Como será o futebol do futuro?

Estudos de dados projetam o futuro do futebol para 2031

A dinâmica do jogo tem evoluído devido a fatores ambientais como o resultado, o tipo e a fase da competição. Através da utilização da análise observacional e da análise de dados, verificou-se que o comportamento dos jogadores tem se alterado bastante nas últimas décadas. Como será o futebol em um futuro próximo?

Alguns estudos como “Evolução do ataque de elite entre 1982 e 2010” (Barreira, Garganta, Castellano) e “Evolução dos parâmetros de performance para posições na Premier League” (Bush, Barnes, Archer) analisaram as variáveis que influenciaram a evolução tática e técnica dos jogadores ao longo dos últimos trinta anos.

Os padrões de jogo alteraram-se em 31.4% desde 1982 até 2010, enquanto o resultado, a fase da competição e o período do jogo influenciaram em 28%, 26.5% e 18% as alterações, respectivamente. Entre 2002 e 2010, utilizou-se menos o drible e a condução de bola e, inversamente, aumentou-se a utilização do passe longo.

Já a quantidade de ataques pelos corredores laterais aumentou bastante hoje em dia em relação ao período 1982-2002, como consequência da desvantagem numérica no centro do jogo. 

O tempo real de jogo foi reduzido de forma significativa no período de 1966 a 2010: de 64,23% passou a 53,66%. Em 2031 é possível que se atinja um valor de 48,74%. A velocidade média da bola aumentou notavelmente no período: quase 1,20 m/s. Se a tendência for mantida, atingirá os 9,73 m/s em 2031. 

A frequência de passes por minuto aumentou de 10,75 passes em 1966 para 14,71 em 2010. Em 2031 poderia chegar até 16,51 passes por minuto. A duração dos lances de bola parada também cresceu de forma importante. Cada vez mais tempo é investido na realização da cobrança de faltas, principalmente naquelas lançadas a gol. Em 2031 serão invertidos 74,79 segundos na média contra os 38,12s utilizados em 1966.

O perfil de desempenho físico também foi modificado nos últimos anos. De acordo com os estudos, a distância total percorrida pelos jogadores é similar à de 10 anos atrás. Contudo, o número de sprints e de ações de alta intensidade é cada vez maior. Ou seja, há mais intervenções de alta intensidade, ainda que sejam de menor duração e distância.

Os atletas de futebol devem ser preparados para os panoramas de máxima exigência e competitividade que estão por vir. Assim, o futebol continuará evoluindo no futuro imediato para um jogo cada vez mais rápido, em que o nível técnico dos jogadores será cada vez mais alto, e onde os esforços de alta intensidade serão cada vez mais determinantes. 

O tempo de jogo irá se reduzindo progressivamente, até que o tempo parado seja superior ao tempo com a bola em jogo. Além disso, as ações com bola parada ganharão mais importância. Será um esporte cada vez mais intermitente. Coloque as pausas do VAR nessa análise e o quanto todas essas paradas demandará da concentração dos atletas em campo. O anímico também precisará ser mais trabalhado.

Os treinadores, auxiliares, analistas e preparadores físicos precisam saber as tendências do jogo para antecipar processos de captação, scout e treinamento de jovens para que estejam preparados para o que está por vir.

Dez anos passam voando. O futuro é agora.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Gustavo Fogaça

Últimas Postagens

Power in Motion: o projeto de restabelecimento do Dínamo de Moscou
Caio Nascimento

Power in Motion: o projeto de restabelecimento do Dínamo de Moscou

0 Comentários
Em sua primeira final europeia da história, o Villarreal desbanca o Arsenal nas semis da Europa League
Bruna Mendes

Em sua primeira final europeia da história, o Villarreal desbanca o Arsenal nas semis da Europa League

0 Comentários
A coerência no Chelsea de Thomas Tuchel e no City de Pep Guardiola
Lucas Filus

A coerência no Chelsea de Thomas Tuchel e no City de Pep Guardiola

0 Comentários
O que fez Darío Sarmiento chamar a atenção do Manchester City?
Dimitri Barcellos

O que fez Darío Sarmiento chamar a atenção do Manchester City?

0 Comentários
Paul Pogba pode ser o primeiro ‘reforço’ do United para a próxima temporada
Lucas Filus

Paul Pogba pode ser o primeiro 'reforço’ do United para a próxima temporada

0 Comentários
A vez da geração 2004: conheça Matheus Nascimento, Cowell, Sesko e Demir
Caio Nascimento

A vez da geração 2004: conheça Matheus Nascimento, Cowell, Sesko e Demir

0 Comentários
Por que João Pedro é a tábua de salvação para o Cagliari
Caio Bitencourt

Por que João Pedro é a tábua de salvação para o Cagliari

0 Comentários
Biotipo, velocidade de raciocínio e tomada de decisão: o que é a intensidade no futebol
Caio Alves

Biotipo, velocidade de raciocínio e tomada de decisão: o que é a intensidade no futebol

0 Comentários
Knappenschmiede: a histórica forja do Schalke 04 em meio a turbulência existencial do clube
Caio Nascimento

Knappenschmiede: a histórica forja do Schalke 04 em meio a turbulência existencial do clube

0 Comentários
Campeão da Copa do Rei, Barcelona domina o Athletic e busca o doblete
Bruna Mendes

Campeão da Copa do Rei, Barcelona domina o Athletic e busca o doblete

0 Comentários
O que a contratação de Alexandre Gallo pode aportar ao Santa Cruz?
Jonatan Cavalcante

O que a contratação de Alexandre Gallo pode aportar ao Santa Cruz?

0 Comentários
4 histórias para se observar na fase de grupos da Libertadores 2021
Dimitri Barcellos

4 histórias para se observar na fase de grupos da Libertadores 2021

0 Comentários
Raúl Bobadilla e Abel Hernández: conheça os novos centroavantes do Fluminense
Gabriel Corrêa

Raúl Bobadilla e Abel Hernández: conheça os novos centroavantes do Fluminense

0 Comentários
Kayky, Galarza, Nestor, Kaiky, Rodrigo Varanda e o semestre animador dos garotos da base brasileira
Caio Nascimento

Kayky, Galarza, Nestor, Kaiky, Rodrigo Varanda e o semestre animador dos garotos da base brasileira

0 Comentários
As transições da Inter que as deixam na cara do gol (e do Scudetto)
Caio Bitencourt

As transições da Inter que as deixam na cara do gol (e do Scudetto)

0 Comentários