O 'underdog' do Carioca 2021 e do Volta Redonda: Gabriel Pereira

Um dos destaques do Campeonato Carioca, o zagueiro Gabriel Pereira chamou atenção de clube e, por isso, analisamos suas características individuais

O Volta Redonda é conhecido por, frequentemente, revelar bons jogadores em âmbito nacional, como por exemplo: Dedé do Cruzeiro, Marrony do Atlético-MG e Donizete ‘Pantera’ ex-Botafogo. Possui no seu plantel profissional uma joia vindo das categorias de base do clube: Gabriel Pereira. O zagueiro nascido em 2000 foi o principal destaque do Voltaço no Carioca 2021, ao lado de Alef Manga. Inicialmente passou pelo Sampaio Corrêa-RJ e foi captado pela equipe aurinegra em 2019, para integrar o elenco sub-20 do clube.

Características de jogo

Primordialmente, deve se ressaltar qual o contexto em que o atleta se encontra no time e no modelo de jogo proposto. A equipe do Volta Redonda, apesar da excelente campanha no campeonato estadual desse ano, entrou como um time que tentaria dar trabalho aos grandes do campeonato, e não postulante ao título.

Considerando isso, o modelo de jogo passa por ter uma defesa sólida e mais postada em bloco baixo, e que quando recuperar a bola utilizar das bolas longas para saídas em velocidade. Então, alinhado com o modelo da equipe, o zagueiro de 1,89m oferece um excelente timing para realização de desarmes (foi um dos líderes no quesito pelo Carioca 2021), tanto em situações de 1×1, quanto recuperando profundidade. Além disso possui um atributo muito valorizado no alto nível do futebol: a capacidade de ‘desarmar armando’, ou seja, recuperar a bola e já iniciar a transição ofensiva do seu time.

Recuperações em diferentes situações, e iniciação das transições ofensivas.

Já com bola, Gabriel Pereira tem como suas principais virtudes a habilidade tanto para passes que eliminem a pressão, quanto para diagonais longas, variando os corredores e achando os externos em relação de 1×1. Além da qualidade nos passes, nota-se sua ambidestria funcional, ou seja, sua capacidade em executar os movimentos com os dois pés.

Construção com o pé dominante (direito) e não dominante.

Entretanto um ponto a ser melhorado no seu jogo seria o seu ‘senso de urgência’, onde em momentos nem tanto oportunos opta por decisões mais arriscadas ao mais convencional. Em que ao depender do nível de enfrentamento essas falhas podem ser fatais.

Falha em uma tentativa de drible numa situação crítica, apesar da sua recuperação.

Quer conteúdo exclusivo do Footure? Receber desconto nos cursos e na Loja Futeboleiras? Faça parte do Footure Club, clicando aqui.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Últimas Postagens

Geração 2003: quatro joias e quatro contextos diferentes na América do Sul
Caio Nascimento

Geração 2003: quatro joias e quatro contextos diferentes na América do Sul

0 Comentários
Existem perspectivas positivas para o Arsenal?
Lucas Filus

Existem perspectivas positivas para o Arsenal?

0 Comentários
Florian Wirtz: referência técnica do Leverkusen aos 18 anos
Gabriel Belo

Florian Wirtz: referência técnica do Leverkusen aos 18 anos

0 Comentários
Real Sociedad e Real Betis na Europa League: é possível sonhar
Bruna Mendes

Real Sociedad e Real Betis na Europa League: é possível sonhar

0 Comentários
Diego Costa chega chegando e empolga ao lado de Hulk
Gabriel de Assis

Diego Costa chega chegando e empolga ao lado de Hulk

0 Comentários
Conor Gallagher e a busca por protagonismo no Palace
Gabriel Belo

Conor Gallagher e a busca por protagonismo no Palace

0 Comentários
Youth League retorna em 2021/22 com estrelas brilhando
Caio Nascimento

Youth League retorna em 2021/22 com estrelas brilhando

0 Comentários
Lazio: de que forma o Sarrismo pode funcionar na capital?
Caio Bitencourt

Lazio: de que forma o Sarrismo pode funcionar na capital?

0 Comentários
O ótimo começo de Carlos Soler na temporada do Valencia
Bruna Mendes

O ótimo começo de Carlos Soler na temporada do Valencia

0 Comentários
Marcão, André e o Fluminense de volta a briga por Libertadores
Gabriel de Assis

Marcão, André e o Fluminense de volta a briga por Libertadores

0 Comentários
Friendly #6 | A Copa de 2 em 2 anos, FIFA x UEFA, clubes x seleções e mudanças na análise mainstream
Eduardo Dias

Friendly #6 | A Copa de 2 em 2 anos, FIFA x UEFA, clubes x seleções e mudanças na análise mainstream

0 Comentários
O holandês que ajudou a transformar a carreira de Cristiano Ronaldo
Lucas Filus

O holandês que ajudou a transformar a carreira de Cristiano Ronaldo

0 Comentários
Sport: defesa sólida ou percepção quantitativa?
Jonatan Cavalcante

Sport: defesa sólida ou percepção quantitativa?

0 Comentários
O domínio do País Basco na cantera espanhola
Caio Nascimento

O domínio do País Basco na cantera espanhola

0 Comentários
Moise Kean: de volta para o futuro bianconero
Caio Bitencourt

Moise Kean: de volta para o futuro bianconero

0 Comentários