DOIS TEMPOS, DOIS JOGOS

Por @Maiiron_ O que acabou de acontecer no Wembley não foi um jogo de futebol. Foram dois jogos de futebol. Esse esporte, que a gente finge que entende, te dá isso e é por isso que somos apaixonados. Na primeira parte alucinante do ótimo Tottenham, o confronto poderia ser definido. Foram alguns confrontos que, como […]

Por @Maiiron_

O que acabou de acontecer no Wembley não foi um jogo de futebol. Foram dois jogos de futebol. Esse esporte, que a gente finge que entende, te dá isso e é por isso que somos apaixonados. Na primeira parte alucinante do ótimo Tottenham, o confronto poderia ser definido. Foram alguns confrontos que, como no primeiro jogo, fizeram a superioridade pender para o lado inglês da coisa. Pjanic, de muita participação e dominância em campo, foi eclipsado na saída de bola por Eriksen. Juventus não tinha saída pelos lados, Son e Dele Alli se encarregavam de tapar as saídas.

Com bola, o Tottenham jogou até demais. Tinha um Dembelé com a sua classe em campo comandando tudo que aconteceu, tinha Eriksen achando as costas de Khedira e Pjanic na hora de construir algo, assim que saiu o gol. Liga Trippier pelo lado, ele bate para trás e ela sobra no ótimo Son. Son, que é mais um subavaliado nesse bom time, é o rei do “meio espaço”. Entre zagueiro e lateral, ele pega a bola e verticaliza todas, foi assim que expôs Barzagli ao ridículo na primeira parte. Kane, que pouco tocou na bola, mas foi determinante com seus movimentos na hora de quebrar a linha de três zagueiros, que nunca foi de cinco. Mas um gol foi pouco.

8CC1C828-B35C-493F-AAA9-39F3B412C094

E na segunda parte Allegri resolve jogar. Sim, treinadores jogam. Se Pocchetino jogou bem na primeira parte, Allegri jogou demais na segunda. Saca Matuidi, que sofria muito com Dele Alli e sobrecarrega o lado esquerdo de defesa do Tottenham com Douglas Costa, em uma noite endiabrada, e Litchsteiner. Por dentro, ele posiciona Dybala incomodando Dier e Dembelé, que não jogaram na segunda parte. O lateral vai ao fundo e a bola sobra para Higuaín, que atento, empata o jogo. Três minutos após, Higuaín coloca Verthongen e Sanchez em um de seus bolsos que sairão pesados de Wembley e assiste para Dybala virar o confronto. Depois disso, a Juve volta a seu habitat natural. Ser franco atirador para o time de Turim é confortável. A bola batia na parede e voltava, bateu até na trave e voltou. Buffon, em que pese a idade, segue sendo inabalável debaixo dos postes. Chiellini é a personificação de Marte, Deus da guerra na mitologia romana, e não se abala com nada. Barzagli, que é o falso lento e tem uma arrancada curta ainda muito boa, é fiável demais.

DB398466-C62D-40A8-A6AB-4637E7853EA1

O confronto poderia pender para o lado inglês, mas não pendeu. A Juventus não deve ser descartada nunca, não deve ser dada como morta nunca. O Tottenham é um time excepcional, mas se abalou após o segundo gol marcado, que foi uma faca no peito. A Juve, amigos, ela cresce na briga e não foi só a camisa que pesou. Higuaín, em uma noite mágica, foi o fiel da balança. Foram dois tempos e dois jogos em Wembley, daquelas noites que iremos debater por tempos. O futebol agradece!

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Mairon Rodrigues

Últimas Postagens

A onda tecnicista na função do auxiliar técnico de futebol
Jonatan Cavalcante

A onda tecnicista na função do auxiliar técnico de futebol

0 Comentários
Friendly #1 | Imaginar e construir o futuro, a habilidade fundamental do século XXI
Footure

Friendly #1 | Imaginar e construir o futuro, a habilidade fundamental do século XXI

0 Comentários
Surpresa e tradição: os classificados para as quartas do futebol masculino na Olimpíada
Caio Nascimento

Surpresa e tradição: os classificados para as quartas do futebol masculino na Olimpíada

0 Comentários
Osimhen, Simy, e a problemática das narrativas sobre jogadores africanos
Caio Bitencourt

Osimhen, Simy, e a problemática das narrativas sobre jogadores africanos

0 Comentários
O que esperar do Real Madrid para os próximos anos com Carlo Ancelotti?
Bruna Mendes

O que esperar do Real Madrid para os próximos anos com Carlo Ancelotti?

0 Comentários
O que explica as goleadas do Flamengo com Renato Gaúcho?
Gabriel de Assis

O que explica as goleadas do Flamengo com Renato Gaúcho?

0 Comentários
Como o Vojvodismo transformou o Fortaleza em protagonista no futebol brasileiro?
Jonatan Cavalcante

Como o Vojvodismo transformou o Fortaleza em protagonista no futebol brasileiro?

0 Comentários
God Save the Game #34 | A janela de transferências da Premier League 21/22
Gabriel Corrêa

God Save the Game #34 | A janela de transferências da Premier League 21/22

0 Comentários
Felipão chega entregando o de sempre: segurança e resultado
Gabriel de Assis

Felipão chega entregando o de sempre: segurança e resultado

0 Comentários
Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 2
Caio Nascimento

Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 2

0 Comentários
A Itália ainda pode crescer após o título da Euro?
Caio Bitencourt

A Itália ainda pode crescer após o título da Euro?

0 Comentários
Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 1
Caio Nascimento

Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 1

0 Comentários
O complicado início de Diego Aguirre no Internacional
Gabriel de Assis

O complicado início de Diego Aguirre no Internacional

0 Comentários
Rodrigo De Paul: o meia com DNA de Simeone e Atlético de Madrid
Bruna Mendes

Rodrigo De Paul: o meia com DNA de Simeone e Atlético de Madrid

0 Comentários
A Inglaterra superou seus traumas e, agora, se permite sonhar
Lucas Filus

A Inglaterra superou seus traumas e, agora, se permite sonhar

0 Comentários