Éverton Ribeiro: o príncipe da Gávea

Comandando a equipe não só com a braçadeira de capitão, o camisa 7 tem sido o líder técnico do Flamengo em 2019

Dois títulos brasileiros sendo protagonista é para poucos. Éverton Ribeiro conseguiu isso entre 2013 e 2014. Depois de dois vices da Copa do Brasil pelo Coritiba, sendo comandado pela pessoa que fez ele explodir, Marcelo Oliveira, chegou no Cruzeiro. E lá viveu sua melhor fase: dois títulos de Brasileiro, sendo melhor jogador do torneio e ganhando inúmeros prêmios individuais. Merecido, mas nem tudo foi sempre assim…

Everton Ribeiro fez parte do elenco rebaixado do Corinthians em 2007. Fez apenas um jogo na Série B em 2008, foi para o São Caetano e fez bom campeonato em 2009: 29 jogos, 4 gols e 10 assistências. Everton já vinha dando mostras do seu futebol com muita qualidade, se encontrou no meio-campo. Chegou a ser usado como lateral no Corinthians. Rodou no Mundo Árabe e chegou no Flamengo que fazia a sua primeira leva estrelada. No pacote veio Paolo Guerrero, Diego Ribas e Everton. O Flamengo, que tinha bons times, não venceu nada. Foi o time do maldito “cheirinho”, que foi vice do Brasileirão, Copa Sul-Americana e a torcida impaciente pegou bastante no pé. Em 2019, tudo mudou.

A zona de atuação do meia Everton Ribeiro em 2019 (Imagem: SofaScore)

Mesmo no conturbado primeiro semestre da equipe, Everton já dividia o protagonismo com Gabigol e Bruno Henrique. Abel Braga, erroneamente, não conseguia colocar o ótimo Giorgian De Arrascaeta na sua equipe. Mesmo oscilante, Everton liderava a equipe tecnicamente e foi um dos pilares de sustentação da equipe. Chegou Jorge Jesus e o nível subiu ainda mais. 

Everton, hoje, não é o ponta que Abel ou Marcelo Oliveira colocavam em campo. Hoje, é um meia mais central que está no auge da sua maturidade técnica, tática e física. 30 anos de idade e o encontro com Jorge Jesus pode ter sido o melhor da sua carreira. 

Nesse momento é o jogador mais desequilibrante do Flamengo que vai ser o campeão brasileiro com justiça e tenta colocar seu nome na história da Libertadores. É, no elenco, o jogador que mais tem “pré-assistências” que é a bola antes do passe pra gol; acerta 75% dos seus passes para o terço final. Por isso que disse: hoje ele é o jogador mais desequilibrante do Flamengo. Sem ele, o trio de ferro: Gabigol, De Arrascaeta e Bruno Henrique, não tem o mesmo rendimento. O “faixa” é o fiel da balança. Sozinho no meio? Jamais. Outro mérito de Jorge Jesus é o posicionamento de William Arão. Ele era mais área a área, hoje é o leão de chácara da equipe. Sabe a hora de marcar ou soltar a bola e isso ajudou demais Everton. Ribeiro joga mais adiantado, dando a dinâmica com conduções ou passes. Nas conduções lembra muito David Silva, até brinco com isso. Ele organiza o setor junto com Gerson, que é outro mérito de Jesus. 

Os números de Éverton Ribeiro em 2019*:

– 47 passes (81,2% de acerto)

– 2.55 passes longos (56% de acerto)

– 0.24 assistências

– 0.32 assistências esperadas

– 0.19 segundas assistências

– 6.33 passes para o terço final (75% de acerto)

– 4.94 passes para área (60% de acerto)

*Números da WyScout

Ribeiro vai para seu terceiro título de Brasileirão, pode alcançar a primeira Libertadores de sua carreira em que a Seleção Brasileira não faz falta. Sua Seleção são os clubes que lidera tecnicamente, com gols e assistências. Se o Flamengo vencer isso tudo, ele passará por todos os estágios em um clube vencedor: de bater na trave por títulos até encerrar uma temporada perfeita. Em três temporadas, saiu do inferno e pode tocar o céu. Terá seu nome escrito em coisas grandiosas e será alçado a Príncipe da Gávea. Por lá, Rei, só tem um, e ele se chama Arthur Antunes Coimbra.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Mairon Rodrigues

Últimas Postagens

Power in Motion: o projeto de restabelecimento do Dínamo de Moscou
Caio Nascimento

Power in Motion: o projeto de restabelecimento do Dínamo de Moscou

0 Comentários
Em sua primeira final europeia da história, o Villarreal desbanca o Arsenal nas semis da Europa League
Bruna Mendes

Em sua primeira final europeia da história, o Villarreal desbanca o Arsenal nas semis da Europa League

0 Comentários
A coerência no Chelsea de Thomas Tuchel e no City de Pep Guardiola
Lucas Filus

A coerência no Chelsea de Thomas Tuchel e no City de Pep Guardiola

0 Comentários
O que fez Darío Sarmiento chamar a atenção do Manchester City?
Dimitri Barcellos

O que fez Darío Sarmiento chamar a atenção do Manchester City?

0 Comentários
Paul Pogba pode ser o primeiro ‘reforço’ do United para a próxima temporada
Lucas Filus

Paul Pogba pode ser o primeiro 'reforço’ do United para a próxima temporada

0 Comentários
A vez da geração 2004: conheça Matheus Nascimento, Cowell, Sesko e Demir
Caio Nascimento

A vez da geração 2004: conheça Matheus Nascimento, Cowell, Sesko e Demir

0 Comentários
Por que João Pedro é a tábua de salvação para o Cagliari
Caio Bitencourt

Por que João Pedro é a tábua de salvação para o Cagliari

0 Comentários
Biotipo, velocidade de raciocínio e tomada de decisão: o que é a intensidade no futebol
Caio Alves

Biotipo, velocidade de raciocínio e tomada de decisão: o que é a intensidade no futebol

0 Comentários
Knappenschmiede: a histórica forja do Schalke 04 em meio a turbulência existencial do clube
Caio Nascimento

Knappenschmiede: a histórica forja do Schalke 04 em meio a turbulência existencial do clube

0 Comentários
Campeão da Copa do Rei, Barcelona domina o Athletic e busca o doblete
Bruna Mendes

Campeão da Copa do Rei, Barcelona domina o Athletic e busca o doblete

0 Comentários
O que a contratação de Alexandre Gallo pode aportar ao Santa Cruz?
Jonatan Cavalcante

O que a contratação de Alexandre Gallo pode aportar ao Santa Cruz?

0 Comentários
4 histórias para se observar na fase de grupos da Libertadores 2021
Dimitri Barcellos

4 histórias para se observar na fase de grupos da Libertadores 2021

0 Comentários
Raúl Bobadilla e Abel Hernández: conheça os novos centroavantes do Fluminense
Gabriel Corrêa

Raúl Bobadilla e Abel Hernández: conheça os novos centroavantes do Fluminense

0 Comentários
Kayky, Galarza, Nestor, Kaiky, Rodrigo Varanda e o semestre animador dos garotos da base brasileira
Caio Nascimento

Kayky, Galarza, Nestor, Kaiky, Rodrigo Varanda e o semestre animador dos garotos da base brasileira

0 Comentários
As transições da Inter que as deixam na cara do gol (e do Scudetto)
Caio Bitencourt

As transições da Inter que as deixam na cara do gol (e do Scudetto)

0 Comentários