BRIGA DE FOICE NA FRANÇA

Por @maiiron_ A Ligue 1 2017/18 promete. O “patinho feio” dos campeonatos Europeus, pra quem não sabe, é a maior via de acesso às grandes ligas. De lá saíram Hazard, Cech e Azpilicueta. Por isso, para muitos, tomou o lugar da liga holandesa como grande reveladora de talentos do Velho Continente. Assistir o Campeonato Francês é […]

Por @maiiron_

A Ligue 1 2017/18 promete. O “patinho feio” dos campeonatos Europeus, pra quem não sabe, é a maior via de acesso às grandes ligas. De lá saíram Hazard, Cech e Azpilicueta. Por isso, para muitos, tomou o lugar da liga holandesa como grande reveladora de talentos do Velho Continente. Assistir o Campeonato Francês é antever quem bombará no cenário europeu pelos próximos anos.

Além de revelar, a temporada que está por vir promete um equilíbrio que há tempos não víamos. Muitos times conseguiram manter a base, outros investiram pesado. A tendência é termos a Ligue 1 mais equânime dos últimos anos. Abaixo vamos listar alguns bons motivos para você ficar de olho no torneio que inicia dia 4 de agosto.

FÉ NO FUTURO

MONACO

Mônaco, de ótima campanha na Champions League passada e campeão nacional, perdeu bastante gente. Bernardo Silva, Mendy, Bakayoko e Germain. Fabinho deve ser o próximo a dar adeus ao time do Principado. Chegaram Kongolo, Benaglio, Meité e o fantástico Youri Tielemans, que já foi pauta aqui no blog. O Mônaco, numa análise fria, perde muito e será difícil manter o título francês; mesmo com a manutenção de Lemar, Falcão García, o ótimo Sidibé ed a dupla de defesa Gilk e Jemerson.

Os monegascas abriram o bolso para investir em novos diamantes. O sucesso passa por lapidá-los rápido. Se trilharem o caminho de Mbappé e cia, termos festa no Principado. Mais sobre o atual campeão nacional aqui.

RICO E PRESSIONADO

FBL-FRA-LIGUE1-PSG-ALVES-PRESSER

O PSG, endinheirado, com uma temporada de fracasso europeu e sem título da Ligue 1, manteve Unai Emery, contestado pela torcida. Sonha com Neymar, pensa em Coutinho e Alexis Sánchez, mas o mercado é tímido. Yuri Berchiche, de boa temporada no Real Sociedad, foi contratado para lateral-esquerda. Dani Alves, após uma estadia bem-sucedida na Juventus, chega para ser dono da banda direita parisiense. O PSG conta com a espinha dorsal da temporada passada, Thiago Silva segue inabalável na defesa, Verratti no centro do campo e Cavani, de temporada goleadora, jogando no comando do ataque.

Segue como franco favorito no território nacional, embora ninguém esconda em Paris que o sonho mesmo é colocar a Europa aos pés da Torre Eiffel.

MAISEILLE PODE SER O MÔNACO DE 2018

MARSEILLE

Olympique de Marseille, quinto colocado de 2016/17, é o time que mais se reforça – e bem!  Andoni Zubizarreta chegou na temporada passada e trouxe consigo Rudi Garcia, vencedor da Ligue 1 2010/11 com o Lille. Na janela de inverno remontou o elenco, trouxe Payet e o ótimo Morgan Sanson, jogador que mais deu passes para gols na Ligue 1 passada (14). O Marseille ainda conta com muito talento “feito em casa”. Maxime Lopez e Thauvin são dois nomes que saltam aos olhos. A defesa experiente com Mandanda de volta no gol, Rami e Evra deve aguentar bem o tiro no Francês. O time que chegou em quinto na temporada passada tem tudo para melhorar a campanha.

O TIME QUE FEZ BALOTELLI JOGAR

NICE

Nice, do técnico Lucien Favre, que fez Mario Balotelli jogar, é um dos bons times do torneio. Perdeu Belhanda para Dinamo de Kiev e o ótimo lateral-esquerdo Ricardo Pereira para o Porto. Mas a base segue mantida. Cardinale, goleiro prata da casa, é um dos destaques. Na defesa, o jovem Malang Sarr, de 18 anos, divide o setor com Dante. Esta dupla tem tudo para ser uma das mais sólidas da liga. O trio de meio-campistas com Ciprien, Koziello e Jean Michel Seri é um dos mais interessantes da França. Na frente as esperanças residem em Mário Balotelli repetir a boa temporada passada.

Olho nesta equipe recheada de promessas que, com muito esforço, a direção tem conseguido manter no clube.

UMA REVOLUÇÃO À BIELSA

LILLE

O Lille, de Marcelo Bielsa, chega com os ventos da mudança que El Loco sopra. Fez um mercado altamente agressivo com muitos reforços. Os mais conhecidos do grande público são brasileiros: Thiago Maia, ex-Santos; Thiago Mendes e Luiz Araújo, ex-São Paulo. Um Lille jovem e cheio de ousadia, como gosta Bielsa.

El Loco fechou seu contrato há três meses com os franceses e, enquanto não assumia o clube, garimpou talentos na América do Sul. Nos primeiros amistosos já se percebem marcas de seu trabalho.

Além das contratações em campo, muito movimento no comando técnico das equipes francesas, que apostam em treinadores de renome. Lucien Favre, de ótima campanha no Nice, foi sondado no Dortmund para substituir Thomas Tuchel, mas acabou ficando. O Saint-Etienne aposta em Óscar García, um barcelonista que gosta de jogar ofensivamente. Lille traz Marcelo Bielsa, que foi ídolo na França treinando o Marseille e aposta em jovens para tentar alavancar os Dogues. Nantes, antes treinado por Sérgio Conceição, será comandado por Claudio Ranieri.

A Ligue 1 não é a queridinha da Europa, nunca terá o prestígio da Bundesliga, mas ao que tudo indica será a casa de quem quer ver competitividade em campo.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Mairon Rodrigues

Últimas Postagens

A onda tecnicista na função do auxiliar técnico de futebol
Jonatan Cavalcante

A onda tecnicista na função do auxiliar técnico de futebol

0 Comentários
Friendly #1 | Imaginar e construir o futuro, a habilidade fundamental do século XXI
Footure

Friendly #1 | Imaginar e construir o futuro, a habilidade fundamental do século XXI

0 Comentários
Surpresa e tradição: os classificados para as quartas do futebol masculino na Olimpíada
Caio Nascimento

Surpresa e tradição: os classificados para as quartas do futebol masculino na Olimpíada

0 Comentários
Osimhen, Simy, e a problemática das narrativas sobre jogadores africanos
Caio Bitencourt

Osimhen, Simy, e a problemática das narrativas sobre jogadores africanos

0 Comentários
O que esperar do Real Madrid para os próximos anos com Carlo Ancelotti?
Bruna Mendes

O que esperar do Real Madrid para os próximos anos com Carlo Ancelotti?

0 Comentários
O que explica as goleadas do Flamengo com Renato Gaúcho?
Gabriel de Assis

O que explica as goleadas do Flamengo com Renato Gaúcho?

0 Comentários
Como o Vojvodismo transformou o Fortaleza em protagonista no futebol brasileiro?
Jonatan Cavalcante

Como o Vojvodismo transformou o Fortaleza em protagonista no futebol brasileiro?

0 Comentários
God Save the Game #34 | A janela de transferências da Premier League 21/22
Gabriel Corrêa

God Save the Game #34 | A janela de transferências da Premier League 21/22

0 Comentários
Felipão chega entregando o de sempre: segurança e resultado
Gabriel de Assis

Felipão chega entregando o de sempre: segurança e resultado

0 Comentários
Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 2
Caio Nascimento

Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 2

0 Comentários
A Itália ainda pode crescer após o título da Euro?
Caio Bitencourt

A Itália ainda pode crescer após o título da Euro?

0 Comentários
Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 1
Caio Nascimento

Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 1

0 Comentários
O complicado início de Diego Aguirre no Internacional
Gabriel de Assis

O complicado início de Diego Aguirre no Internacional

0 Comentários
Rodrigo De Paul: o meia com DNA de Simeone e Atlético de Madrid
Bruna Mendes

Rodrigo De Paul: o meia com DNA de Simeone e Atlético de Madrid

0 Comentários
A Inglaterra superou seus traumas e, agora, se permite sonhar
Lucas Filus

A Inglaterra superou seus traumas e, agora, se permite sonhar

0 Comentários