Por que Éverton 'Cebolinha' ainda não está na Europa?

A idade elevada, o preço, falta de experiência e a necessidade de um time para si. Quais os motivos para Éverton ainda estar no Brasil?

Desde que assumiu a titularidade do Grêmio em 2018, as sondagens para saída de Éverton Cebolinha apenas aumentam. Napoli, Milan, Everton, Atlético de Madrid e alguns outros buscaram informações do extrema do Tricolor.

Faça parte do Footure Club e receba conteúdos exclusivos por R$12 mensais.

Apesar disso, um dos principais atacantes brasileiros parece ainda não passar a confiança para o continente europeu quanto a sua contratação. Buscamos elencar algumas das principais motivações para que isso ocorra. Por que Éverton ainda não está lá?

A idade elevada

Aos 24 anos, Éverton não é mais um “garoto” aos olhos de grandes clubes da Europa. Depois de muitas contratações de atletas com 20/21 anos, tudo mudou. Visando o final da formação dos atletas, é cada vez mais comum observarmos jogadores deixando o Brasil antes de completar 18 anos.

Recentemente, tivemos o caso dos flamenguistas Vinicius Jr. e Reinier e do santista Rodrygo; Além disso, o jogador “mais velho” está na faixa dos 21/22 anos e tem qualidade técnica ainda mais determinante ou vai para um contexto mais propício para seu desenvolvimento, casos de Bruno Guimarães (22) e Arthur Melo (21 à época).

Podcast: The Pitch Invaders #156 | As ideias da base do Grêmio

No Grêmio, um caso parecido com o de Éverton aconteceu há pouco tempo. A não saída de Luan para o Spartak Moscow. Apesar de suas qualidades, o camisa 7 era um jogador bastante específico, tinha idade mais “avançada” comparado aos jovens citados acima e despertava apenas os olhares do Leste Europeu. Então, entraremos no próximo tópico.

O preço pedido pelo Grêmio

É preciso contextualizar o pedido do Grêmio. O clube não detém 100% dos direitos do atleta e, por isso, acaba pedindo um valor maior. Com 60% de Éverton, o Grêmio chegou a pedir €80 milhões aos clubes interessados para que pudesse receber limpos €48 milhões.

Mbappé, Cristiano Ronaldo, Hazard, Griezmann, João Félix, Lukaku, Dembélé e Neymar foram os atacantes que movimentaram mais de €80 milhões nas últimas três janelas de transferência.

Lacazzete, Aubameyang, Morata, Diego Costa, Malcom, Vini Jr., Pulisic, Mahrez, Lozano, Ben Yedder, Haller, Rodrygo e Pepé foram os atacantes que movimentaram mais de €40 milhões nas últimas três janelas de transferência.

Números do Transfermarkt

Pelos jogadores citados e as cifras, podemos ver que a pedida do Grêmio acabou se tornando alta e sem tanta conexão com a realidade do mercado. Apesar dos altos valores conseguidos com Arthur, foram situações e contextos muito diferentes.

A falta de experiência internacional

A artilharia na Copa América 2019 foi, certamente, um dos pontos altos na carreira de Éverton ‘Cebolinha’. O problema é que para o mercado, a competição não é considerada de primeira nível em relação a Eurocopa, por exemplo.

Éverton
A chuteira de ouro na Copa América não é um fator diferencial para os Europeus (Imagem/Getty Image)

Leia mais: Tite busca um “novo Renato Augusto”

Mais adiante, podemos falar sobre Éverton não ter passagens pelas Seleções de Base e isso gera uma insegurança para clubes da elite. “Qual a real consistência do jogador? Por que só foi convocado agora para a principal?”.

Todos os jogadores citados até agora neste artigo eram convocados regularmente por suas seleções – principal ou base.

Um jogador sistema

O Grêmio com Renato Portaluppi sempre teve um jogo bastante coletivo e uma peça individual capaz de decidir nos momentos mais complicados. Depois de Luan, Éverton assumiu esse posto na equipe.

O camisa 11 é capaz de tirar “coelhos da cartola” e fez isso em diversos momentos. Não por acaso, o Tricolor tem cada vez jogado “para Éverton” e não “com Éverton”.

Essa situação tem dois pontos. A favor, desabrochar cada vez mais as qualidades individuais do jogador e mostrar sua capacidade de decidir. Contra, pensando em questões mercadológicas, os clubes podem pensar “será que esse jogador rende apenas quando o time joga para ele?”. Num futebol com menos espaços e de muitas transições, apenas os jogadores fora de série possuem um sistema para chamar de seu.

Qual será o futuro de Éverton?

Por fim, é preciso ressaltar que em nenhum momento o objetivo do autor é diminuir as qualidades do ‘Cebolinha’. Ainda acredito se tratar de um dos jogadores mais determinantes do país e que seria titular em todas as equipes do Brasil.

Leia mais: Bruno Praxedes e Diego Rosa, conheça as novas promessas de Inter e Grêmio

A questão é: será que o Grêmio não está atrapalhando sua saída? O clube sabe que Éverton talvez não seja vendido para a elite do futebol?

E quanto ao jogador: estaria ele disposto a buscar um clube médio da Europa para, então, tentar mostrar seu valor e trazer mais “confiança” dos maiores e poder dar esse salto?

A pandemia do COVID-19 pode aumentar a necessidade do Grêmio vender o atleta e sua saída ser concretizada em breve, mas o futuro ainda é incerto. Caso não saia, seguiremos (muito bem) assistindo aos dribles, assistências e gols de Éverton nos gramados brasileiros.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Gabriel Corrêa

Últimas Postagens

A coerência no Chelsea de Thomas Tuchel e no City de Pep Guardiola
Lucas Filus

A coerência no Chelsea de Thomas Tuchel e no City de Pep Guardiola

0 Comentários
O que fez Darío Sarmiento chamar a atenção do Manchester City?
Dimitri Barcellos

O que fez Darío Sarmiento chamar a atenção do Manchester City?

0 Comentários
Paul Pogba pode ser o primeiro ‘reforço’ do United para a próxima temporada
Lucas Filus

Paul Pogba pode ser o primeiro 'reforço’ do United para a próxima temporada

0 Comentários
A vez da geração 2004: conheça Matheus Nascimento, Cowell, Sesko e Demir
Caio Nascimento

A vez da geração 2004: conheça Matheus Nascimento, Cowell, Sesko e Demir

0 Comentários
Por que João Pedro é a tábua de salvação para o Cagliari
Caio Bitencourt

Por que João Pedro é a tábua de salvação para o Cagliari

0 Comentários
Biotipo, velocidade de raciocínio e tomada de decisão: o que é a intensidade no futebol
Caio Alves

Biotipo, velocidade de raciocínio e tomada de decisão: o que é a intensidade no futebol

0 Comentários
Knappenschmiede: a histórica forja do Schalke 04 em meio a turbulência existencial do clube
Caio Nascimento

Knappenschmiede: a histórica forja do Schalke 04 em meio a turbulência existencial do clube

0 Comentários
Campeão da Copa do Rei, Barcelona domina o Athletic e busca o doblete
Bruna Mendes

Campeão da Copa do Rei, Barcelona domina o Athletic e busca o doblete

0 Comentários
O que a contratação de Alexandre Gallo pode aportar ao Santa Cruz?
Jonatan Cavalcante

O que a contratação de Alexandre Gallo pode aportar ao Santa Cruz?

0 Comentários
4 histórias para se observar na fase de grupos da Libertadores 2021
Dimitri Barcellos

4 histórias para se observar na fase de grupos da Libertadores 2021

0 Comentários
Raúl Bobadilla e Abel Hernández: conheça os novos centroavantes do Fluminense
Gabriel Corrêa

Raúl Bobadilla e Abel Hernández: conheça os novos centroavantes do Fluminense

0 Comentários
Kayky, Galarza, Nestor, Kaiky, Rodrigo Varanda e o semestre animador dos garotos da base brasileira
Caio Nascimento

Kayky, Galarza, Nestor, Kaiky, Rodrigo Varanda e o semestre animador dos garotos da base brasileira

0 Comentários
As transições da Inter que as deixam na cara do gol (e do Scudetto)
Caio Bitencourt

As transições da Inter que as deixam na cara do gol (e do Scudetto)

0 Comentários
Danilo, uma boa dor de cabeça para Abel Ferreira no Palmeiras
Gabriel Corrêa

Danilo, uma boa dor de cabeça para Abel Ferreira no Palmeiras

0 Comentários
Zidane vence jogo de xadrez no El Clásico e aumenta disputa por título na Liga
Bruna Mendes

Zidane vence jogo de xadrez no El Clásico e aumenta disputa por título na Liga

0 Comentários