Hazard, Griezmann e João Félix: os principais centuriões do futebol espanhol contemporâneo — Hazard

Atlético de Madrid, Barcelona e Real Madrid. Os três espanhóis fizeram contratações de impacto no mercado. Neste primeiro texto, vamos falar sobre Eden Hazard

Na década passada, acompanhamos o futebol com um mercado cada vez mais inflacionado. Diversos fatores influenciam no valor de um jogador e como o time lida com isso é a principal questão, principalmente nos últimos anos. As 10 transferências mais caras da história do futebol aconteceram na última década e no verão passado os três principais clubes espanhóis abriram o cofre para contar com novos craques os colocando dentro dessa lista. Durante essa série iremos falar especificadamente sobre Eden Hazard, Antoine Griezmann e João Félix.

É inegável que Hazard e Griezmann são jogadores já consolidados dentro do cenário e seus valores não são tão questionados de primeiro momento. Com 19 anos na época, João Felix tinha uma grande projeção de carreira e demonstrava que um retorno imediato não seria um problema tão grande também. Entretanto seu valor foi bastante discutido.

Ao fim da temporada como foi o desempenho de cada um? Corresponderam ao investimento? Como foi a adaptação dos três em seus respectivos times? O que o contexto pode justificar? Nessa série vamos analisar e responder essas perguntas.

Eden Hazard

Desde a saída de Cristiano Ronaldo em 2018, o Real Madrid buscava um novo craque para suprir o personagem do português dentro e fora de campo. Nessa ideia, o antigo sonho Eden Hazard foi contratado por 100 milhões de euros e chegou para comandar a equipe ao lado de Benzema.

Hazard terminou a temporada com um gol e sete assistências em 22 jogos. (Foto: Quality Sport Images/Getty Images)

Após uma temporada brilhante com os blues, Hazard saiu pela porta da frente do Stamford Bridge. Campeão da Europa League fazendo dois gols na final, o belga terminou a temporada mais goleadora (21) da sua carreira em alta e pronto para ajudar Zidane.

O interesse mútuo facilitou ainda mais a negociação – além do jogador ter apenas um ano restante no contrato. Sua boa relação com o Chelsea fez com que aceitassem a saída e a oferta merengue – que convenhamos foi ótima para o clube inglês em vista que poderia perdê-lo de graça no ano seguinte.

Imaginando que chegaria ao maior clube do mundo para cooperar com Benzema no último terço, o jogador decepcionou em sua primeira temporada como madridista. Sua adaptação ao time e também a uma nova liga se tornou ainda mais difícil por toda a questão física – além do tático.

Depois de uma pequena lesão muscular que o deixou fora por três jogos, Hazard finalmente conseguiu ter um impacto dentro de campo. Com uma sucessão de boas partidas pela liga, apesar de não se envolver diretamente em gols, a regularidade idealizava que o melhor estaria por vir. Sua partida na vitória do Madrid contra a Real Sociedad foi sua melhor performance –individualmente falando – e na véspera de um jogo importante contra o PSG pela Champions League.

Mesmo sem se envolver diretamente nos gols da equipe, fez ótima partida. As sete faltas sofridas mostra como o jogador é caçado em campo e acaba sendo um fator a pesar na questão física.

Contra o PSG fez uma partida interessante em vista do que a equipe construía, mas depois de uma entrada de Meunier acabou se lesionando. De primeiro momento o camisa 7 iria se recuperar em menos de um mês, mas a real gravidade da lesão o fez ficar fora por mais de 70 dias. Seu retorno não foi dos melhores. Depois de dois meses sem jogar voltou a sentir o tornozelo novamente e uma nova lesão foi detectada. Conclusão no momento: temporada para esquecer e a ideia era se recuperar para chegar bem fisicamente para a próxima, porém o futebol europeu foi paralisado por conta da pandemia.

Depois de passar pela cirurgia no começo de março, o jogador voltou a treinar junto com seus companheiros quando os treinos em grupos voltaram a ser permitidos. Aparentemente 100% recuperado, o ideal seria ganhar ritmo na fase final da liga, ajudando o time a conquistar o título e chegar bem para tentar reverter o resultado contra o Manchester City pela Champions League.

Pensando em todas as expectativas, não conseguiu superar nenhuma. Seu impacto, mesmo que fique claro a importância do jogador em campo, era mínimo. O Real Madrid conseguiu ser campeão espanhol sem precisar exclusivamente de Hazard, o que fica claro como a presença do mesmo facilitaria as coisas. O elenco conseguiu superar os adversários, e com as rotações de Zidane o detrimento em relação ao belga não foi tão sentido como se imaginava.

O padrão para uma superestrela que brilhou tanto na última década não é esse. E é claro que, independente do desempenho coletivo, se tratando de um jogador como Hazard a questão individual incomoda mais do que tudo. A forma como jogava, absurdamente contido, tímido, seja por instruções ou por receio em se lesionar novamente… Como um top 3 playmaker do mundo conseguiu chegar nessa situação? E como o contexto, porte físico, lesões e recursos táticos implicam nisso? A verdade é que os problemas físicos resumem tudo, mas as resistências técnicas também são um problema evidente.

A necessidade que Zidane vê em pontas abdicarem de situações sem a bola prejudica o desempenho do mesmo no após – e isso vale também para Vinícius e Rodrygo. Geralmente perdem posicionamento, arrancadas e dribles são colocados em segundo plano por conta da transição defensiva, o adversário oferece um poder de marcação maior, reduzindo espaços e abusando do combate. A diferença e o ponto principal nessa atribulação é que Hazard nunca foi um primor físico ou algo do tipo, mas o declínio na atual temporada foi marcante para desempenhos tão abaixo do que poderia.

A questão é: Zidane conseguirá recuperar o melhor dele potencializando sua melhor característica? Essa adaptação ao que o técnico quer e o que o jogador pode produzir é bastante controversa. A ideia de limitar um jogador em busca de um modelo, um padrão ou um princípio é uma grande problemática do Real Madrid nos próximos anos de Hazard no Santiago Bernabéu.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Últimas Postagens

O caminho da Seleção, as mudanças de Tite e um norte para o Catar
Aurelio Solano

O caminho da Seleção, as mudanças de Tite e um norte para o Catar

0 Comentários
Cinco promessas africanas na base de clubes europeus
Caio Nascimento

Cinco promessas africanas na base de clubes europeus

0 Comentários
Pellegrini: a história dos romanos na Roma continua
Caio Bitencourt

Pellegrini: a história dos romanos na Roma continua

0 Comentários
A afirmação da Espanha e sua nova geração
Bruna Mendes

A afirmação da Espanha e sua nova geração

0 Comentários
Guto Ferreira coloca o Bahia para acelerar
Gabriel de Assis

Guto Ferreira coloca o Bahia para acelerar

0 Comentários
RAIO-X: De onde saem as assistências dos líderes do quesito na Série B
Douglas Batista

RAIO-X: De onde saem as assistências dos líderes do quesito na Série B

0 Comentários
Os destaques dos 8 classificados no Brasileirão Sub-20
Caio Nascimento

Os destaques dos 8 classificados no Brasileirão Sub-20

0 Comentários
A reinvenção de Brahim Diaz no meio-campo do Milan
Caio Bitencourt

A reinvenção de Brahim Diaz no meio-campo do Milan

0 Comentários
Maduro, o Red Bull Bragantino se aproxima de fazer história
Gabriel de Assis

Maduro, o Red Bull Bragantino se aproxima de fazer história

0 Comentários
Friendly #7 | O novo rico Newcastle, Sports Washing e a ‘era’ de clube-estado
Eduardo Dias

Friendly #7 | O novo rico Newcastle, Sports Washing e a 'era' de clube-estado

0 Comentários
Napoli: O impacto inicial de Anguissa com a camisa partenopei
Caio Bitencourt

Napoli: O impacto inicial de Anguissa com a camisa partenopei

0 Comentários
O Grande Norte e os grandes desafios: o que o futuro reserva para o futebol masculino do Canadá?
Caio Nascimento

O Grande Norte e os grandes desafios: o que o futuro reserva para o futebol masculino do Canadá?

0 Comentários
O agressivo América/MG de Vagner Mancini
Gabriel de Assis

O agressivo América/MG de Vagner Mancini

0 Comentários
O Botafogo/PB em busca de um acesso histórico na Paraíba
Douglas Batista

O Botafogo/PB em busca de um acesso histórico na Paraíba

0 Comentários
A disparidade entre Atlético de Madrid e Barcelona
Bruna Mendes

A disparidade entre Atlético de Madrid e Barcelona

0 Comentários