Hazard, Griezmann e João Félix: os principais centuriões do futebol espanhol contemporâneo — Hazard

Atlético de Madrid, Barcelona e Real Madrid. Os três espanhóis fizeram contratações de impacto no mercado. Neste primeiro texto, vamos falar sobre Eden Hazard

Na década passada, acompanhamos o futebol com um mercado cada vez mais inflacionado. Diversos fatores influenciam no valor de um jogador e como o time lida com isso é a principal questão, principalmente nos últimos anos. As 10 transferências mais caras da história do futebol aconteceram na última década e no verão passado os três principais clubes espanhóis abriram o cofre para contar com novos craques os colocando dentro dessa lista. Durante essa série iremos falar especificadamente sobre Eden Hazard, Antoine Griezmann e João Félix.

É inegável que Hazard e Griezmann são jogadores já consolidados dentro do cenário e seus valores não são tão questionados de primeiro momento. Com 19 anos na época, João Felix tinha uma grande projeção de carreira e demonstrava que um retorno imediato não seria um problema tão grande também. Entretanto seu valor foi bastante discutido.

Ao fim da temporada como foi o desempenho de cada um? Corresponderam ao investimento? Como foi a adaptação dos três em seus respectivos times? O que o contexto pode justificar? Nessa série vamos analisar e responder essas perguntas.

Eden Hazard

Desde a saída de Cristiano Ronaldo em 2018, o Real Madrid buscava um novo craque para suprir o personagem do português dentro e fora de campo. Nessa ideia, o antigo sonho Eden Hazard foi contratado por 100 milhões de euros e chegou para comandar a equipe ao lado de Benzema.

Hazard terminou a temporada com um gol e sete assistências em 22 jogos. (Foto: Quality Sport Images/Getty Images)

Após uma temporada brilhante com os blues, Hazard saiu pela porta da frente do Stamford Bridge. Campeão da Europa League fazendo dois gols na final, o belga terminou a temporada mais goleadora (21) da sua carreira em alta e pronto para ajudar Zidane.

O interesse mútuo facilitou ainda mais a negociação – além do jogador ter apenas um ano restante no contrato. Sua boa relação com o Chelsea fez com que aceitassem a saída e a oferta merengue – que convenhamos foi ótima para o clube inglês em vista que poderia perdê-lo de graça no ano seguinte.

Imaginando que chegaria ao maior clube do mundo para cooperar com Benzema no último terço, o jogador decepcionou em sua primeira temporada como madridista. Sua adaptação ao time e também a uma nova liga se tornou ainda mais difícil por toda a questão física – além do tático.

Depois de uma pequena lesão muscular que o deixou fora por três jogos, Hazard finalmente conseguiu ter um impacto dentro de campo. Com uma sucessão de boas partidas pela liga, apesar de não se envolver diretamente em gols, a regularidade idealizava que o melhor estaria por vir. Sua partida na vitória do Madrid contra a Real Sociedad foi sua melhor performance –individualmente falando – e na véspera de um jogo importante contra o PSG pela Champions League.

Mesmo sem se envolver diretamente nos gols da equipe, fez ótima partida. As sete faltas sofridas mostra como o jogador é caçado em campo e acaba sendo um fator a pesar na questão física.

Contra o PSG fez uma partida interessante em vista do que a equipe construía, mas depois de uma entrada de Meunier acabou se lesionando. De primeiro momento o camisa 7 iria se recuperar em menos de um mês, mas a real gravidade da lesão o fez ficar fora por mais de 70 dias. Seu retorno não foi dos melhores. Depois de dois meses sem jogar voltou a sentir o tornozelo novamente e uma nova lesão foi detectada. Conclusão no momento: temporada para esquecer e a ideia era se recuperar para chegar bem fisicamente para a próxima, porém o futebol europeu foi paralisado por conta da pandemia.

Depois de passar pela cirurgia no começo de março, o jogador voltou a treinar junto com seus companheiros quando os treinos em grupos voltaram a ser permitidos. Aparentemente 100% recuperado, o ideal seria ganhar ritmo na fase final da liga, ajudando o time a conquistar o título e chegar bem para tentar reverter o resultado contra o Manchester City pela Champions League.

Pensando em todas as expectativas, não conseguiu superar nenhuma. Seu impacto, mesmo que fique claro a importância do jogador em campo, era mínimo. O Real Madrid conseguiu ser campeão espanhol sem precisar exclusivamente de Hazard, o que fica claro como a presença do mesmo facilitaria as coisas. O elenco conseguiu superar os adversários, e com as rotações de Zidane o detrimento em relação ao belga não foi tão sentido como se imaginava.

O padrão para uma superestrela que brilhou tanto na última década não é esse. E é claro que, independente do desempenho coletivo, se tratando de um jogador como Hazard a questão individual incomoda mais do que tudo. A forma como jogava, absurdamente contido, tímido, seja por instruções ou por receio em se lesionar novamente… Como um top 3 playmaker do mundo conseguiu chegar nessa situação? E como o contexto, porte físico, lesões e recursos táticos implicam nisso? A verdade é que os problemas físicos resumem tudo, mas as resistências técnicas também são um problema evidente.

A necessidade que Zidane vê em pontas abdicarem de situações sem a bola prejudica o desempenho do mesmo no após – e isso vale também para Vinícius e Rodrygo. Geralmente perdem posicionamento, arrancadas e dribles são colocados em segundo plano por conta da transição defensiva, o adversário oferece um poder de marcação maior, reduzindo espaços e abusando do combate. A diferença e o ponto principal nessa atribulação é que Hazard nunca foi um primor físico ou algo do tipo, mas o declínio na atual temporada foi marcante para desempenhos tão abaixo do que poderia.

A questão é: Zidane conseguirá recuperar o melhor dele potencializando sua melhor característica? Essa adaptação ao que o técnico quer e o que o jogador pode produzir é bastante controversa. A ideia de limitar um jogador em busca de um modelo, um padrão ou um princípio é uma grande problemática do Real Madrid nos próximos anos de Hazard no Santiago Bernabéu.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Bruna Mendes

Últimas Postagens

Power in Motion: o projeto de restabelecimento do Dínamo de Moscou
Caio Nascimento

Power in Motion: o projeto de restabelecimento do Dínamo de Moscou

0 Comentários
Em sua primeira final europeia da história, o Villarreal desbanca o Arsenal nas semis da Europa League
Bruna Mendes

Em sua primeira final europeia da história, o Villarreal desbanca o Arsenal nas semis da Europa League

0 Comentários
A coerência no Chelsea de Thomas Tuchel e no City de Pep Guardiola
Lucas Filus

A coerência no Chelsea de Thomas Tuchel e no City de Pep Guardiola

0 Comentários
O que fez Darío Sarmiento chamar a atenção do Manchester City?
Dimitri Barcellos

O que fez Darío Sarmiento chamar a atenção do Manchester City?

0 Comentários
Paul Pogba pode ser o primeiro ‘reforço’ do United para a próxima temporada
Lucas Filus

Paul Pogba pode ser o primeiro 'reforço’ do United para a próxima temporada

0 Comentários
A vez da geração 2004: conheça Matheus Nascimento, Cowell, Sesko e Demir
Caio Nascimento

A vez da geração 2004: conheça Matheus Nascimento, Cowell, Sesko e Demir

0 Comentários
Por que João Pedro é a tábua de salvação para o Cagliari
Caio Bitencourt

Por que João Pedro é a tábua de salvação para o Cagliari

0 Comentários
Biotipo, velocidade de raciocínio e tomada de decisão: o que é a intensidade no futebol
Caio Alves

Biotipo, velocidade de raciocínio e tomada de decisão: o que é a intensidade no futebol

0 Comentários
Knappenschmiede: a histórica forja do Schalke 04 em meio a turbulência existencial do clube
Caio Nascimento

Knappenschmiede: a histórica forja do Schalke 04 em meio a turbulência existencial do clube

0 Comentários
Campeão da Copa do Rei, Barcelona domina o Athletic e busca o doblete
Bruna Mendes

Campeão da Copa do Rei, Barcelona domina o Athletic e busca o doblete

0 Comentários
O que a contratação de Alexandre Gallo pode aportar ao Santa Cruz?
Jonatan Cavalcante

O que a contratação de Alexandre Gallo pode aportar ao Santa Cruz?

0 Comentários
4 histórias para se observar na fase de grupos da Libertadores 2021
Dimitri Barcellos

4 histórias para se observar na fase de grupos da Libertadores 2021

0 Comentários
Raúl Bobadilla e Abel Hernández: conheça os novos centroavantes do Fluminense
Gabriel Corrêa

Raúl Bobadilla e Abel Hernández: conheça os novos centroavantes do Fluminense

0 Comentários
Kayky, Galarza, Nestor, Kaiky, Rodrigo Varanda e o semestre animador dos garotos da base brasileira
Caio Nascimento

Kayky, Galarza, Nestor, Kaiky, Rodrigo Varanda e o semestre animador dos garotos da base brasileira

0 Comentários
As transições da Inter que as deixam na cara do gol (e do Scudetto)
Caio Bitencourt

As transições da Inter que as deixam na cara do gol (e do Scudetto)

0 Comentários