

No segundo gol temos o melhor exemplo do que é um time de Simeone. Contra-ataque que já estava cantado desde o começo do jogo, muito pelo treinador buscar o erro do Barcelona a todo momento. Após recuperação de Koke no campo de defesa e um passe de João Félix – limpando quatro jogadores mal posicionados na transição defensiva – para Lemar sair sozinho restando um zagueiro contra dois jogadores. O francês consegue o passe perfeito para Suárez que marca seu primeiro gol contra seu ex-clube.

Nos dois gols João Félix teve leituras fundamentais para tudo acontecer como deveria. (Reprodução/Denis Doyle/Getty Images)

Os últimos 45 minutos

Koeman volta com Sergi Roberto no lugar de Nico e o coloca alinhado com Busquets. Retomar ao esquema que fez o time competir minimamente na última temporada era o ideal, Sergi como ala e Mingueza como um central pelo lado direito, e até poderia se encaixar nessa ideia, puxando Busquets para o volante centralizado e Gavi com Frenkie a frente. Mas o principal objetivo de Koeman no segundo tempo é não oferecer espaços e segurar o avanço do Atleti pelo lado direito.

Coutinho é uma incógnita até ali, cai pelo lado esquerdo, mas não tem uma posição definida, é quase como uma nuvem flutuando pelo campo, enquanto não consegue alcançar grandes ações com seus companheiros. Num erro de Hermoso, o Barcelona até conseguiu criar a única grande chance da partida, mas o brasileiro desperdiça numa finalização fraca em cima de Oblak.

Coutinho perdeu chance clara para diminuir o placar. (Reprodução/FCBarcelona)

A entrada de Trippier no lugar de Rodrigo de Paul é bem explicada pensando nesse pouco incômodo de Coutinho pelo lado direito da defesa do Atleti. Llorente permanece por ali, porém agora com menos responsabilidade na primeira linha defensiva e com mais liberdade avançado – se destacou assim. Pensando no objetivo dos colchoneros no jogo a substituição é perfeita. O controle sem a bola é fácil já que o Barcelona não incomoda, e com a bola o time precisa de velocidade. E a característica de Marcos Llorente é fundamental neste conceito, são ataques rápidos que o Atleti busca, o contra-ataque para matar de vez o jogo.

A pouca produção ofensiva blaugrana pede Ansu Fati, e ele entra. Alinhado com Memphis oferece uma profundidade que o Barcelona não teve em nenhum momento do jogo. A partir daí o time consegue se manter por mais tempo no último terço. Gavi e Frenkie trocam de lado de vez e Ansu busca o jogo na entrelinha, sofrendo faltas e avançando para finalizar.

Novamente pensando no cansaço, Simeone renova o ataque com Griezmann e Angel Correa nos lugares de Suárez e João Félix. Apesar da troca pelos atacantes, Correa fecha a linha no meio, para ajudar Marcos Llorente enquanto Trippier recua um pouco mais na linha dos zagueiros – os três centrais continuam, mas Carrasco (substituído por Lodi no final) e Trippier não sobem com tanta frequência mais.

As alterações de Simeone são pontuais, expondo a desorganização ofensiva do Barcelona que mesmo com quase 70% de posse não consegue criar chances de fato. Até melhora com Fati em campo, Memphis consegue buscar o jogo, mas nada que assuste o Atleti.

Suárez e Lemar foram cirúrgicos nas definições das jogadas. (Reprodução/Atleti)

Como dito, a disparidade é gigantesca, o placar de 2 a 0 não é nem de perto uma ilustração do que foi o jogo em si. Um domínio claro e absoluto do Atleti, e mais uma vez demonstração de fraqueza do Barcelona em um jogo de alto nível.

Reflexões, mudanças e perspectivas na temporada

Os problemas do Barcelona vão além de Ronald Koeman, isso nem deveria ser discutido. O técnico fez o que tinha que fazer na última temporada e foi bem naquilo que o time precisava de primeiro momento – alta minutagem e evolução dos jovens. Por outro lado, tudo indica que a equipe não vá a lugar nenhum mais. A demissão do holandês mudaria muita coisa em campo ou seria apenas uma forma de abafar as críticas da torcida?

Já o Atleti segue firma na busca pelo título. O clube evoluiu de maneira espetacular na última década com Simeone e vem buscando grandes coisas. Mesmo com um começo abaixo na temporada, o elenco conta com peças interessantíssimas em todos os setores do campo. Cholo está cada vez mais convicto das suas ideias e a tendência é que o desempenho cresça conforme a temporada se desenrola. O sonho do bicampeonato espanhol pode se tornar realidade, tudo depende da briga com o Real Madrid, já que o Barcelona parece fora de disputa, mas tudo indica que será mais uma vez um grande campeonato da equipe colchonera.

Compartilhe
1XBet - Receber Bônus

Comente!

Tem algo a dizer?

Últimas Postagens

O padrão ofensivo das transições do Bahia
Jonatan Cavalcante

O padrão ofensivo das transições do Bahia

0 Comentários
Por que a Juventus de Allegri falhou no caminho das conquistas?
Caio Bitencourt

Por que a Juventus de Allegri falhou no caminho das conquistas?

0 Comentários
Início de Luís Castro no Botafogo merece a euforia da torcida
Gabriel de Assis

Início de Luís Castro no Botafogo merece a euforia da torcida

0 Comentários
Conheça Allan Aal, técnico do Grêmio Novorizontino, surpresa da Série B 2022

Conheça Allan Aal, técnico do Grêmio Novorizontino, surpresa da Série B 2022

Douglas Batista
Uma nova, mas já conhecida, função: o renascer de Léo Baptistão no Santos
Aurelio Solano

Uma nova, mas já conhecida, função: o renascer de Léo Baptistão no Santos

0 Comentários
1XBet - Receber Bônus
Zalewski: a descoberta de Mourinho que mudou a Roma
Caio Bitencourt

Zalewski: a descoberta de Mourinho que mudou a Roma

0 Comentários
Líder, Vítor Pereira vai ganhando tempo no Corinthians
Gabriel de Assis

Líder, Vítor Pereira vai ganhando tempo no Corinthians

0 Comentários
Qual o impacto de Maignan no gol do Milan?
Caio Bitencourt

Qual o impacto de Maignan no gol do Milan?

0 Comentários
Retratos de um Real Madrid campeão espanhol e finalista europeu
Bruna Mendes

Retratos de um Real Madrid campeão espanhol e finalista europeu

0 Comentários
Planejado, Coritiba tem seu melhor time dos últimos anos
Gabriel de Assis

Planejado, Coritiba tem seu melhor time dos últimos anos

0 Comentários
O que falta ao Napoli para levantar o Scudetto?
Caio Bitencourt

O que falta ao Napoli para levantar o Scudetto?

0 Comentários
1XBet - Receber Bônus
Liderança do Santos chega a partir de melhora defensiva
Gabriel de Assis

Liderança do Santos chega a partir de melhora defensiva

0 Comentários
Real Betis x Valencia: a final entre Manuel Pellegrini e Pepe Bordalás
Bruna Mendes

Real Betis x Valencia: a final entre Manuel Pellegrini e Pepe Bordalás

0 Comentários
Ten Hag e a missão de reconstruir o Manchester United
Lucas Filus

Ten Hag e a missão de reconstruir o Manchester United

1 Comentários
Coppa Italia: meu bem ou meu mal?
Caio Bitencourt

Coppa Italia: meu bem ou meu mal?

0 Comentários