Em sua primeira final europeia da história, o Villarreal desbanca o Arsenal nas semis da Europa League

Na busca de mais um título da Europa League, Unai Emery colocou todas as suas forças na competição que foi se tornando o objetivo principal do Villarreal na temporada.

Comandados por Gerard Moreno, os jogadores do submarino amarelo sabem seguir fielmente as ideias do treinador e transformam isso numa força coletiva que incomoda os adversários. A defesa de área não é das melhores, inclusive o grande telhado de vidro da equipe na temporada, o ponto é que o adversário realmente demora para chegar até ela.

Contra o Arsenal isso ficou cada vez mais claro. É compreensível que o time inglês não vive seu melhor momento, mas essa questão não tira os méritos defensivos do Villarreal dentro do confronto. As linhas bem definidas com Dani Parejo sendo a principal peça do meio-campo são o forte para tirar os espaços que Arteta busca ao atacar o adversário.

O foco do treinador acabou virando para o lado direito, onde Martin Odegaard e Bukayo Saka dominaram, reduzindo os avanços de Pedraza, que em progressão no campo é um dos melhores laterais do campeonato espanhol. Autor do primeiro gol, Manu Trigueiros é uma arma de Emery para compensar no lado esquerdo da defesa considerando que o jogo ofensivo do Arsenal tenha grande foco por ali como observado.

Além da importância defensiva, a presença do camisa 14 dava suporte para a saída de bola vindo dos pés de Parejo, mas o mais importante aconteceu após o gol, e Manu acabou sendo uma peça importante dentro da área após boa jogada de Chukwueze que resultou no gol com apenas quatro minutos de partida.

Enquanto Odegaard destrinchava as linhas da defesa amarela, Saka infiltrava a grande área para conseguir finalizar. O jovem inglês foi a principal peça de escape no último passe e demonstrou muita perspicácia para conseguir o pênalti – contestável – que deixou o Arsenal vivo no confronto até o minuto final do jogo de volta.

No segundo jogo o contexto era bem parecido, mas com o Arsenal conseguindo outras formas de chegar até a finalização. Nicolas Pepe, mais participativo dessa vez, produziu a partir de dribles e avanços para quebrar a compacta linha de marcação do Villarreal. Por outro lado, Odegaard teve poucas ações impactantes no último terço e a dificuldade do Arsenal começa por conta desse fator.

A atuação consistente do Villarreal dura até os 180 minutos, mas quando o Arsenal pressiona mais e consegue tirar os jogadores de suas posições com mais facilidade, o telhado de vidro permanece intacto, porque Raúl Albiol aos 35 anos foi magnífico.

Depois de ter sido o melhor jogador do submarino amarelo no primeiro jogo, o zagueiro espanhol cortou 7 bolas no Emirates Stadium e foi fundamental para manter o placar zerado.

Indo para a sua quinta final desde a temporada 2013/14, Emery coloca o submarino amarelo em sua primeira disputa de título europeu na história. O Manchester United chega favorito pela regularidade na atual temporada, além de estar muito bem no campeonato inglês, mas a experiência do treinador espanhol nessa competição não pode ser ignorada. Já podemos mudar o nome para UEFA Emery League, não?!

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Últimas Postagens

Florian Wirtz: referência técnica do Leverkusen aos 18 anos
Gabriel Belo

Florian Wirtz: referência técnica do Leverkusen aos 18 anos

0 Comentários
Real Sociedad e Real Betis na Europa League: é possível sonhar
Bruna Mendes

Real Sociedad e Real Betis na Europa League: é possível sonhar

0 Comentários
Diego Costa chega chegando e empolga ao lado de Hulk
Gabriel de Assis

Diego Costa chega chegando e empolga ao lado de Hulk

0 Comentários
Conor Gallagher e a busca por protagonismo no Palace
Gabriel Belo

Conor Gallagher e a busca por protagonismo no Palace

0 Comentários
Youth League retorna em 2021/22 com estrelas brilhando
Caio Nascimento

Youth League retorna em 2021/22 com estrelas brilhando

0 Comentários
Lazio: de que forma o Sarrismo pode funcionar na capital?
Caio Bitencourt

Lazio: de que forma o Sarrismo pode funcionar na capital?

0 Comentários
O ótimo começo de Carlos Soler na temporada do Valencia
Bruna Mendes

O ótimo começo de Carlos Soler na temporada do Valencia

0 Comentários
Marcão, André e o Fluminense de volta a briga por Libertadores
Gabriel de Assis

Marcão, André e o Fluminense de volta a briga por Libertadores

0 Comentários
Friendly #6 | A Copa de 2 em 2 anos, FIFA x UEFA, clubes x seleções e mudanças na análise mainstream
Eduardo Dias

Friendly #6 | A Copa de 2 em 2 anos, FIFA x UEFA, clubes x seleções e mudanças na análise mainstream

0 Comentários
O holandês que ajudou a transformar a carreira de Cristiano Ronaldo
Lucas Filus

O holandês que ajudou a transformar a carreira de Cristiano Ronaldo

0 Comentários
Sport: defesa sólida ou percepção quantitativa?
Jonatan Cavalcante

Sport: defesa sólida ou percepção quantitativa?

0 Comentários
O domínio do País Basco na cantera espanhola
Caio Nascimento

O domínio do País Basco na cantera espanhola

0 Comentários
Moise Kean: de volta para o futuro bianconero
Caio Bitencourt

Moise Kean: de volta para o futuro bianconero

0 Comentários
A mudança no perfil de contratações do Internacional
Douglas Batista

A mudança no perfil de contratações do Internacional

0 Comentários
O turno surpreendente do Cuiabá no Brasileirão
Gabriel de Assis

O turno surpreendente do Cuiabá no Brasileirão

0 Comentários