Como joga o Vitória de Dado Cavalcanti?

O treinador começa a criar uma identidade de jogo no Vitória

Anunciado ainda no final de dezembro, após o rebaixamento à Série C e a eliminação na pré-Copa do Nordeste, Dado Cavalcanti, iniciou o trabalho tão logo que desembarcou em Salvador. E mesmo estando a menos de 30 dias operacionalizando os treinos, alguns conceitos de jogo começam a ganhar forma no Vitória.

A criação de um padrão de jogo em poucos dias, é uma marca da metodologia de treino do novo treinador do Vitória. Em apenas duas partidas pelo Campeonato Baiano já foi possível identificar alguns princípios de jogo que vão nortear a condução da equipe na atual temporada.

Em organização ofensiva é possível ver que a concepção de jogo de Dado Cavalcanti contempla detalhes da saída de bola até o momento de finalização. Na saída de bola, por exemplo, Dado estrutura a equipe para realizar uma saída de 3 com um dos volantes recuando até a linha dos zagueiros. Dessa forma, busca ter superioridade de atletas na primeira fase de construção ofensiva.

No instante que os zagueiros ou o volante estão fazendo o manejo da bola, os demais atletas ocupam os espaços definidos previamente pelo treinador. Os laterais ficam abertos rente a linha lateral (amplitude), o outro volante e o extremo ficam posicionados nas costas dos atacantes adversários. E os atacantes juntamente ao meia-atacante ocupam o corredor central entre as duas linhas de quatro do oponente.

Organização ofensiva do Vitória de Dado Cavalcanti
Edição: KlipDraw Motion

A segunda fase de construção pode acontecer pelos corredores laterais através de tabelas e movimentos de apoio e infiltração. Ou até mesmo ser suprimido e não acontecer. Dessa forma, o Vitória busca realizar passes longos em diagonal com destino ao lateral-direito ou ao centroavante. E a partir da vitória na disputa de 1º bola, a equipe tenta acelerar a jogada e finalizar o mais rápido possível.

O momento que antecede a finalização também tem influência do técnico Dado Cavalcanti. Uma vez que, o Vitória alcança o terço final de campo e se prepara para concluir a jogada, a “regra” é ter no mínimo três jogadores dentro da grande área. E esses jogadores não se distribuem aleatoriamente. Dado Cavalcanti pede que os atletas ataquem três espaços: primeira trave, marca do pênalti e segunda trave. Assim, a equipe terá maiores chances de concluir a jogada.

Pressão pós-perda + finalização do Vitória de Dado Cavalcanti
Edição: KlipDraw Motion

Mas se o Vitória não conseguir concluir a jogada seja por erro individual, coletivo ou por mérito do adversário, Dado Cavalcanti, possui um mecanismo para tentar recuperar a posse de bola instantes depois que foi perdida: pressão pós-perda. Por ter uma equipe que ocupa muito bem cada espaço do campo, ao perder a bola o Vitória já tem alguns atletas capazes de fazer a pressão e fechar linha de passe.

Dessa forma, retira tempo e espaço do adversário induzindo-o a tomar uma decisão sob pressão. O que favorece a recuperação ainda no campo de ataque. Ao ter a bola novamente, o Vitória aproveita que a equipe adversária está desorganizada e procura aproveitar os espaços e concluir rápido a jogada ofensiva. O gol contra a equipe da Juazeirense nasceu de uma pressão pós-perda.

Organização defensiva do Vitória de Dado Cavalcanti
Edição: KlipDraw Motion

Caso não tenha êxito na retomada de bola, Dado Cavalcanti instrui aos jogadores que retornem as posições iniciais para se organizar no campo de defesa e a partir desse instante iniciar investidas para recuperar a posse de bola. Em bloco baixo, o Vitória se posiciona no 4-4-2 e utiliza alguns encaixes de marcação no setor da bola. Ou seja, se a bola está com o lateral adversário, ele e os demais atletas que são opções de passe terão um jogador bem próximo para que não receba a bola. Dessa forma, Dado Cavalcanti cria uma zona de pressão intensa para dificultar a progressão do oponente.

Compartilhe
1XBet - Receber Bônus

Comente!

Tem algo a dizer?

Últimas Postagens

O padrão ofensivo das transições do Bahia
Jonatan Cavalcante

O padrão ofensivo das transições do Bahia

0 Comentários
Por que a Juventus de Allegri falhou no caminho das conquistas?
Caio Bitencourt

Por que a Juventus de Allegri falhou no caminho das conquistas?

0 Comentários
Início de Luís Castro no Botafogo merece a euforia da torcida
Gabriel de Assis

Início de Luís Castro no Botafogo merece a euforia da torcida

0 Comentários
Conheça Allan Aal, técnico do Grêmio Novorizontino, surpresa da Série B 2022

Conheça Allan Aal, técnico do Grêmio Novorizontino, surpresa da Série B 2022

Douglas Batista
Uma nova, mas já conhecida, função: o renascer de Léo Baptistão no Santos
Aurelio Solano

Uma nova, mas já conhecida, função: o renascer de Léo Baptistão no Santos

0 Comentários
1XBet - Receber Bônus
Zalewski: a descoberta de Mourinho que mudou a Roma
Caio Bitencourt

Zalewski: a descoberta de Mourinho que mudou a Roma

0 Comentários
Líder, Vítor Pereira vai ganhando tempo no Corinthians
Gabriel de Assis

Líder, Vítor Pereira vai ganhando tempo no Corinthians

0 Comentários
Qual o impacto de Maignan no gol do Milan?
Caio Bitencourt

Qual o impacto de Maignan no gol do Milan?

0 Comentários
Retratos de um Real Madrid campeão espanhol e finalista europeu
Bruna Mendes

Retratos de um Real Madrid campeão espanhol e finalista europeu

0 Comentários
Planejado, Coritiba tem seu melhor time dos últimos anos
Gabriel de Assis

Planejado, Coritiba tem seu melhor time dos últimos anos

0 Comentários
O que falta ao Napoli para levantar o Scudetto?
Caio Bitencourt

O que falta ao Napoli para levantar o Scudetto?

0 Comentários
1XBet - Receber Bônus
Liderança do Santos chega a partir de melhora defensiva
Gabriel de Assis

Liderança do Santos chega a partir de melhora defensiva

0 Comentários
Real Betis x Valencia: a final entre Manuel Pellegrini e Pepe Bordalás
Bruna Mendes

Real Betis x Valencia: a final entre Manuel Pellegrini e Pepe Bordalás

0 Comentários
Ten Hag e a missão de reconstruir o Manchester United
Lucas Filus

Ten Hag e a missão de reconstruir o Manchester United

1 Comentários
Coppa Italia: meu bem ou meu mal?
Caio Bitencourt

Coppa Italia: meu bem ou meu mal?

0 Comentários