O retorno fulminante de Juan Dinenno

O Campeonato Mexicano voltou, e a ótima forma do atacante argentino não ficou para trás. Mantendo o alto rendimento de antes da parada, já ajuda novamente o Pumas a somar pontos

A Liga MX teve o seu pontapé inicial há duas semanas para a temporada 2020/2021. E a volta do campeonato, além de novidades, como as primeiras atuações do recém-criado Mazatlán FC, trouxe também velhos e já esperados acontecimentos. Neste segundo quesito, estão os gols de Juan Ignacio Dinenno.

O atacante argentino de 25 anos foi o grande responsável pela largada de duas vitórias em dois jogos do Pumas. No total, quatro gols marcados nos dois duelos. Entretanto, este universo limitado de partidas pouco diz sobre a real eficiência de Dinenno em campo, embora sirva como gancho para ilustrar a regularidade de um dos centroavantes mais constantes da América Latina há pelo menos três anos.

Pouco aproveitado pelo Racing, clube onde foi revelado, encontrou no Equador o cenário para despontar de vez, ainda em 2017. Pelo Deportivo Cuenca, anotou 19 vezes em 44 jogos e ocupou o quarto lugar na tabela de artilharia da temporada durante seu empréstimo. O bom rendimento chamou a atenção de um dos grandes clubes do país, e em 2018 rumou para o Barcelona de Guayaquil, novamente cedido pelo Racing. Com a camisa canaria, manteve a boa média ao marcar 16 gols em 40 jogos, para depois mudar de país e ir para o Deportivo Cali. Lá, deixou sua marca 27 vezes em 48 jogos no Campeonato Colombiano, mais uma vez mantendo seu padrão de rendimento.

Atualmente, Dinenno segue dando boas respostas no futebol mexicano. Com a camisa do Pumas, vem jogando em um esquema com dois atacantes, geralmente ao lado de Carlos González. Se o seu parceiro oferece um pouco mais de mobilidade, deixando os últimos metros do campo para buscar jogo e oferecer movimentos de ruptura, a zona de maior conforto para o argentino é a grande área. Com 1,87m de altura, acaba se tornando um jogador alvo perfeito para as bolas aéreas, além de demonstrar oportunismo em rebotes próximos ao gol.

Dinenno Mapa de finalizações
O mapa das finalizações de Dinenno ao longo da carreira: domínio total da grande área, sobretudo na região em frente à meta adversária (via Wyscout)

Fora o rápido encaixe encontrado na equipe da capital mexicana, sua média de gols nas partidas desde que desembarcou lá, no começo deste ano, vem acima do que já registrou ao longo de sua carreira. Embora tenha apresentado bons índices no Deportivo Cuenca, no Barcelona e no Deportivo Cali, no Pumas essa média é maior levando em conta apenas o recorte dos 10 primeiros jogos disputados, que é o acumulado por Dinenno até o momento. Nesta largada no México, o argentino ostenta uma taxa de 1,29 gols por 90 minutos, semelhante ao que apresentou em 2018. Claro, a tendência é esse número diminuir conforme entrar em campo mais vezes. Entretanto, não deixa de ser algo que chama a atenção.

Pelo Pumas, Dinenno tem a sua melhor média de gols por 90 minutos nos 10 primeiros jogos por um clube desde o início da sua carreira (via Wyscout)

Se o Pumas mantiver a propensão a cruzamentos que demonstrou ao longo da última edição da Liga MX, Dinenno tem tudo para ser um dos grandes beneficiados por isso. Na edição 2019/2020, o time foi o 4º da liga em levantamentos para a área por 90 minutos (15,59) e o 3º em precisão nos cruzamentos (39,2% de aproveitamento). Com o potencial aéreo do jogador já destacado anteriormente, este pode ser um caminho para o sucesso ofensivo da equipe.

O atacante já deu provas suficientes de que é capaz de corresponder e contribuir com enorme frequência em seus clubes. Nesta retomada de Campeonato Mexicano, é bom ficar alerta com o que Dinenno pode aprontar. Em um torneio que contou com épocas marcantes de Mauro Boselli, Julio Furch, André-Pierre Gignac e Rogelio Funes Mori nos últimos anos, ele pode ser mais um a deixar o nome entre os grandes centroavantes que por lá passaram.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Últimas Postagens

Silvio Romero: como se movimenta e finaliza as jogadas?
Jonatan Cavalcante

Silvio Romero: como se movimenta e finaliza as jogadas?

0 Comentários
Como funciona o sistema de marcação do Torino de Ivan Juric
Caio Bitencourt

Como funciona o sistema de marcação do Torino de Ivan Juric

0 Comentários
Schick: ‘intruso’ em meio a Lewandowski e Haaland
Gabriel Belo

Schick: 'intruso' em meio a Lewandowski e Haaland

0 Comentários
O potencial do Valencia de Pepe Bordalás
Bruna Mendes

O potencial do Valencia de Pepe Bordalás

0 Comentários
Destaques da Copa São Paulo – Eliminados na primeira fase
Douglas Batista

Destaques da Copa São Paulo - Eliminados na primeira fase

0 Comentários
Cuiabá tem atuação boa e consciente no mercado
Gabriel de Assis

Cuiabá tem atuação boa e consciente no mercado

0 Comentários
Pedro Naressi: acrescenta competitividade e repertório ao Sport
Jonatan Cavalcante

Pedro Naressi: acrescenta competitividade e repertório ao Sport

0 Comentários
O que é um ‘Falso 9’ e quais as diferenças entre os diversos tipos de centroavantes

O que é um 'Falso 9' e quais as diferenças entre os diversos tipos de centroavantes

Aurelio Solano
O encaixe dos reforços do Fluminense e Abel Braga
Gabriel de Assis

O encaixe dos reforços do Fluminense e Abel Braga

0 Comentários
Como Ferran Torres pode ajudar o Barcelona?
Bruna Mendes

Como Ferran Torres pode ajudar o Barcelona?

0 Comentários
As virtudes e vulnerabilidades que Richardson aporta ao Ceará
Jonatan Cavalcante

As virtudes e vulnerabilidades que Richardson aporta ao Ceará

0 Comentários
As perguntas e respostas que fazem evoluir o jogo
Luís Cristovão

As perguntas e respostas que fazem evoluir o jogo

0 Comentários
Cuca deixa o Atlético Mineiro como um dos melhores trabalhos de sua carreira
Gabriel de Assis

Cuca deixa o Atlético Mineiro como um dos melhores trabalhos de sua carreira

0 Comentários
Paulo Sousa: “O futebol é baseado no espaço e tempo”
Renato Gomes

Paulo Sousa: “O futebol é baseado no espaço e tempo”

1 Comentários
Há algo de podre no jeito italiano de se fazer futebol: o caso Salernitana
Caio Bitencourt

Há algo de podre no jeito italiano de se fazer futebol: o caso Salernitana

0 Comentários