ABALO SÍSMICO

Por Valter Júnior A Copa do Mundo é um terremoto futebolístico que faz tremer 32 países a cada quatro anos. A relação do evento com os abalos sísmicos é mais profunda do que esta analogia barata. Em 1960, dois anos antes de o Chile receber o torneio, o Sismo de Valdivia causou grandes estragos no […]

Por Valter Júnior

A Copa do Mundo é um terremoto futebolístico que faz tremer 32 países a cada quatro anos. A relação do evento com os abalos sísmicos é mais profunda do que esta analogia barata. Em 1960, dois anos antes de o Chile receber o torneio, o Sismo de Valdivia causou grandes estragos no país. Apesar dos grandes problemas estruturais causados pelo maior terremoto já registrado na Terra, com quase 6 mil mortos, os chilenos viram que se unir para organizar o maior evento de futebol do planeta era a melhor maneira de fechar as rachaduras abertas. “Porque não temos nada, vamos fazer de tudo para reconstruir o que perdemos”, sentenciou Carlos Diitborn, presidente do Comitê Organizador da Copa.

Não foi a única vez que os tremores de terras causaram problemas às vésperas do Mundial. Vinte e cinco anos depois, foi a vez de a Colômbia sofrer com um terremoto. Eleito a sede da Copa, o país sul-americano precisou abrir mão do Mundial. Acostumado a vivenciar terremotos em seu território, o México, na emergência, abrigou a Copa do ano seguinte.

A última vez que os mexicanos foram abalados por um forte terremoto foi no ano passado. No primeiro domingo da Copa do Mundo, o Instituto de Investigações Geológicas e Atmosféricas A.C. detectou um vibração no solo equivalente a um abalo sísmico. Não foi um abalo, mas uma alegria sísmica. O terremoto foi causado de forma “artificial” devido às efusivas comemorações simultâneas do gol da Seleção Mexicana na vitória por 1 a 0 sobre a Alemanha.

Não há outra invenção além da Copa do Mundo capaz de criar um terremoto de felicidade espontaneamente. São milhões de pessoas, independente de classe social, visões políticas e clubísticas, extravasando alegria juntos no mesmo lance. Os problemas não desaparecem, eles apenas ficam suspensos por algum tempo.

pdscwjyayn6w7gqjghuu

É que a Copa do Mundo traz consigo o suspense de que a cada partida algo histórico pode emergir. Em quatro dias de competições até aqui quantas histórias extraordinárias surgiram para serem contadas? Quantas ainda estão por ser testemunhadas até a última partida? São jogos que mais do que jogados, são sentidos. O choro dos jogadores mexicanos ao final do confronto contra os atuais campeões mundiais comprova isso. A história e até a eternidade podem estar no próximo chute, na próxima defesa, na falha inesperada, na vitória inimaginada, ou na derrota sofrida.

Foi uma vitória que será eterna para o apaixonado povo mexicano, mesmo que o México seja eliminado das oitavas de final pela sétima vez seguida. Uma partida capaz de fazer o Seu Barriga perdoar os meses de aluguel atrasados do Seu Madruga.

No futuro, os jovens mexicanos de hoje serão avós e contarão aos seus netos que aquele gol de Lozano causou um terremoto espontâneo. Será um jogo que permeará o imaginário coletivo por décadas. Algumas distorções podem ocorrer, é claro. Talvez dirão que Chicharito Hernández foi maior que Hugo Sánchez. Talvez algum sábio ancião se revoltará e dirá que isso é uma mentira. Mas retrucarão, Sánchez provocou algum terremoto? Mesmo sendo o dono da razão, o velho mexicano terá que se calar.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Footure

Últimas Postagens

Power in Motion: o projeto de restabelecimento do Dínamo de Moscou
Caio Nascimento

Power in Motion: o projeto de restabelecimento do Dínamo de Moscou

0 Comentários
Em sua primeira final europeia da história, o Villarreal desbanca o Arsenal nas semis da Europa League
Bruna Mendes

Em sua primeira final europeia da história, o Villarreal desbanca o Arsenal nas semis da Europa League

0 Comentários
A coerência no Chelsea de Thomas Tuchel e no City de Pep Guardiola
Lucas Filus

A coerência no Chelsea de Thomas Tuchel e no City de Pep Guardiola

0 Comentários
O que fez Darío Sarmiento chamar a atenção do Manchester City?
Dimitri Barcellos

O que fez Darío Sarmiento chamar a atenção do Manchester City?

0 Comentários
Paul Pogba pode ser o primeiro ‘reforço’ do United para a próxima temporada
Lucas Filus

Paul Pogba pode ser o primeiro 'reforço’ do United para a próxima temporada

0 Comentários
A vez da geração 2004: conheça Matheus Nascimento, Cowell, Sesko e Demir
Caio Nascimento

A vez da geração 2004: conheça Matheus Nascimento, Cowell, Sesko e Demir

0 Comentários
Por que João Pedro é a tábua de salvação para o Cagliari
Caio Bitencourt

Por que João Pedro é a tábua de salvação para o Cagliari

0 Comentários
Biotipo, velocidade de raciocínio e tomada de decisão: o que é a intensidade no futebol
Caio Alves

Biotipo, velocidade de raciocínio e tomada de decisão: o que é a intensidade no futebol

0 Comentários
Knappenschmiede: a histórica forja do Schalke 04 em meio a turbulência existencial do clube
Caio Nascimento

Knappenschmiede: a histórica forja do Schalke 04 em meio a turbulência existencial do clube

0 Comentários
Campeão da Copa do Rei, Barcelona domina o Athletic e busca o doblete
Bruna Mendes

Campeão da Copa do Rei, Barcelona domina o Athletic e busca o doblete

0 Comentários
O que a contratação de Alexandre Gallo pode aportar ao Santa Cruz?
Jonatan Cavalcante

O que a contratação de Alexandre Gallo pode aportar ao Santa Cruz?

0 Comentários
4 histórias para se observar na fase de grupos da Libertadores 2021
Dimitri Barcellos

4 histórias para se observar na fase de grupos da Libertadores 2021

0 Comentários
Raúl Bobadilla e Abel Hernández: conheça os novos centroavantes do Fluminense
Gabriel Corrêa

Raúl Bobadilla e Abel Hernández: conheça os novos centroavantes do Fluminense

0 Comentários
Kayky, Galarza, Nestor, Kaiky, Rodrigo Varanda e o semestre animador dos garotos da base brasileira
Caio Nascimento

Kayky, Galarza, Nestor, Kaiky, Rodrigo Varanda e o semestre animador dos garotos da base brasileira

0 Comentários
As transições da Inter que as deixam na cara do gol (e do Scudetto)
Caio Bitencourt

As transições da Inter que as deixam na cara do gol (e do Scudetto)

0 Comentários