A evolução do West Ham de David Moyes

Após anos de desilusão, os Hammers fazem bom início de temporada e finalmente dão um fio de esperança para o torcedor

Estava lendo os comentários de uma matéria sobre o West Ham e me deparei com o seguinte, vindo de um torcedor: “ontem olhei para a tabela em um aplicativo, fui descendo a página e pensei “espera, não estamos na tabela?”, então subi a página novamente e percebi que estamos em quinto!”

Certamente não foi só ele o surpreendido com a posição do clube londrino na Premier League de 2020/21. Ainda mais se considerarmos que as atuações recentes não foram exatamente sublimes ou daquelas capazes de chamar a atenção dos neutros. A equipe de David Moyes, porém, encontrou solidez e aprendeu a ser eficaz em cenários costumeiramente complicados.

São 17 pontos de 30 possíveis, 17 gols marcados e 11 gols sofridos. A campanha é longa, o calendário é mais exigente do que nunca e dificilmente aquele torcedor não vai precisar descer um pouco tabela no fim das contas. Mas o momento é positivo, o elenco tem qualidade e há a sensação de que podemos ter surpresas nesta edição do campeonato. Por que não os Hammers?

É importante citar que o objetivo da direção sempre foi alçar voos altos e eventualmente participar de competições europeias, enquanto o investimento recente faria jus a uma colocação ao menos respeitável, ao contrário do que vinha acontecendo. Em 19/20 o time brigou contra o rebaixamento até os momentos derradeiros e terminou em décimo sexto. A sensação sempre foi a de que não existia coerência no planejamento esportivo e isso minava o potencial ali existente.

Em dezembro de 2019, Moyes desembarcou no leste da capital sem muito alarde. Na verdade, a maioria das pessoas não visualizava um panorama positivo se apresentando sob o seu comando. Afinal de contas, seu trabalho no Manchester United foi péssimo (apesar de toda a dificuldade em suceder Sir Alex Ferguson) e as passagens por Real Sociedad, Sunderland e o próprio West Ham (sim, é a segunda vez) acabaram com um aproveitamento inferior a 30%.

Os primeiros meses no retorno ao London Stadium também estiveram longe de empolgar, mas a obrigação de permanecer na elite foi cumprida e a temporada atual começou diferente. Ele encontrou um sistema que gera equilíbrio entre os setores, tira o melhor de algumas peças importantes e aumenta a competitividade do conjunto. O 5-4-1 utilizado como padrão pode não ser dos mais plásticos ou revolucionários, mas quem disse que precisa?

Rice é um dos melhores meias da Premier League atualmente (Foto: West Ham United)

O clube necessitava há tempos de um fio de esperança e, neste exato momento, o treinador escocês está entregando justamente isso. Até quando a boa fase vai durar nós não sabemos – e em determinados jogos recentes o desempenho poderia ter sido melhor -, mas ninguém terá grandes reclamações para fazer em um período positivo como esse. 

Ogbonna cresceu como líder no miolo da defesa e ajuda a compensar algumas fragilidades de Balbuena e Cresswell, Coufal e Masuaku estão rendendo nas laterais, Rice e Soucek formam uma das melhores duplas de meio-campo de toda a Premier League, Fornals finalmente conseguiu engrenar, Bowen se mostrou uma contratação excelente e Antonio segue incomodando defesas adversárias a cada semana.

E certamente os titulares sabem que precisam dar o máximo e manter a consistência, considerando a presença de bons jogadores como Haller, Benrahma, Lanzini, Noble e Diop no banco de reservas.

A torcida volta só no sábado, mas a equipe já se sente em casa no London Stadium – finalmente (Foto: West Ham United)

Outra prova da evolução vivenciada pelos Irons é que o próprio estádio já não parece mais um campo neutro. A polêmica mudança do saudoso Boleyn Ground (ou Upton Park) para o London Stadium foi baseada em motivos comerciais e financeiros, mas o rendimento como mandante havia caído e nenhum oponente se sentia desconfortável ao visitá-los. 

Agora, só o Liverpool tem um retrospecto melhor dentro de seus domínios (21/21) e o West Ham vai receber o Manchester United no sábado com os ânimos lá no alto e a certeza de que está em casa. E com um ingrediente especial: essa será a primeira partida do campeonato inglês com a presença de público (limite de 2.000) desde março.

David Moyes, os atletas e os torcedores mal podem esperar. Será que a sequência positiva permanecerá?

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Últimas Postagens

Cinco jogadores que se destacaram na Copa América

Cinco jogadores que se destacaram na Copa América

André Andrade
As influências dos campos reduzidos na Copa América

As influências dos campos reduzidos na Copa América

Douglas Batista
FIQUE DE OLHO: Jogadores Sub-23 que podem se destacar na Copa América 2024
André Andrade

FIQUE DE OLHO: Jogadores Sub-23 que podem se destacar na Copa América 2024

A EVOLUÇÃO DE GABRIEL SARA NA INGLATERRA

A EVOLUÇÃO DE GABRIEL SARA NA INGLATERRA

Douglas Batista
EURO 2024 | COMO CHEGA PORTUGAL

EURO 2024 | COMO CHEGA PORTUGAL

Gabriel Mota
EURO 2024 | COMO CHEGA A BÉLGICA

EURO 2024 | COMO CHEGA A BÉLGICA

Vinícius Dutra
EURO 2024 | COMO CHEGA A FRANÇA

EURO 2024 | COMO CHEGA A FRANÇA

Gabriel Mota
EURO 2024 | COMO CHEGA A HOLANDA

EURO 2024 | COMO CHEGA A HOLANDA

Lucas Goulart
EURO 2024 | COMO CHEGA A INGLATERRA

EURO 2024 | COMO CHEGA A INGLATERRA

Vinícius Dutra
EURO 2024 | COMO CHEGA A ITÁLIA

EURO 2024 | COMO CHEGA A ITÁLIA

Lucas Goulart
EURO 2024 | COMO CHEGA A ESPANHA

EURO 2024 | COMO CHEGA A ESPANHA

Vinícius Dutra
EURO 2024 | COMO CHEGA A ALEMANHA

EURO 2024 | COMO CHEGA A ALEMANHA

Lucas Goulart
O crescimento de Andrey Santos no Strasbourg

O crescimento de Andrey Santos no Strasbourg

Douglas Batista
Os treinadores de bolas paradas no futebol e a importância de Nicolas Jover no Arsenal

Os treinadores de bolas paradas no futebol e a importância de Nicolas Jover no Arsenal

André Andrade
O trabalho de André Jardine no América-MEX

O trabalho de André Jardine no América-MEX

Douglas Batista