AS MUTAÇÕES DE GUARDIOLA

Por @_GabrielCorrea “Um ladrão de ideias”. Não seria problema para Guardiola dizer que ele se apropriou de diversos gênios do futebol para montar suas equipes. Cruyff, Bielsa, Menotti, Brasil de 1970 e Santos de Pelé são apenas algumas das inspirações do atual treinador do Manchester City. A grande diferença foi a evolução destes conceitos em cada […]

Por @_GabrielCorrea

“Um ladrão de ideias”. Não seria problema para Guardiola dizer que ele se apropriou de diversos gênios do futebol para montar suas equipes. Cruyff, Bielsa, Menotti, Brasil de 1970 e Santos de Pelé são apenas algumas das inspirações do atual treinador do Manchester City. A grande diferença foi a evolução destes conceitos em cada uma das temporadas sob o comando de Barcelona e Bayern de Munique.

No Manchester City, suas ideias não foram consistentes na primeira experiência dentro da Premier League e para 2017/18, o time promete inverter a pirâmide e seguir tentando manter suas convicções para tentar triunfar na Inglaterra.

O BARCELONA DO FALSO 9

Sua chegada ao Barcelona foi num período que o clube vivia na ressaca do título da Liga dos Campeões 05/06, com Ronaldinho, Deco, Eto’o sendo os principais responsáveis pela queda de nível do conjunto de Frank Rijkaard. No livro Guardiola, otra manera de ganar”, Pep cita que o grande problema era a motivação daquele elenco e por isso as saídas de Ronaldinho e Deco (Eto’o decidiu ficar e se esforçar com o nome chefe).

Dentro de campo, uma pequena revolução. Mantendo a base do 4-3-3, a diferença não era o esquema, mas o por quê desse modelo. A ideia dos pontas – Henry, depois David Villa, e Pedro – era dar amplitude para abrir espaço no meio de campo e dominar a partida com Sergio Busquets, Xavi e Iniesta; e então veio o grande estalo na mente de Guardiola: transformar Messi em um falso centroavante.

Com esta mudança, Messi deixava a ponta direita onde ele criava amplitude e cortava para dentro e se tornava chave no meio. Sua função agora era se associar com os meiocampistas e puxar os zagueiros adversários para abrir espaço aos pontas como podemos observar no vídeo abaixo:

O BARCELONA DOS MEIOCAMPISTAS

“O grande objetivo do Jogo de Posição não é mover a bola, mas sim levar o adversário para a sua própria área”. Este princípio foi muito visto no time de Guardiola, mas o ápice veio em sua última temporada. O Barcelona foi o time dos meiocampistas com a chegada de Fábregas e o surgimento meteórico de Thiago Alcântara.

Nada melhor que dominar o adversário com jogadores capazes de controlar a bola e fazê-la sumir perante os adversários com todos atacando os espaços e confundindo a marcação. Na final do Mundial de Clubes contra o Santos, Pep escalou seu meio com Busquets, Xavi, Iniesta, Fàbregas, Thiago e Messi atuando como um falso 9. “Ali atingi meu topo”, resumiu o catalão.

O BAYERN DOS LATERAIS/VOLANTES

Na equipe alemã que vinha da Tríplice Coroa com Jupp Heynckes, Guardiola fez grandes mudanças para acelerar a transformação conceitual que o bávaros passavam, como é explicado no livro “Guardiola Confidencial. A principal delas diz respeito ao posicionamento dos seus laterais: Philippe Lahm e David Alaba.

Dotados de grande qualidade associativa e na tomada de decisões – Pep disse que Lahm foi o jogador mais inteligente com quem trabalhou – os laterais do Bayern de Munique na fase ofensiva começariam a trabalhar no meio de campo, mais alinhados aos meiocampistas e ajudando na saída de bola.

Com estas mudanças, Pep ganhava superioridade numérica onde ele sempre julgou ser o fator diferencial das partidas (meio) e deixava as pontas livres para Robben e Ribery terem mais espaços no 1×1 pelas laterais. Na questão defensiva, a pressão pós perda (ou gegenpressing) se torna mais fácil por ter mais jogadores na zona onde mais se perde a bola e evitava uma transição rápida do time adversário no contra-ataque.

Lahm (2) e Alaba (6) buscavam o meio de campo e obrigavam os pontas (11 e 7) a sair dos lados. Este movimento abria espaços para o 1x1 nas pontas com Ribery (11) e Robben (7)
Lahm (2) e Alaba (6) buscavam o meio de campo e obrigavam os pontas a sair dos lados. Este movimento abria espaços para o 1×1 nas pontas com Ribery (11) e Robben (7).

O BAYERN DO LADO MAIS FRACO

Com a chegada de Douglas Costa na Baviera a pedido de Guardiola, uma pequena mudança ocorreu: em prol de mais velocidade no terço final, o catalão abdicou um pouco da posse de bola. Mesmo que já tivesse jogadores de nível mundial nas pontas com Robben e Ribery, Douglas Costa possibilidade variações de estilo na posição. O brasileiro terminava todas as suas jogadas com um cruzamento ou chute em extrema velocidade.

O objetivo era simples. Levar a bola para o lado direito de ataque e, consequentemente, todo time adversário e segurar a bola enquanto Douglas Costa se posicionava no 1×1 contra o lateral esquerdo adversário. A bola voltava para Boateng/Xabi Alonso que lançava para o camisa 11 chegar ao fundo e cruzar para Lewandowski (ou quem chegasse na área) marcar. Podemos observar no vídeo abaixo a jogada:

O MANCHESTER CITY DO WM

Guardiola é a antítese da Premier League. Um técnico que conta com os conceitos do Jogo de Posição e prefere temporizar as jogadas numa Liga onde o jogo se divide em transições ofensivas e defensivas (até por isso o alto número de gols no final das partidas). As próprias contratações mostraram isso em sua primeira temporada: Claudio Bravo, John Stones, Nolito, Ilkay Gündogan, Leroy Sané e Gabriel Jesus.

Sem um atleta de porte físico no meio de campo e Yaya Touré afastado o time perdia os duelos pelo meio de campo e sofria com os gols de bola aérea. A fase de Claudio Bravo também não ajudou e uma lesão de Gabriel Jesus fez o camisa 9 da Seleção Brasileira estrear tarde e atuar apenas no último terço do campeonato.

Nesta temporada, a formação do time no jogo contra o Everton, na 2ª rodada da Premier League 17/18, com os 3 zagueiros e alas bastante abertos para os jogadores de meio campo e ataque associarem ao máximo por dentro e tentar criar o maior número de chances possível. Por enquanto, o time sentiu a falta do improviso e drible de Mendy pelo lado esquerdo e utilizou Danilo e Sané na posição. O passmap (imagem abaixo) da partida realizado pelo 11tegen11 mostra esta formação.

Durante os últimos anos a inversão da pirâmide vem ocorrendo. Ao mesmo tempo que os clubes começam a marcar com uma linha de 5 no 5-3-2 (falaremos sobre o tema em breve), a maneira de atacar mudou. A partir de todos os conceitos citados anteriormente – Jogo de Posição, Falso Lateral e Lado Fraco – o time de Guardiola também ataca no 2-3-5 para superar numericamente o adversário em todos os setores do campo. Se vai dar certo ou errado, é outra história, mas as mutações de Guardiola são constantes na vontade de manter suas convicções e conquistar títulos por onde passa.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Gabriel Corrêa

Últimas Postagens

A coerência no Chelsea de Thomas Tuchel e no City de Pep Guardiola
Lucas Filus

A coerência no Chelsea de Thomas Tuchel e no City de Pep Guardiola

0 Comentários
O que fez Darío Sarmiento chamar a atenção do Manchester City?
Dimitri Barcellos

O que fez Darío Sarmiento chamar a atenção do Manchester City?

0 Comentários
Paul Pogba pode ser o primeiro ‘reforço’ do United para a próxima temporada
Lucas Filus

Paul Pogba pode ser o primeiro 'reforço’ do United para a próxima temporada

0 Comentários
A vez da geração 2004: conheça Matheus Nascimento, Cowell, Sesko e Demir
Caio Nascimento

A vez da geração 2004: conheça Matheus Nascimento, Cowell, Sesko e Demir

0 Comentários
Por que João Pedro é a tábua de salvação para o Cagliari
Caio Bitencourt

Por que João Pedro é a tábua de salvação para o Cagliari

0 Comentários
Biotipo, velocidade de raciocínio e tomada de decisão: o que é a intensidade no futebol
Caio Alves

Biotipo, velocidade de raciocínio e tomada de decisão: o que é a intensidade no futebol

0 Comentários
Knappenschmiede: a histórica forja do Schalke 04 em meio a turbulência existencial do clube
Caio Nascimento

Knappenschmiede: a histórica forja do Schalke 04 em meio a turbulência existencial do clube

0 Comentários
Campeão da Copa do Rei, Barcelona domina o Athletic e busca o doblete
Bruna Mendes

Campeão da Copa do Rei, Barcelona domina o Athletic e busca o doblete

0 Comentários
O que a contratação de Alexandre Gallo pode aportar ao Santa Cruz?
Jonatan Cavalcante

O que a contratação de Alexandre Gallo pode aportar ao Santa Cruz?

0 Comentários
4 histórias para se observar na fase de grupos da Libertadores 2021
Dimitri Barcellos

4 histórias para se observar na fase de grupos da Libertadores 2021

0 Comentários
Raúl Bobadilla e Abel Hernández: conheça os novos centroavantes do Fluminense
Gabriel Corrêa

Raúl Bobadilla e Abel Hernández: conheça os novos centroavantes do Fluminense

0 Comentários
Kayky, Galarza, Nestor, Kaiky, Rodrigo Varanda e o semestre animador dos garotos da base brasileira
Caio Nascimento

Kayky, Galarza, Nestor, Kaiky, Rodrigo Varanda e o semestre animador dos garotos da base brasileira

0 Comentários
As transições da Inter que as deixam na cara do gol (e do Scudetto)
Caio Bitencourt

As transições da Inter que as deixam na cara do gol (e do Scudetto)

0 Comentários
Danilo, uma boa dor de cabeça para Abel Ferreira no Palmeiras
Gabriel Corrêa

Danilo, uma boa dor de cabeça para Abel Ferreira no Palmeiras

0 Comentários
Zidane vence jogo de xadrez no El Clásico e aumenta disputa por título na Liga
Bruna Mendes

Zidane vence jogo de xadrez no El Clásico e aumenta disputa por título na Liga

0 Comentários