COPA DO MUNDO - DIA 4

Por @RodrigoCout, @PasseEPosse e @Maiiron_ Chegamos ao final do quarto dia de Copa do Mundo. Três jogos e cada um com suas peculiaridades. Na primeira partida do dia, a “estreia” da linha de 5 no Mundial com a Costa Rica e o jogo físico e vertical da Sérvia de Milinkovic-Savic e Mitrovic. No horário do almoço, […]

Por @RodrigoCout@PasseEPosse e @Maiiron_

Chegamos ao final do quarto dia de Copa do Mundo. Três jogos e cada um com suas peculiaridades. Na primeira partida do dia, a “estreia” da linha de 5 no Mundial com a Costa Rica e o jogo físico e vertical da Sérvia de Milinkovic-Savic e Mitrovic. No horário do almoço, demonstração de paixão pela vitória com o México de Juan Carlos Osorio e a vitória sobre os atuais campeões mundial, a Alemanha. E para fechar, a estreia da Seleção Brasileira que não passou do empate com a Suiça num jogo que começou bom para os brasileiros, mas terminou com derrotas físicas no meio e frustrantes tentativas de Neymar decidir.


Sérvia 1 x 0 Costa Rica

Mesmo não tendo uma grande atuação, a Sérvia foi superior e mereceu vencer a Costa Rica em Samara. Mais qualificada tecnicamente, apresentou também mais repertório tático, por mais que tivesse oscilado bastante em alguns aspectos. A Costa Rica começou melhor! Utilizando-se do seu jogo direto e da velocidade levou perigo contra uma sonolenta retaguarda sérvia. A partir da movimentação de Milinkovic-Savic e Ljujic entrelinhas, além das jogadas de Tadic pela direita, os europeus foram dominando a partida. Só não criaram mais pela dificuldade na saída de bola.

sgfsjcwu05ikb8u8lnd4

Se não fosse com Matic, não fluía. No fim do 1º tempo a Costa Rica reequilibrou as ações e quase marcou. Logo no começou da segunda etapa, Kolarov acertou um lindo chute em cobrança de falta e a dinâmica do jogo mudou. A Costa Rica se viu obrigada a sair e trabalhar mais a bola com menos espaço. Não possui padrão para tal e sofreu com os contra-ataques sérvios


México 1 x 0 Alemanha

3 ocasiões de gol nos primeiros 5 minutos de jogo. Este dado mostra bem o que foi o primeiro tempo. Num ritmo altíssimo, o México buscou ser muito intenso pra, postado em 4-4-2, roubar e sair o mais rápido possível, com muita verticalidade. Carlos Vela por dentro explica isto, uma clara adaptação de Osório ao adversário, assim como Layún pela direita (pra pressionar Kroos, que sempre busca a esquerda na saída). Com uma Alemanha numa tarde pouco inspirada, não se aproveitando dos espaços entre as linhas mexicanas e com uma transição defensiva deficitária, os apoios de Chicharito e a agressividade de Lozano se somaram a Vela e criaram ‘N’ ocasiões (10 chutes nos 45′). Cada roubo (Héctor Herrera vital aí com 17 duelos vencidos e 7 desarmes) gerava uma chance clara, mas estavam desacertados, o que sempre deixou a tetracampeã mundial viva, mesmo com a criação suficiente pra uma goleada, que resultou apenas no 0-1.

j4azwarhkhxa9psnc5ua

Na segunda etapa, com um ritmo mais baixo, o México teve dificuldades pra transitar, o que se potencializou com as saídas de Vela e Lozano. Nisto, passaram muito mais tempo tendo que se defender, o que deixou ainda mais claro que uma versão minimamente melhor da Alemanha no primeiro tempo seria suficiente pra mudar o placar, pois os de Osorio estavam defendendo realmente mal a área (as 26 finalizações da atual campeã do torneio ao final da partida ajudam a entender isto). Sem conseguir empatar, Low tirou Khedira e colocou Reus, o que, assim como nas alterações mexicanas, mostrou problemas, pois a transição piorou ainda mais. Os laterais estavam muito avançados e só havia Kroos com os zagueiros, que viam os mexicanos conduzindo sempre em vantagem. Com tudo isto, mesmo sem seus velocistas, os de Osorio voltaram a criar perigo saindo rápido, mas Layún manteve o nível de desacerto de todo seu conjunto e desperdiçou as oportunidades. Resistindo nos minutos finais, Ochoa, que terminou o jogo com 9 defesas, não foi vazado e a trabalhada vitória veio.

Por parte dos europeus, preocupante. Voltam a demonstrar problemas vistos nos amistosos e não passam confiança pra competir até o fim contra outras favoritas. Pro México, título mundial já na primeira rodada. Assumindo riscos, com muita valentia, se beneficiou no caos e, mesmo sofrendo, pode ter encaminhado classificação ao mata-mata.


Brasil 1 x 1 Suiça 

Brasil estreou na Copa e teve um empate contra o bom time suíço. Previam ferrolho, não foi ferrolho. Suíça concedia espaço pelo lado direito defensivo. Neymar, Marcelo e, principalmente, Coutinho desciam por ali e causavam problemas. Tanto que o gol saiu por ali. Coutinho meteu uma parábola na bola e ela morreu no gol. Golaço com assinatura de Coutinho, um jogador cada vez mais determinante por dentro nos metros finais.

O Brasil desde o início pecou pela falta de profundidade com Jesus e com um Neymar associando pouco com os colegas. Chegava a dobra e ele preferia a vitória pessoal, isso voltou a ser uma falha recorrente no seu jogo.

Captura de Tela 2018-06-17 às 17.15.01

Logo na virada do segundo tempo tomamos um gol em bola parada. É um erro conjunto em que Alisson sai ileso; a bola entra rápido no primeiro poste, Casemiro não tira e Miranda deixa Zuber marcar. Repito, se Alisson sai, a falha fica aparente. Questionar o brasileiro que figura entre os cincos é murmúrio de dois ou três, que respeitamos. Depois disso Tite tira, acertadamente, Casemiro. Mesmo sendo o jogador que controlava a medular, tinha cartão e caíam jogadores por ali. Perder ele por expulsão seria pior que tirá-lo.

Me questiono porque não Douglas Costa ao invés de William no meio da segunda parte. Uma pena não ter Fred em um jogo que a gente precisava romper linha com passes.

O jogo da Seleção não foi ruim, deve ser problematizado. Neymar, nossa referência técnica, muito abaixo do que sabe e pode jogar. Marcelo, o melhor lateral-esquerdo do mundo, não compensou tanto atrás e Miranda ficava vigilante. O adversário era o mais difícil da chave e vendeu caro o empate como podia. O jogo pra ir mal era hoje, o jogo pra errar tudo era esse. Um Brasil nota 5 em uma exigência nota 11.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Footure

Últimas Postagens

A coerência no Chelsea de Thomas Tuchel e no City de Pep Guardiola
Lucas Filus

A coerência no Chelsea de Thomas Tuchel e no City de Pep Guardiola

0 Comentários
O que fez Darío Sarmiento chamar a atenção do Manchester City?
Dimitri Barcellos

O que fez Darío Sarmiento chamar a atenção do Manchester City?

0 Comentários
Paul Pogba pode ser o primeiro ‘reforço’ do United para a próxima temporada
Lucas Filus

Paul Pogba pode ser o primeiro 'reforço’ do United para a próxima temporada

0 Comentários
A vez da geração 2004: conheça Matheus Nascimento, Cowell, Sesko e Demir
Caio Nascimento

A vez da geração 2004: conheça Matheus Nascimento, Cowell, Sesko e Demir

0 Comentários
Por que João Pedro é a tábua de salvação para o Cagliari
Caio Bitencourt

Por que João Pedro é a tábua de salvação para o Cagliari

0 Comentários
Biotipo, velocidade de raciocínio e tomada de decisão: o que é a intensidade no futebol
Caio Alves

Biotipo, velocidade de raciocínio e tomada de decisão: o que é a intensidade no futebol

0 Comentários
Knappenschmiede: a histórica forja do Schalke 04 em meio a turbulência existencial do clube
Caio Nascimento

Knappenschmiede: a histórica forja do Schalke 04 em meio a turbulência existencial do clube

0 Comentários
Campeão da Copa do Rei, Barcelona domina o Athletic e busca o doblete
Bruna Mendes

Campeão da Copa do Rei, Barcelona domina o Athletic e busca o doblete

0 Comentários
O que a contratação de Alexandre Gallo pode aportar ao Santa Cruz?
Jonatan Cavalcante

O que a contratação de Alexandre Gallo pode aportar ao Santa Cruz?

0 Comentários
4 histórias para se observar na fase de grupos da Libertadores 2021
Dimitri Barcellos

4 histórias para se observar na fase de grupos da Libertadores 2021

0 Comentários
Raúl Bobadilla e Abel Hernández: conheça os novos centroavantes do Fluminense
Gabriel Corrêa

Raúl Bobadilla e Abel Hernández: conheça os novos centroavantes do Fluminense

0 Comentários
Kayky, Galarza, Nestor, Kaiky, Rodrigo Varanda e o semestre animador dos garotos da base brasileira
Caio Nascimento

Kayky, Galarza, Nestor, Kaiky, Rodrigo Varanda e o semestre animador dos garotos da base brasileira

0 Comentários
As transições da Inter que as deixam na cara do gol (e do Scudetto)
Caio Bitencourt

As transições da Inter que as deixam na cara do gol (e do Scudetto)

0 Comentários
Danilo, uma boa dor de cabeça para Abel Ferreira no Palmeiras
Gabriel Corrêa

Danilo, uma boa dor de cabeça para Abel Ferreira no Palmeiras

0 Comentários
Zidane vence jogo de xadrez no El Clásico e aumenta disputa por título na Liga
Bruna Mendes

Zidane vence jogo de xadrez no El Clásico e aumenta disputa por título na Liga

0 Comentários