Líder, Vítor Pereira vai ganhando tempo no Corinthians

Buscando um melhor rendimento coletivo, o Corinthians vai somando pontos que dão tranquilidade pra Vítor Pereira.

Líder do Brasileirão, do seu grupo na Libertadores e evoluindo gradualmente, o Corinthians está deixando seu torcedor esperançoso. Depois de muita turbulência nos primeiros 40 dias de trabalho de Vítor Pereira, com derrotas em clássicos, eliminação no Paulistão, um revés assustador contra o desconhecido Always Ready-BOL e ameaças da torcida, as última semanas foram mais tranquilas no Timão. Acomodando algumas peças e potencializando outras, o português vai garantindo resultados fundamentais para ganhar tempo.

A palavra “tempo”, inclusive, é a chave para qualquer avaliação sobre o trabalho de VP. Técnico português de nacionalidade, formação e conceitos, enxerga o jogo de maneira coletiva, busca formar equipes agressivas com e sem bola, que mordam o tempo todo, acelerem as jogadas e dominem os espaços principais do terreno de jogo. Contudo, o elenco alvinegro, apesar de muito talentoso, não “casa” com essa ideia por não oferecer o rendimento físico necessário para a execução do modelo. Além dessa dissonância, não há tempo para treinar e desenvolver os conceitos do treinador, o que torna impossível uma evolução rápida do trabalho. Portanto, Vítor Pereira está liderando um processo de evolução mais lento, gradual, mas que começa a aparecer.

Começando pela fase ofensiva, devido a promessa de uma equipe focada no ataque, alguns conceitos foram implementados logo de cara: dois jogadores sempre bem abertos e uma saída de bola com três jogadores (dois zagueiros + um lateral ou meio-campista). Nos primeiros jogos, Vítor manteve a ideia do interino Fernando Lázaro e deixou os jogadores mais soltos em campo, com trocas de posição e aproximações em todos os setores. Aos poucos, vemos um time um pouco mais posicional, no qual determinados espaços do campo devem estar sempre ocupados para criar linhas de passe e manipular a marcação adversária.

Corinthians Vítor Pereira Brasileirão Footure
Jogadores bem abertos dos dois lados e o balanço defensivo com três jogadores. Sem linhas de passe ou espaços criados.

Para além dos conceitos, com bola rolando, o sistema ofensivo ainda não joga com a naturalidade necessária. A ocupação de espaços não está totalmente compreendida e as interações precisam de maior sincronia: qual a rota de ataque, qual espaço cada movimento de cada jogador visa criar, o momento do passe, o jogo em dois toques… Não houve tempo para a implementação de tudo isso. De qualquer forma, o que mais funciona são as triangulações entre lateral, meia e ponta, algo consolidado desde os tempos de Tite.

Vale pontuar a introdução, com parcimônia, do esquema de três zagueiros ao repertório corintiano. Por vezes adotado com propósitos defensivos, como povoar a grande área ou defender melhor a largura do campo, também permite uma melhor distribuição da equipe no momento ofensivo. Quando joga no 4-3-3, há uma rotatividade grande no meio-campo, variando quem busca a bola atrás, quem sobe, tendo menos ocupação da entrelinha (as costas dos volantes rivais), ainda que o grupo possua mais jogadores habilidosos do meio pra frente. Já o time com o trio de zaga se coloca no 3-4-2-1, com dois volantes à frente dos zagueiros como suporte para a iniciação das jogadas, dois meias perto da área, alas espetados que avançam conforme a progressão da equipe e um homem de frente. As tabelas se tornam mais naturais e perde-se menos tempo com compensações.

Corinthians Vítor Pereira Brasileirão Footure
Grande parte dos jogadores caem para o lado da bola para tirar todas as opções do rival

Na hora de defender, a idade de alguns jogadores deixam o time mais pesado e menos combativo, dando mais tempo e espaço para a troca de passes do rival. Por outro lado, já vemos uma compreensão melhor do sistema de marcação, os jogadores protegendo o centro do campo, mas com liberdade de deixarem suas posições para pressionar a bola nas laterais para sufocar o adversário. A transição defensiva também tem sofrido, afinal a reação precisa ser rápida e agressividade tem que ser alta, o que é impossível sem o treinamento e agravado pelas características do elenco. Ainda assim, já sabemos que VP quer recuperar a bola o quanto antes e matar os contragolpes na raiz, lá na frente. Se não der, tem que recompor rápido.

A nível individual, vale destacar Jô. Mais magro e veloz, se consolida como uma opção de bola longa, pivô e presença de área. Já Du Queiroz não fica mais limitado ao papel do primeiro volante, que não é o seu, e tem maior liberdade para pressionar na frente e encostar nos jogadores mais ofensivos. Além disso, Maycon vai ganhando ritmo e demonstando sua capacidade de articulação e chegada na área.

O Corinthians está longe do rendimento ideal, mas os bons resultados vão garantindo tempo e tranquilidade para o desenvolvimento do trabalho. Ao mesmo tempo, os principais concorrentes acumulam tropeços. Nessa toada e com o elenco que tem, não é nenhum absurdo imaginar o Timão brigando até o final pelo título.

Compartilhe
1XBet - Receber Bônus

Comente!

Tem algo a dizer?

Últimas Postagens

O padrão ofensivo das transições do Bahia
Jonatan Cavalcante

O padrão ofensivo das transições do Bahia

0 Comentários
Por que a Juventus de Allegri falhou no caminho das conquistas?
Caio Bitencourt

Por que a Juventus de Allegri falhou no caminho das conquistas?

0 Comentários
Início de Luís Castro no Botafogo merece a euforia da torcida
Gabriel de Assis

Início de Luís Castro no Botafogo merece a euforia da torcida

0 Comentários
Conheça Allan Aal, técnico do Grêmio Novorizontino, surpresa da Série B 2022

Conheça Allan Aal, técnico do Grêmio Novorizontino, surpresa da Série B 2022

Douglas Batista
Uma nova, mas já conhecida, função: o renascer de Léo Baptistão no Santos
Aurelio Solano

Uma nova, mas já conhecida, função: o renascer de Léo Baptistão no Santos

0 Comentários
1XBet - Receber Bônus
Zalewski: a descoberta de Mourinho que mudou a Roma
Caio Bitencourt

Zalewski: a descoberta de Mourinho que mudou a Roma

0 Comentários
Qual o impacto de Maignan no gol do Milan?
Caio Bitencourt

Qual o impacto de Maignan no gol do Milan?

0 Comentários
Retratos de um Real Madrid campeão espanhol e finalista europeu
Bruna Mendes

Retratos de um Real Madrid campeão espanhol e finalista europeu

0 Comentários
Planejado, Coritiba tem seu melhor time dos últimos anos
Gabriel de Assis

Planejado, Coritiba tem seu melhor time dos últimos anos

0 Comentários
O que falta ao Napoli para levantar o Scudetto?
Caio Bitencourt

O que falta ao Napoli para levantar o Scudetto?

0 Comentários
Liderança do Santos chega a partir de melhora defensiva
Gabriel de Assis

Liderança do Santos chega a partir de melhora defensiva

0 Comentários
1XBet - Receber Bônus
Real Betis x Valencia: a final entre Manuel Pellegrini e Pepe Bordalás
Bruna Mendes

Real Betis x Valencia: a final entre Manuel Pellegrini e Pepe Bordalás

0 Comentários
Ten Hag e a missão de reconstruir o Manchester United
Lucas Filus

Ten Hag e a missão de reconstruir o Manchester United

1 Comentários
Coppa Italia: meu bem ou meu mal?
Caio Bitencourt

Coppa Italia: meu bem ou meu mal?

0 Comentários
O Galo que tem tudo para ganhar mais uma vez
Gabriel de Assis

O Galo que tem tudo para ganhar mais uma vez

0 Comentários