DOS GALÁTICOS À LA FÁBRICA

Por @Maiiron_ De Zidanes a Pavones, Florentino Pérez sempre gostou de contar com grandes nomes no elenco do Real Madrid. Gastou mais de um bilhão de euros em contratações. Na primeira gestão foram contratados Luís Figo (60 milhões), Zizou (70), Ronaldo (40), Beckham (35) e Michael Owen (12). Leram algum defensor? Não, né? Então, aí […]

Por @Maiiron_

De Zidanes a Pavones, Florentino Pérez sempre gostou de contar com grandes nomes no elenco do Real Madrid. Gastou mais de um bilhão de euros em contratações. Na primeira gestão foram contratados Luís Figo (60 milhões), Zizou (70), Ronaldo (40), Beckham (35) e Michael Owen (12). Leram algum defensor? Não, né? Então, aí entram os Pavones. Florentino nunca foi um gastador em defensores, “chutou” Makelélé do clube por não querer gastar tanto. Em 2004 resgatou Robinho, Júlio Baptista (!) e Owen; seguindo assim a política de transferências “galáctica” com quase zero investimento em outros setores da equipe. Em 2006, Florentino se demitiu da presidência do Real Madrid, marcado por Zidanes e Pavones.

pavon

O retorno dos Galáticos – Florentino 2.0

No retorno de Florentino, em 2009, mais cartadas assustadoras no mercado: Cristiano Ronaldo por 94 milhões de euros; Kaká, em grande fase no Milan, por 65 milhões de euros e José Mourinho como treinador. Mourinho que vinha de um título de Champions League com a Internazionale. Mourinho não ganhou a Europa, tão desejada por Florentino, pelo contrário, viu a dinastia de Guardiola ser construída na sua cara. Barcelona com a “Geração 87” de Piqué, Busquets e Messi, ganhou a Europa duas vezes, montou um dos maiores times da história. Mas, ao mesmo tempo, apostou em nomes essenciais para a La Decima: Kroos, Xabi Alonso, Modric, Marcelo e Dani Carvajal. Mou se foi, veio Ancelotti e estancou sangrias do clube que foram deixadas, deu o título continental depois de 13 anos. Zidane, logo após, deu mais uma Champions League em 2016-17.

kaka-cristiano-ronaldo-real-madrid-apoel-champions-league_sqs84oj09vtp196b714psskvi

A manutenção da dinastia Merengue – La Fábrica ganha espaço com jovens

Se o Real teve, considerado por alguns, “o melhor banco do mundo” nessa temporada, já que Zidane poupou muita gente na La Liga passada, nessa temporada é ainda mais promissora a tarefa. Real Madrid se cerca de jovens com muito potencial e com presente bem sólido. Retorna de empréstimo o zagueiro Jesus Vallejo, que fez boa temporada no Eintracht Frankfurt e tem tudo para ser o futuro zagueiro da Fúria e de Madrid. Theo Hernández, de ótima temporada no Alavés, veio em transferência polêmica do rival Atlético de Madrid e tem tudo para ser um bom backup de Marcelo. Para o meio-campo; Marcos Llorente, o motor da Espanha Sub-21 e um dos melhores volantes do campeonato espanhol. Ainda tem Marco Asensio, um virtuose, que já demonstrações de ser um jogador de nível mundial com 21 anos. Para o ataque, Borja Mayoral pode substituir Benzema.

1024

Real Madrid não projeta só o presente, como era na década passada, pensa em manutenção de dinastia, em seguir como o maior clube do mundo por muito tempo. Zidane, contestado no início, se mostra um treinador muito inteligente; que roda muito bem o elenco, que presa por um futebol inventivo, fluído e de muita técnica. Os Merengues, sem nenhum medo de errar, jogam o melhor futebol do Mundo, são favoritíssimos a ganhar tudo nessa temporada e permanecer no topo por muito tempo.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Mairon Rodrigues

Últimas Postagens

A onda tecnicista na função do auxiliar técnico de futebol
Jonatan Cavalcante

A onda tecnicista na função do auxiliar técnico de futebol

0 Comentários
Friendly #1 | Imaginar e construir o futuro, a habilidade fundamental do século XXI
Footure

Friendly #1 | Imaginar e construir o futuro, a habilidade fundamental do século XXI

0 Comentários
Surpresa e tradição: os classificados para as quartas do futebol masculino na Olimpíada
Caio Nascimento

Surpresa e tradição: os classificados para as quartas do futebol masculino na Olimpíada

0 Comentários
Osimhen, Simy, e a problemática das narrativas sobre jogadores africanos
Caio Bitencourt

Osimhen, Simy, e a problemática das narrativas sobre jogadores africanos

0 Comentários
O que esperar do Real Madrid para os próximos anos com Carlo Ancelotti?
Bruna Mendes

O que esperar do Real Madrid para os próximos anos com Carlo Ancelotti?

0 Comentários
O que explica as goleadas do Flamengo com Renato Gaúcho?
Gabriel de Assis

O que explica as goleadas do Flamengo com Renato Gaúcho?

0 Comentários
Como o Vojvodismo transformou o Fortaleza em protagonista no futebol brasileiro?
Jonatan Cavalcante

Como o Vojvodismo transformou o Fortaleza em protagonista no futebol brasileiro?

0 Comentários
God Save the Game #34 | A janela de transferências da Premier League 21/22
Gabriel Corrêa

God Save the Game #34 | A janela de transferências da Premier League 21/22

0 Comentários
Felipão chega entregando o de sempre: segurança e resultado
Gabriel de Assis

Felipão chega entregando o de sempre: segurança e resultado

0 Comentários
Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 2
Caio Nascimento

Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 2

0 Comentários
A Itália ainda pode crescer após o título da Euro?
Caio Bitencourt

A Itália ainda pode crescer após o título da Euro?

0 Comentários
Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 1
Caio Nascimento

Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 1

0 Comentários
O complicado início de Diego Aguirre no Internacional
Gabriel de Assis

O complicado início de Diego Aguirre no Internacional

0 Comentários
Rodrigo De Paul: o meia com DNA de Simeone e Atlético de Madrid
Bruna Mendes

Rodrigo De Paul: o meia com DNA de Simeone e Atlético de Madrid

0 Comentários
A Inglaterra superou seus traumas e, agora, se permite sonhar
Lucas Filus

A Inglaterra superou seus traumas e, agora, se permite sonhar

0 Comentários