GABIGOL E O BANCO

por @maiiron_ Gabigol fez até demais no Santos pela sua idade. 57 gols em 157 jogos, para um menino de 20 anos, é muita coisa. É o maior artilheiro sub-21 do Mundo na atualidade, foi importantíssimo junto com Luan, Neymar e Gabriel Jesus no inédito Ouro Olímpico. O Santos, que atravessa uma crítica crise financeira, viu-se […]

por @maiiron_

Gabigol fez até demais no Santos pela sua idade. 57 gols em 157 jogos, para um menino de 20 anos, é muita coisa. É o maior artilheiro sub-21 do Mundo na atualidade, foi importantíssimo junto com Luan, Neymar e Gabriel Jesus no inédito Ouro Olímpico. O Santos, que atravessa uma crítica crise financeira, viu-se obrigado a vende-lo para a Internazionale. Já a Inter, que tem dinheiro de sobra e planejamento de menos, tinha Frank De Boer no comando técnico. Meses depois trocou para Stefano Pioli. Pioli, para quem não conhece, é um treinador linha dura, que prioriza sempre o tático em detrimento do brilho técnico que um jogador possa vir a ter. Gabigol sentiu isso na pele. Quem joga é Éder, brasileiro naturalizado italiano, que precisa de uma usina para acender uma lâmpada; Perisic, Candreva e, se bobear, Pioli se escala no ataque e põe Gabigol no banco.

Pegam no pé do Gabigol por ter uma personalidade supostamente não adequada, costumam dizer que “gere mal a carreira”. Mas convenhamos, amigos, nossa carreira é bem gerida ou gostamos de apontar o dedo? Implicam tanto com o guri e esquecem do básico: o futebol. Gabigol é superdotado tecnicamente. Isso é um fato. Bate bem na bola, tem uma habilidade incomum e versatilidade para jogar em todas as posições e funções do ataque sem cair a qualidade. No Brasil, o debate vigente é sobre a reação do atacante ao ver Pioli fazendo a terceira substituição e esquecendo mais uma vez do camisa 99. Mas poucos falam do momento atual da Internazionale. Não falam que o Grupo Suning, dos chineses que compraram o clube, não tem planejamento desportivo, que o grupo contrata de baciada, sem nenhuma linha de trabalho. Não falam que a Inter não vencia há sete jogos, que o time, em campo, é pobre técnica e taticamente. Falam sobre o chilique de Gabriel. Essa é a pauta.

Gabriel celebra com Pioli seu único gol anotado com a camisa da Inter
Gabriel celebra com Pioli seu único gol anotado com a camisa da Inter

Gabigol precisa de espaço, precisa jogar em um cenário que contribua para o seu talento, sua capacidade técnica. A Internazionale trata tão mal um jogador que, por incrível que pareça, ainda está em formação. Ele é tão precoce, mas tão precoce, que parece jogar futebol há muitos anos, mas só tem 20 anos. Gabigol é, sem sombra de dúvidas, uma das maiores revelações do futebol nos últimos anos. Pioli transformou seu banco de reservas no divã do Gabigol e ele não merece estar num divã. Gabigol merece palco principal, que é o campo.

Os números de Gabriel. Fonte: Squawka
Os números de Gabriel. Fonte: Squawka
Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Mairon Rodrigues

Últimas Postagens

Power in Motion: o projeto de restabelecimento do Dínamo de Moscou
Caio Nascimento

Power in Motion: o projeto de restabelecimento do Dínamo de Moscou

0 Comentários
Em sua primeira final europeia da história, o Villarreal desbanca o Arsenal nas semis da Europa League
Bruna Mendes

Em sua primeira final europeia da história, o Villarreal desbanca o Arsenal nas semis da Europa League

0 Comentários
A coerência no Chelsea de Thomas Tuchel e no City de Pep Guardiola
Lucas Filus

A coerência no Chelsea de Thomas Tuchel e no City de Pep Guardiola

0 Comentários
O que fez Darío Sarmiento chamar a atenção do Manchester City?
Dimitri Barcellos

O que fez Darío Sarmiento chamar a atenção do Manchester City?

0 Comentários
Paul Pogba pode ser o primeiro ‘reforço’ do United para a próxima temporada
Lucas Filus

Paul Pogba pode ser o primeiro 'reforço’ do United para a próxima temporada

0 Comentários
A vez da geração 2004: conheça Matheus Nascimento, Cowell, Sesko e Demir
Caio Nascimento

A vez da geração 2004: conheça Matheus Nascimento, Cowell, Sesko e Demir

0 Comentários
Por que João Pedro é a tábua de salvação para o Cagliari
Caio Bitencourt

Por que João Pedro é a tábua de salvação para o Cagliari

0 Comentários
Biotipo, velocidade de raciocínio e tomada de decisão: o que é a intensidade no futebol
Caio Alves

Biotipo, velocidade de raciocínio e tomada de decisão: o que é a intensidade no futebol

0 Comentários
Knappenschmiede: a histórica forja do Schalke 04 em meio a turbulência existencial do clube
Caio Nascimento

Knappenschmiede: a histórica forja do Schalke 04 em meio a turbulência existencial do clube

0 Comentários
Campeão da Copa do Rei, Barcelona domina o Athletic e busca o doblete
Bruna Mendes

Campeão da Copa do Rei, Barcelona domina o Athletic e busca o doblete

0 Comentários
O que a contratação de Alexandre Gallo pode aportar ao Santa Cruz?
Jonatan Cavalcante

O que a contratação de Alexandre Gallo pode aportar ao Santa Cruz?

0 Comentários
4 histórias para se observar na fase de grupos da Libertadores 2021
Dimitri Barcellos

4 histórias para se observar na fase de grupos da Libertadores 2021

0 Comentários
Raúl Bobadilla e Abel Hernández: conheça os novos centroavantes do Fluminense
Gabriel Corrêa

Raúl Bobadilla e Abel Hernández: conheça os novos centroavantes do Fluminense

0 Comentários
Kayky, Galarza, Nestor, Kaiky, Rodrigo Varanda e o semestre animador dos garotos da base brasileira
Caio Nascimento

Kayky, Galarza, Nestor, Kaiky, Rodrigo Varanda e o semestre animador dos garotos da base brasileira

0 Comentários
As transições da Inter que as deixam na cara do gol (e do Scudetto)
Caio Bitencourt

As transições da Inter que as deixam na cara do gol (e do Scudetto)

0 Comentários