Diego Alves: a reconstrução da muralha rubro-negra

Após um início difícil com a camisa do Flamengo, a atual temporada para Diego Alves tem sido de redenção

A contratação de Diego Alves na janela de transferências em 2017, teve como objetivo de promover uma mudança de patamar e consequentemente ter um atleta que ofertasse maior segurança na posição. Mas o início vestindo a camisa rubro-negra não foi dos mais fáceis. Nos primeiros meses acompanhou das arquibancadas o Flamengo chegar à final da Copa do Brasil e perder o título nos pênaltis para o Cruzeiro. Pela Sul-Americana, fraturou a clavícula na semifinal diante do Junior Barranquilla e mais uma vez longe da grande área observou a equipe ficar com o vice-campeonato. Retornando aos gramados em 2018, viu a equipe sucumbir nas quatro competições do calendário esportivo: Estadual, Libertadores, Brasileiro e Copa do Brasil.

E diante do clima de terra arrasada que se instaurou no clube, o ambiente ficou ainda mais conturbado quando Diego Alves se recuperou de lesão na coxa e não retornou a titularidade. O goleiro se negou a viajar com o Flamengo para o jogo contra o Coritiba por não aceitar a condição de reserva. Uma saída do clube começou a ser cogitada, tamanha era a insatisfação com o comportamento do arqueiro.

A chegada de Abel Braga ao Flamengo foi fundamental para apaziguar os ânimos exacerbados – que a essa altura já tinha extrapolado para as arquibancadas – e reconduzir a situação para uma solução pacífica e benéfica as partes. A volta à titularidade foi vista com desconfiança por muitos. Mas dentro de campo o desempenho mostrado por Diego Alves referendou a decisão do técnico, que culminou com a conquista do Campeonato Estadual.

Compilado de defesas difíceis do Diego Alves no primeiro semestre

A CHEGADA DO MISTER

Após uma conturbada fase de grupos da Libertadores e, início de Brasileiro com um desempenho aquém do projetado. A direção do Flamengo rumou à contratação do técnico Jorge Jesus. O Mister chegou numa fase chave da temporada. Na qual o Flamengo estava nas oitavas de final da Libertadores, quartas de final da Copa do Brasil e necessitava de uma recuperação na Série A. O primeiro jogo do mister, resultou em uma exibição de gala e uma estrondosa goleada de 6 a 1 frente ao Goiás. Neste jogo, Jorge Jesus deu mostras do que seria o Flamengo ao longo da temporada. Porém, a ruptura de ideias entre o antecessor e o sucessor do comando técnico gerou certa instabilidade em algumas partidas. Algo natural. Pois a assimilação de uma nova forma de jogar requer repetição e correção em abundância até que o comportamento seja automatizado.

Nos oito jogos iniciais foram 11 gols sofridos, uma eliminação na Copa do Brasil, uma classificação às quartas de final da Libertadores nos pênaltis e uma derrota acachapante diante do Bahia no Brasileiro. Encontrar o equilíbrio entre um ataque agressivo e uma defesa sólida, fazia-se necessário para que o Flamengo fosse mais consistente nas competições que disputava.

FIEL DA BALANÇA

À procura da batida perfeita, o Mister encontrou em Diego Alves um líder técnico para dar harmonia a melodia que estava ensaiando exaustivamente no CT Ninho do Urubu. Um goleiro que domina amplamente a pequena área e detém um senso de colocação refinado sob à frente da baliza. E além disso, contém um bom jogo com os pés, auxiliando a equipe em momentos de pressão adversária.

Scouts de Diego Alves na Libertadores, Série A e Copa do Brasil, apontam a solidez defensiva do arqueiro na meta do Flamengo

Dentro da pequena área Diego Alves possui atributos como senso de posicionamento, explosão, elasticidade, força, impulsão e técnica, que lhe credenciam como um dos melhores da posição no Continente Sul-Americano. Não à toa a média de gols sofridos é inferior a um gol por partida. Mérito de toda a equipe, mas que Diego Alves possui parcela substancial ao executar defesas dificílimas em momentos chaves dos jogos. Como mostra o levantamento realizado pelo Footure Pro, Diego Alves possui um alto número de intervenções difíceis quando o placar da partida está em igualdade numérica. Ou seja, o Camisa 1 transmite confiança para que a equipe seja agressiva e busque amassar o adversário. E como o Flamengo é uma equipe que não diminui o ímpeto ofensivo mesmo vencendo, quando exigido, Diego Alves passa tranquilidade e “garante lá trás” para que Gabigol, Bruno Henrique, Everton Ribeiro, Arrascaeta, Gerson e Arão ampliem o placar.

E como mostra o mapa de calor, o arqueiro do Flamengo não fica restrito à grande área. Pois além das obrigações primárias (defender a meta), Diego Alves faz parte do balanço defensivo do Flamengo. Longe de atuar como um líbero, tal qual Manuel Neuer, Diego Alves tem como função realizar coberturas em zonas mais baixas e próximas à grande área. Além disso, é detentor de um passe refinado que invariavelmente é acionado quando os defensores estão pressionados e sem linhas de passe para frente. E tendo a posse em seus domínios busca dar continuidade a jogada sempre se conectando ao homem-livre, seja com um passe curto ou longo.

Diego Alves mostrou um poder de reação espetacular ao defender com apenas uma mão, o chute de Everton Cebolinha nas semifinais da Libertadores

No entanto, Diego Alves apresenta um calcanhar de aquiles: a saída de gol. Ao realizar o método observacional de jogo, revelou-se que na maior parte dos cruzamentos Diego Alves sente mais segurança em defender a meta ao invés de interceptar a bola ainda no trajeto. Com isso, uma das principais origens de gols sofridos pelo Flamengo está nas bolas alçadas na área. Somando as origens (Cruzamentos; Escanteios e Falta levantada na área), tem-se 14 gols sofridos em bolas alçadas na área. Ou seja, um percentual expressivo de 40% do total dos gols sofridos pelo arqueiro na temporada.

ORIGEM DOS GOLS SOFRIDOS

  1. Cruzamentos – 9 gols
  2. Pênaltis – 7 gols
  3. Passe + Finalização dentro da área – 7 gols
  4. Escanteios – 4 gols
  5. Erros – 4 gols
  6. Passe + Finalização de fora da área – 2 gols
  7. Falta levantada na área – 1 gol
  8. Falta direta – 1 gol

A muralha rubro-negra está de pé, esperando para impedir o avanço dos adversários e com um ataque mortal conquistar os territórios no Brasil e na América do Sul.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Jonatan Cavalcante

Últimas Postagens

A coerência no Chelsea de Thomas Tuchel e no City de Pep Guardiola
Lucas Filus

A coerência no Chelsea de Thomas Tuchel e no City de Pep Guardiola

0 Comentários
O que fez Darío Sarmiento chamar a atenção do Manchester City?
Dimitri Barcellos

O que fez Darío Sarmiento chamar a atenção do Manchester City?

0 Comentários
Paul Pogba pode ser o primeiro ‘reforço’ do United para a próxima temporada
Lucas Filus

Paul Pogba pode ser o primeiro 'reforço’ do United para a próxima temporada

0 Comentários
A vez da geração 2004: conheça Matheus Nascimento, Cowell, Sesko e Demir
Caio Nascimento

A vez da geração 2004: conheça Matheus Nascimento, Cowell, Sesko e Demir

0 Comentários
Por que João Pedro é a tábua de salvação para o Cagliari
Caio Bitencourt

Por que João Pedro é a tábua de salvação para o Cagliari

0 Comentários
Biotipo, velocidade de raciocínio e tomada de decisão: o que é a intensidade no futebol
Caio Alves

Biotipo, velocidade de raciocínio e tomada de decisão: o que é a intensidade no futebol

0 Comentários
Knappenschmiede: a histórica forja do Schalke 04 em meio a turbulência existencial do clube
Caio Nascimento

Knappenschmiede: a histórica forja do Schalke 04 em meio a turbulência existencial do clube

0 Comentários
Campeão da Copa do Rei, Barcelona domina o Athletic e busca o doblete
Bruna Mendes

Campeão da Copa do Rei, Barcelona domina o Athletic e busca o doblete

0 Comentários
O que a contratação de Alexandre Gallo pode aportar ao Santa Cruz?
Jonatan Cavalcante

O que a contratação de Alexandre Gallo pode aportar ao Santa Cruz?

0 Comentários
4 histórias para se observar na fase de grupos da Libertadores 2021
Dimitri Barcellos

4 histórias para se observar na fase de grupos da Libertadores 2021

0 Comentários
Raúl Bobadilla e Abel Hernández: conheça os novos centroavantes do Fluminense
Gabriel Corrêa

Raúl Bobadilla e Abel Hernández: conheça os novos centroavantes do Fluminense

0 Comentários
Kayky, Galarza, Nestor, Kaiky, Rodrigo Varanda e o semestre animador dos garotos da base brasileira
Caio Nascimento

Kayky, Galarza, Nestor, Kaiky, Rodrigo Varanda e o semestre animador dos garotos da base brasileira

0 Comentários
As transições da Inter que as deixam na cara do gol (e do Scudetto)
Caio Bitencourt

As transições da Inter que as deixam na cara do gol (e do Scudetto)

0 Comentários
Danilo, uma boa dor de cabeça para Abel Ferreira no Palmeiras
Gabriel Corrêa

Danilo, uma boa dor de cabeça para Abel Ferreira no Palmeiras

0 Comentários
Zidane vence jogo de xadrez no El Clásico e aumenta disputa por título na Liga
Bruna Mendes

Zidane vence jogo de xadrez no El Clásico e aumenta disputa por título na Liga

0 Comentários