Cuca deixa o Atlético Mineiro como um dos melhores trabalhos de sua carreira

Além de muita qualidade técnica, o Atlético-MG de Cuca fazia o que o treinador pedia em todas as fases do jogo. Chega ao fim um trabalho espetacular.

Cuca não é mais treinador do Atlético-MG. Após conquistar a tríplice coroa em 2021, levantando as taças do Campeonato Mineiro, Campeonato Brasileiro e Copa do Brasil, o treinador alegou problemas familiares para não seguir na Cidade do Galo no próximo ano. É o final daquele que possivelmente foi o melhor trabalho da carreira do técnico.

O Galo de Cuca foi extremamente dominante, passando a sensação de ser imbatível em muitos momentos. Entre junho e outubro, teve 18 jogos de invencibilidade no Brasileirão, passeou na semi e na final da Copa do Brasil e caiu invicto na Libertadores. Além disso, não perde em casa desde 30 de maio e acumula 24 vitórias e dois empates nas últimas 26 partidas no Mineirão.

Olhando de maneira mais profunda para o modelo de jogo, o Atlético realizava tudo que Cuca busca em suas equipes: muita combatividade, imposição física, capacidade de adaptação e mobilidade no ataque. Com um sistema ofensivo baseado nas trocas de posição e aproximação dos jogadores na região da bola, o Galo foi ganhando uma grande fluidez ofensiva ao longo da temporada.

Cuca Atlético-MG Brasileirão Footure
Muita movimentação por dentro. Hulk sai da referência, Zaracho ocupa o espaço do centroavante, Jair se projeta, Nacho escolhe o lado da jogada.

Claro que a imensa qualidade dos atletas contribuiu para isso, porém as movimentações eram bem feitas. Hulk saindo da referência para buscar a bola e arrancar com ela de frente para o gol, Keno ou Vargas se movimentando de fora para dentro, Zaracho e Nacho sempre como opções de passe, Allan iniciando as jogadas, Jair se projetando e, nos arredores da área, muitas infiltrações.

Com todos esses jogadores por dentro, o Galo buscava passes nas costas dos volantes, na direção da entrada da área para encontrar chances de finalizar. Contudo, os adversários sabiam disso e, obviamente, povoavam muito a região. Nesse aspecto, Allan, Nacho, Zaracho, Jair, entre outros eram fundamentais ao identificarem o corredor central bloqueado e rapidamente inverter o lado da jogada para os laterais, especialmente Guilherme Arana, melhor da posição no país.

Outro ponto muito forte do Atlético em 2021 foi a parte física, que está diretamente ligado ao baixo número de gols sofridos no ano. Em transição defensiva, a ordem de Cuca sempre foi reagir rapidamente para pressionar o adversário e matar o contra-ataque na raiz, seja com uma roubada ou uma falta. Não foram poucos os gols criados a partir da ótima pressão pós-perda da equipe.

Cuca Atlético-MG Brasileirão Footure
Se não dá para jogar por dentro, vai por fora. Mas sempre muita gente entra na área.

Já em fase defensiva, o Galo marca por encaixes individuais, ou seja, dentro do setor, cada um pega o seu. Isso gera vários jogos dentro de um só. Cada marcador está em uma disputa ‘mano a mano’ com o atacante rival. Com um elenco de alta capacidade física, o Atlético-MG se dava bem nestes duelos, recuperando a bola rapidamente e mordendo o tempo todo. Fundamental para ter volume de jogo.

Característica excepcional dos trabalhos de Cuca, a bola parada do Atlético-MG esteve muito forte em 2021, nas duas áreas. Nathan Silva, Júnior Alonso, Réver, Igor Rabello, Jair, Hulk, Diego Costa são alguns dos ótimos cabeceadores da equipe, enquanto Nacho, Zaracho, Arana e outros vão muito bem na batida. Por isso, a bola parada defensiva não foi um problema do time e a ofensiva gerou alguns gols ao longo do ano, principalmente em batidas no primeiro pau para os grandões da equipe se anteciparem.

Cuca Atlético-MG Brasileirão Footure
Marcação tirando todas as linhas de passe do rival.

Com o modelo de jogo completamente assimilado em todas as fases da partida, o Atlético-MG jogou um excelente futebol, marcando muitos gols, sofrendo gols, sabendo jogar em diferentes contextos e machucando o adversário de diferentes formas: trocas de passes, jogadas por dentro, cruzamentos, contra-ataque, marcação alta, bolas paradas… Muitos jogadores excepcionais e um dos melhores treinadores do país falando a mesma língua. O resultado só podia ser um time praticamente imbatível.

Quer entender mais do Atlético Mineiro? No YouTube, publicamos uma análise sobre:

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Últimas Postagens

Por que a Roma perdeu a mão ao fazer futebol?
Caio Bitencourt

Por que a Roma perdeu a mão ao fazer futebol?

0 Comentários
Silvio Romero: como se movimenta e finaliza as jogadas?
Jonatan Cavalcante

Silvio Romero: como se movimenta e finaliza as jogadas?

0 Comentários
Como funciona o sistema de marcação do Torino de Ivan Juric
Caio Bitencourt

Como funciona o sistema de marcação do Torino de Ivan Juric

0 Comentários
Schick: ‘intruso’ em meio a Lewandowski e Haaland
Gabriel Belo

Schick: 'intruso' em meio a Lewandowski e Haaland

0 Comentários
O potencial do Valencia de Pepe Bordalás
Bruna Mendes

O potencial do Valencia de Pepe Bordalás

0 Comentários
Destaques da Copa São Paulo – Eliminados na primeira fase
Douglas Batista

Destaques da Copa São Paulo - Eliminados na primeira fase

0 Comentários
Cuiabá tem atuação boa e consciente no mercado
Gabriel de Assis

Cuiabá tem atuação boa e consciente no mercado

0 Comentários
Pedro Naressi: acrescenta competitividade e repertório ao Sport
Jonatan Cavalcante

Pedro Naressi: acrescenta competitividade e repertório ao Sport

0 Comentários
O que é um ‘Falso 9’ e quais as diferenças entre os diversos tipos de centroavantes

O que é um 'Falso 9' e quais as diferenças entre os diversos tipos de centroavantes

Aurelio Solano
O encaixe dos reforços do Fluminense e Abel Braga
Gabriel de Assis

O encaixe dos reforços do Fluminense e Abel Braga

0 Comentários
Como Ferran Torres pode ajudar o Barcelona?
Bruna Mendes

Como Ferran Torres pode ajudar o Barcelona?

0 Comentários
As virtudes e vulnerabilidades que Richardson aporta ao Ceará
Jonatan Cavalcante

As virtudes e vulnerabilidades que Richardson aporta ao Ceará

0 Comentários
As perguntas e respostas que fazem evoluir o jogo
Luís Cristovão

As perguntas e respostas que fazem evoluir o jogo

0 Comentários
Paulo Sousa: “O futebol é baseado no espaço e tempo”
Renato Gomes

Paulo Sousa: “O futebol é baseado no espaço e tempo”

1 Comentários
Há algo de podre no jeito italiano de se fazer futebol: o caso Salernitana
Caio Bitencourt

Há algo de podre no jeito italiano de se fazer futebol: o caso Salernitana

0 Comentários