Grafites futeboleiros na Argentina

Gabriel Uchida é um futeboleiro na essência; promove cultura esportiva com uma câmera na mão e um olhar muito sensível sobre o cotidiano popular. Em um pulo rápido no seu site é possível constatar a expressividade e qualidade do seu trabalho. Ele já documentou cultura futeboleira em lugares como Brasil, Cuba, Etiópia e Estados Unidos. […]

Gabriel Uchida é um futeboleiro na essência; promove cultura esportiva com uma câmera na mão e um olhar muito sensível sobre o cotidiano popular. Em um pulo rápido no seu site é possível constatar a expressividade e qualidade do seu trabalho. Ele já documentou cultura futeboleira em lugares como Brasil, Cuba, Etiópia e Estados Unidos. Recentemente Gabriel voltou sua lente a Buenos Aires; mais especificamente à “guerra” de grafites promovida por torcedores dos clubes de lá. O trabalho é apresentado em uma composição horizontal de três fotos que você pode conferir abaixo do texto.

“Para entender a cultura do futebol na Argentina você deve entender as conexões entre bairros”, relata Gabriel, ao explicar o trabalho. A cultura futeboleira na capital argentina, bem como em outras grandes metrópoles como Londres, de fato está diretamente ligada à formação de bairros. O Boca extrapolou os limites do bairro homônimo, mas só lá você encontra a paixão bostera em estado puro. O mesmo vale para Boedo, que depois de tanta luta da população local conseguirá reunir novamente o Carnaval mais efervescente da cidade e o San Lorenzo. Os grafites são uma bela representação dessa relação que o argentino tem com futebol. Por lá a sensação de ser torcedor não é maior que a de pertencimento.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Últimas Postagens

Geração 2003: quatro joias e quatro contextos diferentes na América do Sul
Caio Nascimento

Geração 2003: quatro joias e quatro contextos diferentes na América do Sul

0 Comentários
Existem perspectivas positivas para o Arsenal?
Lucas Filus

Existem perspectivas positivas para o Arsenal?

0 Comentários
Florian Wirtz: referência técnica do Leverkusen aos 18 anos
Gabriel Belo

Florian Wirtz: referência técnica do Leverkusen aos 18 anos

0 Comentários
Real Sociedad e Real Betis na Europa League: é possível sonhar
Bruna Mendes

Real Sociedad e Real Betis na Europa League: é possível sonhar

0 Comentários
Diego Costa chega chegando e empolga ao lado de Hulk
Gabriel de Assis

Diego Costa chega chegando e empolga ao lado de Hulk

0 Comentários
Conor Gallagher e a busca por protagonismo no Palace
Gabriel Belo

Conor Gallagher e a busca por protagonismo no Palace

0 Comentários
Youth League retorna em 2021/22 com estrelas brilhando
Caio Nascimento

Youth League retorna em 2021/22 com estrelas brilhando

0 Comentários
Lazio: de que forma o Sarrismo pode funcionar na capital?
Caio Bitencourt

Lazio: de que forma o Sarrismo pode funcionar na capital?

0 Comentários
O ótimo começo de Carlos Soler na temporada do Valencia
Bruna Mendes

O ótimo começo de Carlos Soler na temporada do Valencia

0 Comentários
Marcão, André e o Fluminense de volta a briga por Libertadores
Gabriel de Assis

Marcão, André e o Fluminense de volta a briga por Libertadores

0 Comentários
Friendly #6 | A Copa de 2 em 2 anos, FIFA x UEFA, clubes x seleções e mudanças na análise mainstream
Eduardo Dias

Friendly #6 | A Copa de 2 em 2 anos, FIFA x UEFA, clubes x seleções e mudanças na análise mainstream

0 Comentários
O holandês que ajudou a transformar a carreira de Cristiano Ronaldo
Lucas Filus

O holandês que ajudou a transformar a carreira de Cristiano Ronaldo

0 Comentários
Sport: defesa sólida ou percepção quantitativa?
Jonatan Cavalcante

Sport: defesa sólida ou percepção quantitativa?

0 Comentários
O domínio do País Basco na cantera espanhola
Caio Nascimento

O domínio do País Basco na cantera espanhola

0 Comentários
Moise Kean: de volta para o futuro bianconero
Caio Bitencourt

Moise Kean: de volta para o futuro bianconero

0 Comentários