A INCONSTÂNCIA COBRA UM PREÇO

Por Leo Gomide Do início de 2016 até a partida contra o Cerro Porteño, válida pela quarta rodada da fase de grupos da Libertadores, realizada nessa quarta-feira (10), o Atlético disputou 230 jogos. Neste intervalo sete técnicos estiveram no comando do time: Diego Aguirre, Marcelo Oliveira, Roger Machado, Rogério Micale, Oswaldo Oliveira, Thiago Larghi, Levir […]

Por Leo Gomide

Do início de 2016 até a partida contra o Cerro Porteño, válida pela quarta rodada da fase de grupos da Libertadores, realizada nessa quarta-feira (10), o Atlético disputou 230 jogos. Neste intervalo sete técnicos estiveram no comando do time: Diego Aguirre, Marcelo Oliveira, Roger Machado, Rogério Micale, Oswaldo Oliveira, Thiago Larghi, Levir Culpi. Título apenas um, o Campeonato Mineiro de 2017.

Uma média de 33 jogos dirigindo a equipe para cada um dos técnicos citados. Não equivale a um Brasileirão completo.

Tal inconstância cobra um preço. No futebol, ou em qualquer outro esporte, mais se perde do que se levanta taças. Mas o caminho para a conquista requer planejamento, conhecimento para avaliações/reavaliações, correções e, se necessário, mudanças. Mas se torna ainda mais árduo quando não responde perguntas básicas: como avaliar? Por que e quando corrigir? Na administração utiliza-se o “ciclo da melhora continua”: planejar, fazer, checar e agir.

Porém, no futebol, a dimensão política interfere na técnica, e o apego ao que deu certo outrora muitas vezes é a receita de dirigentes para solucionar um problema. Funciona como um escudo, um desvio de atenções. “Esquece” os problemas do agora, recorda as vitórias do passado e pensa que viverá tudo novamente no futuro. Mas a velocidade de como tudo muda no futebol atualmente permite cada vez menos saudosismo e cada vez mais uma visão tecnicista do processo.

Voltar a fazer o que se fez em um passado não tão longínquo pode ter o prazo de validade expirado. O contexto dentro de um clube e o do jogo já não são os mesmos. Há de se livrar da atração pelo passado e reinventar-se. Vale para gestão, vale para o trabalho de campo.

Com o revés para o Cerro o Atlético praticamente deu adeus à possibilidade de avançar para o mata-mata da competição continental. Um time que pelo desempenho em campo demonstra não ter exata definição de como quer se defender e atacar.

Como dito, o clube flertou com os métodos de 2014 para tentar ser campeão em 2019. Porém, o cenário e as exigências para alcançar tal objetivo estão modificados em cinco anos.

O Atlético tentou as ideias estrangeiras de Aguirre, se apegou em Marcelo, quis as ideias novas de Roger, apostou no emergente Micale, no motivacional de Oswaldo, em reciclar-se com Larghi, mas nada deu certo. Resgatou o “sebastianismo” por Levir Culpi. Em vão!

“Se você não sabe aonde quer chegar, qualquer caminho serve”, Lewis Carol.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Leo Gomide

Últimas Postagens

A coerência no Chelsea de Thomas Tuchel e no City de Pep Guardiola
Lucas Filus

A coerência no Chelsea de Thomas Tuchel e no City de Pep Guardiola

0 Comentários
O que fez Darío Sarmiento chamar a atenção do Manchester City?
Dimitri Barcellos

O que fez Darío Sarmiento chamar a atenção do Manchester City?

0 Comentários
Paul Pogba pode ser o primeiro ‘reforço’ do United para a próxima temporada
Lucas Filus

Paul Pogba pode ser o primeiro 'reforço’ do United para a próxima temporada

0 Comentários
A vez da geração 2004: conheça Matheus Nascimento, Cowell, Sesko e Demir
Caio Nascimento

A vez da geração 2004: conheça Matheus Nascimento, Cowell, Sesko e Demir

0 Comentários
Por que João Pedro é a tábua de salvação para o Cagliari
Caio Bitencourt

Por que João Pedro é a tábua de salvação para o Cagliari

0 Comentários
Biotipo, velocidade de raciocínio e tomada de decisão: o que é a intensidade no futebol
Caio Alves

Biotipo, velocidade de raciocínio e tomada de decisão: o que é a intensidade no futebol

0 Comentários
Knappenschmiede: a histórica forja do Schalke 04 em meio a turbulência existencial do clube
Caio Nascimento

Knappenschmiede: a histórica forja do Schalke 04 em meio a turbulência existencial do clube

0 Comentários
Campeão da Copa do Rei, Barcelona domina o Athletic e busca o doblete
Bruna Mendes

Campeão da Copa do Rei, Barcelona domina o Athletic e busca o doblete

0 Comentários
O que a contratação de Alexandre Gallo pode aportar ao Santa Cruz?
Jonatan Cavalcante

O que a contratação de Alexandre Gallo pode aportar ao Santa Cruz?

0 Comentários
4 histórias para se observar na fase de grupos da Libertadores 2021
Dimitri Barcellos

4 histórias para se observar na fase de grupos da Libertadores 2021

0 Comentários
Raúl Bobadilla e Abel Hernández: conheça os novos centroavantes do Fluminense
Gabriel Corrêa

Raúl Bobadilla e Abel Hernández: conheça os novos centroavantes do Fluminense

0 Comentários
Kayky, Galarza, Nestor, Kaiky, Rodrigo Varanda e o semestre animador dos garotos da base brasileira
Caio Nascimento

Kayky, Galarza, Nestor, Kaiky, Rodrigo Varanda e o semestre animador dos garotos da base brasileira

0 Comentários
As transições da Inter que as deixam na cara do gol (e do Scudetto)
Caio Bitencourt

As transições da Inter que as deixam na cara do gol (e do Scudetto)

0 Comentários
Danilo, uma boa dor de cabeça para Abel Ferreira no Palmeiras
Gabriel Corrêa

Danilo, uma boa dor de cabeça para Abel Ferreira no Palmeiras

0 Comentários
Zidane vence jogo de xadrez no El Clásico e aumenta disputa por título na Liga
Bruna Mendes

Zidane vence jogo de xadrez no El Clásico e aumenta disputa por título na Liga

0 Comentários