Palmeiras x Flamengo: final imprevisível na Libertadores

As características dos elencos de Palmeiras e Flamengo apontam para um final de muita velocidade e imprevisível.

Palmeiras e Flamengo fazem a final da Libertadores neste sábado, às 17h (horário de Brasília), no Estádio Centenário, em Montevidéu. Com o confronto definido há dois meses, as equipes oscilaram ótimos e péssimos momentos ao longo do período, mas chegam confiantes na decisão. A partida traz dúvidas desde as escalações até a postura dos times.

Pelo lado alviverde, o último ensaio da formação principal foi no último sábado (20), contra o Fortaleza. A equipe contou com: Weverton, Mayke, Gustavo Gómez, Luan e Piquerez; Danilo, Zé Rafael, Gustavo Scarpa, Raphael Veiga e Dudu; Rony. Mayke parece ter ganhado definitivamente a disputa pela vaga de Marcos Rocha, suspenso. Já retorno de Felipe Melo é uma incógnita, visto que o capitão pode entrar no lugar de um dos volantes, opção mais provável, ou de Gustavo Scarpa, para aumentar o poder de marcação do Palestra.

Da parte flamenguista, ao que tudo indica a coisa está mais bem definida. Arrascaeta jogou 32 minutos contra o Grêmio, na última terça-feira (23) e demonstrou estar recuperado de lesão. Assim sendo, o uruguaio tem boas chances de retomar o posto que vinha sendo ocupado por Michael no time titular. Essa, inclusive, é a única dúvida do Flamengo. Renato terá de escolher entre a qualidade na tomada de decisão e a capacidade de jogar em espaço curto do meia estrangeiro ou a explosão, o drible e a maior intensidade sem bola do vice artilheiro do Brasileirão.

O rubro-negro tem dificuldades em realizar suas ações defensivas com regularidade, sempre oscila dentro dos jogos. Ainda assim, podemos esperar o Flamengo marcando alto, cenário em que defende melhor, e tirando o espaço dos volantes do Palmeiras no início do confronto. A intenção é forçar uma bola mais longa, ganhar a disputa a área e recuperar a segunda bola já no campo ofensivo. Com a concentração elevada pela importância da partida, não será surpresa se o time carioca conseguir realizar essa estratégia com mais eficiência e por mais tempo que o habitual, como foi contra o Atlético-MG.

Palmeiras Flamengo Libertadores Footure
Boa pressão do Flamengo. Quando bem feita, é letal para o rubro-negro.

Além disso, será importante para o Flamengo uma rápida e forte reação após a perda da bola. Este é outro momento do jogo no qual a equipe consegue executar muito bem em alguns momentos, porém oscila demais. Felipe Melo, Danilo, Raphael Veiga e Scarpa são capazes de colocar Dudu e Rony em situação de vantagem rapidamente em um contra-ataque. Por fim, a marcação rubro-negra em bloco médio ou baixo precisa ser muito mais intensa do que vem sendo. Hoje, vemos um time passivo, sem morder e oferecendo muitas finalizações.

Quanto ao Palmeiras, é difícil afirmar qual será a altura do bloco de marcação. Tendo em vista as decisões disputadas pelo Alviverde até aqui, podemos esperar de tudo um pouco. Diante das dificuldades do adversário quando bem pressionado, não será surpresa se o time paulista optar por defender com bloco alto em determinados momentos do jogo e recuar em outros. Independentemente da altura da linha defensiva, o fundamental é a equipe voltar a fazer o que faz de melhor com Abel Ferreira: pressionar, roubar, acelerar com Dudu, Rony e aproveitar a chegada de Raphael Veiga.

Palmeiras Flamengo Libertadores Footure
O maior problema defensivo do Palmeiras no últimos jogos e a dificuldade de defender a entrada da área.

A linha de três meias composta por Raphael Veiga, Dudu e Gustavo Scarpa oferece um poder de decisão muito grande, porém deixa a desejar nos aspectos defensivos: pressiona pouco a bola, sobrecarrega os volantes e reage mal após a perda da posse. Isso precisa melhorar para evitar os contragolpes do Flamengo e não dar tempo para o talentoso time rubro-negro pensar.

Renato Gaúcho gosta de um jogo caótico, lá e cá, no qual seu time, mais qualificado que praticamente (ou literalmente) todos os adversários do continente, terá muitas chances de gols e seus ótimos atacantes aproveitarão a maioria. Em contrapartida, Abel Ferreira tenta controlar ao máximo o caos do futebol, correndo o menor risco possível, se defendendo com qualidade e atacando de maneira rápida, direta, por uma rota bem definida. A características dos treinadores e as oscilações das equipes na temporada indicam uma final completamente imprevisível.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Últimas Postagens

Por que a Roma perdeu a mão ao fazer futebol?
Caio Bitencourt

Por que a Roma perdeu a mão ao fazer futebol?

0 Comentários
Silvio Romero: como se movimenta e finaliza as jogadas?
Jonatan Cavalcante

Silvio Romero: como se movimenta e finaliza as jogadas?

0 Comentários
Como funciona o sistema de marcação do Torino de Ivan Juric
Caio Bitencourt

Como funciona o sistema de marcação do Torino de Ivan Juric

0 Comentários
Schick: ‘intruso’ em meio a Lewandowski e Haaland
Gabriel Belo

Schick: 'intruso' em meio a Lewandowski e Haaland

0 Comentários
O potencial do Valencia de Pepe Bordalás
Bruna Mendes

O potencial do Valencia de Pepe Bordalás

0 Comentários
Destaques da Copa São Paulo – Eliminados na primeira fase
Douglas Batista

Destaques da Copa São Paulo - Eliminados na primeira fase

0 Comentários
Cuiabá tem atuação boa e consciente no mercado
Gabriel de Assis

Cuiabá tem atuação boa e consciente no mercado

0 Comentários
Pedro Naressi: acrescenta competitividade e repertório ao Sport
Jonatan Cavalcante

Pedro Naressi: acrescenta competitividade e repertório ao Sport

0 Comentários
O que é um ‘Falso 9’ e quais as diferenças entre os diversos tipos de centroavantes

O que é um 'Falso 9' e quais as diferenças entre os diversos tipos de centroavantes

Aurelio Solano
O encaixe dos reforços do Fluminense e Abel Braga
Gabriel de Assis

O encaixe dos reforços do Fluminense e Abel Braga

0 Comentários
Como Ferran Torres pode ajudar o Barcelona?
Bruna Mendes

Como Ferran Torres pode ajudar o Barcelona?

0 Comentários
As virtudes e vulnerabilidades que Richardson aporta ao Ceará
Jonatan Cavalcante

As virtudes e vulnerabilidades que Richardson aporta ao Ceará

0 Comentários
As perguntas e respostas que fazem evoluir o jogo
Luís Cristovão

As perguntas e respostas que fazem evoluir o jogo

0 Comentários
Cuca deixa o Atlético Mineiro como um dos melhores trabalhos de sua carreira
Gabriel de Assis

Cuca deixa o Atlético Mineiro como um dos melhores trabalhos de sua carreira

0 Comentários
Paulo Sousa: “O futebol é baseado no espaço e tempo”
Renato Gomes

Paulo Sousa: “O futebol é baseado no espaço e tempo”

1 Comentários