COMO NASCEM OS GOLS DE REAL MADRID E LIVERPOOL

Por @RodrigoCout O jogo entre clubes mais aguardado da temporada do futebol acontece neste sábado em Kiev. Real Madrid e Liverpool se enfrentam em busca da cobiçada ”orelhuda” numa partida que coloca frente a frente equipes com estilos diferentes para atacar. Preparamos um estudo para que constatar como cada uma das equipes fazem os seus gols. […]

Por @RodrigoCout

O jogo entre clubes mais aguardado da temporada do futebol acontece neste sábado em Kiev. Real Madrid e Liverpool se enfrentam em busca da cobiçada ”orelhuda” numa partida que coloca frente a frente equipes com estilos diferentes para atacar. Preparamos um estudo para que constatar como cada uma das equipes fazem os seus gols. A partir dele, podemos ter uma noção por onde pode ser definido o jogaço que consagrará o campeão da Champions League 17/18.

Mesmo se tratando de uma final única, é bem provável que tenhamos uma partida com muitos gols. São os dois melhores ataques em média da competição, só ficam atrás do PSG no ranking geral. Além disso, possuem o artilheiro – Cristiano Ronaldo – e os vice-artilheiros – Firmino e Salah. Se considerarmos também o número de assistências para gols, Real Madrid e Liverpool colocam cinco jogadores entre os dez melhores da UCL 17/18. O brasileiro e o egípcio, Milner e Alberto Moreno pelos Reds. E Carvajal representando os merengues. Artilharia pesada na Ucrânia!

FOTO 01

Real Madrid

Em comparação ao Liverpool, o Real Madrid é um time de posse e controle da ações no campo de ataque. Sua construção de jogadas é mais pausada e com muita propensão para o lado esquerdo. É do setor que saem mais da metade dos gols merengues. E isso tem uma explicação. No plano de jogo do técnico Zinedine Zidane, os laterais são os responsáveis por gerarem amplitude. Marcelo é o melhor do mundo na posição. E como se isso não bastasse, ainda conta com contexto e companhia que o favorecem neste cenário.

Todos sabem da qualidade de Isco Alarcón. No 4-3-1-2 utilizado na maioria das vezes pelo time espanhol, ele é o jogador mais avançado do losango de meio-campo. Há controle e ritmo com Modric e Kroos na base da jogada. A melhor preparação para que Isco, Marcelo e, em alguns casos, Benzema, se associem pelo lado esquerdo e criem muitas jogadas. Tudo com liberdade intuitiva para os atletas. Nada de processos robóticos! O talento e a genialidade recebendo a ”esteira” necessária para brilhar.  O Real é o quinto time que mais trocou passes nesta competição e o quarto que mais acertou.

Aqui vemos como o lado esquerdo do Real é importante na origem dos gols. Mais da metade é criado de lá. Reparem também o imenso percentual de gols marcados através da construção curta em fase ofensiva. Os contra-ataques em jogadas coletivas também são responsáveis por parcela considerável dos tentos.
Aqui vemos como o lado esquerdo do Real é importante na origem dos gols. Mais da metade é criado de lá. Reparem também o imenso percentual de gols marcados através da construção curta em fase ofensiva. Os contra-ataques em jogadas coletivas também são responsáveis por parcela considerável dos tentos.

FOTO 03 FOTO 04 FOTO 05 FOTO 06 FOTO 07


Liverpool

O futebol dos times de Jurgen Klopp é ”heavy metal”! A frase já é famosa e serve para fazermos uma metáfora do estilo de jogo deste Liverpool. Quer intensidade e insanidade? Veja os Reds atuarem! A equipe inglesa se sente mais confortável jogando em transição. Por mais que tenha feito o mesmo número de gols em fase ofensiva e em bolas recuperadas no campo de ataque, a proporção é incrivelmente diferente em outras equipes. Isso se explica por um modelo perfeitamente voltado para as características dos atletas que o clube dispõe. O time de Anfield é apenas o 11º em quantidade de passes trocados na UCL 17/18, mas o sexto que mais acerta passes em profundidade.

O sistema é o 4-3-3, e o segredo está na movimentação dos jogadores. Para atacar, o Liverpool não elabora tanto as jogadas. Prefere o ”jogo direto”. Isso não quer dizer que passa o jogo dando balão pra frente para um grandalhão ganhar pelo alto. Os passes longos e diretos do time saem em combinação com movimentos muito bem coordenados envolvendo o trio de ataque. Firmino cria espaços como ninguém. Salah e Mané os atacam como poucos. Para completar, Klopp tem no seu trio de meio-campistas a chave da liberdade para os atacantes. Milner, Henderson e, agora, Wijnaldum, se desdobram em fase defensiva, nas transições, e nas subidas de marcação para proporcionar a situação necessária a quem costuma decidir.

O Liverpool tem um ataque muito equilibrado. Cria os seus gols com a mesma frequência nos dois lados do campo. E chama a atenção o número muito alto de tentos originados em bolas roubadas no campo de ataque, além daqueles marcados em transições ofensivas rápidas.
O Liverpool tem um ataque muito equilibrado. Cria os seus gols com a mesma frequência nos dois lados do campo. E chama a atenção o número muito alto de tentos originados em bolas roubadas no campo de ataque, além daqueles marcados em transições ofensivas rápidas.

FOTO 09 FOTO 10 FOTO 11 FOTO 12

Esse é o mapa de calor de Firmino. Você vê um ''centroavante de área''?
Esse é o mapa de calor de Firmino. Você vê um ”centroavante de área”?

Seja qual for o resultado neste sábado, a Uefa Champions League 17/18 terá deixado uma lição de uma vez por todas. Não existe forma única e fórmula de sucesso no futebol. Jogar bem não é seguir determinado estilo, mas sim executar bem aquilo que se propõe a fazer. Real Madrid e Liverpool são diferentes, mas igualmente icônicos e eficazes. Desfrutem!

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Footure

Últimas Postagens

A onda tecnicista na função do auxiliar técnico de futebol
Jonatan Cavalcante

A onda tecnicista na função do auxiliar técnico de futebol

0 Comentários
Friendly #1 | Imaginar e construir o futuro, a habilidade fundamental do século XXI
Footure

Friendly #1 | Imaginar e construir o futuro, a habilidade fundamental do século XXI

0 Comentários
Surpresa e tradição: os classificados para as quartas do futebol masculino na Olimpíada
Caio Nascimento

Surpresa e tradição: os classificados para as quartas do futebol masculino na Olimpíada

0 Comentários
Osimhen, Simy, e a problemática das narrativas sobre jogadores africanos
Caio Bitencourt

Osimhen, Simy, e a problemática das narrativas sobre jogadores africanos

0 Comentários
O que esperar do Real Madrid para os próximos anos com Carlo Ancelotti?
Bruna Mendes

O que esperar do Real Madrid para os próximos anos com Carlo Ancelotti?

0 Comentários
O que explica as goleadas do Flamengo com Renato Gaúcho?
Gabriel de Assis

O que explica as goleadas do Flamengo com Renato Gaúcho?

0 Comentários
Como o Vojvodismo transformou o Fortaleza em protagonista no futebol brasileiro?
Jonatan Cavalcante

Como o Vojvodismo transformou o Fortaleza em protagonista no futebol brasileiro?

0 Comentários
God Save the Game #34 | A janela de transferências da Premier League 21/22
Gabriel Corrêa

God Save the Game #34 | A janela de transferências da Premier League 21/22

0 Comentários
Felipão chega entregando o de sempre: segurança e resultado
Gabriel de Assis

Felipão chega entregando o de sempre: segurança e resultado

0 Comentários
Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 2
Caio Nascimento

Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 2

0 Comentários
A Itália ainda pode crescer após o título da Euro?
Caio Bitencourt

A Itália ainda pode crescer após o título da Euro?

0 Comentários
Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 1
Caio Nascimento

Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 1

0 Comentários
O complicado início de Diego Aguirre no Internacional
Gabriel de Assis

O complicado início de Diego Aguirre no Internacional

0 Comentários
Rodrigo De Paul: o meia com DNA de Simeone e Atlético de Madrid
Bruna Mendes

Rodrigo De Paul: o meia com DNA de Simeone e Atlético de Madrid

0 Comentários
A Inglaterra superou seus traumas e, agora, se permite sonhar
Lucas Filus

A Inglaterra superou seus traumas e, agora, se permite sonhar

0 Comentários