E AGORA, JOSÉ?

Por @maiiron_ José Mourinho renovou hoje com o Manchester United. Seu contrato foi estendido até 2020. Se o cumprir o acordo recém assinado será seu trabalho mais longevo desde a primeira passagem pelo Chelsea. Aproveitamos o ensejo para problematizar o trabalho de Mou nesta quase uma temporada meia à frente dos Red Devils. Há algo estranho […]

Por @maiiron_

José Mourinho renovou hoje com o Manchester United. Seu contrato foi estendido até 2020. Se o cumprir o acordo recém assinado será seu trabalho mais longevo desde a primeira passagem pelo Chelsea. Aproveitamos o ensejo para problematizar o trabalho de Mou nesta quase uma temporada meia à frente dos Red Devils. Há algo estranho no lado vermelho de Manchester e todos nós sabemos. O United, um time que sobra talento individual, patina na Premier League. Comparado com o lado azul da força, o melhor time do mundo na atualidade, o time de Mourinho joga um futebol rudimentar até para os padrões das equipes mais físicas e transicionais da Premier League.


Quem lê o início do texto vai achar que eu falo de um time montado só com pernas de pau, mas não. Falo de um time que tem, do meio para a frente: Pogba, Matic, Mata, Martial, Ibrahimovic, Lukaku, Rashford e há pouco ganhou a adição de Alexis Sánchez. O Manchester vence, é o segundo colocado. Mas só vencer valida o trabalho? Só pontuar, sem dar o gosto do jogo que Liverpool e Chelsea dão, é o bastante? Em tempos de futebol que, por mais que tenha competição, é um entretenimento máximo, ver o United jogar é como tomar um calmante e dormir. Eu, quase sempre, chamo de Rivotril United. E Mourinho não era assim. Mourinho, pouco tempo atrás, montou um Chelsea que brilhava ofensivamente e tinha um Eden Hazard impressionante.

Tenho uma teoria: toda vez que José Mourinho precisa competir com Guardiola, ele se diminui. Mas ele, aparentemente, não vê que antes de todo mundo querer ser Guardiola queríamos ser Mourinho. O homem que reinventou os treinos, levou a periodização tática para os clubes, o cara que mais soube usar a marcação zonal e com ataques fortíssimos (além de defesas fantásticas).

pep-guardiola-manchester-city-jose-mourinho-manchester-united_owztpwvw4vvhzd7sdr8uhhwj

Mourinho nunca mais foi o mesmo desde os 5-0 em 2010 no Camp Nou. Ele tenta ser a antípoda do catalão. Respeitamos. Ele deu uma aula na final da Liga Europa. Usou marcação mista e foi competente na hora de matar o jogo contra um time inexperiente. José é um velho lobo, um cara que tem os atalhos do esporte que ele ajudou a revolucionar. Mas tem um problema que só ele pode resolver. E agora, José?

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Mairon Rodrigues

Últimas Postagens

Início animador do Brasileirão Sub-17
Caio Nascimento

Início animador do Brasileirão Sub-17

0 Comentários
Como Vlahovic virou um artilheiro de muitos gols na Fiorentina
Caio Bitencourt

Como Vlahovic virou um artilheiro de muitos gols na Fiorentina

0 Comentários
Depressão: a inimiga invisível do futebol
Fernanda Lima

Depressão: a inimiga invisível do futebol

0 Comentários
Power in Motion: o projeto de restabelecimento do Dínamo de Moscou
Caio Nascimento

Power in Motion: o projeto de restabelecimento do Dínamo de Moscou

0 Comentários
Em sua primeira final europeia da história, o Villarreal desbanca o Arsenal nas semis da Europa League
Bruna Mendes

Em sua primeira final europeia da história, o Villarreal desbanca o Arsenal nas semis da Europa League

0 Comentários
A coerência no Chelsea de Thomas Tuchel e no City de Pep Guardiola
Lucas Filus

A coerência no Chelsea de Thomas Tuchel e no City de Pep Guardiola

0 Comentários
O que fez Darío Sarmiento chamar a atenção do Manchester City?
Dimitri Barcellos

O que fez Darío Sarmiento chamar a atenção do Manchester City?

0 Comentários
Paul Pogba pode ser o primeiro ‘reforço’ do United para a próxima temporada
Lucas Filus

Paul Pogba pode ser o primeiro 'reforço’ do United para a próxima temporada

0 Comentários
A vez da geração 2004: conheça Matheus Nascimento, Cowell, Sesko e Demir
Caio Nascimento

A vez da geração 2004: conheça Matheus Nascimento, Cowell, Sesko e Demir

0 Comentários
Por que João Pedro é a tábua de salvação para o Cagliari
Caio Bitencourt

Por que João Pedro é a tábua de salvação para o Cagliari

0 Comentários
Biotipo, velocidade de raciocínio e tomada de decisão: o que é a intensidade no futebol
Caio Alves

Biotipo, velocidade de raciocínio e tomada de decisão: o que é a intensidade no futebol

0 Comentários
Knappenschmiede: a histórica forja do Schalke 04 em meio a turbulência existencial do clube
Caio Nascimento

Knappenschmiede: a histórica forja do Schalke 04 em meio a turbulência existencial do clube

0 Comentários
Campeão da Copa do Rei, Barcelona domina o Athletic e busca o doblete
Bruna Mendes

Campeão da Copa do Rei, Barcelona domina o Athletic e busca o doblete

0 Comentários
O que a contratação de Alexandre Gallo pode aportar ao Santa Cruz?
Jonatan Cavalcante

O que a contratação de Alexandre Gallo pode aportar ao Santa Cruz?

0 Comentários
4 histórias para se observar na fase de grupos da Libertadores 2021
Dimitri Barcellos

4 histórias para se observar na fase de grupos da Libertadores 2021

0 Comentários