GABIGOL E O BANCO

por @maiiron_ Gabigol fez até demais no Santos pela sua idade. 57 gols em 157 jogos, para um menino de 20 anos, é muita coisa. É o maior artilheiro sub-21 do Mundo na atualidade, foi importantíssimo junto com Luan, Neymar e Gabriel Jesus no inédito Ouro Olímpico. O Santos, que atravessa uma crítica crise financeira, viu-se […]

por @maiiron_

Gabigol fez até demais no Santos pela sua idade. 57 gols em 157 jogos, para um menino de 20 anos, é muita coisa. É o maior artilheiro sub-21 do Mundo na atualidade, foi importantíssimo junto com Luan, Neymar e Gabriel Jesus no inédito Ouro Olímpico. O Santos, que atravessa uma crítica crise financeira, viu-se obrigado a vende-lo para a Internazionale. Já a Inter, que tem dinheiro de sobra e planejamento de menos, tinha Frank De Boer no comando técnico. Meses depois trocou para Stefano Pioli. Pioli, para quem não conhece, é um treinador linha dura, que prioriza sempre o tático em detrimento do brilho técnico que um jogador possa vir a ter. Gabigol sentiu isso na pele. Quem joga é Éder, brasileiro naturalizado italiano, que precisa de uma usina para acender uma lâmpada; Perisic, Candreva e, se bobear, Pioli se escala no ataque e põe Gabigol no banco.

Pegam no pé do Gabigol por ter uma personalidade supostamente não adequada, costumam dizer que “gere mal a carreira”. Mas convenhamos, amigos, nossa carreira é bem gerida ou gostamos de apontar o dedo? Implicam tanto com o guri e esquecem do básico: o futebol. Gabigol é superdotado tecnicamente. Isso é um fato. Bate bem na bola, tem uma habilidade incomum e versatilidade para jogar em todas as posições e funções do ataque sem cair a qualidade. No Brasil, o debate vigente é sobre a reação do atacante ao ver Pioli fazendo a terceira substituição e esquecendo mais uma vez do camisa 99. Mas poucos falam do momento atual da Internazionale. Não falam que o Grupo Suning, dos chineses que compraram o clube, não tem planejamento desportivo, que o grupo contrata de baciada, sem nenhuma linha de trabalho. Não falam que a Inter não vencia há sete jogos, que o time, em campo, é pobre técnica e taticamente. Falam sobre o chilique de Gabriel. Essa é a pauta.

Gabriel celebra com Pioli seu único gol anotado com a camisa da Inter
Gabriel celebra com Pioli seu único gol anotado com a camisa da Inter

Gabigol precisa de espaço, precisa jogar em um cenário que contribua para o seu talento, sua capacidade técnica. A Internazionale trata tão mal um jogador que, por incrível que pareça, ainda está em formação. Ele é tão precoce, mas tão precoce, que parece jogar futebol há muitos anos, mas só tem 20 anos. Gabigol é, sem sombra de dúvidas, uma das maiores revelações do futebol nos últimos anos. Pioli transformou seu banco de reservas no divã do Gabigol e ele não merece estar num divã. Gabigol merece palco principal, que é o campo.

Os números de Gabriel. Fonte: Squawka
Os números de Gabriel. Fonte: Squawka
Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Últimas Postagens

O caminho da Seleção, as mudanças de Tite e um norte para o Catar
Aurelio Solano

O caminho da Seleção, as mudanças de Tite e um norte para o Catar

0 Comentários
Cinco promessas africanas na base de clubes europeus
Caio Nascimento

Cinco promessas africanas na base de clubes europeus

0 Comentários
Pellegrini: a história dos romanos na Roma continua
Caio Bitencourt

Pellegrini: a história dos romanos na Roma continua

0 Comentários
A afirmação da Espanha e sua nova geração
Bruna Mendes

A afirmação da Espanha e sua nova geração

0 Comentários
Guto Ferreira coloca o Bahia para acelerar
Gabriel de Assis

Guto Ferreira coloca o Bahia para acelerar

0 Comentários
RAIO-X: De onde saem as assistências dos líderes do quesito na Série B
Douglas Batista

RAIO-X: De onde saem as assistências dos líderes do quesito na Série B

0 Comentários
Os destaques dos 8 classificados no Brasileirão Sub-20
Caio Nascimento

Os destaques dos 8 classificados no Brasileirão Sub-20

0 Comentários
A reinvenção de Brahim Diaz no meio-campo do Milan
Caio Bitencourt

A reinvenção de Brahim Diaz no meio-campo do Milan

0 Comentários
Maduro, o Red Bull Bragantino se aproxima de fazer história
Gabriel de Assis

Maduro, o Red Bull Bragantino se aproxima de fazer história

0 Comentários
Friendly #7 | O novo rico Newcastle, Sports Washing e a ‘era’ de clube-estado
Eduardo Dias

Friendly #7 | O novo rico Newcastle, Sports Washing e a 'era' de clube-estado

0 Comentários
Napoli: O impacto inicial de Anguissa com a camisa partenopei
Caio Bitencourt

Napoli: O impacto inicial de Anguissa com a camisa partenopei

0 Comentários
O Grande Norte e os grandes desafios: o que o futuro reserva para o futebol masculino do Canadá?
Caio Nascimento

O Grande Norte e os grandes desafios: o que o futuro reserva para o futebol masculino do Canadá?

0 Comentários
O agressivo América/MG de Vagner Mancini
Gabriel de Assis

O agressivo América/MG de Vagner Mancini

0 Comentários
O Botafogo/PB em busca de um acesso histórico na Paraíba
Douglas Batista

O Botafogo/PB em busca de um acesso histórico na Paraíba

0 Comentários
A disparidade entre Atlético de Madrid e Barcelona
Bruna Mendes

A disparidade entre Atlético de Madrid e Barcelona

0 Comentários