Como Luan jogará no Corinthians de Tiago Nunes?

Novo membro do Bando de Loucos, Luan tem qualidade comprovada. A dúvida é se ele conseguirá mostrar o que pode em um novo Timão.

Lesões, conflito com Renato ou desinteresse. Seja qual for a razão, é fato que Luan, nas últimas duas temporadas, esteve abaixo do que já apresentou. Contratado pelo Corinthians para 2020, o jogador terá a oportunidade de ouro para resgatar o seu futebol vistoso e decisivo, que não só o transformou no Rei da América como deu títulos para o Grêmio.

Luan não será a única novidade do Timão para a próxima temporada. A chegada de Tiago Nunes na casamata, aliada à contratação de outros reforços, representa possibilidades renovadas para a equipe paulista. A quebra de estilo, em relação ao que era proposto por Fábio Carille, pode ter o novo camisa 7 como a sua principal figura.

Para que sejam abordados todos os contextos em que o jogador pode pintar no novo Corinthians, seria ideal ter o conhecimento das peças que o circulariam. O grupo corintiano ainda está sendo montado, então toda ideia é precoce. Entretanto, a reflexão é válida, posto que muitas correlações entre o Athletico de Tiago Nunes e o Luan do Grêmio podem ser enumeradas.

O FALSO 9

Luan como falso 9 é basicamente uma instituição. Há quem a defenda, e há quem não a compreenda. Fato é que o 2016 do jogador, partindo como a referência no ataque tricolor, foi determinante para as numerosas boas atuações da equipe. Campeão da Copa do Brasil daquele ano, o Grêmio tinha peças que entendiam a movimentação do atacante e, sobretudo, aproveitavam-se disso para transformar o futebol do time em um dos melhores do país.

Aquele Grêmio, bem como o atual, jogava em um 4-2-3-1. Essa formação é a mesma que consagrou o atacante Pablo no Athletico de 2018, campeão da Copa Sul-Americana. Seriam ele e o Luan de 2016 comparáveis? O atual jogador do São Paulo não era exatamente um falso 9 como o ex-gremista, mas apresentava a mobilidade necessária para um jogador da função.

O Google é mágico: Luan é perseguido por Pablo em partida na Copa do Brasil de 2016
(Foto: Lucas Uebel/Grêmio FBPA)

No time de Tiago Nunes, Pablo costumava sair da referência para oferecer apoios ao meio-campo, já que dispõe de um passe refinado e de ótima leitura para encontrar espaços dentro e fora da área. Luan compartilha dessas características, e sua versão atual, apesar de tudo, tem ido além: nos últimos dois anos, o jogador liderou o Tricolor em assistências.

Sob o comando do novo técnico do Timão, o Athletico era bastante incisivo no terço final do campo, com seus jogadores — principalmente os meio-campistas — tendo liberdade para atacar a área. Eles faziam isso quando o espaço estava lá, e Luan é mestre em criá-lo com sua movimentação. Além disso, quando recebe longe da área, o jogador está sempre de cabeça erguida para conectar os laterais, que apareciam sempre no ataque tanto com Renato no Grêmio e como com Tiago no Furacão.

Em um 4-3-3, os interiores teriam liberdade para atacar a área em espaços deixados por Luan

Caso Luan atue como um falso 9 no Corinthians, seja num 4-2-3-1 ou num 4-3-3, é possível imaginar que jogadores que atuem atrás dele, como, potencialmente, Pedrinho, Matheus Vital e até Nikão (uma das possíveis contratações do time), tenham muitas chegadas à área e, por consequência, muitos gols. O novo atacante não seria um artilheiro, mas sim um facilitador — e, por que não, um garçom.

O ENGANCHE

As capacidades apresentadas por Luan às costas dos volantes, pontuadas anteriormente, têm sido cada vez mais evidentes. Mesmo caindo de produção, o jogador jamais deixa de criar chances recebendo no meio, como um camisa 10. É possível que Tiago Nunes explore essa qualidade do camisa 7 como um enganche, encaixando-o por dentro no 4-2-3-1.

O quarteto de frente dos sonhos de qualquer torcedor corintiano

As peças para que o treinador crie o cenário já existem; e algumas são conhecidas. Os gremistas cansaram de ver Luan lançando para Ramiro, com o segundo atuando como um extremo pela direita. O baixinho não parece ter as características do ponta preferido por Tiago, mas pode ser bastante útil em cenários de marcação em bloco alto e de infiltração na área. Logo, não duvido que o técnico teste a dupla em algum momento do ano.

Que tal essa imagem, mas com Ramiro, Luan e… Boselli? (Foto: Lucas Uebel/Grêmio FBPA)

Um centroavante de qualidade também é crucial para que o meia-atacante Luan funcione. No ano em que foi o Rei da América, tabelava constantemente com Lucas Barrios e aproveitava os espaços deixados pelo paraguaio para entrar na área conduzindo (sigue Luan, sigue Luan…). Foi assim que teve sua temporada mais artilheira da carreira, e as valências oferecidas por Mauro Boselli, por exemplo, podem gerar reedições do jogador que conquistou o continente.

EM BUSCA DO TOPO

Aos 26 anos, e apesar de ter conquistado tudo o que já conquistou, não sabemos se Luan atingiu, de fato, o seu auge. Recuperando-se fisicamente, e estando sintonizado com a equipe, o jogador pode ter sua melhor temporada desde 2017.

As peças que o circularão serão chaves para tal, e o Corinthians parece mobilizado para fazer com que o grupo esteja recheado de opções para 2020. Michael, Cantillo e Sidcley são alguns dos nomes sondados, e podem se juntar a jovens promissores como Pedrinho e Janderson, transformando o pragmático Timão de 2019 em um time bastante interessante.

A transferência do novo camisa 7 se deu logo no início da janela, o que dá tempo para Tiago Nunes e sua comissão pensarem em formas de adequá-lo à equipe. E é certo que essa será uma de suas prioridades, porque todos sabemos do que um Luan, encaixado, é capaz de fazer.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Henrique Letti

Últimas Postagens

A onda tecnicista na função do auxiliar técnico de futebol
Jonatan Cavalcante

A onda tecnicista na função do auxiliar técnico de futebol

0 Comentários
Friendly #1 | Imaginar e construir o futuro, a habilidade fundamental do século XXI
Footure

Friendly #1 | Imaginar e construir o futuro, a habilidade fundamental do século XXI

0 Comentários
Surpresa e tradição: os classificados para as quartas do futebol masculino na Olimpíada
Caio Nascimento

Surpresa e tradição: os classificados para as quartas do futebol masculino na Olimpíada

0 Comentários
Osimhen, Simy, e a problemática das narrativas sobre jogadores africanos
Caio Bitencourt

Osimhen, Simy, e a problemática das narrativas sobre jogadores africanos

0 Comentários
O que esperar do Real Madrid para os próximos anos com Carlo Ancelotti?
Bruna Mendes

O que esperar do Real Madrid para os próximos anos com Carlo Ancelotti?

0 Comentários
O que explica as goleadas do Flamengo com Renato Gaúcho?
Gabriel de Assis

O que explica as goleadas do Flamengo com Renato Gaúcho?

0 Comentários
Como o Vojvodismo transformou o Fortaleza em protagonista no futebol brasileiro?
Jonatan Cavalcante

Como o Vojvodismo transformou o Fortaleza em protagonista no futebol brasileiro?

0 Comentários
God Save the Game #34 | A janela de transferências da Premier League 21/22
Gabriel Corrêa

God Save the Game #34 | A janela de transferências da Premier League 21/22

0 Comentários
Felipão chega entregando o de sempre: segurança e resultado
Gabriel de Assis

Felipão chega entregando o de sempre: segurança e resultado

0 Comentários
Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 2
Caio Nascimento

Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 2

0 Comentários
A Itália ainda pode crescer após o título da Euro?
Caio Bitencourt

A Itália ainda pode crescer após o título da Euro?

0 Comentários
Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 1
Caio Nascimento

Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 1

0 Comentários
O complicado início de Diego Aguirre no Internacional
Gabriel de Assis

O complicado início de Diego Aguirre no Internacional

0 Comentários
Rodrigo De Paul: o meia com DNA de Simeone e Atlético de Madrid
Bruna Mendes

Rodrigo De Paul: o meia com DNA de Simeone e Atlético de Madrid

0 Comentários
A Inglaterra superou seus traumas e, agora, se permite sonhar
Lucas Filus

A Inglaterra superou seus traumas e, agora, se permite sonhar

0 Comentários