DE CINEMA

Por Valter Júnior A Copa do Mundo é um choque de realidade. Países de diferentes situações políticas e econômicas e das mais distintas culturas se reúnem, numa única nação por um mês, em torno do jogo de bola. O mesmo vale para os jogadores. São 736 atletas correndo atrás da glória. Ela pode ser atingida […]

Por Valter Júnior

A Copa do Mundo é um choque de realidade. Países de diferentes situações políticas e econômicas e das mais distintas culturas se reúnem, numa única nação por um mês, em torno do jogo de bola. O mesmo vale para os jogadores. São 736 atletas correndo atrás da glória. Ela pode ser atingida das mais diferentes formas, tamanha a disparidade de condições de cada um. Para Messi, a glória suprema só virá caso a Argentina seja campeã. Todo o resto é fracasso.Para Hannes Þór Halldórsson,ela pode ser se tornar um ilustre no mundo da bola. Para o goleiro islandês, o esplendor foi alcançado. Sua história será contada.

Aos 19 minutos do segundo tempo da partida, Messi, um dos maiores jogadores da história, comparado com aqueles que atingiram o topo da pirâmide do planeta bola, estava a 11 metros de distância de Halldórsson. Para contratar o goleiro, o Randers FC, da Dinamarca, gastou 400 mil euros. Messi precisa menos de um mês de trabalho para desembolsar esse valor. Foi uma temporada difícil para o arqueiro. O clube dinamarquês escapou do rebaixamento nos playoffs. O Barcelona de Messi, ganhou mais um campeonato espanhol e uma Copa do Rei. A continental distância de trajetórias entre os dois ficou reduzida a esta pequena distância entre a marca do pênalti e o gol. Mais um chute para a carreira estrelada de Messi. A chance de atingir as estrelas para Halldórsson.

Mesmo que La Pulga tenha driblado problemas de saúde quando sequer espinhas brotavam do seu rosto, ele foi forjado para viver os maiores momentos que o futebol pode proporcionar. Halldórsson foi preparado para ser uma pessoa comum e estava ali, a metros de Messi. Antes de a gélida Islândia vivenciar o futebol calorosamente, o país tinha nada além da boa vontade para que seus meninos chutassem bolas por aí. Não existiam campos fechados e centros de treinamento. Era preciso encarar o frio. A limitação estrutural fez com que o goleiro fosse ter um treinamento específico para sua posição somente  aos 20 anos. Ter chegado a uma Copa do Mundo é uma façanha. Nada mais seria necessário, mas nada impede que novas realizações aparecem. Quando tinha duas décadas de vida, o pentacampeão na eleição do melhor do mundo tinha dois títulos espanhóis e uma Liga dos Campeões.

A paixão e a vontade de evitar o êxtase do futebol era tudo que o islandês tinha. À lista foi preciso acrescentar a perseverança. Um clube da terceira divisão já o havia renegado, quando, em 2004,bem sucedido em outra profissão, o camisa 1 islandês ganhou uma oportunidade num clube nanico de seu pequeno país. Ele jogou e falhou quando não podia falhar. Mesmo assim seguiu em frente até ficar a 11 metros de distância de Messi. Entre ele e o craque restava só a bola. E até a falha seria perdoada pelos 300 mil islandeses.

Aquele pênalti será um vírgula na carreira recheada de conquistas de Messi, mesmo que a Argentina perca a Copa, seu nome estará incrustado na história do futebol. Para  Halldórsson, foi um momento definidor da sua vida. Ele foi um iceberg grande, frio e intransponível para a lenda portenha. A sua defesa e a sua história valem um filme. Cinesta, Halldórsson, especialista em video clipes e propagandas, poderá contar numa película a sua história. Afinal, ela é de cinema.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Footure

Últimas Postagens

Como Vlahovic virou um artilheiro de muitos gols na Fiorentina
Caio Bitencourt

Como Vlahovic virou um artilheiro de muitos gols na Fiorentina

0 Comentários
Depressão: a inimiga invisível do futebol
Fernanda Lima

Depressão: a inimiga invisível do futebol

0 Comentários
Power in Motion: o projeto de restabelecimento do Dínamo de Moscou
Caio Nascimento

Power in Motion: o projeto de restabelecimento do Dínamo de Moscou

0 Comentários
Em sua primeira final europeia da história, o Villarreal desbanca o Arsenal nas semis da Europa League
Bruna Mendes

Em sua primeira final europeia da história, o Villarreal desbanca o Arsenal nas semis da Europa League

0 Comentários
A coerência no Chelsea de Thomas Tuchel e no City de Pep Guardiola
Lucas Filus

A coerência no Chelsea de Thomas Tuchel e no City de Pep Guardiola

0 Comentários
O que fez Darío Sarmiento chamar a atenção do Manchester City?
Dimitri Barcellos

O que fez Darío Sarmiento chamar a atenção do Manchester City?

0 Comentários
Paul Pogba pode ser o primeiro ‘reforço’ do United para a próxima temporada
Lucas Filus

Paul Pogba pode ser o primeiro 'reforço’ do United para a próxima temporada

0 Comentários
A vez da geração 2004: conheça Matheus Nascimento, Cowell, Sesko e Demir
Caio Nascimento

A vez da geração 2004: conheça Matheus Nascimento, Cowell, Sesko e Demir

0 Comentários
Por que João Pedro é a tábua de salvação para o Cagliari
Caio Bitencourt

Por que João Pedro é a tábua de salvação para o Cagliari

0 Comentários
Biotipo, velocidade de raciocínio e tomada de decisão: o que é a intensidade no futebol
Caio Alves

Biotipo, velocidade de raciocínio e tomada de decisão: o que é a intensidade no futebol

0 Comentários
Knappenschmiede: a histórica forja do Schalke 04 em meio a turbulência existencial do clube
Caio Nascimento

Knappenschmiede: a histórica forja do Schalke 04 em meio a turbulência existencial do clube

0 Comentários
Campeão da Copa do Rei, Barcelona domina o Athletic e busca o doblete
Bruna Mendes

Campeão da Copa do Rei, Barcelona domina o Athletic e busca o doblete

0 Comentários
O que a contratação de Alexandre Gallo pode aportar ao Santa Cruz?
Jonatan Cavalcante

O que a contratação de Alexandre Gallo pode aportar ao Santa Cruz?

0 Comentários
4 histórias para se observar na fase de grupos da Libertadores 2021
Dimitri Barcellos

4 histórias para se observar na fase de grupos da Libertadores 2021

0 Comentários
Raúl Bobadilla e Abel Hernández: conheça os novos centroavantes do Fluminense
Gabriel Corrêa

Raúl Bobadilla e Abel Hernández: conheça os novos centroavantes do Fluminense

0 Comentários