Como Ferran Torres pode ajudar o Barcelona?

O jovem espanhol Ferran Torres volta a La Liga depois de 16 gols e quatro assistências com a camisa do Manchester City nos últimos dois anos.

O mercado de inverno pode ajudar alguns clubes a ajustarem o elenco durante a temporada. O Barcelona precisava muito de novas caras e Laporta já começou a se mexer para ajudar Xavi.

Apesar da situação financeira, o clube foi atrás de Ferran Torres para se encaixar num buraco bem evidente dentro da equipe. Na falta de Ansu Fati, o ataque deixou a desejar bastante.

A falta de um ‘9’ de fato é com certeza o principal fator, mas um ponta que sabe finalizar resolve uma boa parte desse problema. Com a volta de Dembélé o time melhorou consideravelmente, e a chegada de Ferran tende a melhor essas questões de frente para o gol.

Situação financeira e investimento

Para um clube com problemas econômicos evidentes no último ano não é normal pagar um valor tão considerável em um jogador – cerca de €55 milhões. O reforço ainda tem problemas para ser inscrito como jogador do clube, mas tudo indica que em tempo será realizado.

O papel de avaliar valor de transferência é um tanto quanto arrogante, ainda mais quando o momentum fala mais do que qualquer análise sobre o jogador. Aqui e agora é o que importa. Entretanto, aqui temos um caso de valor pago pelo que o jovem jogador pode trazer para a equipe com o passar dos anos, e não exatamente o agora – ainda que seja uma adição essencial se pensarmos nas lacunas da equipe. Muitos fatores se justificam dentro desse preço, ainda que o clube passe por dificuldades, se encaixa mais o ônus do potencial do que qualquer outra coisa.

Em 2020, Ferran saiu por um valor bem abaixo do que o seu potencial era visto. O Valencia passava (e ainda passa) por dificuldades em relação a diretoria, e por conta disso deixou passar muitas promessas que já estavam dentro do clube. Nisso, o Manchester City correu atrás após a saída de Leroy Sané para o Bayern, e conseguiu uma peça bem flexível para o ataque de Pep Guardiola que pede isso.

Sua primeira temporada na Inglaterra foi bastante animadora, principalmente por essa flexibilidade em jogar em qualquer posição do ataque, com o adicional de finalização acima de muitos pontas do futebol mundial.

(Reprodução/Matt McNulty/Manchester City/Getty Images)

De fato, em 2021 pouco animou no clube inglês apesar de números interessantes – foram 13 gols e três assistências em 36 jogos na temporada. Por outro lado, ao mesmo tempo que estava pouco cotado por Pep, se destacou no mais alto nível na seleção espanhola.

No Barcelona, ainda que não tenha estreado, é bem óbvio que o jogador tem mais poder de decidir que no atual City. Além de considerar o impacto, também temos a importância dentro da equipe. Em Manchester virou um jogador compreensível em abrir mão se chegasse a proposta certa. E chegou.

Preencher lacunas, adaptação e companheiros

O que justifica a investida do clube espanhol é sua excelência na seleção, seu grande potencial com apenas 21 anos e seu know-how em relação aos problemas técnicos do Barcelona hoje.

Ferran concentra boa parte do seu futebol pelo lado direito, mesmo sendo destro – quase um ambidestro pois utiliza a perna esquerda bem se necessário. Sua principal característica é a infiltração, muito por se movimentar bastante e conseguir entrar na área com grande facilidade quando se livra da marcação – sendo um candidato a falso 9 como fez no City muitas vezes. Isso é tudo que o Barcelona tem para obter seus gols no restante da temporada, e junto com Ansu Fati tem tudo para elevar o nível ofensivo da equipe em muitos níveis.

Outro fator bem importante, e que anima Xavi, é a questão dos companheiros. Pedri, por exemplo, é um grande auxiliar de Luis Enrique na seleção mesmo sendo um dos mais jovens do grupo. É fato que essa química já criada na Espanha irá ajudar a adaptação de Ferran ao que o novo treinador deseja, e isso com certeza foi levado em consideração – também explica o interesse por Dani Olmo e Álvaro Morato, por exemplo.

Além da dependência em Fati, essa necessidade de um ponta que sabe finalizar é colocado ainda mais em questão pela fase abaixo de Memphis. Xavi deixa claro como precisa de um ‘9’, ainda que o holandês nunca tenha sido esse centroavante que muitos imaginaram quando foi contratado. A ver o que acontece envolvendo Morata.

Ferran chega para ajudar de cara, mas também é um investimento com base no potencial e o que ele pode agregar no longo prazo. O fator seleção é com certeza um peso, mas sua característica e qualidade encaixa diretamente com o que o Barcelona precisa hoje e o jogador tende a evoluir futuramente.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Últimas Postagens

Por que a Roma perdeu a mão ao fazer futebol?
Caio Bitencourt

Por que a Roma perdeu a mão ao fazer futebol?

0 Comentários
Silvio Romero: como se movimenta e finaliza as jogadas?
Jonatan Cavalcante

Silvio Romero: como se movimenta e finaliza as jogadas?

0 Comentários
Como funciona o sistema de marcação do Torino de Ivan Juric
Caio Bitencourt

Como funciona o sistema de marcação do Torino de Ivan Juric

0 Comentários
Schick: ‘intruso’ em meio a Lewandowski e Haaland
Gabriel Belo

Schick: 'intruso' em meio a Lewandowski e Haaland

0 Comentários
O potencial do Valencia de Pepe Bordalás
Bruna Mendes

O potencial do Valencia de Pepe Bordalás

0 Comentários
Destaques da Copa São Paulo – Eliminados na primeira fase
Douglas Batista

Destaques da Copa São Paulo - Eliminados na primeira fase

0 Comentários
Cuiabá tem atuação boa e consciente no mercado
Gabriel de Assis

Cuiabá tem atuação boa e consciente no mercado

0 Comentários
Pedro Naressi: acrescenta competitividade e repertório ao Sport
Jonatan Cavalcante

Pedro Naressi: acrescenta competitividade e repertório ao Sport

0 Comentários
O que é um ‘Falso 9’ e quais as diferenças entre os diversos tipos de centroavantes

O que é um 'Falso 9' e quais as diferenças entre os diversos tipos de centroavantes

Aurelio Solano
O encaixe dos reforços do Fluminense e Abel Braga
Gabriel de Assis

O encaixe dos reforços do Fluminense e Abel Braga

0 Comentários
As virtudes e vulnerabilidades que Richardson aporta ao Ceará
Jonatan Cavalcante

As virtudes e vulnerabilidades que Richardson aporta ao Ceará

0 Comentários
As perguntas e respostas que fazem evoluir o jogo
Luís Cristovão

As perguntas e respostas que fazem evoluir o jogo

0 Comentários
Cuca deixa o Atlético Mineiro como um dos melhores trabalhos de sua carreira
Gabriel de Assis

Cuca deixa o Atlético Mineiro como um dos melhores trabalhos de sua carreira

0 Comentários
Paulo Sousa: “O futebol é baseado no espaço e tempo”
Renato Gomes

Paulo Sousa: “O futebol é baseado no espaço e tempo”

1 Comentários
Há algo de podre no jeito italiano de se fazer futebol: o caso Salernitana
Caio Bitencourt

Há algo de podre no jeito italiano de se fazer futebol: o caso Salernitana

0 Comentários