As perspectivas para Lanús e Defensa y Justicia na final da Copa Sul-Americana

As equipes argentinas vão a campo no Estádio Mario Alberto Kempes atrás da consagração continental e da coroação definitiva dos bons trabalhos desenvolvidos ao longo dos últimos anos

Hoje é dia de decisão continental na América do Sul, mas com total sotaque argentino. Lanús e Defensa y Justicia são os últimos sobreviventes na edição 2020 da Copa Sul-Americana, e a partir das 17h, travam uma batalha doméstica na cidade de Córdoba para definir quem fica com a taça da competição.

Para os granates, o cenário de uma final internacional não é nenhuma novidade. Nos anos 90, a equipe da zona sul de Buenos Aires atingiu o jogo derradeiro da extinta Copa Conmebol duas vezes, em 1996 e 1997. Em uma oportunidade, conquista sobre o Santa Fé. Em outra, derrota para o Atlético-MG. Em 2013, na própria Sul-Americana, encarou a Ponte Preta e ergueu o troféu após empate em 1 a 1 na ida e vitória por 2 a 0 na volta. Quatro anos depois, a sua primeira final de Libertadores, mas sem um final feliz, com duas derrotas para o Grêmio.

Já o Defensa y Justicia explora novos terrenos em sua história. Pela primeira vez, o Halcón figura em um desfecho de campeonato fora do âmbito nacional, embalado por campanhas de qualidade e um crescimento nítido em temporadas recentes. Depois de encontrar a estabilidade na elite argentina entre 2014 e 2018, o time da cidade de Florencio Varela brigou pelo título da Superliga em 2018-2019 até o final, ficando com o vice e se credenciando à disputa da Libertadores em 2020. O desempenho na fase de grupos ficou aquém do esperado, porém, a terceira posição lhe deu a oportunidade de entrar na Sul-Americana e agora irá pelo seu primeiro título de maior expressão.

Frente a frente, duas equipes com altas aspirações e com uma identidade bem definida pelas mãos de seus treinadores. Dentro de campo, há muito a se esperar de Lanús e Defensa y Justicia.

LANÚS: A BUSCA PELOS LADOS PARA SAIR AO ATAQUE

O trabalho de Luis Zubeldía atingiu um ponto de plena maturidade no ano de 2020, mesmo com todo o contexto de pandemia e uma temporada bastante prejudicada em termos de sequência de jogo. Tal maturidade convergiu com a afirmação de diversos jogadores jovens no time em vários setores. Na defesa, no meio e no ataque, atletas formados na base granate ganharam espaço e, a partir de suas características e capacidade individual, deram ferramentas para Zubeldía empregar boas variações na equipe.

Alternando entre o 4-4-2 e o 4-3-3, o Lanús sabe agredir seus adversários de múltiplas maneiras. Seja em transição, seja em ataques construídos, seja pelos lados – onde boa parte do seu jogo se desenrola – ou seja pelo meio, há eficiência e boa geração de oportunidades. E duas das principais formas para a equipe buscar a frente são as triangulações laterais – principalmente no 4-3-3 – e as bolas em profundidade buscando as costas da defesa.

Para este sistema de triangulações em momentos de construção, o modo de se organizar é diferente entre os dois esquemas. No 4-3-3, a interação entre os pontas, os laterais e os meias interiores é o que dá o tom para as jogadas se desenvolverem. No 4-4-2, por outro lado, enquanto uma das metades do campo conta com a participação de um dos meias-centrais para realizar as tabelas, a outra metade tem a presença de um dos atacantes. Neste esquema, Tomás Belmonte e Nicolás Orsini são fundamentais para gerar esta aproximação. Belmonte, aliás, se destaca por ser um meia de alto potencial de ruptura e associação. Ao mesmo tempo em que surge na base da construção para dar apoio, se desprende com velocidade para aparecer perto da área rival e dar o passe final.

Este jogo desenvolvido pelos lados também é importante para habilitar a exploração do lado fraco da defesa adversária. Enquanto um dos setores laterais é ocupado por pelo menos cinco jogadores próximos da bola, com o objetivo de atrair o bloco defensivo, o lado oposto fica livre para um lateral ou extrema descer em velocidade e receber a virada de jogo em boas condições para se aproximar do último terço. Mecânica, esta, que é um dos melhores trunfos do Lanús e pode ser uma arma interessante nesta decisão.

Neste momento do jogo contra o Vélez, seis jogadores do Lanús ocupam uma faixa de cerca de 20 metros pela direita, enquanto o corredor esquerdo fica livre para a descida de um companheiro

Quando o jogo mais direto ganha espaço, as figuras do interminável Pepe Sand, da referência Lautaro Acosta e da joia Pedro de la Vega entram em cena. A sustentação mínima que Sand – ou dependendo, Orsini – consegue oferecer com seu pivô e a verticalidade que Acosta e De La Vega fornecem ao receber a bola com espaço para progredir dão esta alternativa de ameaça para superar uma marcação mais alta vinda do time contrário.

DEFENSA Y JUSTICIA: A ENTRELINHA COMO CHAVE

Há alguns anos, a identidade do Defensa y Justicia dentro de campo é bem definida. Um time ofensivo que preza pela bola em seus pés, com muita dinâmica no setor ofensivo, flexibilidade na saída de jogo desde o campo defensivo e algumas referências fixas de espaço para determinar a organização coletiva do time dentro de campo. Foi assim, em especial, com Holán, com Vojvoda, com Beccacece, e segue sendo assim com Hernán Crespo. O histórico atacante argentino, agora no papel de treinador e em seu terceiro trabalho em um clube, vem conseguindo dar sequência a estes princípios que levaram o Halcón a um outro patamar. Mas, claro, imprimindo suas ideias dentro deste contexto.

O primeiro ponto a ser observado no Defensa y Justicia neste caminho até a final é a variação de esquemas e a influência que isso gera na saída de bola. Crespo costuma alternar entre plataformas com dois e três zagueiros. Ao atuar com a primeira linha formada por quatro jogadores, há duas possibilidades: ou Enzo Fernández recua entre os defensores para fazer a saída, ou Ezequiel Unsain participa fora da área liberando Fernández para ocupar a segunda linha junto dos laterais.

Com três defensores, é interessante observar que Fernández segue aparecendo nos primeiros metros entre os zagueiros. Porém, um dos defensores posicionados ao lado sobe alguns metros e ocupa o setor dos alas, que avançam para dar volume no campo de ataque e gerar amplitude, e contam com a compensação de um dos atacantes, que acaba recuando para gerar apoio pelo centro.

Na semifinal contra o Coquimbo Unido, Crespo entrou com o 3-5-2. Rafael Delgado, zagueiro pela esquerda na ocasião, apareceu mais à frente em comparação a seus companheiros de defesa em vários momentos do jogo. Walter Bou, recuando pelo meio, compensava a subida do ala canhoto

Em terreno mais adiantado, já com a construção bem desenvolvida, a tentativa de atrair a marcação através da posse e abrir zonas para infiltração é um dos principais fatores que define o comportamento do time na hora de agredir o adversário. Por conta disto, a busca da entrelinha tem grande importância para a chegada até a área. Com o movimento de recuo dos atacantes para gerar apoio, o deslocamento vertical dos meias é fundamental para dar poder de ruptura, opção de passe entre os setores do rival e criar indefinições nos encaixes da defesa. Ter a bola com liberdade pelo centro próximo ao terço final acaba gerando boas situações para o Defensa y Justicia, sobretudo quando logo adiante há um efetivo Braian Romero aguardando o último passe.

Na sequência da mesma jogada acima, o meia Valentín Larralde aproveita o recuo de Bou para atacar o espaço entrelinhas e receber a bola com distância da marcação próximo do terço final, criando problemas de encaixe para a defesa

Romero, aliás, vive uma temporada de redenção e, sem dúvidas, é o jogador que foi melhor potencializado pelo modelo de Crespo. Depois de rodar por Independiente e Athletico Paranaense sem conseguir se firmar nos últimos anos, se encontrou em Florencio Varela. Apenas na Copa Sul-Americana, são 9 gols marcados em 8 jogos. Na fase de grupos da Libertadores, foram 3 em 4 partidas. Com liberdade para se deslocar nos metros finais do campo, demonstra boa leitura para se posicionar e receber bolas em condições de finalizar.


Que assim como vimos nos últimos anos, tenhamos uma final de alto nível e bem disputada. Potencial para brindar o torcedor com isso, é inegável que tanto Lanús quanto Defensa y Justicia possuem. Apesar de repercussão muito menor que de uma decisão de Libertadores e da limitação de meios para acompanhar a partida aqui no Brasil, vale um esforço para conferir o duelo argentino.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Últimas Postagens

Cinco promessas africanas na base de clubes europeus
Caio Nascimento

Cinco promessas africanas na base de clubes europeus

0 Comentários
Pellegrini: a história dos romanos na Roma continua
Caio Bitencourt

Pellegrini: a história dos romanos na Roma continua

0 Comentários
A afirmação da Espanha e sua nova geração
Bruna Mendes

A afirmação da Espanha e sua nova geração

0 Comentários
Guto Ferreira coloca o Bahia para acelerar
Gabriel de Assis

Guto Ferreira coloca o Bahia para acelerar

0 Comentários
RAIO-X: De onde saem as assistências dos líderes do quesito na Série B
Douglas Batista

RAIO-X: De onde saem as assistências dos líderes do quesito na Série B

0 Comentários
Os destaques dos 8 classificados no Brasileirão Sub-20
Caio Nascimento

Os destaques dos 8 classificados no Brasileirão Sub-20

0 Comentários
A reinvenção de Brahim Diaz no meio-campo do Milan
Caio Bitencourt

A reinvenção de Brahim Diaz no meio-campo do Milan

0 Comentários
Maduro, o Red Bull Bragantino se aproxima de fazer história
Gabriel de Assis

Maduro, o Red Bull Bragantino se aproxima de fazer história

0 Comentários
Friendly #7 | O novo rico Newcastle, Sports Washing e a ‘era’ de clube-estado
Eduardo Dias

Friendly #7 | O novo rico Newcastle, Sports Washing e a 'era' de clube-estado

0 Comentários
Napoli: O impacto inicial de Anguissa com a camisa partenopei
Caio Bitencourt

Napoli: O impacto inicial de Anguissa com a camisa partenopei

0 Comentários
O Grande Norte e os grandes desafios: o que o futuro reserva para o futebol masculino do Canadá?
Caio Nascimento

O Grande Norte e os grandes desafios: o que o futuro reserva para o futebol masculino do Canadá?

0 Comentários
O agressivo América/MG de Vagner Mancini
Gabriel de Assis

O agressivo América/MG de Vagner Mancini

0 Comentários
O Botafogo/PB em busca de um acesso histórico na Paraíba
Douglas Batista

O Botafogo/PB em busca de um acesso histórico na Paraíba

0 Comentários
A disparidade entre Atlético de Madrid e Barcelona
Bruna Mendes

A disparidade entre Atlético de Madrid e Barcelona

0 Comentários
Tuchel, Solskjaer, tropeços e realidades diferentes
Lucas Filus

Tuchel, Solskjaer, tropeços e realidades diferentes

0 Comentários