As perspectivas para Lanús e Defensa y Justicia na final da Copa Sul-Americana

As equipes argentinas vão a campo no Estádio Mario Alberto Kempes atrás da consagração continental e da coroação definitiva dos bons trabalhos desenvolvidos ao longo dos últimos anos

Hoje é dia de decisão continental na América do Sul, mas com total sotaque argentino. Lanús e Defensa y Justicia são os últimos sobreviventes na edição 2020 da Copa Sul-Americana, e a partir das 17h, travam uma batalha doméstica na cidade de Córdoba para definir quem fica com a taça da competição.

Para os granates, o cenário de uma final internacional não é nenhuma novidade. Nos anos 90, a equipe da zona sul de Buenos Aires atingiu o jogo derradeiro da extinta Copa Conmebol duas vezes, em 1996 e 1997. Em uma oportunidade, conquista sobre o Santa Fé. Em outra, derrota para o Atlético-MG. Em 2013, na própria Sul-Americana, encarou a Ponte Preta e ergueu o troféu após empate em 1 a 1 na ida e vitória por 2 a 0 na volta. Quatro anos depois, a sua primeira final de Libertadores, mas sem um final feliz, com duas derrotas para o Grêmio.

Já o Defensa y Justicia explora novos terrenos em sua história. Pela primeira vez, o Halcón figura em um desfecho de campeonato fora do âmbito nacional, embalado por campanhas de qualidade e um crescimento nítido em temporadas recentes. Depois de encontrar a estabilidade na elite argentina entre 2014 e 2018, o time da cidade de Florencio Varela brigou pelo título da Superliga em 2018-2019 até o final, ficando com o vice e se credenciando à disputa da Libertadores em 2020. O desempenho na fase de grupos ficou aquém do esperado, porém, a terceira posição lhe deu a oportunidade de entrar na Sul-Americana e agora irá pelo seu primeiro título de maior expressão.

Frente a frente, duas equipes com altas aspirações e com uma identidade bem definida pelas mãos de seus treinadores. Dentro de campo, há muito a se esperar de Lanús e Defensa y Justicia.

LANÚS: A BUSCA PELOS LADOS PARA SAIR AO ATAQUE

O trabalho de Luis Zubeldía atingiu um ponto de plena maturidade no ano de 2020, mesmo com todo o contexto de pandemia e uma temporada bastante prejudicada em termos de sequência de jogo. Tal maturidade convergiu com a afirmação de diversos jogadores jovens no time em vários setores. Na defesa, no meio e no ataque, atletas formados na base granate ganharam espaço e, a partir de suas características e capacidade individual, deram ferramentas para Zubeldía empregar boas variações na equipe.

Alternando entre o 4-4-2 e o 4-3-3, o Lanús sabe agredir seus adversários de múltiplas maneiras. Seja em transição, seja em ataques construídos, seja pelos lados – onde boa parte do seu jogo se desenrola – ou seja pelo meio, há eficiência e boa geração de oportunidades. E duas das principais formas para a equipe buscar a frente são as triangulações laterais – principalmente no 4-3-3 – e as bolas em profundidade buscando as costas da defesa.

Para este sistema de triangulações em momentos de construção, o modo de se organizar é diferente entre os dois esquemas. No 4-3-3, a interação entre os pontas, os laterais e os meias interiores é o que dá o tom para as jogadas se desenvolverem. No 4-4-2, por outro lado, enquanto uma das metades do campo conta com a participação de um dos meias-centrais para realizar as tabelas, a outra metade tem a presença de um dos atacantes. Neste esquema, Tomás Belmonte e Nicolás Orsini são fundamentais para gerar esta aproximação. Belmonte, aliás, se destaca por ser um meia de alto potencial de ruptura e associação. Ao mesmo tempo em que surge na base da construção para dar apoio, se desprende com velocidade para aparecer perto da área rival e dar o passe final.

Este jogo desenvolvido pelos lados também é importante para habilitar a exploração do lado fraco da defesa adversária. Enquanto um dos setores laterais é ocupado por pelo menos cinco jogadores próximos da bola, com o objetivo de atrair o bloco defensivo, o lado oposto fica livre para um lateral ou extrema descer em velocidade e receber a virada de jogo em boas condições para se aproximar do último terço. Mecânica, esta, que é um dos melhores trunfos do Lanús e pode ser uma arma interessante nesta decisão.

Neste momento do jogo contra o Vélez, seis jogadores do Lanús ocupam uma faixa de cerca de 20 metros pela direita, enquanto o corredor esquerdo fica livre para a descida de um companheiro

Quando o jogo mais direto ganha espaço, as figuras do interminável Pepe Sand, da referência Lautaro Acosta e da joia Pedro de la Vega entram em cena. A sustentação mínima que Sand – ou dependendo, Orsini – consegue oferecer com seu pivô e a verticalidade que Acosta e De La Vega fornecem ao receber a bola com espaço para progredir dão esta alternativa de ameaça para superar uma marcação mais alta vinda do time contrário.

DEFENSA Y JUSTICIA: A ENTRELINHA COMO CHAVE

Há alguns anos, a identidade do Defensa y Justicia dentro de campo é bem definida. Um time ofensivo que preza pela bola em seus pés, com muita dinâmica no setor ofensivo, flexibilidade na saída de jogo desde o campo defensivo e algumas referências fixas de espaço para determinar a organização coletiva do time dentro de campo. Foi assim, em especial, com Holán, com Vojvoda, com Beccacece, e segue sendo assim com Hernán Crespo. O histórico atacante argentino, agora no papel de treinador e em seu terceiro trabalho em um clube, vem conseguindo dar sequência a estes princípios que levaram o Halcón a um outro patamar. Mas, claro, imprimindo suas ideias dentro deste contexto.

O primeiro ponto a ser observado no Defensa y Justicia neste caminho até a final é a variação de esquemas e a influência que isso gera na saída de bola. Crespo costuma alternar entre plataformas com dois e três zagueiros. Ao atuar com a primeira linha formada por quatro jogadores, há duas possibilidades: ou Enzo Fernández recua entre os defensores para fazer a saída, ou Ezequiel Unsain participa fora da área liberando Fernández para ocupar a segunda linha junto dos laterais.

Com três defensores, é interessante observar que Fernández segue aparecendo nos primeiros metros entre os zagueiros. Porém, um dos defensores posicionados ao lado sobe alguns metros e ocupa o setor dos alas, que avançam para dar volume no campo de ataque e gerar amplitude, e contam com a compensação de um dos atacantes, que acaba recuando para gerar apoio pelo centro.

Na semifinal contra o Coquimbo Unido, Crespo entrou com o 3-5-2. Rafael Delgado, zagueiro pela esquerda na ocasião, apareceu mais à frente em comparação a seus companheiros de defesa em vários momentos do jogo. Walter Bou, recuando pelo meio, compensava a subida do ala canhoto

Em terreno mais adiantado, já com a construção bem desenvolvida, a tentativa de atrair a marcação através da posse e abrir zonas para infiltração é um dos principais fatores que define o comportamento do time na hora de agredir o adversário. Por conta disto, a busca da entrelinha tem grande importância para a chegada até a área. Com o movimento de recuo dos atacantes para gerar apoio, o deslocamento vertical dos meias é fundamental para dar poder de ruptura, opção de passe entre os setores do rival e criar indefinições nos encaixes da defesa. Ter a bola com liberdade pelo centro próximo ao terço final acaba gerando boas situações para o Defensa y Justicia, sobretudo quando logo adiante há um efetivo Braian Romero aguardando o último passe.

Na sequência da mesma jogada acima, o meia Valentín Larralde aproveita o recuo de Bou para atacar o espaço entrelinhas e receber a bola com distância da marcação próximo do terço final, criando problemas de encaixe para a defesa

Romero, aliás, vive uma temporada de redenção e, sem dúvidas, é o jogador que foi melhor potencializado pelo modelo de Crespo. Depois de rodar por Independiente e Athletico Paranaense sem conseguir se firmar nos últimos anos, se encontrou em Florencio Varela. Apenas na Copa Sul-Americana, são 9 gols marcados em 8 jogos. Na fase de grupos da Libertadores, foram 3 em 4 partidas. Com liberdade para se deslocar nos metros finais do campo, demonstra boa leitura para se posicionar e receber bolas em condições de finalizar.


Que assim como vimos nos últimos anos, tenhamos uma final de alto nível e bem disputada. Potencial para brindar o torcedor com isso, é inegável que tanto Lanús quanto Defensa y Justicia possuem. Apesar de repercussão muito menor que de uma decisão de Libertadores e da limitação de meios para acompanhar a partida aqui no Brasil, vale um esforço para conferir o duelo argentino.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Dimitri Barcellos

Últimas Postagens

Power in Motion: o projeto de restabelecimento do Dínamo de Moscou
Caio Nascimento

Power in Motion: o projeto de restabelecimento do Dínamo de Moscou

0 Comentários
Em sua primeira final europeia da história, o Villarreal desbanca o Arsenal nas semis da Europa League
Bruna Mendes

Em sua primeira final europeia da história, o Villarreal desbanca o Arsenal nas semis da Europa League

0 Comentários
A coerência no Chelsea de Thomas Tuchel e no City de Pep Guardiola
Lucas Filus

A coerência no Chelsea de Thomas Tuchel e no City de Pep Guardiola

0 Comentários
O que fez Darío Sarmiento chamar a atenção do Manchester City?
Dimitri Barcellos

O que fez Darío Sarmiento chamar a atenção do Manchester City?

0 Comentários
Paul Pogba pode ser o primeiro ‘reforço’ do United para a próxima temporada
Lucas Filus

Paul Pogba pode ser o primeiro 'reforço’ do United para a próxima temporada

0 Comentários
A vez da geração 2004: conheça Matheus Nascimento, Cowell, Sesko e Demir
Caio Nascimento

A vez da geração 2004: conheça Matheus Nascimento, Cowell, Sesko e Demir

0 Comentários
Por que João Pedro é a tábua de salvação para o Cagliari
Caio Bitencourt

Por que João Pedro é a tábua de salvação para o Cagliari

0 Comentários
Biotipo, velocidade de raciocínio e tomada de decisão: o que é a intensidade no futebol
Caio Alves

Biotipo, velocidade de raciocínio e tomada de decisão: o que é a intensidade no futebol

0 Comentários
Knappenschmiede: a histórica forja do Schalke 04 em meio a turbulência existencial do clube
Caio Nascimento

Knappenschmiede: a histórica forja do Schalke 04 em meio a turbulência existencial do clube

0 Comentários
Campeão da Copa do Rei, Barcelona domina o Athletic e busca o doblete
Bruna Mendes

Campeão da Copa do Rei, Barcelona domina o Athletic e busca o doblete

0 Comentários
O que a contratação de Alexandre Gallo pode aportar ao Santa Cruz?
Jonatan Cavalcante

O que a contratação de Alexandre Gallo pode aportar ao Santa Cruz?

0 Comentários
4 histórias para se observar na fase de grupos da Libertadores 2021
Dimitri Barcellos

4 histórias para se observar na fase de grupos da Libertadores 2021

0 Comentários
Raúl Bobadilla e Abel Hernández: conheça os novos centroavantes do Fluminense
Gabriel Corrêa

Raúl Bobadilla e Abel Hernández: conheça os novos centroavantes do Fluminense

0 Comentários
Kayky, Galarza, Nestor, Kaiky, Rodrigo Varanda e o semestre animador dos garotos da base brasileira
Caio Nascimento

Kayky, Galarza, Nestor, Kaiky, Rodrigo Varanda e o semestre animador dos garotos da base brasileira

0 Comentários
As transições da Inter que as deixam na cara do gol (e do Scudetto)
Caio Bitencourt

As transições da Inter que as deixam na cara do gol (e do Scudetto)

0 Comentários