Chacho Coudet em Balaídos

O impacto de Eduardo Coudet no Celta de Vigo.

O Celta de Vigo vive uma verdadeira revolução desde a chegada de Eduardo Coudet. O técnico argentino recuperou o clube galego no aspecto mental, físico e tático. Em seis partidas realizadas pelo Campeonato Espanhol, “Chacho” conta com quatro vitórias, um empate e uma derrota. É o segundo melhor aproveitamento de LaLiga, ficando atrás apenas do líder Atlético de Madrid, considerando somente o período de Coudet no comando técnico da equipe de Balaídos.

Como comentado no mais recente episódio do El Rondo, o Celta é a equipe que mais marcou gols, que fez mais partidas sem sofrer gol, a segunda que mais venceu e a que mais pontuou. Os excelentes números apenas validam o imediato impacto de Eduardo Coudet em uma equipe que não é “sua”, no sentido de montagem de elenco, e na qual precisou adaptar algumas peças para o funcionamento do sistema coletivo.

As primeiras mudanças em Balaídos

Utilizando as mesmas bases táticas de sua passagem no Internacional, Coudet transformou, rapidamente, o Celta em um verdadeiro competidor na LaLiga. Os célticos pressionam mais o adversário, algo evidente desde a estreia de Chacho diante do Sevilla, no Ramon Sánchez-Pizjuán. Essa postura representa uma ruptura na comparação com os últimos jogos de Oscar García na direção técnica da equipe olívica

O clube de Balaídos vem diminuindo cada vez mais sua média de PPDA (Pass Per Defensive Action/Passes Permitidos Por Ações Defensivas), algo que mostra como o time está mais intenso sem a bola. Antes da chegada de Coudet, o PPDA do Celta era de 9.5, e agora este número é de 7.59. Apenas para efeito de explicação: quanto menor o PPDA, mais o time pressiona o adversário – não indicando o sucesso da ação defensiva.

O Celta de Vigo em pressão alta contra o Athletic Bilbao.

O Celta em fase ofensiva

Como já foi dito anteriormente, Eduardo Coudet utiliza as mesmas bases táticas de sua passagem no Brasil. Portanto, o seu Celta de Vigo também atua em 4-1-3-2, tendo os laterais oferecendo amplitude e sendo profundos por fora; Renato Tapia ficando entre os zagueiros em saída de bola, enquanto Denis Suárez dinamiza mais à frente, Nolito, Brais Méndez e Iago Aspas oferecem jogo entre linhas ao mesmo tempo que Santi Mina, o centroavante, fixa os zagueiros na última linha.

O Celta de Vigo em ataque posicional

Em termos de funcionamento coletivo, o Celta parte com Tapia trabalhando com os dois centrais em primeira fase de elaboração, enquanto Denis Suárez ocupa a posição inicial do meia peruano para dinamizar por dentro e conectar os falsos extremos (Nolito e Brais) e Iago Aspas por zonas interiores.

Os laterais estão sendo beneficiados por situações de vantagens táticas construídas pelo Celta. Renato Tapia é o responsável quase sempre pelas viradas de jogo a partir do momento que a equipe galega consegue atrair e acumular jogadores em uma mesma zona para, na sequência, colocar Lucas Olaza ou Hugo Mallo no 1vs1 com o jogador adversário. Neste sentido, o uruguaio Olaza, que registra duas assistências em seis jogos, está sendo ameaçador em projeções em 3/4 do campo.

Neste flagrante, o Celta acumula jogadores na direita, preenche jogadores na entrelinha e, com Denis Suárez, busca virada de jogo para o lado débil.

Por fim, Nolito e Iago Aspas estão sendo importantes para dinamizar a posse céltica. Ambos estão relacionados em diversas jogadas com combinações e ações rápidas/inteligentes em espaços reduzidos, importantes para abrir defesas fechadas. No caso de Aspas, Coudet criou um contexto ao redor de seu camisa 10 ao ponto dele ser o artilheiro da LaLiga (8 gols), o jogador que mais deu key passes (34), o que mais criou ocasiões (10) e o que mais deu assistências (5) no Campeonato Espanhol. Aspas deixou de ser o Messi do rebaixamento, para ser influente em uma esfera macro.

O Celta de Coudet encanta em seus primeiros passos, mas o time precisará de reforços na janela de inverno para sustentar o nível apresentado até aqui. Encorpar o elenco curto será decisivo na busca pela sonhada vaga na Europa League. De qualquer forma, o impacto de Chacho no campeonato de futebol mais forte do mundo já aconteceu.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Vinícius Dutra

Últimas Postagens

Power in Motion: o projeto de restabelecimento do Dínamo de Moscou
Caio Nascimento

Power in Motion: o projeto de restabelecimento do Dínamo de Moscou

0 Comentários
Em sua primeira final europeia da história, o Villarreal desbanca o Arsenal nas semis da Europa League
Bruna Mendes

Em sua primeira final europeia da história, o Villarreal desbanca o Arsenal nas semis da Europa League

0 Comentários
A coerência no Chelsea de Thomas Tuchel e no City de Pep Guardiola
Lucas Filus

A coerência no Chelsea de Thomas Tuchel e no City de Pep Guardiola

0 Comentários
O que fez Darío Sarmiento chamar a atenção do Manchester City?
Dimitri Barcellos

O que fez Darío Sarmiento chamar a atenção do Manchester City?

0 Comentários
Paul Pogba pode ser o primeiro ‘reforço’ do United para a próxima temporada
Lucas Filus

Paul Pogba pode ser o primeiro 'reforço’ do United para a próxima temporada

0 Comentários
A vez da geração 2004: conheça Matheus Nascimento, Cowell, Sesko e Demir
Caio Nascimento

A vez da geração 2004: conheça Matheus Nascimento, Cowell, Sesko e Demir

0 Comentários
Por que João Pedro é a tábua de salvação para o Cagliari
Caio Bitencourt

Por que João Pedro é a tábua de salvação para o Cagliari

0 Comentários
Biotipo, velocidade de raciocínio e tomada de decisão: o que é a intensidade no futebol
Caio Alves

Biotipo, velocidade de raciocínio e tomada de decisão: o que é a intensidade no futebol

0 Comentários
Knappenschmiede: a histórica forja do Schalke 04 em meio a turbulência existencial do clube
Caio Nascimento

Knappenschmiede: a histórica forja do Schalke 04 em meio a turbulência existencial do clube

0 Comentários
Campeão da Copa do Rei, Barcelona domina o Athletic e busca o doblete
Bruna Mendes

Campeão da Copa do Rei, Barcelona domina o Athletic e busca o doblete

0 Comentários
O que a contratação de Alexandre Gallo pode aportar ao Santa Cruz?
Jonatan Cavalcante

O que a contratação de Alexandre Gallo pode aportar ao Santa Cruz?

0 Comentários
4 histórias para se observar na fase de grupos da Libertadores 2021
Dimitri Barcellos

4 histórias para se observar na fase de grupos da Libertadores 2021

0 Comentários
Raúl Bobadilla e Abel Hernández: conheça os novos centroavantes do Fluminense
Gabriel Corrêa

Raúl Bobadilla e Abel Hernández: conheça os novos centroavantes do Fluminense

0 Comentários
Kayky, Galarza, Nestor, Kaiky, Rodrigo Varanda e o semestre animador dos garotos da base brasileira
Caio Nascimento

Kayky, Galarza, Nestor, Kaiky, Rodrigo Varanda e o semestre animador dos garotos da base brasileira

0 Comentários
As transições da Inter que as deixam na cara do gol (e do Scudetto)
Caio Bitencourt

As transições da Inter que as deixam na cara do gol (e do Scudetto)

0 Comentários