O novo coronavírus e o direito à saúde do jogador de futebol

Em meio a pandemia, o jogador tem direito à saúde, também. O que diz a lei? Como os clubes devem proceder?

Tão logo se confirmou a pausa no futebol brasileiro por conta da pandemia do novo coronavírus, a busca de alternativas para a retomada do esporte já fazia parte da maioria das discussões envolvendo o tema.

Em uma crise de saúde como esta, além dos esforços com o enfrentamento à doença e a preservação da vida em primeiro lugar, há também a inevitável preocupação com os prejuízos financeiros e econômicos que atingem os mais diversos setores da sociedade.

Faça parte do Footure Club e receba conteúdos exclusivos diariamente

No caso do futebol, que movimenta quantias bastante significativas de dinheiro e gera muitos empregos diretos e indiretos por todo o país, os desafios se intensificam, inclusive no âmbito jurídico.

A necessária parada das atividades dos clubes tendo em vista evitar a propagação em massa do vírus tem reflexos nas finanças, nas relações com funcionários, patrocinadores, fornecedores, torcedores e, sobretudo, no vínculo trabalhista existente com os atletas.

É importante nos lembrarmos de que, mesmo que sua relação de trabalho com o clube apresente diversas particularidades, como a jornada diferenciada e as cláusulas compensatória e indenizatória devidas em caso de rescisão antecipada, o jogador profissional de futebol é, em essência, um trabalhador como os demais.

OUÇA: Lei em Campo #13 | Os contratos na pandemia do Coronavírus

Isso significa que, embora a atividade desportiva profissional (aquela exercida por atleta profissional vinculado de maneira exclusiva a um clube, mediante a assinatura de contrato especial de trabalho desportivo que atenda aos requisitos legais) no país seja regulada especificamente pela Lei Pelé, diversas outras disposições aplicáveis aos trabalhadores em geral também podem e devem servir para a proteção dos direitos dos atletas.

Entre as mais importantes garantias ao trabalhador brasileiro está o direito à saúde no âmbito do trabalho, assegurado na Constituição Federal (art. 7, XXII) e com aplicação em diversas outras legislações. Este direito é a base das normas de higiene, segurança e redução de riscos ligadas ao ambiente de trabalho e ao exercício das profissões que conhecemos.

Em se tratando de atividades desportivas profissionais, se considerarmos que o corpo e a integridade física são as principais ferramentas de trabalho do jogador profissional de futebol, esta proteção recebe atenção ainda mais especial. Também por isso a lei determina que é dever dos clubes proporcionar aos atletas as condições necessárias para a sua participação nas competições, o que inclui a manutenção de um ambiente propício à preservação da saúde dos profissionais.

direito à saúde futebol
A nova realidade da Bundesliga: os jogadores com máscaras até no reconhecimento do gramado (Getty Images)

Neste mesmo sentido, diversas outras disposições legais e regulamentares têm como objetivo preservar a saúde e a plenitude física do atleta, como o intervalo obrigatório de no mínimo 66 horas entre a participação do jogador de futebol em uma partida e outra, por exemplo.

Ao enfrentarmos uma crise sanitária das dimensões da atual pandemia do novo coronavírus, o direito à saúde do trabalhador passa a ter ainda mais relevância.

Recentemente, o STF decidiu que a COVID-19 poderá ser considerada uma doença ocupacional se o empregador não puder comprovar a adoção de todas as medidas exigíveis para a proteção de seus empregados, gerando ao empregado todos os direitos correspondentes.

Em um primeiro momento, a Medida Provisória nº 927, editada pelo Governo Federal para permitir a flexibilização das relações de trabalho durante a atual pandemia, previa que esse reconhecimento somente poderia ocorrer caso fosse comprovado pelo trabalhador que a contaminação ocorreu no exercício de sua função.

Além disso, o já longo período sem atividades gera preocupação em relação ao condicionamento físico dos atletas e vira mais um elemento dessa equação que se busca resolver para enfim podermos ver o retorno do futebol.

Sendo o jogador profissional de futebol um trabalhador como os demais, lesões ocorridas durante suas atividades são consideradas acidente de trabalho e geram ao atleta os mesmos direitos.

Por isso, uma possível retomada mais ampla das atividades desportivas, com o retorno das equipes aos treinamentos e a redefinição do calendário de competições, exige a implementação de um rígido e consistente protocolo sanitário de ações que visem proteger a saúde dos trabalhadores e, consequentemente, toda a comunidade relacionada.

OUÇA: Lei em Campo #12 | Coronavírus no futebol: direito e desastre econômico

Momentos atípicos como o que estamos vivendo exigem medidas atípicas. Não há mais como esperarmos que as normas e ações anteriormente válidas e eficazes sejam ainda suficientes para estes novos desafios.

Além do imensurável prejuízo à vida e à saúde, ações que não levem em consideração a preservação de direitos básicos dos trabalhadores implicariam em novos e maiores reflexos financeiros e econômicos negativos em um momento já bastante frágil em todos estes aspectos.

Para que a bola possa voltar a rolar em segurança, atletas e demais profissionais do esporte precisam estar atentos aos seus direitos, assim como os clubes precisarão ter especial atenção em relação às consequências jurídicas das alternativas que se apresentam.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Últimas Postagens

Cinco promessas africanas na base de clubes europeus
Caio Nascimento

Cinco promessas africanas na base de clubes europeus

0 Comentários
Pellegrini: a história dos romanos na Roma continua
Caio Bitencourt

Pellegrini: a história dos romanos na Roma continua

0 Comentários
A afirmação da Espanha e sua nova geração
Bruna Mendes

A afirmação da Espanha e sua nova geração

0 Comentários
Guto Ferreira coloca o Bahia para acelerar
Gabriel de Assis

Guto Ferreira coloca o Bahia para acelerar

0 Comentários
RAIO-X: De onde saem as assistências dos líderes do quesito na Série B
Douglas Batista

RAIO-X: De onde saem as assistências dos líderes do quesito na Série B

0 Comentários
Os destaques dos 8 classificados no Brasileirão Sub-20
Caio Nascimento

Os destaques dos 8 classificados no Brasileirão Sub-20

0 Comentários
A reinvenção de Brahim Diaz no meio-campo do Milan
Caio Bitencourt

A reinvenção de Brahim Diaz no meio-campo do Milan

0 Comentários
Maduro, o Red Bull Bragantino se aproxima de fazer história
Gabriel de Assis

Maduro, o Red Bull Bragantino se aproxima de fazer história

0 Comentários
Friendly #7 | O novo rico Newcastle, Sports Washing e a ‘era’ de clube-estado
Eduardo Dias

Friendly #7 | O novo rico Newcastle, Sports Washing e a 'era' de clube-estado

0 Comentários
Napoli: O impacto inicial de Anguissa com a camisa partenopei
Caio Bitencourt

Napoli: O impacto inicial de Anguissa com a camisa partenopei

0 Comentários
O Grande Norte e os grandes desafios: o que o futuro reserva para o futebol masculino do Canadá?
Caio Nascimento

O Grande Norte e os grandes desafios: o que o futuro reserva para o futebol masculino do Canadá?

0 Comentários
O agressivo América/MG de Vagner Mancini
Gabriel de Assis

O agressivo América/MG de Vagner Mancini

0 Comentários
O Botafogo/PB em busca de um acesso histórico na Paraíba
Douglas Batista

O Botafogo/PB em busca de um acesso histórico na Paraíba

0 Comentários
A disparidade entre Atlético de Madrid e Barcelona
Bruna Mendes

A disparidade entre Atlético de Madrid e Barcelona

0 Comentários
Tuchel, Solskjaer, tropeços e realidades diferentes
Lucas Filus

Tuchel, Solskjaer, tropeços e realidades diferentes

0 Comentários