Analytics no futebol acessível para todo mundo

O Analytics do Futebol fácil e acessível para todo mundo

Simplesmente essa é a principal razão da criação desse espaço. O DataFooture chega pra ser um espaço de debate, conhecimento e divulgação do mundo da análise de dados no futebol. O chamado “analytics” cresce de forma exponencial no esporte e vamos corresponder à demanda.

Teremos traduções de textos, estudos, livros e análises dos principais analistas do mundo da bola, colaboradores mais do que especiais, explicação de índices de performance e algoritmos que ajudem no entendimento do jogo, notícias de lançamentos, cursos, softwares e ferramentas e muito mais semanalmente por aqui.

QUASE GOL: OS EXPECTED GOALS NO BRASILEIRÃO

Home do Quase Gol

Em 2017 eu lancei o primeiro modelo de gols esperados (expected goals – xG) que é 100% baseado no futebol brasileiro. Por que eu ressalto esse detalhe? É que toda fórmula de gols esperados precisa usar uma base de finalizações de onde se tiram as porcentagens dos parâmetros usados.

É que não adianta usar para o Brasileirão um modelo de xG que utilize em sua fórmula uma base de finalizações da Premier League, por exemplo. Todo mundo sabe que são competições bem diferentes, tanto em qualidade técnica e tática, quanto na intensidade com e sem a bola, a velocidade da bola e do jogo.

E o futebol também muda mesmo dentro dos próprios países. O futebol do Brasileirão de 2019 foi diferente ao de 1998 e diferente ao de 1972. Então, até pode ser aceitável para uma base de dados de finalizações mais ampla, usar TODAS as finalizações do Brasileirão de 1971 a 2019.

Mas eu prefiro usar uma amostra menor, digamos de 10 temporadas no máximo, que seria mais realista ao futebol praticado na atualidade. Por isso, o QUASE GOL não está pronto ainda. O modelo está baseado nas finalizações de quatro temporadas: de 2016 a 2019.

Igualmente, serve para se ter um parâmetro do nível de qualidade das finalizações. Este é o grande uso dos Expected Goals ao final das contas. Saber a probabilidade de gol daquela finalização observada. Lembrando que o Quase Gol serve UNICAMENTE para a Série A e B do Brasileirão, pois essa é a base usada nos parâmetros.

COMO USAR O QUASE GOL

É bem simples e fácil para utilizar o recurso. Acesse o site e aparecerá um campinho de futebol. Marque com o círculo ONDE foi a finalização no campinho. Ao marcar, abrirá do lado direito os parâmetros pra você escolher na fórmula. Selecione cada um de acordo à finalização analisada.

Selecione o lugar no campo e os parâmetros

Ao terminar a seleção, aparecerá mais a direita o valor final de xG da finalização. Reinicie o processo marcando novamente a próxima finalização no campinho. Na parte de baixo, cria-se uma lista com todas as finalizações que você vai marcando, com todos os parâmetros selecionados.

Desta forma, você pode saber quantas finalizações daquele time foram de jogadas coletivas ou individuais, quantas o cara que finalizou estava marcado ou se olhou pro gol antes de chutar. Um leque de informações que pode ser muito útil pra você analista de desempenho ou de dados.

Sem falar que essa lista pode ser exportada em formato CSV pra você trabalhar no Excel depois e fazer o que bem entender com ela. Se você quer fazer de dois times ao vivo, abra uma aba separada para cada um e mande ver.

Lembrando que o QUASE GOL é de uso livre e gratuito, e tem uma versão em inglês também (parte superior esquerda da página). Os Expected Goals são uma ferramenta fundamental para entender o jogo e indispensável para quem trampa com analytics. Use e abuse.

Curtiu? Muito mais virá por aqui. Bem vindos ao DataFooture!

Compartilhe

Comente!

1 comentário

  1. “Mas eu prefiro usar uma amostra menor, digamos de 10 temporadas no máximo, que seria mais realista ao futebol praticado na atualidade.”

    Num mundo que muda exponencialmente essa demarcação temporal faz toda a diferença. Parabéns.

Tem algo a dizer?

Últimas Postagens

O caminho da Seleção, as mudanças de Tite e um norte para o Catar
Aurelio Solano

O caminho da Seleção, as mudanças de Tite e um norte para o Catar

0 Comentários
Cinco promessas africanas na base de clubes europeus
Caio Nascimento

Cinco promessas africanas na base de clubes europeus

0 Comentários
Pellegrini: a história dos romanos na Roma continua
Caio Bitencourt

Pellegrini: a história dos romanos na Roma continua

0 Comentários
A afirmação da Espanha e sua nova geração
Bruna Mendes

A afirmação da Espanha e sua nova geração

0 Comentários
Guto Ferreira coloca o Bahia para acelerar
Gabriel de Assis

Guto Ferreira coloca o Bahia para acelerar

0 Comentários
RAIO-X: De onde saem as assistências dos líderes do quesito na Série B
Douglas Batista

RAIO-X: De onde saem as assistências dos líderes do quesito na Série B

0 Comentários
Os destaques dos 8 classificados no Brasileirão Sub-20
Caio Nascimento

Os destaques dos 8 classificados no Brasileirão Sub-20

0 Comentários
A reinvenção de Brahim Diaz no meio-campo do Milan
Caio Bitencourt

A reinvenção de Brahim Diaz no meio-campo do Milan

0 Comentários
Maduro, o Red Bull Bragantino se aproxima de fazer história
Gabriel de Assis

Maduro, o Red Bull Bragantino se aproxima de fazer história

0 Comentários
Friendly #7 | O novo rico Newcastle, Sports Washing e a ‘era’ de clube-estado
Eduardo Dias

Friendly #7 | O novo rico Newcastle, Sports Washing e a 'era' de clube-estado

0 Comentários
Napoli: O impacto inicial de Anguissa com a camisa partenopei
Caio Bitencourt

Napoli: O impacto inicial de Anguissa com a camisa partenopei

0 Comentários
O Grande Norte e os grandes desafios: o que o futuro reserva para o futebol masculino do Canadá?
Caio Nascimento

O Grande Norte e os grandes desafios: o que o futuro reserva para o futebol masculino do Canadá?

0 Comentários
O agressivo América/MG de Vagner Mancini
Gabriel de Assis

O agressivo América/MG de Vagner Mancini

0 Comentários
O Botafogo/PB em busca de um acesso histórico na Paraíba
Douglas Batista

O Botafogo/PB em busca de um acesso histórico na Paraíba

0 Comentários
A disparidade entre Atlético de Madrid e Barcelona
Bruna Mendes

A disparidade entre Atlético de Madrid e Barcelona

0 Comentários