Liderança do Santos chega a partir de melhora defensiva

A defesa do Santos melhorou, as primeiras mecânicas ofensivas começam a aparecer e mostram a possibilidade de um Peixe mais competitivo para o resto da temporada.

Fabián Bustos estreou pelo Santos no dia 8 de março contra o Fluminense-PI na Copa do Brasil. Precisou brigar contra o rebaixamento no Paulistão, lidar com desfalques e recebeu alguns reforços para encorpar um elenco, até então, muito curto. Com quase dois meses de trabalho e a liderança do Brasileirão após três rodadas, as ideias do treinador argentino começam a aparecer e mostrar que o time da Vila Belmiro pode ter um norte na temporada.

Tendo sofrido 19 gols em 12 jogos no Campeonato Paulista, a primeira missão de Bustos foi arrumar a defesa, mesmo que isso signifique abrir mão da ofensividade marcante nos principais times da história do Santos. Além de ter recebido o reforço de Maicon para a zaga e dois volantes de maior pegada na marcação, como Rodrigo Fernández e Willian Maranhão, o argentino não tem problemas em baixar as linhas e marcar a partir do meio-campo contra adversário de maior posse de bola ou com a vantagem no placar.

Santos Bustos Brasileirão Footure
Linhas postadas, mas os zagueiros encostam nos atacantes em um encaixe bem curto

Como é comum na América do Sul e característico de Bustos, o Santos vem utilizando encaixes curtos na hora de se defender. Ou seja, se o adversário entrar no setor de um santista, deve ser acompanhado até invadir a região de outro jogador. Cada um protege o seu quadrado. A boa execução desse sistema é muito útil para cortar as linhas de passe curto do rival, forçando bolas mais arriscadas e, consequentemente, erros. Por isso, o Peixe só sofreu um gol (em pênalti mal marcado) em três jogos no Brasileirão.

A evolução do Alvinegro Praiano nesse aspecto é visível com o passar do tempo e o ganho de confiança. As oscilações na agressividade da marcação são menores, ainda que sigam acontecendo e os laterais recebem mais ajuda dos atacantes e dos volantes. Falando nesse crescimento, ele foi muito visível na última partida do Peixe, contra o América-MG, no último domingo (24). Se antes os atletas demoravam a sair de trás e Ângelo puxava contragolpes sozinho ou Marcos Leonardo travava uma batalha solitária contra os zagueiros, na rodada passada vimos uma transição ofensiva bem mais rápida e agressiva, com mais gente chegando na área, vide o segundo gol do volante Zanocelo.

Santos Bustos Brasileirão Footure
Todas as ideias ofensivas do Santos aparecem no primeiro gol contra o Coritba

Além de seguir evoluindo nos aspectos citados acima, é importante que o Santos ganhe maior fluidez em sua fase ofensiva. A proposta é clara: aproveitar ultrapassagens dos laterais e a velocidade de Ângelo, deixar os meias próximos da bola e triangular até chegar no gol ou inverter a bola para o flanco oposto, mais vazio. Esse processo ainda é lento e mostra a necessidade de mais tempo para que os jogadores joguem em dois toques e interpretem os movimentos dos companheiros com maior naturalidade. Não podemos deixar de citar as bolas longas para a dupla de ataque, que correm nas costas das defesas.

É importante manter os pés no chão para que o ambiente na Vila Belmiro não seja atrapalhado por expectativas irreais. O Santos é líder, começa bem o campeonato e demonstra que pode ser competitivo dentro das partidas para fazer uma Série A mais tranquila que o esperado no início da temporada. Mas ainda há muita bola para rolar e é preciso ter convicção no trabalho em desenvolvimento nos momentos de oscilações.

Compartilhe
1XBet - Receber Bônus

Comente!

Tem algo a dizer?

Últimas Postagens

O padrão ofensivo das transições do Bahia
Jonatan Cavalcante

O padrão ofensivo das transições do Bahia

0 Comentários
Por que a Juventus de Allegri falhou no caminho das conquistas?
Caio Bitencourt

Por que a Juventus de Allegri falhou no caminho das conquistas?

0 Comentários
Início de Luís Castro no Botafogo merece a euforia da torcida
Gabriel de Assis

Início de Luís Castro no Botafogo merece a euforia da torcida

0 Comentários
Conheça Allan Aal, técnico do Grêmio Novorizontino, surpresa da Série B 2022

Conheça Allan Aal, técnico do Grêmio Novorizontino, surpresa da Série B 2022

Douglas Batista
Uma nova, mas já conhecida, função: o renascer de Léo Baptistão no Santos
Aurelio Solano

Uma nova, mas já conhecida, função: o renascer de Léo Baptistão no Santos

0 Comentários
1XBet - Receber Bônus
Zalewski: a descoberta de Mourinho que mudou a Roma
Caio Bitencourt

Zalewski: a descoberta de Mourinho que mudou a Roma

0 Comentários
Líder, Vítor Pereira vai ganhando tempo no Corinthians
Gabriel de Assis

Líder, Vítor Pereira vai ganhando tempo no Corinthians

0 Comentários
Qual o impacto de Maignan no gol do Milan?
Caio Bitencourt

Qual o impacto de Maignan no gol do Milan?

0 Comentários
Retratos de um Real Madrid campeão espanhol e finalista europeu
Bruna Mendes

Retratos de um Real Madrid campeão espanhol e finalista europeu

0 Comentários
Planejado, Coritiba tem seu melhor time dos últimos anos
Gabriel de Assis

Planejado, Coritiba tem seu melhor time dos últimos anos

0 Comentários
O que falta ao Napoli para levantar o Scudetto?
Caio Bitencourt

O que falta ao Napoli para levantar o Scudetto?

0 Comentários
1XBet - Receber Bônus
Real Betis x Valencia: a final entre Manuel Pellegrini e Pepe Bordalás
Bruna Mendes

Real Betis x Valencia: a final entre Manuel Pellegrini e Pepe Bordalás

0 Comentários
Ten Hag e a missão de reconstruir o Manchester United
Lucas Filus

Ten Hag e a missão de reconstruir o Manchester United

1 Comentários
Coppa Italia: meu bem ou meu mal?
Caio Bitencourt

Coppa Italia: meu bem ou meu mal?

0 Comentários
O Galo que tem tudo para ganhar mais uma vez
Gabriel de Assis

O Galo que tem tudo para ganhar mais uma vez

0 Comentários