Com muita organização, o Juventude vai resistindo no Brasileirão

Com um elenco curto, orçamento baixo e muitos percalços ao longo do campeonato, o Juventude vai resistindo no Brasileirão a partir de muita organização e bom uso das características dos jogadores.

De volta à elite do futebol nacional após 13 temporadas, o Juventude era apontado como grande candidato ao descenso em 2021. Em 14° lugar na tabela, três pontos acima da zona do rebaixamento, tendo um dos menores orçamentos da competição, o Ju tem feito um Brasileirão de resistência. Além da força mental para superar as dificuldades até aqui, o clube tem um modelo de jogo e um elenco bastante compatíveis e é bem organizado.

O técnico Marquinhos Santos gosta de um jogo de maior posse de bola e ocupação de espaços no campo de ataque. Apesar de não contar com jogadores de grande nível, tem bons passadores em todas as posições as posições e lê muito bem as características dos atletas. Ciente da velocidade de seus pontas e da necessidade da equipe se proteger defensivamente, o treinador aposta muito nos lados do campo.

Juventude Footure Brasileirão
Iniciação das jogadas do Juventude

Os princípios de jogo do Juventude de Marquinhos Santos

O Juventude parte de um 3-4-2-1 para atacar, com William Matheus, o lateral-esquerdo, ficando alinha à zaga no momento de iniciação das jogadas, fortalecendo o balanço defensivo e facilitando a melhor ocupação do campo de ataque. As alas são exploradas pelo ponta-esquerda, normalmente Sorriso e pelo lateral-direito, seja ele Michel ou Paulo Henrique. No meio, Dawhan e Jadson tem boa capacidade de inversão de jogo, colocando os atletas de lado de campo em condições de vantagem para cruzar.

Mais avançados, Guilherme Castilho, o terceiro homem de meio e o meia direita, que pode ser Wescley ou Wágner, tem maior liberdade de circulação e se aproximam de Ricardo Bueno. A chegada desses três para finalizar os cruzamentos é uma grande arma do Jaconero devido aos ataques pelos flancos.

Juventude Footure Brasileirão
Bastante gente entra na área para finalizar

Para defender, o time apresenta dificuldades de marcar os lados e pressionar a bola com frequência, Por isso, acaba sofrendo quando desce o bloco de marcação. A solução encontrada é alternar uma defesa média ou mais alta, para dificultar a troca de passes do adversário desde o início, o afastando do gol. Assim, muitas roubadas de bola foram feitas, a exemplo de um dos melhores jogos da equipe no Brasileirão, no empate contra o Corinthians, na Neo Química Arena.

Juventude Footure Brasileirão
Marcação apertando no meio
Juventude Footure Brasileirão
Time esperando um pouco mais atrás, mas forçando o adversário a recuar para se afastar do gol

Os percalços

Acima foram listados alguns padrões da equipe, como o Juventude busca jogar. Entretanto, o clube tem um orçamento reduzido, não está radicado em uma capital, tampouco possui um elenco farto em opções e qualidade. Dessa forma, nem sempre o modelo de jogo é executado de maneira consistente e sofre com muitos empecilhos.

Em primeiro lugar, a perda de nomes importantes no elenco. Após marcar sete gols em 12 jogos, o centroavante Matheus Peixoto foi vendido para o Metalist da Ucrânia, levando consigo um grande poder de decisão e muita força física. Sem o mesmo poderio físico e com boa movimentação, Ricardo Bueno foi buscado no Operário-PR e já deixou cinco tentos em oito partidas.

Superada a dificuldade da perda de seu principal atacante, outro grande problema apareceu: a indisciplina. Alyson, Matheus Jesus e Paulinho Boia, uma das referências ofensivas depois da saída de Matheus, foram afastados por descumprirem os protocolos de prevenção à COVID-19. O primeiro já foi repassado ao Sampaio Corrêa, enquanto os dois últimos têm futuro incerto.

Mesmo sem Bóia, o Juventude venceu o Santos por 3 a 0 e saiu de uma sequência de seis jogos sem vitória. E aí entra mais um obstáculo do time: a ineficácia. Muitas chances perdidas nessas partidas – contra Corinthians e Cuiabá, por exemplo – impediram o clube a ter uma maior pontuação. Contra o Peixe, no último domingo, o Ju fez três gols em seis finalizações, mostrando como poderia ter uma vida mais fácil se tivesse um pouquinho mais de qualidade e calma na hora de decidir os jogos.

De qualquer forma, apesar das muitas dificuldades de se enfrentar uma Série A com orçamento reduzido e pouco experiência na competição, o Juventude vai resistindo com muita organização, boa leitura das características do elenco e uma generosa dose de força mental. Faltam 16 rodadas.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Últimas Postagens

O caminho da Seleção, as mudanças de Tite e um norte para o Catar
Aurelio Solano

O caminho da Seleção, as mudanças de Tite e um norte para o Catar

0 Comentários
Cinco promessas africanas na base de clubes europeus
Caio Nascimento

Cinco promessas africanas na base de clubes europeus

0 Comentários
Pellegrini: a história dos romanos na Roma continua
Caio Bitencourt

Pellegrini: a história dos romanos na Roma continua

0 Comentários
A afirmação da Espanha e sua nova geração
Bruna Mendes

A afirmação da Espanha e sua nova geração

0 Comentários
Guto Ferreira coloca o Bahia para acelerar
Gabriel de Assis

Guto Ferreira coloca o Bahia para acelerar

0 Comentários
RAIO-X: De onde saem as assistências dos líderes do quesito na Série B
Douglas Batista

RAIO-X: De onde saem as assistências dos líderes do quesito na Série B

0 Comentários
Os destaques dos 8 classificados no Brasileirão Sub-20
Caio Nascimento

Os destaques dos 8 classificados no Brasileirão Sub-20

0 Comentários
A reinvenção de Brahim Diaz no meio-campo do Milan
Caio Bitencourt

A reinvenção de Brahim Diaz no meio-campo do Milan

0 Comentários
Maduro, o Red Bull Bragantino se aproxima de fazer história
Gabriel de Assis

Maduro, o Red Bull Bragantino se aproxima de fazer história

0 Comentários
Friendly #7 | O novo rico Newcastle, Sports Washing e a ‘era’ de clube-estado
Eduardo Dias

Friendly #7 | O novo rico Newcastle, Sports Washing e a 'era' de clube-estado

0 Comentários
Napoli: O impacto inicial de Anguissa com a camisa partenopei
Caio Bitencourt

Napoli: O impacto inicial de Anguissa com a camisa partenopei

0 Comentários
O Grande Norte e os grandes desafios: o que o futuro reserva para o futebol masculino do Canadá?
Caio Nascimento

O Grande Norte e os grandes desafios: o que o futuro reserva para o futebol masculino do Canadá?

0 Comentários
O agressivo América/MG de Vagner Mancini
Gabriel de Assis

O agressivo América/MG de Vagner Mancini

0 Comentários
O Botafogo/PB em busca de um acesso histórico na Paraíba
Douglas Batista

O Botafogo/PB em busca de um acesso histórico na Paraíba

0 Comentários
A disparidade entre Atlético de Madrid e Barcelona
Bruna Mendes

A disparidade entre Atlético de Madrid e Barcelona

0 Comentários