ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA

Por @Maiiron_ A Islândia estreou na Copa em uma partida histórica por tantos motivos. Uma população pequena, um CINEASTA no gol pegando pênalti do maior jogador deste século. Mas vamos ao campo. Desde o início a Islândia deu amostras do seu jogo; ficaria ali negando espaços, limitando entrelinha e dando a beirada, já que o […]

Por @Maiiron_

A Islândia estreou na Copa em uma partida histórica por tantos motivos. Uma população pequena, um CINEASTA no gol pegando pênalti do maior jogador deste século. Mas vamos ao campo.

Desde o início a Islândia deu amostras do seu jogo; ficaria ali negando espaços, limitando entrelinha e dando a beirada, já que o time é mais alto. Durou 20 minutos. Rojo bateu estranho, ela sobra para o implacável Aguero: golaço. Um gol que ele precisava, já que deve na seleção Argentina. Não durou nem dez e a Argentina sofreu o empate com Fingboasson completando um cruzamento que a Argentina não conseguiu tirar da área.

Uma defesa baixa que ainda sofreu com a falta de confiança em Caballero. Romero é bom goleiro? Talvez nem tanto, mas uma Copa é disputada mentalmente e a tranquilidade que Sergio passava aos companheiros pode ser uma ausência sentida. Um dilema estilístico: Armani é melhor embaixo das traves, Caballero sabe usar os pés. Problema para Sampaoli.

acbajxbgroqwqtdgwgof

O jogo teve isso em looping, mas precisamos elogiar. A Islândia deu a primeira grande amostra dessa Copa: os times serão reativos, com compactação e muita, mas muita disciplina. Essa copa será das transições e espaços negados, o que não é ruim. O cinturão defensivo da Islândia limitou a Argentina ter somente duas finalizações dentro da área. E isso deve ser louvado, não execrado. O jogo reativo é uma opção entre tantas as outras. É uma resposta, tardia, ao jogo de posição espanhol de 2010 e ao alemão de 2014. A Argentina foi tão ruim assim? Não.

O jogo de Sampaoli é mais difícil de implantar, o “toca no 10” que Sabella fez em 2014 e, muito atrás, em 78, Bilardo fez com Maradona não basta. Mas teve coisas que funcionaram, como Banega na linha de volantes achando Messi na zona que lhe é confortável, Pavón dará o mano a mano que um ponta necessita e Aguero foi bem no pivô, mas Higuaín foi melhor. Tirar a culpa de Messi é um ensaio sobre a cegueira, foi uma partida individualmente muito ruim, coletivamente ok. Mas como dizem por aí: imagine duvidar? De Messi a gente não duvida e muito menos tira conclusões em noventa minutos. De Messi a gente espera e desfruta.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Últimas Postagens

Geração 2003: quatro joias e quatro contextos diferentes na América do Sul
Caio Nascimento

Geração 2003: quatro joias e quatro contextos diferentes na América do Sul

0 Comentários
Existem perspectivas positivas para o Arsenal?
Lucas Filus

Existem perspectivas positivas para o Arsenal?

0 Comentários
Florian Wirtz: referência técnica do Leverkusen aos 18 anos
Gabriel Belo

Florian Wirtz: referência técnica do Leverkusen aos 18 anos

0 Comentários
Real Sociedad e Real Betis na Europa League: é possível sonhar
Bruna Mendes

Real Sociedad e Real Betis na Europa League: é possível sonhar

0 Comentários
Diego Costa chega chegando e empolga ao lado de Hulk
Gabriel de Assis

Diego Costa chega chegando e empolga ao lado de Hulk

0 Comentários
Conor Gallagher e a busca por protagonismo no Palace
Gabriel Belo

Conor Gallagher e a busca por protagonismo no Palace

0 Comentários
Youth League retorna em 2021/22 com estrelas brilhando
Caio Nascimento

Youth League retorna em 2021/22 com estrelas brilhando

0 Comentários
Lazio: de que forma o Sarrismo pode funcionar na capital?
Caio Bitencourt

Lazio: de que forma o Sarrismo pode funcionar na capital?

0 Comentários
O ótimo começo de Carlos Soler na temporada do Valencia
Bruna Mendes

O ótimo começo de Carlos Soler na temporada do Valencia

0 Comentários
Marcão, André e o Fluminense de volta a briga por Libertadores
Gabriel de Assis

Marcão, André e o Fluminense de volta a briga por Libertadores

0 Comentários
Friendly #6 | A Copa de 2 em 2 anos, FIFA x UEFA, clubes x seleções e mudanças na análise mainstream
Eduardo Dias

Friendly #6 | A Copa de 2 em 2 anos, FIFA x UEFA, clubes x seleções e mudanças na análise mainstream

0 Comentários
O holandês que ajudou a transformar a carreira de Cristiano Ronaldo
Lucas Filus

O holandês que ajudou a transformar a carreira de Cristiano Ronaldo

0 Comentários
Sport: defesa sólida ou percepção quantitativa?
Jonatan Cavalcante

Sport: defesa sólida ou percepção quantitativa?

0 Comentários
O domínio do País Basco na cantera espanhola
Caio Nascimento

O domínio do País Basco na cantera espanhola

0 Comentários
Moise Kean: de volta para o futuro bianconero
Caio Bitencourt

Moise Kean: de volta para o futuro bianconero

0 Comentários