Depressão: a inimiga invisível do futebol

Cada vez mais jogadores e jogadoras estão se abrindo para falar sobre um assunto delicado e ainda mantido como tabu no futebol: a depressão.

Nas gloriosas noites de futebol pelo Brasil e pelo mundo, os jogadores são as grandes estrelas. Cercados de câmeras, microfones, luzes e expectativas, milhares de olhos estão voltados para o seu desempenho nos próximos 90 minutos. Durante a semana de treinos, a vigilância continua acirrada. Todos os detalhes parecem ser captados pelas lentes dos jornalistas. Uma coisa, no entanto, segue imperceptível: o que se passa dentro dos atletas.

Adriano, apelidado de Imperador pelas ótimas atuações na Itália, escreveu para o The Player’s Tribune e tocou em pontos importantes sobre a carreira profissional e, claro, sua vida privada. Em um dos trechos, ele relata como se sentiu quando recebeu a notícia da morte do seu pai:

“Eu estava do outro lado do oceano na Itália, longe da minha família, e não conseguia lidar com tudo aquilo. Fiquei tão deprimido, cara. Comecei a beber muito. Eu realmente não queria treinar […]”

Reprodução: Jovem Pan

A pressão por ter que se manter em forma e continuar jogando em alto nível foi tão insuportável que ele foi embora da Itália, voltou para o Brasil e para ser acolhido por aqueles que não o enxergavam como um super-homem. Nesse tempo, muitos julgamentos o condenavam por abrir mão de milhões de reais. O que as pessoas não entendiam era que Adriano, o extraordinário jogador, convivia com a depressão.

Quer ajudar o Footure a seguir produzindo conteúdo, ter acesso a matérias exclusivas e receber descontos em nossos cursos e na Loja Futeboleiras? Faça parte do Footure Club

A depressão é uma doença psiquiátrica crônica classificada como transtorno de humor e caracterizada por sintomas como tristeza profunda e por tempo prolongado, associada a sentimentos de dor, desesperança, culpa, baixa autoestima, entre outros, assim como a distúrbios do sono e do apetite. A depressão ainda pode aparecer como sintoma de outro quadro, como demência, alcoolismo, esquizofrenia, entre outros, e também como resposta a situações estressantes, vulnerabilidades sociais e econômicas; o sintoma pode desaparecer dependendo das situações. No cérebro, desequilíbrios químicos são notados em exames de imagem e esses afetam diversas áreas responsáveis ou que se envolvem diretamente com o humor, prazer, apetite, memória, libido, disposição.

Reprodução: Mayo Clinic

Para que alguém seja diagnosticado com depressão é preciso levar em conta os sintomas psíquicos, fisiológicos e as evidências no comportamento. Um dos sintomas que mais são valorizados é perda de prazer em atividades e a redução de interesse pelos ambientes em que frequenta.

Esse foi um dos sintomas sentidos por Adriano, mas não só ele. Nos últimos tempos, diversos jogadores têm falado sobre depressão e ansiedade nas grandes mídias. Mertesacker, ex-zagueiro alemão campeão do mundo, deu uma entrevista em 2018 e disse que se sentiu aliviado com a eliminação da Alemanha na Copa de 2006, porque assim estava livre da enorme pressão que o consumia e o fazia ter vontade de vomitar em dias de jogos.

Thiago Silva, Buffon, Tévez, Adriano, Cicinho e Nilmar – esse último também se afastou do futebol por não sentir mais desejo de treinar e jogar, além de sofrer com outros sintomas.

“Quem viveu isso sabe o que eu estou contando. Eu só chorava. Todos os sintomas que vocês puderem pesquisar, eu vivi; insônia, eu não conseguia dormir […] Você não consegue sair, por mais que você lute, mais triste você fica, mais angústia… Só quem enfrentou, quem viveu próximo a isso, e o atleta profissional tem essa imagem de ser um super-herói.”

– Nilmar em entrevista ao Esporte Espetacular
Reprodução: UOL

A Federação Internacional dos Futebolistas Profissionais (FIFPro) realizou uma pesquisa há 5 anos (2016) sobre saúde mental de jogadores profissionais e o resultado foi alarmante: até 9 de 25 atletas podem sofrer com ansiedade, depressão e angustias profundas. Ainda segundo a pesquisa, 95% acreditam que os sintomas interferem no desempenho, 65% disseram sentir que a carreira já foi prejudicada por isso e 84% afirmaram não terem suporte adequado.

Reprodução: FIFPro

As informações acima estão traduzidas em português neste gráfico:

Reprodução: O Globo

Em estudo mais recente, já durante a pandemia de coronavírus, a FIFPro constatou um aumento no número de atletas (homens e mulheres) com sintomas de depressão e/ou ansiedade.

As discussões sobre depressão e ansiedade e a importância do cuidado com a saúde mental dos atletas estão crescendo e, cada vez mais, as pessoas parecem se dar conta de que não é possível fazer futebol sem estar bem psicologicamente, além de entenderem que o esporte de alto rendimento é uma enorme fonte estressora e com forte potencial adoecedor para quem vive imerso nele – o sucesso, a fama e a grana não são garantia de que estarão imunes à problemas psicológicos, às vezes atuam, inclusive, como agravantes. Para os jovens que estão nas categorias de base, por exemplo, o contato com profissionais de Psicologia e garantido pela Lei Pelé (9.615/98). No futebol profissional, a presença de psicólogas e psicólogos nos grupos ainda não é tão bem vista por alguns dirigentes e treinadores; por outro lado, muitos clubes já contam com o trabalho desses profissionais.

Sobre o tratamento da depressão, a psicoterapia é constantemente indicada e, a depender do caso, o uso de medicamentos também se fará necessário, mas apenas com orientação profissional. Adriano, Nilmar e outros jogadores que passaram por situações semelhantes já destacaram como psicólogos os ajudaram a se reerguer e superar momentos complicados.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Últimas Postagens

Florian Wirtz: referência técnica do Leverkusen aos 18 anos
Gabriel Belo

Florian Wirtz: referência técnica do Leverkusen aos 18 anos

0 Comentários
Real Sociedad e Real Betis na Europa League: é possível sonhar
Bruna Mendes

Real Sociedad e Real Betis na Europa League: é possível sonhar

0 Comentários
Diego Costa chega chegando e empolga ao lado de Hulk
Gabriel de Assis

Diego Costa chega chegando e empolga ao lado de Hulk

0 Comentários
Conor Gallagher e a busca por protagonismo no Palace
Gabriel Belo

Conor Gallagher e a busca por protagonismo no Palace

0 Comentários
Youth League retorna em 2021/22 com estrelas brilhando
Caio Nascimento

Youth League retorna em 2021/22 com estrelas brilhando

0 Comentários
Lazio: de que forma o Sarrismo pode funcionar na capital?
Caio Bitencourt

Lazio: de que forma o Sarrismo pode funcionar na capital?

0 Comentários
O ótimo começo de Carlos Soler na temporada do Valencia
Bruna Mendes

O ótimo começo de Carlos Soler na temporada do Valencia

0 Comentários
Marcão, André e o Fluminense de volta a briga por Libertadores
Gabriel de Assis

Marcão, André e o Fluminense de volta a briga por Libertadores

0 Comentários
Friendly #6 | A Copa de 2 em 2 anos, FIFA x UEFA, clubes x seleções e mudanças na análise mainstream
Eduardo Dias

Friendly #6 | A Copa de 2 em 2 anos, FIFA x UEFA, clubes x seleções e mudanças na análise mainstream

0 Comentários
O holandês que ajudou a transformar a carreira de Cristiano Ronaldo
Lucas Filus

O holandês que ajudou a transformar a carreira de Cristiano Ronaldo

0 Comentários
Sport: defesa sólida ou percepção quantitativa?
Jonatan Cavalcante

Sport: defesa sólida ou percepção quantitativa?

0 Comentários
O domínio do País Basco na cantera espanhola
Caio Nascimento

O domínio do País Basco na cantera espanhola

0 Comentários
Moise Kean: de volta para o futuro bianconero
Caio Bitencourt

Moise Kean: de volta para o futuro bianconero

0 Comentários
A mudança no perfil de contratações do Internacional
Douglas Batista

A mudança no perfil de contratações do Internacional

0 Comentários
O turno surpreendente do Cuiabá no Brasileirão
Gabriel de Assis

O turno surpreendente do Cuiabá no Brasileirão

0 Comentários