FIM DA LINHA?

Por @vinii_sfc Existe tempo certo para demissão de um treinador? Confesso para vocês que considero uma tarefa de grande responsabilidade responder a esta pergunta aqui no Footure. É um tema extremamente complexo, com várias frentes e argumentações delicadas, pois os cenários nem sempre se repetem de um clube para o outro, de um centro de futebol […]

Por @vinii_sfc

Existe tempo certo para demissão de um treinador? Confesso para vocês que considero uma tarefa de grande responsabilidade responder a esta pergunta aqui no Footure. É um tema extremamente complexo, com várias frentes e argumentações delicadas, pois os cenários nem sempre se repetem de um clube para o outro, de um centro de futebol para outro. A tarefa não é fácil, mas aceitei, porque acredito que esse debate é importante e, como um torcedor do Santos, que viveu há pouco a demissão de um treinador que tinha tudo para permanecer no cargo por muitos anos, é bastante oportuno, além de interessante e motivador.

Inicio o texto fazendo a seguinte pergunta ao leitor: para você, o que é um trabalho de um treinador de futebol e o que define se ele é bom ou ruim? Quem realmente mergulha nos estudos do jogo e não se debruça no reducionismo, provavelmente concorda que o trabalho de um treinador transcende o campo, certo? Não se restringe a escalar e substituir, mas sim um conjunto de tarefas para o clube dentro e fora de campo. Existem diversos exemplos por aí, mas como santista irei utilizar o de Dorival Júnior para ingressar na pauta.

Em julho de 2015 o Santos acertou a volta do treinador para o clube e isso gerou uma série de criticas e elogios, pois o Dorival não era unanimidade entre torcedores, ainda que tivesse feito um grande trabalho em 2010. Dorival chegou com a dura missão de fazer o Santos voltar a produzir um bom futebol, pois naquele instante vinha de seguidas derrotas e o time não tinha a menor organização coletiva em campo. Em poucos dias o novo técnico reorganizou seus comandados e a equipe reencontrou as vitórias. Semanas depois o time já figurava entre os melhores do país, com um futebol vertical e rápido, que punia qualquer erro do adversário. Mas ainda não é dessa questão que gostaria de falar.

Fora de campo, o Santos sofria com atrasos de salários e penava com o pouco poderio financeiro para contratar. A estrutura era crua, o time estava parado no tempo e sua diretoria pouco fazia para melhorar a situação. Com o Dorival a coisa começou a ficar diferente. Ao chegar no clube, o treinador cobrou a melhoria do setor de análise de desempenho – o que já deveria ter sido realizado há anos. Cobrava melhoria diária da estrutura do clube. Segundo divulgado em um estudo acadêmico produzido por um jornalista que cobre o clube, Dorival chegou a tirar do próprio bolso para consertar o motor do portão do CT (e isso, honestamente, eu tenho vergonha de escrever aqui). Fica bem evidenciado o quão bom era seu trabalho dentro e fora de campo.

2016 era um ano de expectativas altas para o clube. Dorival teve toda a pré-temporada para trabalhar, o time respondia em campo e logo alcançou o título de campeão Paulista (não que seja realmente relevante, mas a conquista veio). A expectativa era de brigar pela liderança no Brasileiro, mas com as lesões iniciais e as convocações para os Jogos Olímpicos, tudo se esfriou. Foi complicado: não tínhamos elenco e a situação não era das melhores, mas Dorival trabalhou quieto e o prêmio foi a vice-liderança do Brasileirão, com um orçamento bem abaixo dos demais. O ponto fora da curva foi a eliminação na Copa do Brasil para Internacional, quando o técnico recebeu uma enxurrada de críticas que pressionaram ainda mais seu trabalho.

Em 2017 a situação era de euforia. O Santos fizera boas contratações, teve mais uma pré-temporada sob comando do treinador, mas o clube parecia não estar seguindo na mesma toada. Novos atrasos de premiações e insatisfações de atletas marcaram o primeiro semestre. Era complicado manter a intensidade em campo sabendo que a direção não atuava com a mesma velocidade, mas o Dorival trabalhou… E o time não respondeu. Iniciou-se então toda crise que culminou com a demissão do treinador. Ainda que a troca de comando tenha me incomodado, é preciso admitir que sua gestão já era falha.  Jogadores em má fase eram mantidos em campo. Vitor Bueno mal conseguia andar em campo e seu reserva estava entrando muito bem nas partidas, mas o Dorival optou por dar ao titular um suporte exagerado, comprometendo sua imagem com o grupo. Mudanças eram necessárias, mas o Dorival não quis e o time teve desempenhos ridículos no primeiro semestre. Na Libertadores a equipe permanecia invicta, mas o rendimento não era bom e a torcida já não gostava do que via em campo. E todas as mudanças estruturais que ele fez? Pouco contou na balança que avaliou seu trabalho. O torcedor não quer saber disso. E o legado de bons anos de trabalho? Não entra na conta, porque o que importa é agora.

Se os mesmos fatos tivessem ocorridos em algum clube europeu, certamente Dorival seria mantido no cargo, porque lá há estabilidade. Para os dirigentes e torcedores, o resultadismo, no fim das contas, é quem dá as cartas. É vencer ou vencer. Não importa o que você faça fora de campo e o quão ídolo você seja do clube, você tem que empilhar vitórias. E se não vencer, você é ruim. O consenso é esse. Não deveria, mas é.

E respondendo a pergunta  inicial: não acho que exista tempo certo para demissão de um treinador. Tudo é baseado na sua convicção sobre ele. Se você tem, é possível manter o profissional no cargo mesmo nas piores tempestades. Sem convicção não é possível oferecer ao técnico segurança. Por aqui a convicção é um sonho distante. A analise é condicionado de forma errada, porque se baseia apenas nos resultados de campo, fechando os olhos para o que acontece fora dele. O trabalho é dimensionado por vitórias ou derrotas, o que considero um erro grave. Há claros exemplos na Europa de que a convicção no trabalho do comandante traz grande retorno ao clube. O ideal é que isso fosse o padrão para o futebol brasileiro, mas hoje não passa de um sonho. A dificuldade em profissionalizar um clube é o principal demonstrativo de que a realidade europeia não chegará tão cedo. Seguimos remando contra a maré. Infelizmente.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Últimas Postagens

O caminho da Seleção, as mudanças de Tite e um norte para o Catar
Aurelio Solano

O caminho da Seleção, as mudanças de Tite e um norte para o Catar

0 Comentários
Cinco promessas africanas na base de clubes europeus
Caio Nascimento

Cinco promessas africanas na base de clubes europeus

0 Comentários
Pellegrini: a história dos romanos na Roma continua
Caio Bitencourt

Pellegrini: a história dos romanos na Roma continua

0 Comentários
A afirmação da Espanha e sua nova geração
Bruna Mendes

A afirmação da Espanha e sua nova geração

0 Comentários
Guto Ferreira coloca o Bahia para acelerar
Gabriel de Assis

Guto Ferreira coloca o Bahia para acelerar

0 Comentários
RAIO-X: De onde saem as assistências dos líderes do quesito na Série B
Douglas Batista

RAIO-X: De onde saem as assistências dos líderes do quesito na Série B

0 Comentários
Os destaques dos 8 classificados no Brasileirão Sub-20
Caio Nascimento

Os destaques dos 8 classificados no Brasileirão Sub-20

0 Comentários
A reinvenção de Brahim Diaz no meio-campo do Milan
Caio Bitencourt

A reinvenção de Brahim Diaz no meio-campo do Milan

0 Comentários
Maduro, o Red Bull Bragantino se aproxima de fazer história
Gabriel de Assis

Maduro, o Red Bull Bragantino se aproxima de fazer história

0 Comentários
Friendly #7 | O novo rico Newcastle, Sports Washing e a ‘era’ de clube-estado
Eduardo Dias

Friendly #7 | O novo rico Newcastle, Sports Washing e a 'era' de clube-estado

0 Comentários
Napoli: O impacto inicial de Anguissa com a camisa partenopei
Caio Bitencourt

Napoli: O impacto inicial de Anguissa com a camisa partenopei

0 Comentários
O Grande Norte e os grandes desafios: o que o futuro reserva para o futebol masculino do Canadá?
Caio Nascimento

O Grande Norte e os grandes desafios: o que o futuro reserva para o futebol masculino do Canadá?

0 Comentários
O agressivo América/MG de Vagner Mancini
Gabriel de Assis

O agressivo América/MG de Vagner Mancini

0 Comentários
O Botafogo/PB em busca de um acesso histórico na Paraíba
Douglas Batista

O Botafogo/PB em busca de um acesso histórico na Paraíba

0 Comentários
A disparidade entre Atlético de Madrid e Barcelona
Bruna Mendes

A disparidade entre Atlético de Madrid e Barcelona

0 Comentários