LIBERTADORES ELEVA O NÍVEL DE DIFICULDADE. SARRAFO SÓ DEVE AUMENTAR DAQUI EM DIANTE.

Por Leo Gomide No texto publicado aqui no FOOTURE no dia 23 de janeiro Link abordei sobre a devida atenção que devemos ter para analisar o desempenho de um clube considerado grande em jogos válidos pelo Campeonato Estadual. Na oportunidade, tracei um paralelo entre o que o Atlético havia apresentado contra o Boa Esporte, na estreia do […]

Por Leo Gomide

No texto publicado aqui no FOOTURE no dia 23 de janeiro Link abordei sobre a devida atenção que devemos ter para analisar o desempenho de um clube considerado grande em jogos válidos pelo Campeonato Estadual. Na oportunidade, tracei um paralelo entre o que o Atlético havia apresentado contra o Boa Esporte, na estreia do Mineiro 2019, e um jogo válido pelo Brasileirão do ano passado.

Na última terça-feira (5) o time de Levir Culpi estreou na Copa Libertadores enfrentando o Danubio. O Galo saiu do Uruguai com um empate em 2 a 2, mas criou oportunidades para ter aberto uma vantagem maior para o jogo de volta, marcado para o dia 12 deste mês, em Belo Horizonte. Porém, chamo novamente a atenção para o que foi imposto e exigido pelo adversário ao Atlético durante a partida deste meio de semana.

Como dito no mesmo texto, as ações dentro de um jogo de futebol servem para responder as perguntas que o cenário da partida apresenta. Jogadores agem em cooperação com seus companheiros e em oposição aos adversários. Assim, entram as estratégias de cada time e técnico: quais espaços individual e coletivamente um time deseja ocupar no campo de jogo? Qual o tipo de ação cada jogador terá dentro deste respectivo espaço? Ou seja, mesmo em um jogo que com alto grau de imprevisibilidade, é necessário saber previamente o que fazer, quando, onde e como agir nestes espaços. Seja ao atacar ou defender, o que chamamos de referências de ação e espaço.

E ficou claro que o contexto enfrentado pelo time mineiro esteve bem diferente de jogos como contra Boa e URT, quando o Atlético aplicou goleadas e pouco foi exigido ofensiva e defensivamente. E com estratégias de Danubio e Atlético bastante distintas.

Na estreia pelo Estadual contra o Boa o Atlético não teve em nenhum momento da partida posse de bola inferior ao adversário, no total o número foi de 61% x 39%. Já diante da URT o predomínio da posse esteve com o time do interior apenas entre os 15 e 30 minutos do segundo tempo, sendo no geral 62% x 38%.

Na última terça-feira registrou-se quatro alternâncias de maior posse de bola durante o jogo (veja na imagem 1), algo que o Atlético havia experimentado somente contra o Cruzeiro.

eZy Watermark_07-02-2019_04-49-17PM

Um dos fatores que contribuiu para o time de Levir ter total controle do jogo diante do Boa e da URT foi a passividade dos dois times em tentar retomar a posse da bola já no campo ofensivo. Somando os números da dupla interiorana contra o Atlético, foram 19 recuperações de bola no campo adversário. Já o Danubio, em 90 minutos, conseguiu 17 recuperações no campo defensivo do Atlético (veja na imagem 2).

eZy Watermark_07-02-2019_04-50-18PM

Reflexo da maior pressão exercida pelos uruguaios, principalmente no primeiro tempo, quando chegou a colocar cinco e até seis jogadores no campo ofensivo afim de inibir a construção das jogadas atleticanas (veja na imagem 3).

eZy Watermark_07-02-2019_04-51-12PM

Um comportamento diferente ao do Galo, que adotou a estratégia de recuar as linhas e buscar as retomadas já no campo defensivo, o que chamamos de bloco baixo. Foram nove recuperações no campo do Danubio.

Além de ter alternado a posse de bola com o Atlético durante o jogo, o Danubio soube o que fazer quando tinha o domínio da mesma. Marcelo Méndez, em entrevista ao FOOTURE, havia destacado que sua ideia é de buscar ser o protagonista. Para isso, utiliza-se principalmente de referências estruturais ao atacar o jogo apoiado (formação de mais de uma linha de passe para quem está com a bola), ultrapassagem (opções que se sempre se deslocam à frente da linha da bola). Quando atacou o Atlético, em 13% das vezes o Danubio conseguiu colocar um passe para dentro da grande área, com dois gols convertidos desta forma. (veja imagem 1). Contra Boa e URT estes números foram de 6% e 2,8%, respectivamente.

Porém, a ideia de Méndez em tentar fazer o Danubio ser protagonista, no jogo literal e prático de perguntas e respostas de uma partida de futebol, leva o time uruguaio a assumir riscos. Algo que o Atlético soube explorar para a construção do primeiro gol do jogo.
O Danubio tem como princípio iniciar as jogadas com três atletas no campo defensivo (os zagueiros Renzo Ramirez e Ernesto Goñi, mais o volante Montes, na maioria das vezes). A ideia é desta forma já posicionar os demais sete jogadores no campo ofensivo, abrir linhas de passe já no ataque e caso aconteça a perda da bola ter um número significativo de jogadores para iniciar a pressão no adversário.

Contudo, ao ter um passe neste início de construção da jogada interceptado, os zagueiros estão espaçados e com os laterais e demais meio-campistas adiantados, o que dificulta a transição defensiva. Espaço que Cazares aproveitou para assistir a Ricardo Oliveira (veja imagem na imagem 4).

eZy Watermark_07-02-2019_04-51-48PM

Curiosidade:

Para ilustrar um pouco mais esta ideia de Marcelo Méndez veja o comparativo de passes dos goleiros Victor e Cristoforo, assim como, dos volantes Montes e Adilson. Foram poucas as bolas lançadas com o pé ou mão pelo goleiro do Danubio, ao contrário de Victor. Os passes de Montes mais verticais do que de Adilson. (veja nas imagens). O Atlético buscou um jogo mais direto e acelerando nos espaços deixados pelo Danubio.

eZy Watermark_07-02-2019_04-52-37PM

eZy Watermark_07-02-2019_04-54-38PMeZy Watermark_07-02-2019_04-53-25PM

eZy Watermark_07-02-2019_04-54-06PM

Na próxima semana Atlético e Danubio se reencontram, mas desta vez no Horto. Circunstância que pode fazer com que o Galo seja o time a exercer maior pressão no campo ofensivo, em comportamentos com e sem a bola. Porém, independentemente do que aconteça na partida de volta, ficou evidente que no jogo do Uruguai o sarrafo subiu e a dificuldade foi maior. Exigências que estarão com maior frequência no caminho do Atlético se comparado ao Estadual. Algo destacado por Levir na coletiva: “o Atlético vai subir de produção, tem que subir de produção”.

 

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Footure

Últimas Postagens

Power in Motion: o projeto de restabelecimento do Dínamo de Moscou
Caio Nascimento

Power in Motion: o projeto de restabelecimento do Dínamo de Moscou

0 Comentários
Em sua primeira final europeia da história, o Villarreal desbanca o Arsenal nas semis da Europa League
Bruna Mendes

Em sua primeira final europeia da história, o Villarreal desbanca o Arsenal nas semis da Europa League

0 Comentários
A coerência no Chelsea de Thomas Tuchel e no City de Pep Guardiola
Lucas Filus

A coerência no Chelsea de Thomas Tuchel e no City de Pep Guardiola

0 Comentários
O que fez Darío Sarmiento chamar a atenção do Manchester City?
Dimitri Barcellos

O que fez Darío Sarmiento chamar a atenção do Manchester City?

0 Comentários
Paul Pogba pode ser o primeiro ‘reforço’ do United para a próxima temporada
Lucas Filus

Paul Pogba pode ser o primeiro 'reforço’ do United para a próxima temporada

0 Comentários
A vez da geração 2004: conheça Matheus Nascimento, Cowell, Sesko e Demir
Caio Nascimento

A vez da geração 2004: conheça Matheus Nascimento, Cowell, Sesko e Demir

0 Comentários
Por que João Pedro é a tábua de salvação para o Cagliari
Caio Bitencourt

Por que João Pedro é a tábua de salvação para o Cagliari

0 Comentários
Biotipo, velocidade de raciocínio e tomada de decisão: o que é a intensidade no futebol
Caio Alves

Biotipo, velocidade de raciocínio e tomada de decisão: o que é a intensidade no futebol

0 Comentários
Knappenschmiede: a histórica forja do Schalke 04 em meio a turbulência existencial do clube
Caio Nascimento

Knappenschmiede: a histórica forja do Schalke 04 em meio a turbulência existencial do clube

0 Comentários
Campeão da Copa do Rei, Barcelona domina o Athletic e busca o doblete
Bruna Mendes

Campeão da Copa do Rei, Barcelona domina o Athletic e busca o doblete

0 Comentários
O que a contratação de Alexandre Gallo pode aportar ao Santa Cruz?
Jonatan Cavalcante

O que a contratação de Alexandre Gallo pode aportar ao Santa Cruz?

0 Comentários
4 histórias para se observar na fase de grupos da Libertadores 2021
Dimitri Barcellos

4 histórias para se observar na fase de grupos da Libertadores 2021

0 Comentários
Raúl Bobadilla e Abel Hernández: conheça os novos centroavantes do Fluminense
Gabriel Corrêa

Raúl Bobadilla e Abel Hernández: conheça os novos centroavantes do Fluminense

0 Comentários
Kayky, Galarza, Nestor, Kaiky, Rodrigo Varanda e o semestre animador dos garotos da base brasileira
Caio Nascimento

Kayky, Galarza, Nestor, Kaiky, Rodrigo Varanda e o semestre animador dos garotos da base brasileira

0 Comentários
As transições da Inter que as deixam na cara do gol (e do Scudetto)
Caio Bitencourt

As transições da Inter que as deixam na cara do gol (e do Scudetto)

0 Comentários