COPA DO MUNDO - DIA 7

Por @RodrigoCout, @_GabrielCorrea e @Maiiron_ Estamos no início da segunda rodada da Copa do Mundo de 2018 e com a confirmação de mais uma equipe já nas oitavas de final: Uruguai. Além disso, Cristiano Ronaldo deixou sua marca para Portugal conquistar os três pontos contra Marrocos apesar a da atuação abaixo da média dos comandados […]

Por @RodrigoCout, @_GabrielCorrea e @Maiiron_

Estamos no início da segunda rodada da Copa do Mundo de 2018 e com a confirmação de mais uma equipe já nas oitavas de final: Uruguai. Além disso, Cristiano Ronaldo deixou sua marca para Portugal conquistar os três pontos contra Marrocos apesar a da atuação abaixo da média dos comandados de Fernando Santos. Por fim, uma Espanha que sofreu num duelo contra Irã que lembrou em diversos momentos o início dos duelos Guardiola x Mourinho no início desta década. Vamos aprofundar agora em mais uma rodada de Copa!


Portugal 1 x 0 Marrocos

Portugal venceu, mas novamente apresentou muito pouco na parte coletiva/ofensiva. Abriu o placar logo aos três minutos e teve imensa dificuldade de encaixar bons períodos de posse e trocas de passe efetivas. Ficou gravado nos intensos encaixes de marcação marroquinos. Não havia movimentos de apoio, o que forçava o time a ligar diretamente o ataque. Muito pela falta de compactação entre meio e ataque do adversário, criou mais uma chance com Gonçalo Guedes. O jogador do Valencia que teve grande temporada no Valencia, mas ainda tem sentido o peso do Mundial. Talvez um gol possa aliviar essa pressão.

O Marrocos mostrou muita velocidade na troca de passes, movimentação intensa, ocupou bem o campo de ataque e teve postura muito agressiva. Não venceu o jogo pelo excelente trabalho de defesa a própria área feito por Portugal. Aqui entra o debate entre “saber sofrer” e “sofrer”. Portugal conseguiu se defender, mas sofreu muito mais do que soube sofrer. Faltou finalizar melhor também para os marroquinos, além de Rui Patrício que teve ótima atuação.


Uruguai 1 x 0 Arábia Saudita

Depois de uma vitória complicada contra o Egito, Óscar Tabárez decidiu retornar ao modelo proposto historicamente no Uruguai: baixar as linhas, recuperar e buscar o contragolpe. O problema é que nos primeiros 20 minutos a Celeste fez o contrário, e seguiu tentando ter a bola e propor jogo. E foi difícil. Aqui podemos falar que num campeonato onde os nervos estão à flor da pele, praticar o jogo que se esta acostumado é muito melhor. Foi isso que aconteceu com o Uruguai.

jekwnrm6pjooawb5qlf3

O gol de Luisito Suárez veio após uma cobrança de escanteio onde o goleiro falhou e o camisa 9 apenas empurrou a bola para o fundo da rede. De maneira geral, muita dificuldade para circular a bola com velocidade ou então – assim que recuou as linhas – acertar um contragolpe para matar o jogo. O time ainda é um incógnita quando falamos qual será a ideia para enfrentar a Rússia ou o mata-mata do Mundial. Ao que parece, utilizar um estilo impregnado no seu DNA possa ser o caminho para Óscar Tabárez e seus comandados.

Do lado da Arábia Saudita, seis trocas fizeram o time um pouco mais organizado defensivamente, diferente da inocência vista na estreia contra a Rússia. Serviu de aprendizado para uma futura participação dos sauditas na Copa do Mundo. Tentou em alguns momentos criar oportunidades, mas sem sucesso contra Giménez e Godín.


Espanha 1 x 0 Irã

O que 78% de posse de bola e 696 passes certos de dão em um jogo? Quem viu Espanha x Irã mais cedo na segunda rodada do grupo B da Copa não olhou o “grande rondo espanhol” em sua essência, a Espanha no primeiro tempo conviveu com o mesmo problema que a Argentina teve contra a Islândia; funil e entrelinhas fechadas tendo que fazer jogo lateral e cruzar contra uma defesa bem postada. Alba dava muita amplitude e trabalhava com Isco e Iniesta, o lado direito era estéril em uma combinação que não fez sentido, Vázquez e Carvajal, o jogo espanhol ficou torto para o lado esquerdo e até David Silva, sempre muito imperativo ficou sumido.

k7bap0yxymavnhvcb5e8

A Fúria tentou dez finalizações a gol, acertou uma. Isso não é por imperícia ou algo assim. O selecionado persa vinha na sua filosofia encrustada desde 2014, já com Carlos Queiroz, defende a área antes de tudo e depois pensa em transições ofensivas. A seleção espanhola concedeu espaços nos lados, o Irã aproveitou pouco ou quase nada da fragilidade espanhola.

A segunda parte seguiu com os de Queiroz defendendo a área e seguindo o mesmo plano. Os espanhóis vieram com Iniesta, Isco e Silva mais móveis; o que funcionou. Don Andrés teve vitória pessoal e furou a parede iraniana com um passe na profundidade para Diego Costa, ele dividiu e a bola entrou. Gol estranho, como o jogo inteiro. Irã fica com três pontos, ainda vivo no grupo, e pega Portugal com um Cristiano cheio de gols nesse início de Mundial. Espanha pega Marrocos, que mesmo com bom futebol não pontuou. Espanha ainda é o time que mais tem potencial pra jogar o futebol fluído e que tanto pedem nessa Copa, ainda é o elenco que mais tem soluções ofensivas, mas pegou duas carnes de pescoço e conseguiu lidar com elas. Além de ter esse time com tantas valias técnicas, vai mais uma: a mental. Virou contra os lusos em jogo de seis gols, sendo penalizados no final com um gol de bola parada. Hoje não se desesperou quando batia na parede e voltava. Mesmo com todos os problemas a La Roja é a favorita. Mas, ainda assim, precisamos lembrar: o mata-mata é outro campeonato. Ser o melhor durante o ciclo não adianta nada, precisa ser o melhor do dia.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Últimas Postagens

Cinco promessas africanas na base de clubes europeus
Caio Nascimento

Cinco promessas africanas na base de clubes europeus

0 Comentários
Pellegrini: a história dos romanos na Roma continua
Caio Bitencourt

Pellegrini: a história dos romanos na Roma continua

0 Comentários
A afirmação da Espanha e sua nova geração
Bruna Mendes

A afirmação da Espanha e sua nova geração

0 Comentários
Guto Ferreira coloca o Bahia para acelerar
Gabriel de Assis

Guto Ferreira coloca o Bahia para acelerar

0 Comentários
RAIO-X: De onde saem as assistências dos líderes do quesito na Série B
Douglas Batista

RAIO-X: De onde saem as assistências dos líderes do quesito na Série B

0 Comentários
Os destaques dos 8 classificados no Brasileirão Sub-20
Caio Nascimento

Os destaques dos 8 classificados no Brasileirão Sub-20

0 Comentários
A reinvenção de Brahim Diaz no meio-campo do Milan
Caio Bitencourt

A reinvenção de Brahim Diaz no meio-campo do Milan

0 Comentários
Maduro, o Red Bull Bragantino se aproxima de fazer história
Gabriel de Assis

Maduro, o Red Bull Bragantino se aproxima de fazer história

0 Comentários
Friendly #7 | O novo rico Newcastle, Sports Washing e a ‘era’ de clube-estado
Eduardo Dias

Friendly #7 | O novo rico Newcastle, Sports Washing e a 'era' de clube-estado

0 Comentários
Napoli: O impacto inicial de Anguissa com a camisa partenopei
Caio Bitencourt

Napoli: O impacto inicial de Anguissa com a camisa partenopei

0 Comentários
O Grande Norte e os grandes desafios: o que o futuro reserva para o futebol masculino do Canadá?
Caio Nascimento

O Grande Norte e os grandes desafios: o que o futuro reserva para o futebol masculino do Canadá?

0 Comentários
O agressivo América/MG de Vagner Mancini
Gabriel de Assis

O agressivo América/MG de Vagner Mancini

0 Comentários
O Botafogo/PB em busca de um acesso histórico na Paraíba
Douglas Batista

O Botafogo/PB em busca de um acesso histórico na Paraíba

0 Comentários
A disparidade entre Atlético de Madrid e Barcelona
Bruna Mendes

A disparidade entre Atlético de Madrid e Barcelona

0 Comentários
Tuchel, Solskjaer, tropeços e realidades diferentes
Lucas Filus

Tuchel, Solskjaer, tropeços e realidades diferentes

0 Comentários