COMO O ARSENAL VENCEU O DERBY DO NORTE DE LONDRES

Por André Andrade Durante toda semana o “North London Derby” trouxe a tensão para Londres. Arsenal e Tottenham jogaram no Emirates Stadium no duelo entre Emery e Pocchetino. O resultado? Uma vitória maíuscula do lado vermelho da cidade, de virada, por 4×2. Mas como Emery e seus comandados levaram a melhor sobre Pochettino e cia? Tudo […]

Por André Andrade

Durante toda semana o “North London Derby” trouxe a tensão para Londres. Arsenal e Tottenham jogaram no Emirates Stadium no duelo entre Emery e Pocchetino. O resultado? Uma vitória maíuscula do lado vermelho da cidade, de virada, por 4×2.

Mas como Emery e seus comandados levaram a melhor sobre Pochettino e cia?

Tudo começa com o planejamento tático. Emery escalou o time do Arsenal com 3 zagueiros, 2 alas, 2 volantes, 2 meias e 1 atacante. Dessa forma, buscava claramente ter intensidade e movimentação no meio-campo – já que Ozil ficou de fora do jogo, lesionado – para facilitar a pressão na saída de bola do adversário. Além da possibilidade de realizar jogadas mais verticais e, posicionando os meias um pouco mais pra dentro, deixar o corredor lateral para Bellerin e Kolasinac explorarem devido ao espaço e as suas qualidades físicas, diferentes, mas positivas para a equipe, mescladas com as viradas de jogo de qualidade de Xhaka e Torreira para gerar vantagens.

1_sy1OuRmO7iSZjFocQGRg2Q

Sem a bola, a ideia era de criar superioridade na zona do meio-campo e da defesa, controlando profundidade e amplitude formando uma linha de 5 que deixou Harry Kane apagado, até pelo excesso de bolas longas do Tottenham pela qualidade na pressão dos Gunners e conseguiu controlar Son.

1_W_hFgDcHQ3RyBYBVOLug6A

No início o Arsenal foi melhor que o Tottenham em termos de desempenho, com uma pressão bem encaixada e muita intensidade com e sem a bola, criando algumas chances que não balançaram a rede. Entretanto, o primeiro tempo foi uma montanha-russa no placar e no desempenho. O Arsenal abriu o placar com um pênalti e estava jogando muito melhor, mas após dois gols de bola parada, o Tottenham virou o placar e equilibrou as ações, no intervalo os visitantes venciam. e conseguiam levar perigo com algumas jogadas.

Na volta do intervalo, veio do vestiário o Cheque-Mate de Unai Emery. Saíram Mhiktaryan e Iwobi e entraram Ramsey e Lacazette.

Ramsey é um meia de muita mobilidade, leitura e exploração de espaços ofensivos, além disso consegue também realizar uma pressão excelente sem bola. Lacazette tem feito uma temporada excelente, é um atacante técnico e que chuta muito bem, explora bem espaços e se movimenta para se associar com seus companheiros. Com isso, Emery buscou um foco em atacar não só com mais relevância os espaços laterais, através de Kolasinac e Bellerin, que fizeram um partidaço, mas também o espaço e circulação interior, com as rupturas de linha de Ramsey, se associando com os atacantes. O Arsenal então ficou posicionado em uma espécie de 3–4–1–2.

Desse modo, a dupla Auba-Laca consegue se movimentar bastante, alongar e separar as linhas adversárias e também buscar movimentos de ruptura e associação no que chamamos de “meio-espaço”, ou para facilitar, o espaço entre o zagueiro e o lateral. Ocupando essa posição entre o zagueiro e o lateral rival, o jogador muitas vezes cria dúvidas no sistema de marcação, além de conseguir realizar superioridades posicionais, cinéticas e numéricas, possibilitando assim mais espaço-tempo para a realização das jogadas, e consequentemente uma possibilidade maior do resultado do lance ser positivo. Reparem no 2o e 4o gol as movimentações… No 2º, Ramsey aciona Auba e no 4º Torreira faz a movimentação no “meio-espaço” e sai na cara para definir.

1_jyOa31x7nXm5q9r0muFyqg

1_FhRh-g_ojubczYXCbBNZCw

Outro aspecto muito importante para além da tática foi o aspecto da atmosfera que envolveu o Emirates, o estádio pulsou o jogo inteiro, torcedores em pé, cantando, agitados, e isso não foi nada mais do que reflexo da atitude mental dos jogadores em campo, se eram criticados nos últimos anos de Wenger pela postura em jogos grandes, o novo Arsenal da “Era Emery” é aguerrido, competitivo e intenso, pra pensar e para agir e continua sua série invicta de jogos na temporada, alinhando aos poucos o desempenho aos resultados. As comemorações dos jogadores comprovam, Emery instaurou uma nova mentalidade na equipe e o jogo também é mental, e muito.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Footure

Últimas Postagens

Power in Motion: o projeto de restabelecimento do Dínamo de Moscou
Caio Nascimento

Power in Motion: o projeto de restabelecimento do Dínamo de Moscou

0 Comentários
Em sua primeira final europeia da história, o Villarreal desbanca o Arsenal nas semis da Europa League
Bruna Mendes

Em sua primeira final europeia da história, o Villarreal desbanca o Arsenal nas semis da Europa League

0 Comentários
A coerência no Chelsea de Thomas Tuchel e no City de Pep Guardiola
Lucas Filus

A coerência no Chelsea de Thomas Tuchel e no City de Pep Guardiola

0 Comentários
O que fez Darío Sarmiento chamar a atenção do Manchester City?
Dimitri Barcellos

O que fez Darío Sarmiento chamar a atenção do Manchester City?

0 Comentários
Paul Pogba pode ser o primeiro ‘reforço’ do United para a próxima temporada
Lucas Filus

Paul Pogba pode ser o primeiro 'reforço’ do United para a próxima temporada

0 Comentários
A vez da geração 2004: conheça Matheus Nascimento, Cowell, Sesko e Demir
Caio Nascimento

A vez da geração 2004: conheça Matheus Nascimento, Cowell, Sesko e Demir

0 Comentários
Por que João Pedro é a tábua de salvação para o Cagliari
Caio Bitencourt

Por que João Pedro é a tábua de salvação para o Cagliari

0 Comentários
Biotipo, velocidade de raciocínio e tomada de decisão: o que é a intensidade no futebol
Caio Alves

Biotipo, velocidade de raciocínio e tomada de decisão: o que é a intensidade no futebol

0 Comentários
Knappenschmiede: a histórica forja do Schalke 04 em meio a turbulência existencial do clube
Caio Nascimento

Knappenschmiede: a histórica forja do Schalke 04 em meio a turbulência existencial do clube

0 Comentários
Campeão da Copa do Rei, Barcelona domina o Athletic e busca o doblete
Bruna Mendes

Campeão da Copa do Rei, Barcelona domina o Athletic e busca o doblete

0 Comentários
O que a contratação de Alexandre Gallo pode aportar ao Santa Cruz?
Jonatan Cavalcante

O que a contratação de Alexandre Gallo pode aportar ao Santa Cruz?

0 Comentários
4 histórias para se observar na fase de grupos da Libertadores 2021
Dimitri Barcellos

4 histórias para se observar na fase de grupos da Libertadores 2021

0 Comentários
Raúl Bobadilla e Abel Hernández: conheça os novos centroavantes do Fluminense
Gabriel Corrêa

Raúl Bobadilla e Abel Hernández: conheça os novos centroavantes do Fluminense

0 Comentários
Kayky, Galarza, Nestor, Kaiky, Rodrigo Varanda e o semestre animador dos garotos da base brasileira
Caio Nascimento

Kayky, Galarza, Nestor, Kaiky, Rodrigo Varanda e o semestre animador dos garotos da base brasileira

0 Comentários
As transições da Inter que as deixam na cara do gol (e do Scudetto)
Caio Bitencourt

As transições da Inter que as deixam na cara do gol (e do Scudetto)

0 Comentários