ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA

Por @Maiiron_ A Islândia estreou na Copa em uma partida histórica por tantos motivos. Uma população pequena, um CINEASTA no gol pegando pênalti do maior jogador deste século. Mas vamos ao campo. Desde o início a Islândia deu amostras do seu jogo; ficaria ali negando espaços, limitando entrelinha e dando a beirada, já que o […]

Por @Maiiron_

A Islândia estreou na Copa em uma partida histórica por tantos motivos. Uma população pequena, um CINEASTA no gol pegando pênalti do maior jogador deste século. Mas vamos ao campo.

Desde o início a Islândia deu amostras do seu jogo; ficaria ali negando espaços, limitando entrelinha e dando a beirada, já que o time é mais alto. Durou 20 minutos. Rojo bateu estranho, ela sobra para o implacável Aguero: golaço. Um gol que ele precisava, já que deve na seleção Argentina. Não durou nem dez e a Argentina sofreu o empate com Fingboasson completando um cruzamento que a Argentina não conseguiu tirar da área.

Uma defesa baixa que ainda sofreu com a falta de confiança em Caballero. Romero é bom goleiro? Talvez nem tanto, mas uma Copa é disputada mentalmente e a tranquilidade que Sergio passava aos companheiros pode ser uma ausência sentida. Um dilema estilístico: Armani é melhor embaixo das traves, Caballero sabe usar os pés. Problema para Sampaoli.

acbajxbgroqwqtdgwgof

O jogo teve isso em looping, mas precisamos elogiar. A Islândia deu a primeira grande amostra dessa Copa: os times serão reativos, com compactação e muita, mas muita disciplina. Essa copa será das transições e espaços negados, o que não é ruim. O cinturão defensivo da Islândia limitou a Argentina ter somente duas finalizações dentro da área. E isso deve ser louvado, não execrado. O jogo reativo é uma opção entre tantas as outras. É uma resposta, tardia, ao jogo de posição espanhol de 2010 e ao alemão de 2014. A Argentina foi tão ruim assim? Não.

O jogo de Sampaoli é mais difícil de implantar, o “toca no 10” que Sabella fez em 2014 e, muito atrás, em 78, Bilardo fez com Maradona não basta. Mas teve coisas que funcionaram, como Banega na linha de volantes achando Messi na zona que lhe é confortável, Pavón dará o mano a mano que um ponta necessita e Aguero foi bem no pivô, mas Higuaín foi melhor. Tirar a culpa de Messi é um ensaio sobre a cegueira, foi uma partida individualmente muito ruim, coletivamente ok. Mas como dizem por aí: imagine duvidar? De Messi a gente não duvida e muito menos tira conclusões em noventa minutos. De Messi a gente espera e desfruta.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Footure

Últimas Postagens

Como Vlahovic virou um artilheiro de muitos gols na Fiorentina
Caio Bitencourt

Como Vlahovic virou um artilheiro de muitos gols na Fiorentina

0 Comentários
Depressão: a inimiga invisível do futebol
Fernanda Lima

Depressão: a inimiga invisível do futebol

0 Comentários
Power in Motion: o projeto de restabelecimento do Dínamo de Moscou
Caio Nascimento

Power in Motion: o projeto de restabelecimento do Dínamo de Moscou

0 Comentários
Em sua primeira final europeia da história, o Villarreal desbanca o Arsenal nas semis da Europa League
Bruna Mendes

Em sua primeira final europeia da história, o Villarreal desbanca o Arsenal nas semis da Europa League

0 Comentários
A coerência no Chelsea de Thomas Tuchel e no City de Pep Guardiola
Lucas Filus

A coerência no Chelsea de Thomas Tuchel e no City de Pep Guardiola

0 Comentários
O que fez Darío Sarmiento chamar a atenção do Manchester City?
Dimitri Barcellos

O que fez Darío Sarmiento chamar a atenção do Manchester City?

0 Comentários
Paul Pogba pode ser o primeiro ‘reforço’ do United para a próxima temporada
Lucas Filus

Paul Pogba pode ser o primeiro 'reforço’ do United para a próxima temporada

0 Comentários
A vez da geração 2004: conheça Matheus Nascimento, Cowell, Sesko e Demir
Caio Nascimento

A vez da geração 2004: conheça Matheus Nascimento, Cowell, Sesko e Demir

0 Comentários
Por que João Pedro é a tábua de salvação para o Cagliari
Caio Bitencourt

Por que João Pedro é a tábua de salvação para o Cagliari

0 Comentários
Biotipo, velocidade de raciocínio e tomada de decisão: o que é a intensidade no futebol
Caio Alves

Biotipo, velocidade de raciocínio e tomada de decisão: o que é a intensidade no futebol

0 Comentários
Knappenschmiede: a histórica forja do Schalke 04 em meio a turbulência existencial do clube
Caio Nascimento

Knappenschmiede: a histórica forja do Schalke 04 em meio a turbulência existencial do clube

0 Comentários
Campeão da Copa do Rei, Barcelona domina o Athletic e busca o doblete
Bruna Mendes

Campeão da Copa do Rei, Barcelona domina o Athletic e busca o doblete

0 Comentários
O que a contratação de Alexandre Gallo pode aportar ao Santa Cruz?
Jonatan Cavalcante

O que a contratação de Alexandre Gallo pode aportar ao Santa Cruz?

0 Comentários
4 histórias para se observar na fase de grupos da Libertadores 2021
Dimitri Barcellos

4 histórias para se observar na fase de grupos da Libertadores 2021

0 Comentários
Raúl Bobadilla e Abel Hernández: conheça os novos centroavantes do Fluminense
Gabriel Corrêa

Raúl Bobadilla e Abel Hernández: conheça os novos centroavantes do Fluminense

0 Comentários