COPA DO MUNDO - DIA 4

Por @RodrigoCout, @PasseEPosse e @Maiiron_ Chegamos ao final do quarto dia de Copa do Mundo. Três jogos e cada um com suas peculiaridades. Na primeira partida do dia, a “estreia” da linha de 5 no Mundial com a Costa Rica e o jogo físico e vertical da Sérvia de Milinkovic-Savic e Mitrovic. No horário do almoço, […]

Por @RodrigoCout@PasseEPosse e @Maiiron_

Chegamos ao final do quarto dia de Copa do Mundo. Três jogos e cada um com suas peculiaridades. Na primeira partida do dia, a “estreia” da linha de 5 no Mundial com a Costa Rica e o jogo físico e vertical da Sérvia de Milinkovic-Savic e Mitrovic. No horário do almoço, demonstração de paixão pela vitória com o México de Juan Carlos Osorio e a vitória sobre os atuais campeões mundial, a Alemanha. E para fechar, a estreia da Seleção Brasileira que não passou do empate com a Suiça num jogo que começou bom para os brasileiros, mas terminou com derrotas físicas no meio e frustrantes tentativas de Neymar decidir.


Sérvia 1 x 0 Costa Rica

Mesmo não tendo uma grande atuação, a Sérvia foi superior e mereceu vencer a Costa Rica em Samara. Mais qualificada tecnicamente, apresentou também mais repertório tático, por mais que tivesse oscilado bastante em alguns aspectos. A Costa Rica começou melhor! Utilizando-se do seu jogo direto e da velocidade levou perigo contra uma sonolenta retaguarda sérvia. A partir da movimentação de Milinkovic-Savic e Ljujic entrelinhas, além das jogadas de Tadic pela direita, os europeus foram dominando a partida. Só não criaram mais pela dificuldade na saída de bola.

sgfsjcwu05ikb8u8lnd4

Se não fosse com Matic, não fluía. No fim do 1º tempo a Costa Rica reequilibrou as ações e quase marcou. Logo no começou da segunda etapa, Kolarov acertou um lindo chute em cobrança de falta e a dinâmica do jogo mudou. A Costa Rica se viu obrigada a sair e trabalhar mais a bola com menos espaço. Não possui padrão para tal e sofreu com os contra-ataques sérvios


México 1 x 0 Alemanha

3 ocasiões de gol nos primeiros 5 minutos de jogo. Este dado mostra bem o que foi o primeiro tempo. Num ritmo altíssimo, o México buscou ser muito intenso pra, postado em 4-4-2, roubar e sair o mais rápido possível, com muita verticalidade. Carlos Vela por dentro explica isto, uma clara adaptação de Osório ao adversário, assim como Layún pela direita (pra pressionar Kroos, que sempre busca a esquerda na saída). Com uma Alemanha numa tarde pouco inspirada, não se aproveitando dos espaços entre as linhas mexicanas e com uma transição defensiva deficitária, os apoios de Chicharito e a agressividade de Lozano se somaram a Vela e criaram ‘N’ ocasiões (10 chutes nos 45′). Cada roubo (Héctor Herrera vital aí com 17 duelos vencidos e 7 desarmes) gerava uma chance clara, mas estavam desacertados, o que sempre deixou a tetracampeã mundial viva, mesmo com a criação suficiente pra uma goleada, que resultou apenas no 0-1.

j4azwarhkhxa9psnc5ua

Na segunda etapa, com um ritmo mais baixo, o México teve dificuldades pra transitar, o que se potencializou com as saídas de Vela e Lozano. Nisto, passaram muito mais tempo tendo que se defender, o que deixou ainda mais claro que uma versão minimamente melhor da Alemanha no primeiro tempo seria suficiente pra mudar o placar, pois os de Osorio estavam defendendo realmente mal a área (as 26 finalizações da atual campeã do torneio ao final da partida ajudam a entender isto). Sem conseguir empatar, Low tirou Khedira e colocou Reus, o que, assim como nas alterações mexicanas, mostrou problemas, pois a transição piorou ainda mais. Os laterais estavam muito avançados e só havia Kroos com os zagueiros, que viam os mexicanos conduzindo sempre em vantagem. Com tudo isto, mesmo sem seus velocistas, os de Osorio voltaram a criar perigo saindo rápido, mas Layún manteve o nível de desacerto de todo seu conjunto e desperdiçou as oportunidades. Resistindo nos minutos finais, Ochoa, que terminou o jogo com 9 defesas, não foi vazado e a trabalhada vitória veio.

Por parte dos europeus, preocupante. Voltam a demonstrar problemas vistos nos amistosos e não passam confiança pra competir até o fim contra outras favoritas. Pro México, título mundial já na primeira rodada. Assumindo riscos, com muita valentia, se beneficiou no caos e, mesmo sofrendo, pode ter encaminhado classificação ao mata-mata.


Brasil 1 x 1 Suiça 

Brasil estreou na Copa e teve um empate contra o bom time suíço. Previam ferrolho, não foi ferrolho. Suíça concedia espaço pelo lado direito defensivo. Neymar, Marcelo e, principalmente, Coutinho desciam por ali e causavam problemas. Tanto que o gol saiu por ali. Coutinho meteu uma parábola na bola e ela morreu no gol. Golaço com assinatura de Coutinho, um jogador cada vez mais determinante por dentro nos metros finais.

O Brasil desde o início pecou pela falta de profundidade com Jesus e com um Neymar associando pouco com os colegas. Chegava a dobra e ele preferia a vitória pessoal, isso voltou a ser uma falha recorrente no seu jogo.

Captura de Tela 2018-06-17 às 17.15.01

Logo na virada do segundo tempo tomamos um gol em bola parada. É um erro conjunto em que Alisson sai ileso; a bola entra rápido no primeiro poste, Casemiro não tira e Miranda deixa Zuber marcar. Repito, se Alisson sai, a falha fica aparente. Questionar o brasileiro que figura entre os cincos é murmúrio de dois ou três, que respeitamos. Depois disso Tite tira, acertadamente, Casemiro. Mesmo sendo o jogador que controlava a medular, tinha cartão e caíam jogadores por ali. Perder ele por expulsão seria pior que tirá-lo.

Me questiono porque não Douglas Costa ao invés de William no meio da segunda parte. Uma pena não ter Fred em um jogo que a gente precisava romper linha com passes.

O jogo da Seleção não foi ruim, deve ser problematizado. Neymar, nossa referência técnica, muito abaixo do que sabe e pode jogar. Marcelo, o melhor lateral-esquerdo do mundo, não compensou tanto atrás e Miranda ficava vigilante. O adversário era o mais difícil da chave e vendeu caro o empate como podia. O jogo pra ir mal era hoje, o jogo pra errar tudo era esse. Um Brasil nota 5 em uma exigência nota 11.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Últimas Postagens

O caminho da Seleção, as mudanças de Tite e um norte para o Catar
Aurelio Solano

O caminho da Seleção, as mudanças de Tite e um norte para o Catar

0 Comentários
Cinco promessas africanas na base de clubes europeus
Caio Nascimento

Cinco promessas africanas na base de clubes europeus

0 Comentários
Pellegrini: a história dos romanos na Roma continua
Caio Bitencourt

Pellegrini: a história dos romanos na Roma continua

0 Comentários
A afirmação da Espanha e sua nova geração
Bruna Mendes

A afirmação da Espanha e sua nova geração

0 Comentários
Guto Ferreira coloca o Bahia para acelerar
Gabriel de Assis

Guto Ferreira coloca o Bahia para acelerar

0 Comentários
RAIO-X: De onde saem as assistências dos líderes do quesito na Série B
Douglas Batista

RAIO-X: De onde saem as assistências dos líderes do quesito na Série B

0 Comentários
Os destaques dos 8 classificados no Brasileirão Sub-20
Caio Nascimento

Os destaques dos 8 classificados no Brasileirão Sub-20

0 Comentários
A reinvenção de Brahim Diaz no meio-campo do Milan
Caio Bitencourt

A reinvenção de Brahim Diaz no meio-campo do Milan

0 Comentários
Maduro, o Red Bull Bragantino se aproxima de fazer história
Gabriel de Assis

Maduro, o Red Bull Bragantino se aproxima de fazer história

0 Comentários
Friendly #7 | O novo rico Newcastle, Sports Washing e a ‘era’ de clube-estado
Eduardo Dias

Friendly #7 | O novo rico Newcastle, Sports Washing e a 'era' de clube-estado

0 Comentários
Napoli: O impacto inicial de Anguissa com a camisa partenopei
Caio Bitencourt

Napoli: O impacto inicial de Anguissa com a camisa partenopei

0 Comentários
O Grande Norte e os grandes desafios: o que o futuro reserva para o futebol masculino do Canadá?
Caio Nascimento

O Grande Norte e os grandes desafios: o que o futuro reserva para o futebol masculino do Canadá?

0 Comentários
O agressivo América/MG de Vagner Mancini
Gabriel de Assis

O agressivo América/MG de Vagner Mancini

0 Comentários
O Botafogo/PB em busca de um acesso histórico na Paraíba
Douglas Batista

O Botafogo/PB em busca de um acesso histórico na Paraíba

0 Comentários
A disparidade entre Atlético de Madrid e Barcelona
Bruna Mendes

A disparidade entre Atlético de Madrid e Barcelona

0 Comentários