Jean Pyerre, Thiago Neves e Pepê; e agora, Renato?

No banco de reservas, Jean Pyerre e os outros dois jogadores começam a surgir como possibilidade para sequência do time titular na temporada do Grêmio

O ano de 2020 começou com o Grêmio mudando sua forma de jogar – algo que falaremos mais para frente – a partir de um esquema com três meio-campistas após a entrada de Lucas Silva. Entretanto, três jogadores reservas são pedidos pela torcida e o próprio técnico Renato espera que dois deles recuperem a melhor forma física. Chegou o momento de Jean Pyerre, Thiago Neves e Pepê?

Uma pergunta que apenas Renato Portaluppi tem a resposta, mas nós buscaremos entender os prós e contras a partir da entrada de cada um deles. Como suas características podem agregar na ideia do treinador e quem poderia ser sacado do time?

A velocidade de Pepê

Aos 23 anos, Pepê vive o melhor momento de sua carreira. Foi vice-artilheiro do Grêmio em 2019, artilheiro da Seleção no Torneio Pré-Olímpico em 2020 e segue marcando seus gols na atual temporada.

Um excelente jogador para atacar os espaços – ou seja, receber os passes em profundidade -, Pepê ainda tem demonstrado dificuldades quando o Tricolor enfrenta defesas mais fechadas e próximas da própria meta. Os seus dribles sempre são em velocidade e, diferente de Éverton, não funcionam sempre contra esse tipo marcação. Como dito no parágrafo acima, a sua finalização tem sido um ponto forte. Quando tem oportunidade, sempre cria perigo a meta rival.

O seu concorrente é Alisson, um jogador que busca mais o jogo com toques por dentro. Um dos fatores para o camisa 23 seguir na equipe é sua contribuição no momento defensivo, o que permite que Éverton possa “descansar” um pouco mais do lado oposto. Além disso, é o homem das bolas paradas na equipe de Renato.

Os números de Pepê e Alisson

– Passes (média): 33 / 46

– Dribles (média): 6.49 com 52.3% de acerto / 6.23 com 67%

– Duelos defensivos (média): 2.95 / 4.33

– Recuperações de posse (média): 2.21 / 4.33

– Interceptações: 2.36 / 2.11

Números do WyScout

Qual o fator positivo na entrada de Pepê? A equipe perdeu agressividade no meio após a mudança do 4-2-3-1 para o 4-3-3. Sem meias com características de chegada à área adversária, o extrema seria uma peça para devolver essa características – como podemos observar no Grenal da Libertadores quando chegou perto de abrir o marcador passando por adversários a dribles.

Por outro lado, um possível retorno de Jean Pyerre – ou a entrada de Thiago Neves – para a equipe voltar a atuar no esquema campeão da Copa do Brasil 2016 e Libertadores 2017 exigiriam de Pepê algo que ainda precisa evoluir: seu momento defensivo que, hoje, ainda está abaixo de Alisson.

Um armador ou um meia-atacante?

Renato nunca escondeu a preferência por ter um armador na equipe e, sendo assim, deixou nas entrelinhas que a mudança para o 4-3-3 ocorreu a partir de uma necessidade com a lesão de Jean Pyerre e a falta de ritmo do meia Thiago Neves.

O garoto da base era titular até o problema muscular o afastar por cinco meses dos gramados. Um jogador que gosta de participar do jogo, JP tem como suas principais características os passes que quebram linhas, as inversões de jogo e suas finalizações de fora da área, como podemos acompanhar no vídeo abaixo:

Por gostar de recuar e estar sempre na zona onde está a bola, o modelo do Grêmio poderia variar do 4-2-3-1 para o 4-3-3 com a presença de Jean Pyerre. A equipe poderia ter uma fluidez melhor na circulação da posse e contar com um jogador capaz de deixar Éverton (ou os laterais) sempre em ótimas condições contra os marcadores.

Por outro lado, a chegada de Thiago Neves foi um pedido de Renato Portaluppi. Em mais de uma entrevista, o treinador citou que o ex-cruzeirense seria o jogador ideal para atuar na função de armador da equipe. A questão é: em algum momento ele foi de fato um armador?

Se lembrarmos do Fluminense de 2008, comandado pelo próprio Renato, atrás de Thiago Neves haviam nomes como Darío Conca, Cícero e Arouca, jogadores que participavam mais ativamente da criação das jogadas. O novo camisa 10 do Grêmio, apesar do número, é um atacante. Tem bom chute de média e longa distância, bola parada e pode ser uma arma para aproveitar os cruzamentos entrando na área. Como veremos nos números abaixo, não é um jogador que dá muitos passes ou participa tanto do jogo.

Os números de Thiago Neves e Jean Pyerre

– Passes (média): 36 / 57

– Chutes (média): 2.76 / 2.54

– Gols (média): 0.26 / 0.22

– Assistências (média): 0.15 / 0.18

– Lançamentos (média): 2.21 / 3.09

– Dribles (média): 3.16 / 3.2

Números do WyScout

Dando o próximo passo, a pergunta que fica é: quem sairia para a entrada de um dos meias: Lucas Silva, Matheus Henrique ou Maicon? O primeiro vem conquistando espaço por mostrar boa marcação, ótimos lançamentos e dando fôlego para os outros meias. Matheusinho é jogador com nível de Seleção, o melhor do três. Maicon é o símbolo do atual modelo vencedor do Tricolor, mas tem sofrido com questões físicas e não está suportando os 90 minutos.

Problemas? Não necessariamente. Olhando por outro lado, Renato ganha um elenco mais completo e com características que não tinha em 2019 para voltar a competir por títulos. E para você, qual seria o Grêmio ideal com todos os jogadores a disposição?

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Gabriel Corrêa

Últimas Postagens

A coerência no Chelsea de Thomas Tuchel e no City de Pep Guardiola
Lucas Filus

A coerência no Chelsea de Thomas Tuchel e no City de Pep Guardiola

0 Comentários
O que fez Darío Sarmiento chamar a atenção do Manchester City?
Dimitri Barcellos

O que fez Darío Sarmiento chamar a atenção do Manchester City?

0 Comentários
Paul Pogba pode ser o primeiro ‘reforço’ do United para a próxima temporada
Lucas Filus

Paul Pogba pode ser o primeiro 'reforço’ do United para a próxima temporada

0 Comentários
A vez da geração 2004: conheça Matheus Nascimento, Cowell, Sesko e Demir
Caio Nascimento

A vez da geração 2004: conheça Matheus Nascimento, Cowell, Sesko e Demir

0 Comentários
Por que João Pedro é a tábua de salvação para o Cagliari
Caio Bitencourt

Por que João Pedro é a tábua de salvação para o Cagliari

0 Comentários
Biotipo, velocidade de raciocínio e tomada de decisão: o que é a intensidade no futebol
Caio Alves

Biotipo, velocidade de raciocínio e tomada de decisão: o que é a intensidade no futebol

0 Comentários
Knappenschmiede: a histórica forja do Schalke 04 em meio a turbulência existencial do clube
Caio Nascimento

Knappenschmiede: a histórica forja do Schalke 04 em meio a turbulência existencial do clube

0 Comentários
Campeão da Copa do Rei, Barcelona domina o Athletic e busca o doblete
Bruna Mendes

Campeão da Copa do Rei, Barcelona domina o Athletic e busca o doblete

0 Comentários
O que a contratação de Alexandre Gallo pode aportar ao Santa Cruz?
Jonatan Cavalcante

O que a contratação de Alexandre Gallo pode aportar ao Santa Cruz?

0 Comentários
4 histórias para se observar na fase de grupos da Libertadores 2021
Dimitri Barcellos

4 histórias para se observar na fase de grupos da Libertadores 2021

0 Comentários
Raúl Bobadilla e Abel Hernández: conheça os novos centroavantes do Fluminense
Gabriel Corrêa

Raúl Bobadilla e Abel Hernández: conheça os novos centroavantes do Fluminense

0 Comentários
Kayky, Galarza, Nestor, Kaiky, Rodrigo Varanda e o semestre animador dos garotos da base brasileira
Caio Nascimento

Kayky, Galarza, Nestor, Kaiky, Rodrigo Varanda e o semestre animador dos garotos da base brasileira

0 Comentários
As transições da Inter que as deixam na cara do gol (e do Scudetto)
Caio Bitencourt

As transições da Inter que as deixam na cara do gol (e do Scudetto)

0 Comentários
Danilo, uma boa dor de cabeça para Abel Ferreira no Palmeiras
Gabriel Corrêa

Danilo, uma boa dor de cabeça para Abel Ferreira no Palmeiras

0 Comentários
Zidane vence jogo de xadrez no El Clásico e aumenta disputa por título na Liga
Bruna Mendes

Zidane vence jogo de xadrez no El Clásico e aumenta disputa por título na Liga

0 Comentários