DICAS DE BETTING - SEMIFINAL DA COPA DO BRASIL 2019

Por Caio Bitencourt Chegamos na partida de volta das semifinais da Copa do Brasil de 2019 e para dar sequência aos resumos estatísticos e de curiosidades sobre jogos, vamos falar sobre Inter x Cruzeiro e Athletico x Grêmio. Alguns números valiosos para aqueles que gostam de apostar e buscam um green e fugir do red. Um aviso […]

Por Caio Bitencourt

Chegamos na partida de volta das semifinais da Copa do Brasil de 2019 e para dar sequência aos resumos estatísticos e de curiosidades sobre jogos, vamos falar sobre Inter x Cruzeiro e Athletico x Grêmio. Alguns números valiosos para aqueles que gostam de apostar e buscam um green e fugir do red.

Um aviso importante é que são números, estatísticas e curiosidades, apenas. Nenhum deles tem a garantia de que vai ocorrer. Jogue com moderação.


 

Athletico-PR x Grêmio

No jogo de ida, vitória do Grêmio por 2 a 0 na Arena do Grêmio

  • Mata-matas: Grêmio 4-2 Athletico. Vitórias do Grêmio: Brasileiro 1959 (Taça Brasil), Copa do Brasil 1996, Copa do Brasil 2016, Copa do Brasil 2017. Vitórias do Athletico: Copa Sul-Minas 2002, Copa do Brasil 2013.
  • Semifinais com Grêmio envolvido: 1989 (2–2 e 6–1 Flamengo), 1991 (1–1 e 1–0 Coritiba), 1993 (3–4 e 1–0 Flamengo), 1994 (0–0 e 2–1 Vasco), 1995 (1–2 e 1–0 Flamengo), 1996 (1–3 e 2–1 Palmeiras), 1997 (1–2 e 1–1 Corinthians), 2001 (0–1 e 3–1 Coritiba), 2010 (4–3 e 1–3 Santos), 2012 (0–2 e 1–1 Palmeiras), 2013 (0–1 e 0–0 Athletico), 2016 (2–0 e 0–0 Cruzeiro), 2017 (1–0 e 0–1 Cruzeiro). 13 semifinais disputadas, 8 classificações.
  • Destas, Grêmio decidiu fora de casa em: 2001, 2010, 2012, 2017. Classificou apenas em 2001, contra o Coritiba. Curiosamente, em uma situação em que marcou 2 gols de diferença frente ao adversário. 
  • Grêmio perdeu fora de casa pela diferença que precisa para ser eliminado na Copa do Brasil apenas em 2005 (3–0 Fluminense).
  • Grêmio sem Everton Cebolinha em 2019 teve 11 jogos, 7 vitórias, 3 empates e 1 derrota. 
  • Grêmio em 2019 não sofreu nenhuma vez o placar que precisa para ser eliminado.
  • Athletico venceu 16 dos 22 jogos na Arena da Baixada em 2019.
  • O Athletico tem vantagem nos confrontos contra o Grêmio na Arena da Baixada: 19 jogos, com 7 vitórias atleticanas, 7 empates e 5 vitórias gremistas.
  • Por outro lado, na Copa do Brasil, sempre que os dois se enfrentaram na Baixada, deu Grêmio: 2016 e 2017, vitórias tricolores por 1–0 e 3–2, respectivamente.
  • Na história da competição, o Athletico tem boa vantagem em jogos de Copa do Brasil em casa: foram 58 jogos, com 33 vitórias, 17 empates e apenas 8 derrotas. 
  • Entre a primeira versão da Arena da Baixada (1999–2011), e a segunda versão (a partir de 2014), o Athletico teve um número baixo de derrotas na primeira: 3 derrotas entre 1999 e 2011 na Copa do Brasil sob seus domínios, contra um igualado número de 3 nos dias atuais (destas, 2 para o Grêmio). 
  • Última vez que o Athletico fez um placar que precisa para se classificar: 4–0 Shonan Bellmare, Copa Suruga em 7 de agosto. Na Baixada, 4–1 Vasco, em 28 de abril. 
  • Última vez que o Grêmio sofreu algum placar que lhe dê a eliminação: 1–5 contra o Santa Cruz-PE, em 27/11/2016. Considerando que aquele era o time reserva tricolor, a última foi para o Sport em 7 de novembro do mesmo ano, por 3–0. 
  • Apenas uma semifinal com Athletico envolvido: 2013 (1–0 e 0–0 Grêmio)
  • Na Copa do Brasil, o Athletico saiu atrás em 18 confrontos, e conseguiu a virada em 7. Destas, nas condições de reverter uma desvantagem de dois gols de diferença, apenas contra Treze em 2001 (0–2 e 2–0, com vitória nos pênaltis), e duas vezes na Copa do Brasil de 2007, contra Vitória (1–4 e 3–0) e Atlético-GO (1–3 e 2–0). 
  • Athletico nos pênaltis na história da Copa do Brasil: 4 vitórias e 3 derrotas. Na Baixada, 2 vitórias e 1 derrota. 
  • Grêmio nos pênaltis na história da Copa do Brasil: 4 vitórias e 3 derrotas. Fora de casa, 1 vitória e 2 derrotas. 
  • Escanteios tendem a dobrar em segundas partidas pela necessidade de gols. Porém, nas quartas de final, Bahia-Grêmio teve 13 escanteios no primeiro jogo. No segundo, 7 escanteios, muito pela estratégia do Bahia de tentar segurar o tricolor gaúcho (foram 2 do tricolor baiano contra 5 dos gaúchos). Por sua vez, Flamengo-Athletico teve 14 escanteios no primeiro jogo, no segundo, o número igualado de 14. Com Grêmio-Athletico, foram 9 escanteios. Serão superados pela necessidade de gols rubro-negra?

Internacional x Cruzeiro

No jogo de ida, vitória do Inter por 1 a 0, no Mineirão

  • No geral, Inter 3–1 Cruzeiro. Mata-matas do Inter: Brasileiro 1975 (1-0 Inter), Brasileiro 1987 (0–0 no Beira-Rio, 1–0 Inter no Mineirão), Brasileiro 1988 (0–0 no Mineirão, 2–0 Inter no Beira-Rio). Mata-matas do Cruzeiro: Brasileiro 2000 (1–1 no Beira-Rio, 3–2 Cruzeiro no Mineirão).
  • Inter quando teve vantagem de 1–0 no jogo de ida: — Sofreu a virada contra o Criciúma em 1990, Venceu no gol qualificado contra o Bahia em 1994 (derrota por 5–4 em Salvador), Venceu no gol qualificado contra o Goiás em 1999 (derrota por 2–1 em Goiânia), Foi eliminado contra o Paulista em 2005 (derrota por 1–0 em Jundiaí e nos pênaltis por 4–2), Foi eliminado contra o Sport em 2008 (derrota por 3–1 em Recife).
  • Inter sofreu “remontadas” em Copa do Brasil e foi eliminado em: 1990 (Criciúma), 1996 (Flamengo), 2005 (Paulista), 2008 (Sport) e 2018 (Vitória). Por outro lado, nenhuma dessas vezes foi no Beira-Rio. 
  • Contando mata-matas de Campeonato Brasileiro, o Inter nunca foi eliminado em confrontos eliminatórios em que havia vencido o primeiro jogo. 
  • Contudo, há um único precedente histórico nessas situações para os colorados: Libertadores de 1989, quando venceu o primeiro jogo da semifinal contra o Olimpia por 1–0, foi derrotado no Beira-Rio por 3–2 no tempo normal e por 5–3 nos pênaltis. 
  • Última derrota colorada no Beira-Rio na Copa do Brasil: 1–2 Atlético-MG, semifinal de 2016. Curiosamente, o Galo também foi o último a ganhar por dois gols de diferença no Beira-Rio do Inter: vitória por 3–1 atleticana pelo Brasileiro de 2015. 
  • Mata-matas Inter x Cruzeiro: é o primeiro confronto eliminatório entre as duas equipes na Copa do Brasil. 
  • No geral, Inter 3–1 Cruzeiro. Mata-matas do Inter: Brasileiro 1987 (0–0 no Beira-Rio, 1–0 Inter no Mineirão), Brasileiro 1988 (0–0 no Mineirão, 2–0 Inter no Beira-Rio). Mata-matas do Cruzeiro: Brasileiro 2000 (1–1 no Beira-Rio, 3–2 Cruzeiro no Mineirão). 
  • Em 36 confrontos entre colorados e celestes no Beira-Rio, o Cruzeiro só marcou a vantagem pela qual precisa para se classificar nos 90 minutos em 2 oportunidades das 7 vitórias. 
  • Desde maio de 2018, somente o Flamengo conseguiu vencer por 2 gols de diferença com Victor Cuesta e Rodrigo Moledo como titulares da dupla de zaga, no Brasileiro de 2018 e na Libertadores de 2019. 
  • Nos duelos de copas de 2019, entretanto, nos últimos 7 confrontos no Beira-Rio, o Inter saiu sem ser vazado apenas em 3 jogos.
  • Desde a edição de 2017, quando iniciou a caminhada para o bicampeonato consecutivo da Copa do Brasil, o Cruzeiro venceu mais fora de casa pela competição (7 vezes) do que em casa (6 vezes). 
  • Por outro lado, o Cruzeiro ainda não venceu fora de casa na edição de 2019 da Copa do Brasil. Fora de casa, o Cruzeiro não vence no ano desde o dia 23 de abril, quando venceu o Deportivo Lara, por 2–0 na Libertadores.
  • O Cruzeiro não vence o Internacional desde agosto de 2016, quando venceu o Colorado por 4–2 no Independência. Desde então, foram 5 jogos, 3 vitórias do Inter e 2 empates.
  • No Beira-Rio, o Cruzeiro não vence desde 2010, quando venceu o Inter por 2–1 pelo Brasileirão. Desde então, o Cruzeiro só venceu duas vezes o Inter no Rio Grande do Sul, 2–1 em Novo Hamburgo, no Brasileiro de 2013, e 3–1 em Caxias do Sul, no Brasileiro de 2014, um placar que lhe daria a classificação. 
  • Rogério Ceni nunca enfrentou o Internacional como técnico. Por outro lado, como jogador, nos mata-matas que enfrentou o Colorado, só perdeu: duas derrotas nas Libertadores de 2006 e 2010, vestindo a camisa do São Paulo.
  • O Internacional ganhou 8 de suas últimas 10 partidas pela Copa do Brasil. 
  • A última vez que o Cruzeiro fez o placar que precisa para se classificar no Beira-Rio foi em 17 de janeiro de 2001, por 2–0, pela Copa Sul-Minas. A outra das vezes, foi uma vitória cruzeirense por 2–0 pela fase de grupos da Libertadores de 1976. Duas competições que terminaram em título cruzeirense. 
  • Cruzeiro “remontou” eliminatórias em 6 vezes pela Copa do Brasil se classificando após perder o primeiro jogo em: 1993 (Náutico), 1999 (Caxias), 2002 (Londrina), 2006 (Vitória), 2016 (Corinthians), 2017 (Grêmio). Por outro lado, todas essas “remontadas” foram no Mineirão.
  • Internacional nos pênaltis na história da Copa do Brasil: 4 vitórias e 3 derrotas. No Beira-Rio, 3 vitórias e 1 derrota (curiosamente para um mineiro, o América, em 1998). 
  • Cruzeiro nos pênaltis na história da Copa do Brasil: 4 vitórias e nenhuma derrota. Fora de casa, nunca decidiu nos pênaltis.
  • O Cruzeiro até 2017 nunca havia decidido por pênaltis na Copa do Brasil. 
  • Escanteios tendem a dobrar em segundas partidas. Nas quartas de final, Palmeiras-Inter teve 5 escanteios no primeiro jogo. No segundo, 10 escanteios. Por sua vez, Cruzeiro-Atlético teve 10 escanteios no primeiro jogo, no segundo, 14. Com Cruzeiro-Inter, foram 9 escanteios. Serão superados pela necessidade de gols? 
Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Caio Bitencourt

Últimas Postagens

Power in Motion: o projeto de restabelecimento do Dínamo de Moscou
Caio Nascimento

Power in Motion: o projeto de restabelecimento do Dínamo de Moscou

0 Comentários
Em sua primeira final europeia da história, o Villarreal desbanca o Arsenal nas semis da Europa League
Bruna Mendes

Em sua primeira final europeia da história, o Villarreal desbanca o Arsenal nas semis da Europa League

0 Comentários
A coerência no Chelsea de Thomas Tuchel e no City de Pep Guardiola
Lucas Filus

A coerência no Chelsea de Thomas Tuchel e no City de Pep Guardiola

0 Comentários
O que fez Darío Sarmiento chamar a atenção do Manchester City?
Dimitri Barcellos

O que fez Darío Sarmiento chamar a atenção do Manchester City?

0 Comentários
Paul Pogba pode ser o primeiro ‘reforço’ do United para a próxima temporada
Lucas Filus

Paul Pogba pode ser o primeiro 'reforço’ do United para a próxima temporada

0 Comentários
A vez da geração 2004: conheça Matheus Nascimento, Cowell, Sesko e Demir
Caio Nascimento

A vez da geração 2004: conheça Matheus Nascimento, Cowell, Sesko e Demir

0 Comentários
Por que João Pedro é a tábua de salvação para o Cagliari
Caio Bitencourt

Por que João Pedro é a tábua de salvação para o Cagliari

0 Comentários
Biotipo, velocidade de raciocínio e tomada de decisão: o que é a intensidade no futebol
Caio Alves

Biotipo, velocidade de raciocínio e tomada de decisão: o que é a intensidade no futebol

0 Comentários
Knappenschmiede: a histórica forja do Schalke 04 em meio a turbulência existencial do clube
Caio Nascimento

Knappenschmiede: a histórica forja do Schalke 04 em meio a turbulência existencial do clube

0 Comentários
Campeão da Copa do Rei, Barcelona domina o Athletic e busca o doblete
Bruna Mendes

Campeão da Copa do Rei, Barcelona domina o Athletic e busca o doblete

0 Comentários
O que a contratação de Alexandre Gallo pode aportar ao Santa Cruz?
Jonatan Cavalcante

O que a contratação de Alexandre Gallo pode aportar ao Santa Cruz?

0 Comentários
4 histórias para se observar na fase de grupos da Libertadores 2021
Dimitri Barcellos

4 histórias para se observar na fase de grupos da Libertadores 2021

0 Comentários
Raúl Bobadilla e Abel Hernández: conheça os novos centroavantes do Fluminense
Gabriel Corrêa

Raúl Bobadilla e Abel Hernández: conheça os novos centroavantes do Fluminense

0 Comentários
Kayky, Galarza, Nestor, Kaiky, Rodrigo Varanda e o semestre animador dos garotos da base brasileira
Caio Nascimento

Kayky, Galarza, Nestor, Kaiky, Rodrigo Varanda e o semestre animador dos garotos da base brasileira

0 Comentários
As transições da Inter que as deixam na cara do gol (e do Scudetto)
Caio Bitencourt

As transições da Inter que as deixam na cara do gol (e do Scudetto)

0 Comentários