FLAMENGO E VITÓRIA EMPATAM EM JOGO MOVIMENTADO NO BARRADÃO

Por @RodrigoCout Vitória e Flamengo empataram por 2×2 no Barradão pela 1ª rodada do Campeonato Brasileiro. Lucas Paquetá e Réver anotaram para o Flamengo. Yago e Denilson fizeram para o Vitória. O jogo teve o time da casa com mais posse de bola pelo tempo que ficou com um homem a mais, mas o clube da […]

Por @RodrigoCout

Vitória e Flamengo empataram por 2×2 no Barradão pela 1ª rodada do Campeonato Brasileiro. Lucas Paquetá e Réver anotaram para o Flamengo. Yago e Denilson fizeram para o Vitória. O jogo teve o time da casa com mais posse de bola pelo tempo que ficou com um homem a mais, mas o clube da Gávea resistiu bem.

Print 03

Sem Neilton, seu principal jogador na temporada, o Vitória foi a campo num 4-2-3-1 com Denilson novamente jogando na referência. O alemão Baumjohann na meia-central, Rhayner e Yago pelos lados. Mesmo com a contratação de Jeferson, Rodrigo Andrade seguiu na lateral-direita. No Flamengo, o técnico interino Mauricio Barbieri resolveu manter a ofensividade da equipe com Lucas Paquetá e Vinicius Jr pelos flancos, e Éverton Ribeiro e Diego pela faixa central do 4-1-4-1.

Campo 01

Gol-relâmpago, pênalti mal marcado e expulsão injusta! Tudo isso aconteceu em menos de dez minutos no movimentado jogo em Salvador. O Flamengo abriu o placar aos 16 segundos. Após uma ligação direta da defesa rubro-negra e a bola mal afastada pela retaguarda do Vitória, Everton Ribeiro ficou com o rebote e teve muito espaço para acionar Vinicius Jr. A jóia rubro-negra deu passe em profundidade e Lucas Paquetá tocou no canto de Caique.

O Flamengo tinha dificuldades pra sair jogando, faltava aproximação e a ligação direta era a solução inicial. Já no campo de ataque, conseguia boas tramas com triangulações pelos lados do campo. Defensivamente sofria para compactar as suas linhas e viu o Vitória criar a sua primeira chance aos nove minutos. Rodrigo Andrade chutou cruzado, Diego Alves defendeu e Rodinei demorou a afastar.

Na cobrança da penalidade Yago empatou aos 12 minutos. Com um a menos, Mauricio Barbieri trouxe Lucas Paquetá para jogar como volante ao lado de Cuellar, abriu Diego na esquerda e Vinicius Jr na direita. Mas Henrique Dourado, muito mal em campo, tinha muitas dificuldades para dominar a bola e o Mais Querido não conseguia sair de seu campo de defesa. O Vitória tentava sufocar. Adiantava a marcação, forçava o chutão e com a bola buscava a aproximação pelos lados do campo.

Campo 02

Mesmo com um a menos, o Flamengo conseguiu levar perigo ao gol do Vitória em duas oportunidades, ambas com Lucas Paquetá, o melhor em campo na primeira etapa. Aos 26’, Mauricio Barbieri sacou Henrique Dourado e colocou Willian Arão para intensificar a marcação pela faixa central e liberar Paquetá para jogar como homem mais adiantado. O time carioca melhorou e manteve um pouco mais a bola no ataque, forçando muitas faltas e tirando a velocidade do jogo. Réver de cabeça quase marcou aos 28’.

Mesmo espaçado e pouco intenso defensivamente, o Vitória aos poucos foi melhorando e enfim trabalhando mais a bola para cansar o time do Flamengo e fazer os espaços aparecem. Denilson fez bela tabela com Baumjohann e chutou para  defesa de Diego Alves. Rhayner também assustou.

Print 02 Print 01

Na volta do intervalo, Vagner Mancini sacou o alemão Baumjohann e colocou Juninho em campo. Rhayner foi jogar como atacante central e o esquema passou a ser o 4-4-2. Assim como no primeiro tempo, a segunda etapa começou movimentada. Uillian Corrêa obrigou Diego Alves a fazer boa defesa na primeira volta do ponteiro. No minuto seguinte foi a vez de Lucas Paquetá puxar contra-ataque e servir Vinicius Jr, mas a finalização saiu ruim.

Aos 10 minutos, Paquetá foi sacado injustamente para a entrada de Geuvânio. Vinicius Jr, que poderia ter sido o escolhido para sair, passou a ser o homem mais avançado. O Flamengo voltou a conseguir ficar mais com a bola do que em outros momentos e novamente esfriou a temperatura do jogo. O Leão parecia sem opção para furar as duas linhas de marcação visitante. Trocava passes de um lado a outro sem penetração e forçava cruzamentos.

Tentando melhorar o poder de articulação da sua equipe, Mancini colocou Guilherme Costa e sacou Pedro Botelho. Juninho foi para a lateral-esquerda. Pouco depois o time visitante marcou o segundo. Diego cobrou falta, Arão em impedimento finalizou, a zaga afastou, e no rebote Geuvânio cruzou para Réver marcar.

A vantagem do Flamengo não durou muito tempo. Já muito cansado pelo tempo em inferioridade numérica perdeu força de marcação e Rhayner teve liberdade para cruzar na cabeça de Denilson. Juan não subiu e o atacante empatou. O Nêgo seguiu pressionando muito a base de cruzamentos para a área. Mauricio Barbieri tirou Vinicius Jr e colocou Pará. Geuvânio virou o atacante de referência e Rodinei foi adiantado para o meio.

Campo 03

No fim o empate acaba sendo justo pela história do jogo. O resultado é bom para o Flamengo pelas circunstâncias e ruim para o Vitória, que não conseguiu ser mais efetivo que o oponente, mesmo mais de 80 minutos com um a mais em campo.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Últimas Postagens

O caminho da Seleção, as mudanças de Tite e um norte para o Catar
Aurelio Solano

O caminho da Seleção, as mudanças de Tite e um norte para o Catar

0 Comentários
Cinco promessas africanas na base de clubes europeus
Caio Nascimento

Cinco promessas africanas na base de clubes europeus

0 Comentários
Pellegrini: a história dos romanos na Roma continua
Caio Bitencourt

Pellegrini: a história dos romanos na Roma continua

0 Comentários
A afirmação da Espanha e sua nova geração
Bruna Mendes

A afirmação da Espanha e sua nova geração

0 Comentários
Guto Ferreira coloca o Bahia para acelerar
Gabriel de Assis

Guto Ferreira coloca o Bahia para acelerar

0 Comentários
RAIO-X: De onde saem as assistências dos líderes do quesito na Série B
Douglas Batista

RAIO-X: De onde saem as assistências dos líderes do quesito na Série B

0 Comentários
Os destaques dos 8 classificados no Brasileirão Sub-20
Caio Nascimento

Os destaques dos 8 classificados no Brasileirão Sub-20

0 Comentários
A reinvenção de Brahim Diaz no meio-campo do Milan
Caio Bitencourt

A reinvenção de Brahim Diaz no meio-campo do Milan

0 Comentários
Maduro, o Red Bull Bragantino se aproxima de fazer história
Gabriel de Assis

Maduro, o Red Bull Bragantino se aproxima de fazer história

0 Comentários
Friendly #7 | O novo rico Newcastle, Sports Washing e a ‘era’ de clube-estado
Eduardo Dias

Friendly #7 | O novo rico Newcastle, Sports Washing e a 'era' de clube-estado

0 Comentários
Napoli: O impacto inicial de Anguissa com a camisa partenopei
Caio Bitencourt

Napoli: O impacto inicial de Anguissa com a camisa partenopei

0 Comentários
O Grande Norte e os grandes desafios: o que o futuro reserva para o futebol masculino do Canadá?
Caio Nascimento

O Grande Norte e os grandes desafios: o que o futuro reserva para o futebol masculino do Canadá?

0 Comentários
O agressivo América/MG de Vagner Mancini
Gabriel de Assis

O agressivo América/MG de Vagner Mancini

0 Comentários
O Botafogo/PB em busca de um acesso histórico na Paraíba
Douglas Batista

O Botafogo/PB em busca de um acesso histórico na Paraíba

0 Comentários
A disparidade entre Atlético de Madrid e Barcelona
Bruna Mendes

A disparidade entre Atlético de Madrid e Barcelona

0 Comentários