Destaques da Copa São Paulo - Eliminados na primeira fase

O final da primeira fase da Copinha trouxe consigo alguns jogadores destacáveis em equipes eliminadas.

Após ser cancelada em 2021, a Copa São Paulo de Futebol Junior, a popular Copinha, retornou com tudo. O maior torneio de base do país apresentou um ótimo nível técnico e tático na sua primeira fase. Com talentos fenomenais sendo apresentados ao Brasil, como Endrick e Matheus França, o campeonato também dá a oportunidade para atletas de clubes menores se destacarem. Abaixo, listamos cinco jogadores que tiveram destaque na primeira fase mesmo sem conseguir a classificação para a segunda fase. 

JULIO CESAR (01) – ZAGUEIRO/VOLANTE – TAGUATINGA

Jogador mais velho da lista, Júlio obteve destaque em um grupo complicado, que contava com Mirassol e Sport. O defensor tem uma boa imposição física, ganhando duelos físicos. Também tem uma boa capacidade para se antecipar ao adversário e assim recuperar a bola com mais facilidade. Com o domínio da bola sua maior qualidade é a condução. Ganhando metros para seu time no campo de ataque. O jovem precisa melhorar sua capacidade passando a bola, seja com passes curtos, ou lançando para seus companheiros. E melhorar o uso da sua perna esquerda, principalmente em ações defensivas. 

ANDERSON (02) – LATERAL ESQUERDO – RONDONIENSE

Assim como Júlio Cesar, Anderson teve um grupo complicado para lidar, enfrentando Santos e Ferroviária. Mas o lateral esquerdo mostrou boas valências nos seus três jogos na competição. Começando pelos seus problemas, o jogador não é um mau defensor em si, mas precisar ficar mais atento em determinadas situações, além de tomar decisões mais rápidas em alguns momentos ofensivos. Porém, tecnicamente é um jogador bem destacado. Dono de uma habilidade que lhe permite conseguir driblar com facilidade, Anderson também tem bom critério passando. Sendo uma ótima arma ofensiva, seja atuando mais como um lateral construtor, ou dando amplitude nos ataques. Também possui um bom biotipo. 

ALLEF (04) – MEIO CAMPO/ATACANTE – UNIÃO MOGI

Jogador mais jovem da lista, Allef é um jogador bem brasileiro na sua essência. Dono de dribles rápidos e incomuns, o atacante do União Mogi é bem participativo e roda bastante o campo buscando ficar próximo a bola. Como dito, consegue ultrapassar os rivais com o drible, mas também tem boa noção passando a bola. Boa leitura para atuar entre as linhas rivais e chega bem na área. Contudo, precisa adaptar-se melhor a duelos mais físicos, quando muitas vezes termina perdendo a bola. O uso da perna esquerda também não é o ideal ainda. Tendo margem para evolução no quesito. 

RICARDO DI SANTO (03) – LATERAL DIREITO – GUARULHOS

Mais um lateral, porém, dessa vez um destro. Di Santo foi o grande desafogo ofensivo do Guarulhos. O jovem é bastante agressivo ofensivamente e teve quase que liberdade total nessa fase do jogo. Chegando muito no fundo, Di Santo também aparecia na área em várias ocasiões. Mostrou-se bem criando oportunidades para os companheiros, tendo critério ao passar e cruzar. Contudo, defensivamente não tem o mesmo ímpeto. Mesmo se esforçando na parte defensiva, quase sempre se fez necessário alguém para realizar coberturas para ele. 

CAUÃ (04) – GOLEIRO – FLORESTA

Com apenas 17 anos, Cauã foi o jogador mais jovem da equipe titular do Floresta. O goleiro se destaca principalmente com a bola nos pés. A equipe cearense tem como ideia sair jogando pelo chão desde a defesa, e Cauã é um dos principais responsáveis para isso ser feito com eficiência. Consegue somar muito a nível de passes e escolhas com a bola. Também se mostra consistente em situações de 1×1 contra os rivais. E mostra boa concentração em campo. Mas precisa melhorar sua reação para arremates vindos a média/longa distância. Além de mais confiança para encaixar a bola. 

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Últimas Postagens

Por que a Roma perdeu a mão ao fazer futebol?
Caio Bitencourt

Por que a Roma perdeu a mão ao fazer futebol?

0 Comentários
Silvio Romero: como se movimenta e finaliza as jogadas?
Jonatan Cavalcante

Silvio Romero: como se movimenta e finaliza as jogadas?

0 Comentários
Como funciona o sistema de marcação do Torino de Ivan Juric
Caio Bitencourt

Como funciona o sistema de marcação do Torino de Ivan Juric

0 Comentários
Schick: ‘intruso’ em meio a Lewandowski e Haaland
Gabriel Belo

Schick: 'intruso' em meio a Lewandowski e Haaland

0 Comentários
O potencial do Valencia de Pepe Bordalás
Bruna Mendes

O potencial do Valencia de Pepe Bordalás

0 Comentários
Cuiabá tem atuação boa e consciente no mercado
Gabriel de Assis

Cuiabá tem atuação boa e consciente no mercado

0 Comentários
Pedro Naressi: acrescenta competitividade e repertório ao Sport
Jonatan Cavalcante

Pedro Naressi: acrescenta competitividade e repertório ao Sport

0 Comentários
O que é um ‘Falso 9’ e quais as diferenças entre os diversos tipos de centroavantes

O que é um 'Falso 9' e quais as diferenças entre os diversos tipos de centroavantes

Aurelio Solano
O encaixe dos reforços do Fluminense e Abel Braga
Gabriel de Assis

O encaixe dos reforços do Fluminense e Abel Braga

0 Comentários
Como Ferran Torres pode ajudar o Barcelona?
Bruna Mendes

Como Ferran Torres pode ajudar o Barcelona?

0 Comentários
As virtudes e vulnerabilidades que Richardson aporta ao Ceará
Jonatan Cavalcante

As virtudes e vulnerabilidades que Richardson aporta ao Ceará

0 Comentários
As perguntas e respostas que fazem evoluir o jogo
Luís Cristovão

As perguntas e respostas que fazem evoluir o jogo

0 Comentários
Cuca deixa o Atlético Mineiro como um dos melhores trabalhos de sua carreira
Gabriel de Assis

Cuca deixa o Atlético Mineiro como um dos melhores trabalhos de sua carreira

0 Comentários
Paulo Sousa: “O futebol é baseado no espaço e tempo”
Renato Gomes

Paulo Sousa: “O futebol é baseado no espaço e tempo”

1 Comentários
Há algo de podre no jeito italiano de se fazer futebol: o caso Salernitana
Caio Bitencourt

Há algo de podre no jeito italiano de se fazer futebol: o caso Salernitana

0 Comentários