No aguardo por mais treinos, Daniel Paulista afirma: "Podemos jogar ofensivamente"

Treinador do Sport, Daniel Paulista quer time com transições cada vez mais rápidas – mas descarta equipe entrando em campo apenas para se defender

O conforto da cidade onde nasceu foi o local escolhido por Daniel Paulista para aguardar uma definição sobre o retorno do calendário do futebol brasileiro. Em Ribeirão Preto, interior do estado de São Paulo, o técnico do Sport busca desfrutar ao máximo da companhia da esposa, Juliana, e dos pequenos Lucca e João Victor, de 10 e 11 anos, respectivamente. “Tem mais espaço para a gente criar atividades com eles. Jogamos bola, tem piscina e pingue-pongue.” Sempre, claro, ligado no planejamento dos próximos passos do Rubro-Negro.

Quer receber conteúdos exclusivos diariamente? Faça parte do Footure Club

“A partir do dia 20 (de abril), quando se encerram as férias, chegaremos a uma inatividade de 35 dias. É uma situação inédita para todos os clubes, e a tendência é que esse período se estenda por mais algum tempo. Atuaremos muito após a volta, porque a questão física dos atletas vai ser primordial. Essa inatividade, sem condições adequadas para manter a forma física é o que no momento vem nos causando maior preocupação.”

Cumprindo as regras de isolamento social impostas para restringir a disseminação da Covid-19 – vírus que já infectou mais de 1 milhão e meio de pessoas no planeta, levando a óbito um número acima dos 100 mil –, Daniel tem trabalhado com a comissão técnica para manter o ritmo de atividade dos atletas.

“Nós temos, semanalmente, enviado protocolos de treinamento para os atletas. Sabemos que eles têm, hoje, uma dificuldade para executar alguns tipos de treinamentos. Estamos orientando porque sabemos que às vezes não há locais apropriados. Está longe, claro, de uma rotina ideal de um atleta profissional de futebol, mas estamos orientando nesse sentido.”

Desde o retorno à Ilha do Retiro, o comandante leonino disputou seis partidas. Foram duas vitórias, dois empates e duas derrotas, com oito gols marcados e cinco sofridos. Todos os confrontos aconteceram dentro de um intervalo de 22 dias, impossibilitando qualquer mudança mais profunda no modelo de jogo.

Precisamos evoluir em todos os aspectos. Técnicos e táticos. Vamos ter um período de dias, respeitando o tempo que os atletas ficaram parados, para que a gente possa, além de recondicioná-los fisicamente, colocar as nossas ideias em prática. Pegamos um trabalho em andamento, sem tempo para treino, jogo em cima de jogo. O momento da equipe não era e não é bom, em termos de colocação e classificação. Nessa volta, com tempo para treinar, teríamos condições para implantar algumas coisas que pensamos. Por exemplo, transições ofensivas e defensivas mais rápidas, para levar vantagem sobre o adversário; na recuperação da posse de bola, ser mais vertical, na direção do gol, buscando o oponente mal posicionado… são situações que vamos procurar trabalhar.”

– Daniel Paulista, em entrevista para o Footure

Todavia, Daniel conseguiu identificar evolução na equipe nas partidas realizadas até então, mesmo que ainda não tenha atingido o nível esperado.

“No aspecto defensivo, melhoramos alguns pontos que vinham sendo problemáticos durante a temporada. Como exemplo, posso citar a questão da bola parada. Corrigimos e amenizamos o alto número de gols que a equipe vinha sofrendo nesse ponto. Ofensivamente, melhoramos principalmente numa transição mais rápida, na aproximação dos atletas para a opção de triangulações, principalmente pelas beiradas. Melhoramos a pressão ao portador da bola. São coisas que conseguimos evoluir, mas isso de acordo com o que a equipe vinha apresentando. Há uma margem para crescer. Olhando para uma Série A pela frente, São situações que precisamos aprimorar para conseguir jogar um futebol competitivo contra as equipes.

Um Sport propondo jogo com Daniel Paulista?

Falar em avançar e recuar rapidamente em momentos pós-ganho ou perda da posse de bola não significa, necessariamente, que o Sport ideal de Daniel Paulista será um time pautado no jogo reativo. O treinador frisa que ser propositivo também é um dos seus planos para o decorrer da temporada.

Daniel Paulista

Não ficaremos só atrás para, quando roubar a bola, sair rápido em contra-ataque. Podemos jogar ofensivamente. Mas, quando perdermos a bola e não conseguirmos recuperá-la logo na sequência, temos que conseguir transitar para o campo defensivo de uma maneira mais rápida que o adversário, nos posicionando melhor. Aguardando a definição do que irão propor. É isso que a gente espera que a equipe faça da melhor forma. Essa transição mais rápida, ofensiva e defensivamente, para criar vantagem.”

– Daniel Paulista

Além de maior tempo para treinamentos, a consolidação da proposta passa pela profundidade e qualidade do plantel. Para isso, Daniel afirma que todos os setores do campo devem ser reforçados – e direção e comissão técnica têm se atentado ao mercado, mesmo em meio a tantas indefinições.

“Precisamos de algumas peças, em todos os setores do campo. Estamos trabalhando com a direção e o Patric foi uma boa contratação, um atleta que chega para acrescentar muito. Vamos continuar de olho, mas o momento é complicado. Os clubes estão parados, cheio de indefinições no aspecto de planejamento, financeiro, receitas comprometidas. São situações que precisam ser mais bem definidas para que, quando houver possibilidade de retorno, a gente possa ir definitivamente no mercado para encontrar as peças que precisamos.”

Conheça o Retrô Futebol Clube, um novato indigesto no Campeonato Pernambucano

Ciente das dificuldades que uma Série A do Campeonato Brasileiro representa, somando-se ao delicado momento financeiro do clube pernambucano, o ex-volante sabe da responsabilidade que terá pela frente. Se a competição permitir voos mais altos, o grupo precisará estar preparado, mas o discurso, no momento, é comedido.

“É o grande campeonato que a equipe tem pela frente (a Série A). Sabemos que impacta totalmente nessa reconstrução que o Sport vem fazendo, principalmente pelo lado financeiro. A permanência para mais um ano gera uma receita para o clube que é extremamente importante para o prosseguimento do trabalho. Lógico que se a campanha, os resultados e o nível que a equipe tiver dentro da competição nos propiciar sonhar com algo diferente, trabalharemos para isso. Mas o grande foco e principal objetivo é a permanência.

– Daniel Paulista
Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Últimas Postagens

O caminho da Seleção, as mudanças de Tite e um norte para o Catar
Aurelio Solano

O caminho da Seleção, as mudanças de Tite e um norte para o Catar

0 Comentários
Cinco promessas africanas na base de clubes europeus
Caio Nascimento

Cinco promessas africanas na base de clubes europeus

0 Comentários
Pellegrini: a história dos romanos na Roma continua
Caio Bitencourt

Pellegrini: a história dos romanos na Roma continua

0 Comentários
A afirmação da Espanha e sua nova geração
Bruna Mendes

A afirmação da Espanha e sua nova geração

0 Comentários
Guto Ferreira coloca o Bahia para acelerar
Gabriel de Assis

Guto Ferreira coloca o Bahia para acelerar

0 Comentários
RAIO-X: De onde saem as assistências dos líderes do quesito na Série B
Douglas Batista

RAIO-X: De onde saem as assistências dos líderes do quesito na Série B

0 Comentários
Os destaques dos 8 classificados no Brasileirão Sub-20
Caio Nascimento

Os destaques dos 8 classificados no Brasileirão Sub-20

0 Comentários
A reinvenção de Brahim Diaz no meio-campo do Milan
Caio Bitencourt

A reinvenção de Brahim Diaz no meio-campo do Milan

0 Comentários
Maduro, o Red Bull Bragantino se aproxima de fazer história
Gabriel de Assis

Maduro, o Red Bull Bragantino se aproxima de fazer história

0 Comentários
Friendly #7 | O novo rico Newcastle, Sports Washing e a ‘era’ de clube-estado
Eduardo Dias

Friendly #7 | O novo rico Newcastle, Sports Washing e a 'era' de clube-estado

0 Comentários
Napoli: O impacto inicial de Anguissa com a camisa partenopei
Caio Bitencourt

Napoli: O impacto inicial de Anguissa com a camisa partenopei

0 Comentários
O Grande Norte e os grandes desafios: o que o futuro reserva para o futebol masculino do Canadá?
Caio Nascimento

O Grande Norte e os grandes desafios: o que o futuro reserva para o futebol masculino do Canadá?

0 Comentários
O agressivo América/MG de Vagner Mancini
Gabriel de Assis

O agressivo América/MG de Vagner Mancini

0 Comentários
O Botafogo/PB em busca de um acesso histórico na Paraíba
Douglas Batista

O Botafogo/PB em busca de um acesso histórico na Paraíba

0 Comentários
A disparidade entre Atlético de Madrid e Barcelona
Bruna Mendes

A disparidade entre Atlético de Madrid e Barcelona

0 Comentários